A ciência básica da estrutura, composição e função do menisco humano do joelho | El Paso, TX Médico da Quiropraxia
Dr. Alex Jimenez, Chiropractor de El Paso
Espero que você tenha gostado de nossas postagens de blog em vários tópicos relacionados à saúde, nutrição e lesões. Por favor, não hesite em chamar-nos ou eu mesmo, se tiver dúvidas sobre a necessidade de procurar cuidados. Ligue para o escritório ou para mim. Office 915-850-0900 - Celular 915-540-8444 Agradáveis. Dr. J

A ciência básica da estrutura, composição e função do menisco humano do joelho

Em joelho é uma das articulações mais complexas do corpo humano, consistindo do osso da coxa, do fêmur, do osso da canela ou da tíbia e da rótula, ou patela, entre outros tecidos moles. Os tendões conectam os ossos aos músculos enquanto os ligamentos conectam os ossos da articulação do joelho. Dois pedaços de cartilagem em forma de cunha, conhecidos como menisco, fornecem estabilidade à articulação do joelho. O objetivo do artigo abaixo é demonstrar, bem como discutir a anatomia da articulação do joelho e seus tecidos moles circundantes. 

Abstrato

Background: Informações sobre a estrutura, composição e função dos meniscos do joelho foram espalhadas por múltiplas fontes e campos. Esta revisão contém uma descrição concisa e detalhada dos meniscos do joelho - incluindo anatomia, etimologia, filogenia, ultraestrutura e bioquímica, anatomia vascular e neuroanatomia, função biomecânica, maturação e envelhecimento, e modalidades de imagem.

Aquisição de Evidências: Uma pesquisa bibliográfica foi realizada por uma revisão dos artigos PubMed e OVID publicados da 1858 para 2011.

Resultados: Este estudo destaca as características estruturais, composicionais e funcionais dos meniscos, que podem ser relevantes para apresentações clínicas, diagnósticos e reparos cirúrgicos.

Conclusões: A compreensão da anatomia e biomecânica normal dos meniscos é um pré-requisito necessário para entender a patogênese dos distúrbios que envolvem o joelho.

Palavras-chave: joelho, menisco, anatomia, função

Introdução

Uma vez descrito como um remanescente embrionário sem função, os meniscos 162 são agora conhecidos por serem vitais para a função normal e para a saúde a longo prazo da articulação do joelho.§ Os meniscos aumentam a estabilidade da articulação femorotibial, distribuem a carga axial, absorvem o choque e fornecem lubrificação e nutrição para a articulação do joelho.4,91,152,153

Lesões nos meniscos são reconhecidas como causa de significativa morbidade musculoesquelética. A estrutura única e complexa dos meniscos torna o tratamento e o reparo desafiadores para o paciente, o cirurgião e o fisioterapeuta. Além disso, danos a longo prazo podem levar a alterações articulares degenerativas, como formação de osteófitos, degeneração da cartilagem articular, estreitamento do espaço articular e osteoartrite sintomática.36,45,92 Preservação dos meniscos depende da manutenção de sua composição e organização distintas.

Anatomia dos Meniscos

Etimologia meniscal

A palavra menisco vem da palavra grega mēniskos, que significa “crescente”, diminutivo de mēnē, que significa “lua”.

Filogenia Meniscal e Anatomia Comparada

Os hominídeos exibem características anatômicas e funcionais semelhantes, incluindo um fêmur distal bicondilar, ligamentos cruzados intra-articulares, meniscos e colaterais assimétricos.40,66 Essas características morfológicas similares refletem uma linhagem genética compartilhada que pode ser rastreada mais de 300 milhões de anos.40,66,119

Na linhagem de primatas que leva aos humanos, os hominídeos evoluíram para a posição bipedal aproximadamente 3 a 4 milhões de anos atrás, e por 1.3 milhões de anos atrás, a moderna articulação patelofemoral foi estabelecida (com uma faceta patelar lateral mais longa e uma tróclea lateral femoral correspondente) .164 Tardieu investigaram a transição do bipedismo ocasional para o bipedalismo permanente e observaram que os primatas contêm um menisco fibrocartilagíneo medial e lateral, com o menisco medial sendo morfologicamente semelhante em todos os primatas (em forma de crescente com inserções tibiais 2) .163 Em contraste, o menisco lateral ser mais variável em forma. Único no Homo sapiens é a presença de inserções tibiais 2 - 1 anterior e 1 posterior - indicando uma prática habitual de movimentos de extensão total da articulação do joelho durante as fases de apoio e balanço da marcha bípede. 20,134,142,163,168

Embriologia e Desenvolvimento

A forma característica dos meniscos lateral e medial é obtida entre a 8th e a 10th semana de gestação.53,60 Surgem de uma condensação da camada intermediária do tecido mesenquimal para formar ligações com a cápsula articular circundante.31,87,110 Os meniscos em desenvolvimento são altamente celulares e vascular, com o suprimento sanguíneo entrando pela periferia e se estendendo por toda a largura dos meniscos.31 À medida que o feto continua a se desenvolver, há uma diminuição gradual da celularidade dos meniscos com um aumento concomitante do conteúdo de colágeno em um circunferencial O movimento articular e o estresse pós-natal da descarga de peso são fatores importantes na determinação da orientação das fibras de colágeno. Na idade adulta, apenas o 30,31 periférico a 10% tem suprimento sangüíneo.30

Apesar destas alterações histológicas, a proporção do planalto tibial coberto pelo menisco correspondente é relativamente constante ao longo do desenvolvimento fetal, com os meniscos medial e lateral cobrindo aproximadamente 60% e 80% das áreas de superfície, respectivamente.31

Gross Anatomy

O exame macroscópico dos meniscos do joelho revela um tecido liso e lubrificado (Figura 1). São cunhas em forma de crescente de fibrocartilagem localizadas nos aspectos medial e lateral da articulação do joelho (Figura 2A). A borda vascular periférica (também conhecida como zona vermelha) de cada menisco é espessa, convexa e presa à cápsula articular. A borda mais interna (também conhecida como a zona branca) afunila em uma borda livre e fina. As superfícies superiores dos meniscos são côncavas, permitindo uma articulação efetiva com seus respectivos côndilos femorais convexos. o inferior as superfícies são planas para acomodar o planalto tibial (Figura 1) .28,175

Menisco medial. O menisco medial semicircular mede aproximadamente 35 mm de diâmetro (anterior a posterior) e é significativamente mais largo posteriormente do que anteriormente.175 O corno anterior é anexado ao planalto da tíbia próximo à fossa intercondilar anterior ao ligamento cruzado anterior (LCA). Existe uma variabilidade significativa na localização da ligação do corno anterior do menisco medial. O corno posterior é fixado à fossa intercondilar posterior da tíbia entre o menisco lateral e o ligamento cruzado posterior (LCP; Figuras 1 e 2B) .2B). Johnson e cols. Reexaminaram os locais de inserção tibial dos meniscos e suas relações topográficas com os marcos anatômicos circunvizinhos do joelho. Eles descobriram que os locais de inserção do corno anterior e posterior do menisco medial eram maiores que os do menisco lateral. A área do local de inserção do corno anterior do menisco medial foi a maior geral, medindo 82 mm61.4, enquanto que o corno posterior do menisco lateral foi o menor, em 2 mm28.5

A porção tibial da inserção capsular é o ligamento coronário. Em seu ponto médio, o menisco medial está mais firmemente aderido ao fêmur por meio de uma condensação na cápsula articular conhecida como ligamento colateral medial profundo.175 O ligamento transverso, ou “intermeniscal”, é uma faixa fibrosa de tecido que conecta o corno anterior do menisco medial ao corno anterior do menisco lateral (Figuras 1 e 2A2A).

Menisco lateral. O menisco lateral é quase circular, com uma largura aproximadamente uniforme de anterior para posterior (Figuras 1 e 2A) .2A). Ocupa uma porção maior (~ 80%) da superfície articular do que o menisco medial (~ 60%) e é mais móvel.10,31,165 Ambos os cornos do menisco lateral estão presos à tíbia. A inserção do corno anterior do menisco lateral é anterior à eminência intercondilar e adjacente ao amplo local de ligação do LCA (Figura 2B) .9,83 O corno posterior do menisco lateral insere-se posterior à espinha tibial lateral e logo após a inserção do corno posterior do menisco medial (Figura 2B) .83 O menisco lateral está fracamente ligado ao ligamento capsular; entretanto, essas fibras não se ligam ao ligamento colateral lateral. O corno posterior do menisco lateral liga-se ao aspecto interno do côndilo femoral medial através dos ligamentos meniscofemorais anterior e posterior de Humphrey e Wrisberg, respectivamente, que se originam perto da origem do LCP (Figuras 1 e 22).

Ligamentos meniscofemorais. A literatura relata inconsistências significativas na presença e tamanho de meniscofemoral ligamentos do menisco lateral. Pode não haver nenhum, 1, 2 ou 4.‖ Quando presentes, esses ligamentos acessórios se estendem do corno posterior do menisco lateral para o aspecto lateral do côndilo femoral medial. Eles se inserem imediatamente adjacentes à fixação femoral do LCP (Figuras 1 e 22).

Em uma série de estudos, Harner et al mediram a área transversal dos ligamentos e descobriram que o ligamento meniscofemoral tinha em média 20% do tamanho do LCP (faixa 7% -35%). 69,70 No entanto, o tamanho do ligamento a área de inserção isolada sem o conhecimento do ângulo de inserção ou densidade de colágeno não indica sua força relativa. 115 A função desses ligamentos permanece desconhecida; eles podem puxar o corno posterior do menisco lateral em direção anterior para aumentar a congruência da fossa meniscotibial e do côndilo femoral lateral.75

Ultraestrutura e Bioquímica

Matriz extracelular

O menisco é uma matriz extracelular densa (ECM) composta principalmente de água (72%) e colágeno (22%), interposta com células.9,55,56,77 Proteoglicanos, proteínas não colagenosas e glicoproteínas respondem pelo restante peso seco.¶ As células meniscais sintetizam e mantêm o ECM, que determina as propriedades do material do tecido.

As células dos meniscos são chamadas de fibrocondrócitos porque parecem ser uma mistura de fibroblastos e condrócitos.111,177 As células na camada mais superficial dos meniscos são fusiformes ou fusiformes (mais fibroblásticas), enquanto as células localizadas mais profundamente no os meniscos são ovóides ou poligonais (mais condrocíticos). A morfologia das células 55,56,178 não difere entre as localizações periférica e central dos meniscos.56

Ambos os tipos de células contêm abundante retículo endoplasmático e complexo de Golgi. As mitocôndrias são apenas ocasionalmente visualizadas, sugerindo que a principal via para a produção de energia de fibrocondrócitos em seu meio avascular é provavelmente a glicólise anaeróbica.112

água

Em meniscos normais e saudáveis, o fluido tecidual representa 65% a 70% do peso total. A maior parte da água é retida no tecido nos domínios solventes dos proteoglicanos. O conteúdo de água do tecido meniscal é maior nas áreas posteriores do que nas áreas central ou anterior; amostras de tecido de camadas superficiais e mais profundas tiveram conteúdos semelhantes.135

São necessárias grandes pressões hidráulicas para superar o arrasto da resistência ao atrito de forçar o fluxo de fluido através do tecido meniscal. Assim, as interações entre a água e a estrutura macromolecular da matriz influenciam significativamente as propriedades viscoelásticas do tecido.

Colagens

Os colágenos são os principais responsáveis ​​pela resistência à tração dos meniscos; contribuem com até 75% do peso seco do ECM.77 A MEC é composta principalmente por colágeno tipo I (90% peso seco) com quantidades variáveis ​​dos tipos II, III, V e VI.43,44,80,112,181 A predominância do tipo I o colágeno distingue a fibrocartilagem dos meniscos da cartilagem articular (hialina). Os colágenos são fortemente interligados por hidroxilpiridínio aldeídos.44

O arranjo de fibra de colágeno é ideal para transferir uma carga compressiva vertical para tensões circunferenciais de “arco” (Figura 3). As fibras de colágeno 57 tipo I são orientadas circunferencialmente nas camadas mais profundas do menisco, paralelas à borda periférica. Essas fibras misturam as conexões ligamentares dos cornos meniscais à superfície articular tibial (Figura 3) .10,27,49,156 Na região mais superficial dos meniscos, as fibras do tipo I são orientadas em direção mais radial. Fibras “tie” orientadas radialmente também estão presentes na zona profunda e são entremeadas ou tecidas entre as fibras circunferenciais para fornecer integridade estrutural (Figura 3). is restos lipídicos e corpos calcificados na MEC de meniscos humanos.54 Os corpos calcificados contêm cristais longos e finos de fósforo, cálcio e magnésio na análise roentgenographic da sonda de elétrons.54 A função desses cristais in não completamente compreendido, mas acredita-se que possam desempenhar um papel na inflamação articular aguda e nas artropatias destrutivas.

Proteínas de matriz não colagênica, como a fibronectina, contribuem com 8% a 13% do peso seco orgânico. A fibronectina está envolvida em muitos processos celulares, incluindo reparo tecidual, embriogênese, coagulação sanguínea e migração / adesão celular. A elastina forma menos de 0.6% do peso seco do menisco; sua localização ultraestrutural não é clara. É provável que interaja diretamente com o colágeno para fornecer resiliência ao tecido. **

Proteoglicanos

Localizado dentro de uma rede fina de fibrilas de colágeno, os proteoglicanos são moléculas hidrofílicas grandes e negativamente carregadas, contribuindo com 1% a 2% do peso seco.58 São formados por uma proteína nuclear com 1 ou mais cadeias de glicosaminoglicanos ligados covalentemente (Figura 4) .122 O tamanho destas moléculas é ainda aumentado pela interação específica com o ácido hialurônico.67,72 A quantidade de proteoglicanos no menisco é de um oitavo da cartilagem articular, 2,3 e pode haver considerável variação dependendo do local da amostra e da idade da o paciente.49

Em virtude de sua estrutura especializada, alta densidade de carga fixa e forças de repulsão de carga, os proteoglicanos na MEC são responsáveis ​​pela hidratação e fornecem ao tecido uma alta capacidade de resistir a cargas compressivas. ‡ O perfil de glicosaminoglicano do humano adulto normal o menisco consiste em condroitina-6-sulfato (40%), condroitina-4-sulfato (10% a 20%), dermatan sulfato (20% a 30%) e sulfato de queratina (15%; Figura 4) .65,77,99,159 as concentrações de glicosaminoglicanos são encontradas nos cornos meniscais e na metade interna dos meniscos nas áreas primárias de peso.58,77

O agrecan é o principal proteoglicano encontrado nos meniscos humanos e é amplamente responsável por suas propriedades compressivas viscoelásticas (Figura 5). Proteoglicanos menores, como decorim, biglicano e fibromodulina, são encontrados em quantidades menores.124,151 A hexosamina contribui com 1% para o peso seco da ECM.57,74 As funções precisas de cada um desses pequenos proteoglicanos no menisco ainda não foram completamente elucidadas.

Glicoproteínas da Matriz

A cartilagem meniscal contém uma gama de glicoproteínas da matriz, as identidades e funções ainda não determinadas. Eletroforese e subsequente coloração dos géis de poliacrilamida revela bandas com pesos moleculares que variam de alguns kilodaltons a mais do que 200 kDa.112 Estas moléculas da matriz incluem as proteínas de ligação que estabilizam agregados de ácido proteoglicano-ácido hialurônico e uma proteína 116-kDa de função desconhecida.46 Essa proteína reside na matriz na forma do ligação por dissulfeto complexo de alto peso molecular.46 Estudos de imunolocalização sugerem que ele está predominantemente localizado ao redor dos feixes de colágeno na matriz interterritorial.47

As glicoproteínas adesivas constituem um subgrupo das glicoproteínas da matriz. Estas macromoléculas são parcialmente responsáveis ​​pela ligação com outras moléculas da matriz e / ou células. Essas moléculas de adesão intermolecular são, portanto, componentes importantes na organização supramolecular das moléculas extracelulares do menisco.150 Três moléculas foram identificadas dentro do menisco: colágeno tipo VI, fibronectina e trombospondina.112,118,181

Anatomia Vascular

O menisco é uma estrutura relativamente avascular com um suprimento limitado de sangue periférico. As artérias geniculares medial, lateral e média (ramo WOW! a artéria poplítea) fornece a vascularização maior para os aspectos inferior e superior de cada menisco (Figura 5) .9,12,33-35,148 A artéria geniculada média é um pequeno ramo posterior que perfura o ligamento poplíteo oblíquo no canto póstero-medial da articulação tibiofemoral. UMA premeniscal A rede capilar que surge dos ramos destas artérias origina-se nos tecidos sinoviais e capsulares do joelho ao longo da periferia dos meniscos. Os 10 periféricos% a 30% da borda do menisco medial e 10% a 25% do menisco lateral são relativamente bem vascularizados, o que tem implicações importantes para a cicatrização do menisco (Figura 6) .12,33,68 Os vasos endoligamentares dos cornos anterior e posterior viajam curta distância na substância dos meniscos e formar laços terminais, fornecendo uma rota direta para alimentação.33 A porção remanescente de cada menisco (65% a 75%) recebe nutrição do líquido sinovial via difusão ou bombeamento mecânico (isto é, movimento articular) .116,120

Bird e Sweet examinaram os meniscos de animais e humanos usando microscopia eletrônica de varredura e luz. 23,24 Eles observaram estruturas parecidas com canais se abrindo profundamente na superfície dos meniscos. Esses canais podem desempenhar um papel no transporte de fluido dentro do menisco e podem transportar nutrientes do líquido sinovial e dos vasos sanguíneos para as seções avasculares do menisco.23,24 No entanto, mais estudos são necessários para elucidar o mecanismo exato pelo qual o movimento mecânico fornece nutrição para a porção avascular dos meniscos.

Neuroanatomia

A articulação do joelho é inervada pelo ramo articular posterior do nervo tibial posterior e os ramos terminais dos nervos obturatório e femoral. A porção lateral da cápsula é inervada pelo ramo peroneal recorrente do nervo peroneal comum. Essas fibras nervosas penetram na cápsula e acompanham o suprimento vascular para a porção periférica dos meniscos e os cornos anteriores e posteriores, onde a maioria das fibras nervosas está concentrada.52,90 O terço externo do corpo do menisco é mais densamente inervado do que o terço médio.183,184 Durante os extremos de flexão e extensão do joelho, os cornos meniscais são estressados, e a entrada aferente é provavelmente maior nessas posições extremas.183,184

Os mecanorreceptores dentro dos meniscos funcionam como transdutores, convertendo o estímulo físico de tensão e compressão em um impulso nervoso elétrico específico. Estudos de meniscos humanos identificaram mecanoreceptores 3 morfologicamente distintos: terminações de Ruffini, corpúsculos de Pacini e órgãos tendinosos de Golgi ‡‡ Os mecanorreceptores tipo I (Ruffini) apresentam baixo limiar e se adaptam lentamente às mudanças na deformação e pressão articular. Os mecanorreceptores do tipo II (pacinianos) têm baixo limiar e adaptam-se rapidamente às trocas de tensão.§§ O tipo III (Golgi) é um mecanoceptor de alto limiar que sinaliza quando a articulação do joelho se aproxima da amplitude terminal de movimento e está associada à inibição neuromuscular. Esses elementos neurais foram encontrados em maior concentração nos cornos meniscais, particularmente no corno posterior.

Os componentes assimétricos do joelho atuam em conjunto como um tipo de transmissão biológica que aceita, transfere e dissipa cargas ao longo do fêmur, tíbia, patela e fêmur. Os ligamentos 41 atuam como uma ligação adaptativa, com os meniscos representando os rolamentos móveis. Diversos estudos relatam que vários componentes intra-articulares do joelho são sensatos, capazes de gerar sinais neurossensoriais que atingem os níveis espinhais, cerebelares e superiores do sistema nervoso central. Acredita-se que esses sinais neurossensoriais resultam em percepção consciente e são importantes para função normal da articulação do joelho e manutenção da homeostase tecidual.42

Dr Jimenez White Coat

O menisco é cartilagem que fornece integridade estrutural e funcional ao joelho. Os meniscos são duas almofadas de tecido fibrocartilaginoso que espalham o atrito na articulação do joelho quando ele sofre tensão e torção entre a canela. osso, ou tíbia e osso da coxa ou fêmur. A compreensão da anatomia e biomecânica da articulação do joelho é essencial para a compreensão das lesões e / ou condições do joelho. 

Dr. Alex Jimenez DC, Insight CCST

Função Biomecânica

A função biomecânica do menisco é um reflexo da anatomia macroscópica e ultraestrutural e da sua relação com as estruturas intra-articulares e extra-articulares circundantes. Os meniscos servem a muitas funções biomecânicas importantes. Contribuem para a transmissão de carga, ¶¶ absorção de choque, estabilidade 10,49,94,96,170, nutrição 51,100,101,109,155, lubrificação conjunta 23,24,84,141, 102-104,141 e propriocepção.5,15,81,88,115,147 Eles também servem para diminuir as tensões de contato e aumentar a área de contato e a congruência do joelho.91,172

Cinemática Meniscal

Em um estudo sobre a função ligamentar, Brantigan e Voshell relataram o menisco medial para mover uma média 2 mm, enquanto o menisco lateral foi marcadamente mais móvel com aproximadamente 10 mm de deslocamento anterior-posterior durante a flexão.25 Similarmente, DePalma relatou que o menisco medial sofre 3 mm de deslocamento ântero-posterior, enquanto o menisco lateral se move 9 mm durante a flexão .37 Em um estudo usando joelhos cadavéricos 5, Thompson et al relataram que a excursão medial média era 5.1 mm (média dos cornos anteriores e posteriores) e a excursão lateral média, 11.2 mm, juntamente a superfície articular da tíbia (Figura 7) .165 Os achados desses estudos confirmam uma diferença significativa no movimento segmentar entre os meniscos medial e lateral. A relação do menisco lateral anterior e posterior do corno é menor e indica que o menisco se move mais como uma única unidade.165 Alternativamente, o menisco medial (como um todo) se move menos que o menisco lateral, exibindo uma excursão diferencial maior anterior a posterior. Thompson et al descobriram que a área de menor movimento meniscal é o canto medial posterior, onde o menisco é limitado pela sua fixação ao platô tibial pelo meniscotibial porção do ligamento oblíquo posterior, que tem sido relatada como mais propensa à lesão. 143,165 A redução no movimento do corno posterior do menisco medial é um mecanismo potencial para rupturas meniscais, com um “aprisionamento” resultante da fibrocartilagem entre o côndilo femoral e o platô tibial durante a flexão total. O maior diferencial entre a excursão anterior e posterior do corno pode colocar o menisco medial em um risco maior de lesão.165

O diferencial do movimento do corno anterior ao corno posterior permite que os meniscos assumam um raio decrescente com flexão, que se correlaciona com a diminuição do raio de curvatura dos côndilos femorais posteriores.165 Esta mudança de raio permite que o menisco mantenha contato com a superfície articular do tanto o fêmur quanto a tíbia durante a flexão.

Transmissão de Carga

A função dos meniscos foi clinicamente inferida pelas mudanças degenerativas que acompanham sua remoção. Fairbank descreveu o aumento da incidência e as alterações degenerativas previsíveis das superfícies articulares em joelhos completamente meniscectomizados.45 Desde este trabalho inicial, numerosos estudos confirmaram esses achados e estabeleceram ainda mais o importante papel do menisco como estrutura protetora de suporte.

O levantamento de peso produz forças axiais ao longo do joelho, que comprimem os meniscos, resultando em tensões circulares. Circunferências do bastidor são geradas como forças axiais e convertidas em tensões de tração ao longo das fibras colágenas circunferenciais do menisco (Figura 170). Ligações firmes dos ligamentos inseridos anterior e posterior impedem o menisco de extrudir perifericamente durante o suporte de carga. Estudos da 8 por Seedhom e Hargreaves relataram que 94% da carga no compartimento lateral e 70% da carga no compartimento medial são transmitidos através do meniscos.50 Os meniscos transmitem 153% de carga compressiva através dos cornos posteriores em extensão, com 50% de transmissão a 85 ° de flexão.90 Radin et al demonstraram que essas cargas estão bem distribuídas quando os meniscos estão íntegros.172 No entanto, a remoção do o menisco medial resulta em uma redução de 137% a 50% na área de contato do côndilo femoral e um aumento de 70% no estresse de contato.100 A meniscectomia lateral total resulta em uma redução de 4,50,91% a 40% na área de contato e aumenta o estresse de contato no componente lateral 50% a 200% do normal.300 Isso aumenta significativamente a carga por unidade de área e pode contribuir para a aceleração da cartilagem articular dano e degeneração.18,50,76,91

Absorção de impacto

Os meniscos desempenham um papel vital na atenuação das ondas de choque intermitentes geradas pela carga de impulso do joelho com normal gait.94,96,153 Voloshin e Wosk mostraram que o joelho normal tem uma capacidade de absorção de choque de 20% maior que os joelhos que sofreram meniscectomia.170 Como a incapacidade de um sistema articular de absorver o choque tem sido implicada no desenvolvimento da osteoartrite, o menisco parece desempenhar um papel importante na manutenção da saúde da articulação do joelho.138

Estabilidade Conjunta

A estrutura geométrica dos meniscos fornece um importante papel na manutenção da congruência e estabilidade articular. A superfície superior de cada menisco é côncava, permitindo uma articulação efetiva entre os côndilos femorais convexos e o planalto tibial plano. Quando o menisco está intacto, a carga axial do joelho tem uma função de estabilização multidirecional, limitando o excesso de movimento em todas as direções.9

Markolf e colegas abordaram o efeito da meniscectomia na frouxidão do joelho anteroposterior e rotacional. A meniscectomia medial no joelho intacto do LCA tem pouco efeito no movimento ântero-posterior, mas no joelho deficiente no LCA, resulta em um aumento da translação tibial ântero-posterior de até 58% no 90o de flexão.109 Shoemaker and Markolf demonstraram que o corno posterior do menisco medial é a estrutura mais importante que resiste a uma força tibial anterior no joelho deficiente do LCA.155 Allen et al mostraram que a força resultante no menisco medial do joelho deficiente do LCA aumentou em 52% em extensão total e por 197% a 60 ° de flexão sob uma carga tibial anterior 134-N.7 As grandes mudanças na cinemática devido à meniscectomia medial no joelho com deficiência do LCA confirmam o importante papel do menisco medial na estabilidade do joelho. Recentemente, Musahl e cols. Relataram que o menisco lateral desempenha um papel na translação anterior da tíbia durante a manobra de pivot shift.123

Nutrição e Lubrificação Conjunta

Os meniscos também podem desempenhar um papel na nutrição e lubrificação da articulação do joelho. A mecânica desta lubrificação permanece desconhecida; os meniscos podem comprimir o líquido sinovial na cartilagem articular, o que reduz as forças de atrito durante suporte de peso. 13

Existe um sistema de microcanais dentro do menisco localizado próximo aos vasos sanguíneos, que se comunica com a cavidade sinovial; estes podem fornecer transporte de fluidos para nutrição e lubrificação das articulações.23,24

Propriocepção

A percepção do movimento articular e posição (propriocepção) é mediada por mecanorreceptores que transduzem a deformação mecânica em sinais neurais elétricos. Os mecanorreceptores foram identificados nos cornos anteriores e posteriores dos meniscos. *** Os mecanorreceptores de adaptação rápida, como os corpúsculos de Pacini, mediam a sensação de movimento articular e receptores de adaptação lenta, como as terminações de Ruffini e o tendão de Golgi. Acredita-se que os órgãos medeiam a sensação de posição articular.140 A identificação desses elementos neurais (localizados principalmente no terço médio e externo do menisco) indica que os meniscos são capazes de detectar informações proprioceptivas na articulação do joelho, desempenhando assim um papel importante. importante papel aferente no mecanismo de feedback sensorial do joelho.61,88,90,158,169

Maturação e Envelhecimento do Menisco

A microanatomia do menisco é complexa e certamente demonstra mudanças senescentes. Com o avançar da idade, o menisco torna-se mais rígido, perde elasticidade e fica amarelo.78,95 Microscopicamente, há uma perda gradual de elementos celulares com espaços vazios e um aumento no tecido fibroso em comparação com o tecido elástico.74 Estas áreas císticas podem iniciar uma rotura e com uma força de torção pelo côndilo femoral, as camadas superficiais do menisco podem se desprender da camada profunda na interface da alteração degenerativa cística, produzindo uma ruptura na clivagem horizontal. O cisalhamento entre essas camadas pode causar dor. O menisco rompido pode ferir diretamente a cartilagem articular sobrejacente.74,95

Ghosh e Taylor descobriram que a concentração de colágeno aumentou desde o nascimento até os anos 30 e permaneceu constante até os 80 anos de idade, após o qual ocorreu um declínio.58 As proteínas da matriz não colágena apresentaram as mudanças mais profundas, diminuindo de 21.9% ± 1.0% (peso seco) em recém-nascidos a 8.1% ± 0.8% entre as idades de 30 a 70.80 Após os 70 anos de idade, os níveis de proteína da matriz não colagénica aumentaram para 11.6% ± 1.3%. Peters e Smillie observaram um aumento na hexosamina e no ácido urônico com a idade.131

McNicol e Roughley estudaram a variação de proteoglicanos meniscais em aging113; pequenas diferenças na capacidade de extração e tamanho hidrodinâmico foram observadas. As proporções de sulfato de queratina em relação ao sulfato de condroitina-6 aumentaram com o envelhecimento.146

Petersen e Tillmann investigaram imuno-histoquimicamente meniscos humanos (variando de 22 semanas de gestação a 80 anos), observando a diferenciação de vasos sanguíneos e linfáticos em cadáveres humanos 20. No momento do nascimento, quase todo o menisco foi vascularizado. No segundo ano de vida, desenvolveu-se uma área avascular na circunferência interna. Na segunda década, os vasos sanguíneos estavam presentes no terço periférico. Após 50 anos de idade, apenas o quarto periférico da base meniscal foi vascularizado. O tecido conjuntivo denso da inserção foi vascularizado, mas não a fibrocartilagem da inserção. Vasos sanguíneos foram acompanhados por vasos linfáticos em todas as áreas. †††

Arnoczky sugeriu que o peso corporal e o movimento da articulação do joelho podem eliminar os vasos sangüíneos nos aspectos interno e médio dos meniscos. A nutrição do tecido meniscal do 9 ocorre por meio da perfusão dos vasos sanguíneos e pela difusão do líquido sinovial. Um requisito para a nutrição via difusão é o carregamento e liberação intermitentes nas superfícies articulares, enfatizados pelo peso corporal e pelas forças musculares.130 O mecanismo é comparável com a nutrição da cartilagem articular.22

Ressonância Magnética do Menisco

A ressonância magnética (RM) é uma ferramenta diagnóstica não invasiva utilizada na avaliação, diagnóstico e monitoramento dos meniscos. A ressonância magnética é amplamente aceita como a melhor modalidade de imagem por causa do contraste superior dos tecidos moles.

Na ressonância magnética de corte transversal, o menisco normal aparece como uma estrutura triangular uniforme de baixo sinal (escuro) (Figura 9). Uma ruptura meniscal é identificada pela presença de um aumento intrameniscal sinal que se estende para a superfície desta estrutura.

Vários estudos avaliaram a utilidade clínica da ressonância magnética para rupturas meniscais. Em geral, a ressonância magnética é altamente sensível e específica para as lágrimas do menisco. A sensibilidade da RM na detecção de rupturas meniscais varia de 70% a 98% e a especificidade de 74% a 98% .48,62,105,107,117 A RM de pacientes 1014 antes de um exame artroscópico teve uma precisão de 89% para patologia do menisco medial e 88% para o menisco lateral.48 Uma metanálise de pacientes 2000 com ressonância magnética e exame artroscópico constatou sensibilidade 88% e 94% de precisão para lesões meniscais.105,107

Houve discrepâncias entre os diagnósticos de ressonância magnética e a patologia identificada durante o exame artroscópico ‡‡‡ Justice e Quinn relataram discrepâncias no diagnóstico de 66 dos pacientes 561 (12%) 86 Em um estudo com pacientes 92, discrepâncias entre a ressonância magnética e os diagnósticos artroscópicos foram anotados em 22 dos casos 349 (6%). 106 Miller realizou um estudo prospectivo simples-cego comparando os exames clínicos e a ressonância magnética em exames de joelho 57.117 Ele não encontrou diferença significativa na sensibilidade entre o exame clínico e MRI (80.7 % e 73.7%, respectivamente). Shepard et al avaliaram a precisão da ressonância magnética na detecção de lesões clinicamente significativas do corno anterior do menisco em 947 MRI154 consecutivo do joelho e encontraram uma taxa de falso-positivo 74%. Intensidade de sinal aumentada no corno anterior não indica necessariamente uma lesão clinicamente significativa.154

Conclusões

Os meniscos da articulação do joelho são cunhas em forma de crescente de fibrocartilagem que proporcionam maior estabilidade à articulação femorotibial, distribuem axial carregar, absorver o choque e fornecer lubrificação à articulação do joelho. Lesões nos meniscos são reconhecidas como causa de significativa morbidade musculoesquelética. A preservação dos meniscos é altamente dependente da manutenção de sua composição e organização distintas.

Agradecimentos

Ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3435920/

Notas de rodapé

Ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3435920/

Concluindo, o joelho é a maior e mais complexa articulação do corpo humano. No entanto, como o joelho pode ser comumente danificado como resultado de uma lesão e / ou condição, é essencial entender a anatomia da articulação do joelho para que os pacientes recebam o tratamento adequado. O escopo de nossas informações é limitado a questões de quiropraxia e saúde da coluna vertebral. Para discutir o assunto, sinta-se à vontade para perguntar ao Dr. Jimenez ou entre em contato pelo telefone 915-850-0900 .

Curated pelo Dr. Alex Jimenez  

1. Adams ME, Hukins DWL. A matriz extracelular do menisco. Em: Mow VC, Arnoczky SP, Jackson DW, editores. eds. Menisco do joelho: Fundamentos básicos e clínicos. Nova Iorque, NY: Raven Press; 1992: 15-282016
2. Adams ME, McDevitt CA, Ho A, Muir H. Isolamento e caracterização de proteoglicanos de alta densidade flutuante de meniscos semilunares. J Bone Joint Surg Am. 1986; 68: 55-64 [PubMed]
3. Adams ME, Muir H. Os glicosaminoglicanos de meniscos caninos. Biochem J. 1981; 197: 385-389 [artigo livre de PMC] [PubMed]
4. Ahmed AM, Burke DL Medição in-vitro da distribuição da pressão estática nas articulações sinoviais: parte I. Superfície tibial do joelho. J Biomech Eng. 1983; 185: 290-294 [PubMed]
5. Akgun U, Kogaoglu B, Orhan EK, Baslo MB, Karahan M. Possível via reflexa entre o menisco medial e o músculo semi- membranoso: estudo experimental em coelhos. Joelho Surg Esportes Traumatol Arthrosc. 2008; 16 (9): 809-814 [PubMed]
6. Alberts B, Johnson A, Lewis J, Raff M, Roberts K, Walter P. Biologia Molecular da Célula. 4th ed. Bethesda, MD: Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia; 2002
7. Allen CR, Wong EK, GA Livesay, M Sakane, Fu FH, Woo SL. Importância do menisco medial no joelho deficiente do ligamento cruzado anterior. J Orthop Res. 2000; 18 (1): 109-115 [PubMed]
8. Arnoczky SP. Construindo um menisco: considerações biológicas. Clin Orthop Relat Res. 1999; 367S: 244-253 [PubMed]
9. Arnoczky SP. Anatomia macroscópica e vascular do menisco e seu papel na cura, regeneração e remodelação do menisco. Em: Mow VC, Arnoczky SP, Jackson DW, editores. eds Menisco do joelho: Fundamentos básicos e clínicos. Nova Iorque, NY: Raven Press; 1992: 1-14
10. Arnoczky SP, Adams ME, KE DeHaven, Eyre DR, Mow VC. O menisco. Em: Woo SL-Y, Buckwalter J, editores. eds Lesão e Reparação de Tecidos Moles Musculosqueléticos. Park Ridge, IL: Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos; 1987: 487-537
11. Arnoczky SP, Warren RF. Anatomia dos ligamentos cruzados. Em: Feagin JA, editor. ed. Os ligamentos cruciais. Nova Iorque, NY: Churchill Livingstone; 1988: 179-195
12. Arnoczky SP, Warren RF. Microvasculatura do menisco humano. Am J Sports Med. 1982; 10: 90-95 [PubMed]
13. Arnoczky SP, Warren RF, Spivak JM. Reparo de menisco com coágulo de fibrina exógena: estudo experimental em cães. J Bone Joint Surg Am. 1988; 70: 1209-1217 [PubMed]
14. Aspden RM, Yarker YE, Hukins DWL. Orientações de colágeno no menisco da articulação do joelho. J Anat. 1985; 140: 371. [Artigo gratuito do PMC] [PubMed]
15. Assimakopoulos AP, Katonis PG, Agapitos MV, Exarchou EI. As inervações do menisco humano. Clin Orthop Relat Res. 1992; 275: 232-236 [PubMed]
16. Atencia LJ, McDevitt CA, Nilo WB, Sokoloff L. Conteúdo de cartilagem de um cão imaturo. Conecte o Tecido Res. 1989; 18: 235-242 [PubMed]
17. Athanasiou KA, Sanchez-Adams J. Engineering the Knee Meniscus. San Rafael, CA: Morgan & Claypool Publishers; 2009
18. Baratz ME, Fu FH, Mengato R. Lágrimas meniscais: o efeito da meniscectomia e do reparo nas áreas de contato intra-articular e estresse no joelho humano. Um relatório preliminar. Am J Sports Med. 1986; 14: 270-275 [PubMed]
19. Caserna RL, Skinner HB, Buckley SL. Propriocepção no joelho com deficiência do cruzado anterior. Am J Sports Med. 1989; 17: 1-6 [PubMed]
20. Beaufils P, Verdonk R, editores. eds O menisco. Heidelberg, Alemanha: Springer-Verlag; 2010
21. Beaupre A, Choukroun R, Guidouin R, Carneau R, Gerardin H. Menis do joelho: correlação entre microestrutura e biomecânica. Clin Orthop Relat Res. 1986; 208: 72-75 [PubMed]
22. Benninghoff A. Form e Bau der Gelenkknorpel em ihren Beziehungen zur Funktion. Erste Mitteilung: Die modellierenden und exterhaltenden Faktoren des Knorpelreliefs. Z Anat Entwickl Gesch. 1925; 76: 4263
23. Pássaro MDT, Sweet MBE. Canais do menisco semilunar: relato breve. J Cirurgia da Articulação Óssea 1988; 70: 839. [PubMed]
24. Pássaro MDT, Sweet MBE. Um sistema de canais em meniscos semilunares. Ann Rheum Dis. 1987; 46: 670-673 [artigo livre de PMC] [PubMed]
25. Brantigan OC, Voshell AF. A mecânica dos ligamentos e meniscos da articulação do joelho. J Bone Joint Surg Am. 1941; 23: 44-66
26. T Brindle, Nyland J, Johnson DL. O menisco: revisão dos princípios básicos com aplicação à cirurgia e reabilitação. J Trem de Athl. 2001; 32 (2): 160-169 [artigo livre de PMC] [PubMed]
27. Bullough PG, Munuera L, Murphy J, et al. A força do menisco do joelho no que se refere à sua estrutura fina. J Cirurgia da Articulação Óssea 1979; 52: 564-570 [PubMed]
28. Bullough PG, Vosburgh F, Arnoczky SP, et al. Os meniscos do joelho. In: Insall JN, editor. ed. Cirurgia do Joelho. Nova Iorque, NY: Churchill Livingstone; 1984: 135-149
29. Burr DB, Radin EL. Função meniscal e a importância da regeneração meniscal na prevenção da osteoartrose do compartimento medial tardio. Clin Orthop Relat Res. 1982; 171: 121-126 [PubMed]
30. Carney SL, Muir H. A estrutura e a função dos proteoglicanos da cartilagem. Physiol Rev. 1988; 68: 858-910 [PubMed]
31. Clark CR, Ogden JA. Desenvolvimento dos meniscos da articulação do joelho humano. J Bone Joint Surg Am. 1983; 65: 530 [PubMed]
32. Clark FJ, Horsh KW, Bach SM, Larson GF. Contribuições dos receptores cutâneos e articulares para o sentido da posição estática do joelho no homem. J Neurophysiol. 1979; 42: 877-888 [PubMed]
33. Danzig L., Resnik D, Gonsalves M, Akeson WH. Suprimento de sangue para o menisco normal e anormal do joelho humano. Clin Orthop Relat Res. 1983; 172: 271-276 [PubMed]
34. Davies D, Edwards D. O suprimento vascular e nervoso do menisco humano. Am R Coll Surg Engl. 1948; 2: 142-156
35. Dia B, Mackenzie WG, Shim SS, Leung G. O suprimento vascular e nervoso do menisco humano. Artroscopia 1985; 1: 58-62 [PubMed]
36. DeHaven KE. Meniscectomia versus reparo: experiência clínica. Em: Mow VC, Arnoczky SP, Jackson DW, editores. eds Menisco do joelho: Fundamentos básicos e clínicos. Nova Iorque, NY: Raven Press; 1992: 131-139
37. DePalma AF. Doenças do Joelho. Filadélfia, PA: JB Lippincott Co; 1954
38. De Smet AA, Graf BK. Lágrimas meniscais perdidas na ressonância magnética: relação com padrões lacrimais meniscais e ruptura do ligamento cruzado anterior. AJR Am J Roentgenol. 1994; 162: 905-911 [PubMed]
39. De Smet AA, Norris MA, DR Yandow, et al. Diagnóstico por RM de lesões meniscais do joelho: importância do alto sinal no menisco que se estende à superfície. AJR Am J Roentgenol. 1993; 161: 101-107 [PubMed]
40. Dye SF. Características morfológicas funcionais do joelho humano: uma perspectiva evolutiva. Clin Orthop Relat Res. 2003; 410: 19-24 [PubMed]
41. Dye SF. O joelho como uma transmissão biológica com um envelope de função: uma teoria. Clin Orthop Relat Res. 1996; 325: 10-18 [PubMed]
42. Corante SF, Vaupel GL, Dye CC. Mapeamento neurossensorial consciente das estruturas internas do joelho humano sem anestesia intra-articular. Am J Sports Med. 1998; 26 (6): 773-777 [PubMed]
43. Eyre DR, Koob TJ, Chun LE. Bioquímica do menisco: perfil único dos tipos de colágeno e variações de composição dependentes do local. Orthop Trans. 1983; 8: 56
44. Eyre DR, Wu JJ. Colágeno de fibrocartilagem: um fenótipo molecular distinto no menisco bovino. FEBS Lett. 1983; 158: 265. [PubMed]
45. Fairbank TJ. Alterações da articulação do joelho após meniscectomia. J Cirurgia da Articulação Óssea 1948; 30: 664-670 [PubMed]
46. Fife RS. Identificação das proteínas de ligação e da proteína da matriz 116,000-dalton no menisco canino. Arch Biochem Biophys. 1985; 240: 682. [PubMed]
47. Fife RS, Gancho GL, Brandt KD. Localização topográfica de uma proteína 116,000 dalton na cartilagem. J Histochem Cytochem. 1985; 33: 127. [PubMed]
48. Fischer SP, Fox JM, Del Pizzo W, et al. Exatidão dos diagnósticos por ressonância magnética do joelho: análise multicêntrica de mil e quatorze pacientes. J Bone Joint Surg Am. 1991; 73: 2-10 [PubMed]
49. Fithian DC, Kelly MA, Mow VC. Propriedades dos materiais e relações estrutura-função nos meniscos. Clin Orthop Relat Res. 1990; 252: 19-31 [PubMed]
50. Fukubayashi T, Kurosawa H. A área de contato e o padrão de distribuição de pressão do joelho: um estudo das articulações normais e osteoartríticas do joelho. Scope Acta Orthop. 1980; 51: 871-879 [PubMed]
51. Fukubayashi T, PA de Torzilli, Sherman MF, Warren RF. Uma análise biomecânica in vivo do movimento ântero-posterior do joelho, rotação de deslocamento tibial e torque. J Bone Joint Surg Am. 1982; 64: 258-264 [PubMed]
52. Gardner E. A inervação da articulação do joelho. Anat Rec. 1948; 101: 109-130 [PubMed]
53. Gardner E, O'Rahilly R. O desenvolvimento inicial da articulação do joelho em embriões humanos encenados. J Anat. 1968; 102: 289-299 [artigo livre de PMC] [PubMed]
54. Ghadially FN, LaLonde JMA. Restos lipídicos intra-traumáticos e padrões calcificados em cartilagens semilunares humanas. J Anat. 1981; 132: 481. [Artigo gratuito do PMC] [PubMed]
55. GAMially FN, LaLonde JMA, Wedge JH. Ultraestrutura de meniscos normais e rasgados da articulação do joelho humano. J Anat. 1983; 136: 773-791 [artigo livre de PMC] [PubMed]
56. GAMially FN, Thomas eu, Yong N, LaLonde JMA. Ultraestrutura da cartilagem semilunar do coelho. J Anat. 1978; 125: 499. [Artigo gratuito do PMC] [PubMed]
57. Ghosh P, Ingman AM, Taylor TK. Variações em colágeno, proteínas não-colágenas e hexosamina em meniscos derivados de articulações osteoartríticas e artríticas reumatóides do joelho. J Rheumatol. 1975; 2: 100-107 [PubMed]
58. Ghosh P, Taylor TKF. O menisco da articulação do joelho: uma fibrocartilagem de alguma distinção. Clin Orthop Relat Res. 1987; 224: 52-63 [PubMed]
59. Ghosh P, TKF de Taylor, Pettit GD, Horsburgh BA, Bellenger CR. Efeito da imobilização pós-operatória no recrescimento da cartilagem semilunar da articulação do joelho: um estudo experimental. J Orthop Res. 1983; 1: 153. [PubMed]
60. Gray DJ, Gardner E. Desenvolvimento pré-natal do joelho humano e das articulações da fíbula tibial superior. Am J Anat. 1950; 86: 235-288 [PubMed]
61. Gray JC. Anatomia neural e vascular dos meniscos do joelho humano. J Orthop Sports Phys Ther. 1999; 29 (1): 23-30 [PubMed]
62. Gray SD, Kaplan PA, Dussault RG. Imagem do joelho: estado atual. Orthop Clin North Am. 1997; 28: 643-658 [PubMed]
63. Greis PE, DD Bardana, Holmstrom MC, Burks RT. Lesão do menisco: I. Ciência básica e avaliação. J Am Acad Orthop Surg. 2002; 10: 168-176 [PubMed]
64. Gronblad M, Korkala O, Liesi P, Karaharju E. Inervação da membrana sinovial e menisco. Scope Acta Orthop. 1985; 56: 484-486 [PubMed]
65. Habuchi H, T Yamagata, Iwata H, Suzuki S. A ocorrência de uma ampla variedade de copolímeros de sulfato de dermatano sulfato-condroitina na cartilagem fibrosa. J Biol Chem. 1973; 248: 6019-6028 [PubMed]
66. Haines RW. A articulação do joelho tetrápode. J Anat. 1942; 76: 270-301 [artigo livre de PMC] [PubMed]
67. Hardingham TE, Muir H. Ligação de oligossacarídeos de ácido hialurônico a proteoglicanos. Biochem J. 1973; 135 (4): 905-908 [artigo livre de PMC] [PubMed]
68. CD de Harner, Janaushek MA, Kanamori A, Yagi AKM, Vogrin TM, Woo SL. Análise biomecânica de uma reconstrução do ligamento cruzado posterior de duplo feixe. Am J Sports Med. 2000; 28: 144-151 [PubMed]
69. Harner CD, Kusayama T, Carlin G. et ai. Propriedades estruturais e mecânicas do ligamento cruzado posterior e dos ligamentos meniscofemorais. In: Transações da 40th Reunião Anual da Sociedade de Pesquisa Ortopédica; 1992
70. Harner CD, Livesgay GA, Choi NY, et al. Avaliação dos tamanhos e formas dos ligamentos cruzados anteriores e posteriores humanos: um estudo comparativo. Trans Orthop Res Soc. 1992; 17: 123
71. Hascall VC. Interação de proteoglicanos de cartilagem com ácido hialurônico. J Supramol Struct. 1977; 7: 101-120 [PubMed]
72. Hascall VC, Heinegård D. Agregação de proteoglicanos de cartilagem: I. O papel do ácido hialurônico. J Biol Chem. 1974; 249 (13): 4205-4256 [PubMed]
73. Heinegard D, Oldberg A. Estrutura e biologia de macromoléculas não-colagenosas de cartilagem e matriz óssea. FASEB J. 1989; 3: 2042-2051 [PubMed]
74. Helfet AJ. Osteoartrite do joelho e sua parada precoce. Curso de Instrução. 1971; 20: 219-230
75. Heller L, Langman J. Os ligamentos meniscofemorais do joelho humano. J Bone Joing Surg fr. 1964; 46: 307-313 [PubMed]
76. Henning CE, Lynch MA, Clark JR. Vascularidade para a cicatrização de reparos meniscais. Artroscopia 1987; 3: 13-18 [PubMed]
77. Herwig J, Egner E, Buddecke E. Alterações químicas dos meniscos da articulação do joelho humano em vários estágios de degeneração. Ann Rheum Dis. 1984; 43: 635-640 [artigo livre de PMC] [PubMed]
78. Höpker WW, Angres G, Klingel K, Komitowksi D, Schuchardt E. Alterações do compartimento de elastina no menisco humano. Virchows Arch A Pathol Anat Histopathol. 1986; 408: 575-592 [PubMed]
79. Humphry GM. Um Tratado sobre o esqueleto humano, incluindo as articulações. Cambridge, Reino Unido: Macmillan; 1858: 545-546
80. Ingman AM, Ghosh P, Taylor TKF. Variação de proteínas colágenas e não-colágenas dos meniscos da articulação do joelho humana com idade e degeneração. Gerontologia. 1974; 20: 212-233 [PubMed]
81. Jerosch J, Prymka M, Castro WH. Propriocepção das articulações do joelho com uma lesão do menisco medial. Acta Orthop Belg. 1996; 62 (1): 41-45 [PubMed]
82. Johnson DL, Swenson TD, CD de Harner. Transplante meniscal artroscópico: considerações anatômicas e técnicas. Apresentado em: Décima nona Reunião Anual da American Orthopaedic Society for Sports Medicine; Julho 12-14, 1993; Vale do Sol, ID
83. Johnson DL, Swenson TM, Livesay GA, H de Aizawa, Fu FH, CD de Harner. Anatomia do sítio de inserção dos meniscos humanos: anatomia macroscópica, artroscópica e topográfica como base para o transplante de menisco. Artroscopia 1995; 11: 386-394 [PubMed]
84. Johnson RJ, papa MH. Anatomia funcional do menisco. Em: Simpósio de Reconstrução do Joelho da Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos. St Louis, MO: Mosby; 1978: 3
85. Jones RE, Smith EC, Reisch JS. Efeitos da meniscectomia medial em pacientes com mais de quarenta anos. J Bone Joint Surg Am. 1978; 60: 783-786 [PubMed]
86. Justiça WW, Quinn SF. Padrões de erro na avaliação por RM dos meniscos do joelho. Radiologia. 1995; 196: 617-621 [PubMed]
87. Kaplan EB. A embriologia dos meniscos da articulação do joelho. Bull Hosp Joint Dis. 1955; 6: 111-124 [PubMed]
88. Karahan M, Kocaoglu B, C Cabukoglu C, Akgun U, Nuran R. Efeito da meniscectomia medial parcial sobre a função proprioceptiva do joelho. Arch Orthop Trauma Surg. 2010; 130: 427-431 [PubMed]
89. Kempson GE, Tuke MA, Dingle JT, Barrett AJ, Horsfield PH. Os efeitos de enzimas proteolíticas nas propriedades mecânicas da cartilagem articular humana adulta. Biochim Biophys Acta. 1976; 428 (3): 741-760 [PubMed]
90. Kennedy JC, Alexander IJ, Hayes KC. Suprimento nervoso do joelho humano e sua importância funcional. Am J Sports Med. 1982; 10: 329-335 [PubMed]
91. Kettelkamp DB, Jacobs AW. Área de contato tibiofemoral: determinação e implicações. J Bone Joint Surg Am. 1972; 54: 349-356 [PubMed]
92. Rei D. A função das cartilagens semilunares. J Cirurgia da Articulação Óssea 1936; 18: 1069-1076
93. Kohn D, Moreno B. Anatomia de inserção do menisco como base para a substituição do menisco: estudo morfológico de cadáveres. Artroscopia 1995; 11: 96-103 [PubMed]
94. Krause WR, Papa MH, Johnson RJ, Wilder DG. Alterações mecânicas no joelho após meniscectomia. J Bone Joint Surg Am. 1976; 58: 599-604 [PubMed]
95. Kulkarni VV, Chand K. Anatomia patológica do menisco em envelhecimento. Scope Acta Orthop. 1975; 46: 135-140 [PubMed]
96. Kurosawa H, Fukubayashi T, Nakajima H. ​​Modo de suporte de carga da articulação do joelho: comportamento físico da articulação do joelho com ou sem meniscos. Clin Orthop Relat Res. 1980; 149: 283-290 [PubMed]
97. LaPrade RF, Burnett QM, II, Veenstra MA, et al. A prevalência de achados anormais de ressonância magnética em joelhos assintomáticos: com correlação da ressonância magnética com achado artroscópico em joelhos sintomáticos. Am J Sports Med. 1994; 22: 739-745 [PubMed]
98. Último RJ. Alguns detalhes anatômicos da articulação do joelho. J Cirurgia da Articulação Óssea 1948; 30: 368-688 [PubMed]
99. Lehtonen A, Viljanto J, Kärkkäinen J. Os mucopolissacarídeos de discos intervertebrais humanos herniados e cartilagens semilunares. Acta Chir Scand. 1967; 133 (4): 303-306 [PubMed]
100. Levy IM, Torzilli PA, Warren RF. O efeito da meniscectomia lateral no movimento do joelho. J Bone Joint Surg Am. 1989; 71: 401-406 [PubMed]
101. Levy IM, Torzilli PA, Warren RF. O efeito da meniscectomia medial no movimento ântero-posterior do joelho. J Bone Joint Surg Am. 1982; 64: 883-888 [PubMed]
102. MacConaill MA. Função das fibrocartilagens intra-articulares, com especial referência às articulações rádio-ulnar do joelho e inferior. J Anat. 1932; 6: 210-227 [artigo livre de PMC] [PubMed]
103. MacConaill MA. Os movimentos dos ossos e articulações: III. O líquido sinovial e seus assistentes. J Cirurgia da Articulação Óssea 1950; 32: 244. [PubMed]
104. MacConaill MA. Estudos na mecânica das articulações sinoviais: II. Deslocamentos nas superfícies articulares e o significado das articulações de selim. Ir J Med Sci. 1946; 6: 223-235 [PubMed]
105. Mackenzie R, Dixon AK, GS Keene et al. Ressonância magnética do joelho: avaliação da eficácia. Clin Radiol. 1996; 41: 245-250 [PubMed]
106. Mackenzie R, Keene GS, DJ Lomas, Dixon AK. Erros na ressonância magnética do joelho: verdadeiro ou falso? Br J Radiol. 1995; 68: 1045-1051 [PubMed]
107. Mackenzie R, Palmer CR, DJ Lomas, et al. Ressonância magnética do joelho: estudos de desempenho diagnóstico. Clin Radiol. 1996; 51: 251-257 [PubMed]
108. Markolf KL, Bargar WL, Shoemaker SC, Amstutz HC. O papel da carga articular na instabilidade do joelho. J Bone Joint Surg Am. 1981; 63: 570-585 [PubMed]
109. Markolf KL, Mensch JS, Amstutz HC. Rigidez e frouxidão do joelho: as contribuições das estruturas de suporte. J Bone Joint Surg Am. 1976; 58: 583-597 [PubMed]
110. McDermott LJ. Desenvolvimento da articulação do joelho humano. Arch Surg. 1943; 46: 705-719
111. McDevitt CA, Miller RR, Sprindler KP. As células e interação matriz celular do menisco. Em: Mow VC, Arnoczky SP, Jackson DW, editores. eds Menisco do joelho: Fundamentos básicos e clínicos. Nova Iorque, NY: Raven Press; 1992: 29-36
112. McDevitt CA, Webber RJ. Ultraestrutura e bioquímica da cartilagem meniscal. Clin Orthop Relat Res. 1990; 252: 8-18 [PubMed]
113. McNicol D, Roughley PJ. Extração e caracterização de proteoglicanos de meniscos humanos. Biochem J. 1980; 185: 705. [Artigo gratuito do PMC] [PubMed]
114. Merkel KHH. A superfície dos meniscos humanos e suas alterações de envelhecimento durante a idade: um exame combinado de microscopia eletrônica de varredura e transmissão (MEV, TEM). Arch Orthop Trauma Surg. 1980; 97: 185-191 [PubMed]
115. Messner K, Gao J. Os meniscos da articulação do joelho: características anatômicas e funcionais e uma justificativa para o tratamento clínico. J Anat. 1998; 193: 161-178 [artigo livre de PMC] [PubMed]
116. Meyers E, Zhu W, Mow V. Propriedades viscoelásticas da cartilagem articular e do menisco. Em: Nimni M, editor. ed. Colágeno: Química, Biologia e Biotecnologia. Boca Raton, FL: CRC; 1988
117. Miller GK. Um estudo prospectivo comparando a precisão do diagnóstico clínico de ruptura meniscal com ressonância magnética e seu efeito no desfecho clínico. Artroscopia 1996; 12: 406-413 [PubMed]
118. Miller GK, McDevitt CA. A presença de trombospondina no ligamento, menisco e disco intervertebral. Glicoconjugado J. 1988; 5: 312
119. Mossman DJ, Sargeant foi. As pegadas de animais extintos. Sci Am. 1983; 250: 78-79
120. Mow V, Fithian D, Kelly M. Fundamentos da biomecânica do cartilagem articular e do menisco. Em: Ewing JW, editor. ed. Cartilagem Articular e Função da Articulação do Joelho: Ciência Básica e Artroscopia. Nova Iorque, NY: Raven Press; 1989: 1-18
121. Mow VC, Holmes MH, Lai WM. Transporte de fluidos e propriedades mecânicas ou cartilagem articular: uma revisão. J Biomech. 1984; 17: 377. [PubMed]
122. Muir H. A estrutura e metabolismo dos mucopolissacarídeos (glicosaminoglicanos) e o problema das mucopolissacaridoses. Am J Med. 1969; 47 (5): 673-690 [PubMed]
123. Musahl V, Citak M., O'Loughlin PF, Choi D, Bedi A, Pearle AD. O efeito da meniscectomia medial versus lateral na estabilidade do joelho do ligamento cruzado anterior deficiente. Am J Sports Med. 2010; 38 (8): 1591-1597 [PubMed]
124. Nakano T, Dodd CM, Scott PG. Glicosaminoglicanos e proteoglicanos de diferentes zonas do menisco do joelho porcino. J Orthop Res. 1997; 15: 213-222 [PubMed]
125. Newton RA. Contribuições conjuntas de receptores para respostas reflexivas e cinestésicas. Phys Ther. 1982; 62: 22-29 [PubMed]
126. O'Connor BL. A estrutura histológica dos meniscos do joelho canino com comentários sobre sua possível significância. Am J Anat. 1976; 147: 407-417 [PubMed]
127. O'Connor BL, McConnaughey JS. A estrutura e inervação dos meniscos do joelho do gato e sua relação com uma “hipótese sensorial” da função meniscal. Am J Anat. 1978; 153: 431-442 [PubMed]
128. Oretorp N, Gillquist J, Liljedahl SO. Resultados a longo prazo da cirurgia para instabilidade rotatória anteromedial não aguda do joelho. Scope Acta Orthop. 1979; 50: 329-336 [PubMed]
129. Pagnani MJ, Warren RF, Arnoczky SP, Wickiewicz TL. Anatomia do Joelho. Em: Nicholas JA, Hershman EB, editores. eds A extremidade inferior e coluna vertebral em medicina esportiva. 2nd ed. St Louis, MO: Mosby; 1995: 581-614
130. Pauwels F. [Efeitos desenvolvimentais da adaptação funcional do osso]. Anat Anz. 1976; 139: 213-220 [PubMed]
131. Peters TJ, Smillie IS. Estudos sobre a composição química dos meniscos da articulação do joelho com especial referência à lesão de clivagem horizontal. Clin Orthop Relat Res. 1972; 86: 245-252 [PubMed]
132. Petersen W, Tillmann B. Textura fibrilar colagenosa dos meniscos da articulação do joelho humano. Anat Embryol (Berl). 1998; 197: 317-324 [PubMed]
133. Poynton AR, Javadpour SM, Finegan PJ, O'Brien M. Os ligamentos meniscofemorais do joelho. J Cirurgia da Articulação Óssea 1997; 79: 327-330 [PubMed]
134. Preuschoft H, Tardieu C. Motivos biomecânicos para morfologia divergente da articulação do joelho e sutura epifisária distal em hominóides. Folia Primatol (Basileia). 1996; 66: 82-92 [PubMed]
135. Proctor CS, Schmidt MB, RR Whipple, Kelly MA, Mow VC. Propriedades materiais do menisco bovino medial normal. J Orthop Res. 1989; 7: 771-782 [PubMed]
136. Proske U, Schaible H, Schmidt RF. Receptores articulares e cinestesia. Exp Brain Res. 1988; 72: 219-224 [PubMed]
137. Radin EL, de Lamotte F, Maquet P. Papel dos meniscos na distribuição de estresse no joelho. Clin Orthop Relat Res. 1984; 185: 290-294 [PubMed]
138. Radin EL, Rose RM. Papel do osso subcondral na iniciação e progressão do dano da cartilagem. Clin Orthop Relat Res. 1986; 213: 34-40 [PubMed]
139. Raszeja F. Untersuchungen Bber Entsto e feinen Bau des Kniegelenkmeniskus. Bruns Beitr klin Chir. 1938; 167: 371-387
140. Reider B, MA Arcand, Diehl LH, et al. Propriocepção do joelho antes e após a reconstrução do ligamento cruzado anterior. Artroscopia 2003; 19 (1): 2-12 [PubMed]
141. Renstrom P, Johnson RJ. Anatomia e biomecânica dos meniscos. Clin Sports Med. 1990; 9: 523-538 [PubMed]
142. Retterer E. De la forme et des conexions that presentment les fibro-cartilages de genou chez quelques singles d'Afrique. Cr Soc Biol. 1907; 63: 20-25
143. Ricklin P, Ruttimann A, Del Bouno MS. Diagnóstico, Diagnóstico Diferencial e Terapia. 2nd ed. Stuttgart, Alemanha: Verlag Georg Thieme; 1983
144. Rodkey WG. Biologia básica do menisco e resposta a lesão. Em: preço CT, editor. ed. Palestras do Curso de Instrução 2000. Rosemont, IL: Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos; 2000: 189-193 [PubMed]
145. Rosenberg LC, Jwal Buckwalter, Coutts R, Hunziker E, Mow VC. Cartilagem articular. Em: Woo SLY, Buckwalter JA, editores. eds Lesão e Reparação dos Tecidos Moles Musculosqueléticos. Park Ridge, IL: Academia Americana de Cirurgião Ortopédico; 1988: 401
146. Roughley PJ. Alterações na estrutura dos proteoglicanos da cartilagem durante o envelhecimento: origem e efeitos: uma revisão. Ações dos Agentes. 1986; 518: 19 [PubMed]
147. Saygi B, Yildirim Y, Berker N, Ofluoglu D, E Karadag-Saygi, Karahan M. Avaliação da função neurossensorial do menisco medial em humanos. Artroscopia 2005; 21 (12): 1468-1472 [PubMed]
148. Scapinelli R. Estudos sobre a vasculatura da articulação do joelho humano. Acta Anat. 1968; 70: 305-331 [PubMed]
149. Schutte MJ, Dabezius EJ, Zimny ​​ML, Happe LT. Anatomia neural do ligamento cruzado anterior humano. J Bone Joint Surg Am. 1987; 69: 243-247 [PubMed]
150. Scott JE. Organização supramolecular de glicosaminoglicanos da matriz extracelular, in vitro e nos tecidos. FASEB J. 1992; 6: 2639-2645 [PubMed]
151. Scott PG, Nakano T, Dodd CM. Isolamento e caracterização de pequenos proteoglicanos de diferentes zonas do menisco do joelho porcino. Biochim Biophys Acta. 1997; 1336: 254-262 [PubMed]
152. Seedhom BB. Função de carga dos meniscos. Fisioterapia. 1976; 62 (7): 223. [PubMed]
153. Seedhom BB, Hargreaves DJ. Transmissão da carga na articulação do joelho com especial referência ao papel nos meniscos: parte II. Resultados experimentais, discussão e conclusão. Eng Med. 1979; 8: 220-228
154. Shepard MF, DM Hunter, Davies MR, Shapiro MS, Seeger LL. O significado clínico das lesões meniscais do corno anterior diagnosticadas em imagens de ressonância magnética. Am J Sports Med. 2002; 30 (2): 189-192 [PubMed]
155. Sapateiro SC, Markolf KL. O papel do menisco na estabilidade ântero-posterior do joelho com deficiência de cruzado anterior carregado: efeitos da excisão parcial versus total. J Bone Joint Surg Am. 1986; 68 (1): 71-79 [PubMed]
156. Skaags DL, Mow VC. Função das fibras de amarração radial no menisco. Trans Orthop Res Soc. 1990; 15: 248
157. Skinner HB, Barrack RL. Sentido de posição de articulação na articulação de joelho normal e patológica. J Electromyogr Kinesiol. 1991; 1 (3): 180-190 [PubMed]
158. Skinner HB, Barrack RL, Cook SD. Declínio relacionado à idade na propriocepção. Clin Orthop Relat Res. 1984; 184: 208-211 [PubMed]
159. Solheim K. Glicosaminoglicanos, hidroxiprolina, cálcio e fósforo na cicatrização de fraturas. Acta Univ Lund. 1965; 28: 1-22
160. Spilker RL, Donzelli PS. Um modelo de elemento finito bifásico do menisco para análise de tensão-deformação. Em: Mow VC, Arnoczky SP, Jackson DW, editores. eds Menisco do joelho: Fundamentos básicos e clínicos. Nova Iorque, NY: Raven Press; 1992: 91-106
161. Spilker RL, Donzelli PS, Mow VC. Um modelo de elemento finito bifásico transversalmente isotrópico do menisco. J Biomecânica. 1992; 25: 1027-1045 [PubMed]
162. Sutton JB. Ligamentos: sua natureza e morfologia. 2nd ed. Londres: HK Lewis; 1897
163. Tardieu C. Ontogenia e filogenia de caracteres femoral-tibiais em humanos e fósseis de hominídeos: influência funcional e determinismo genético. Am J Phys Anthropol. 1999; 110: 365-377 [PubMed]
164. Tardieu C, Dupont JY. A origem da displasia troclear femoral: anatomia comparativa, evolução e crescimento da articulação patelofemoral. Rev Chir Orthop Aparelho Reparatrice Mot. 2001; 87: 373-383 [PubMed]
165. Thompson WO, Thaete FL, Fu FH, Dye SF. Dinâmica meniscal tibial utilizando reconstrução tridimensional da ressonância magnética. Am J Sports Med. 1991; 19: 210-216 [PubMed]
166. Tissakht M, Ahmed AM. Características de tensão-tensão de tração do material meniscal humano. J Biomech. 1995; 28: 411-422 [PubMed]
167. Tobler T. Zur normalen e pathologischen Histologie des Kniegelenkmeniscus. Arch Klin Chir. 1933; 177: 483-495
168. Vallois H. Etude anatomique de l'articulation du genou chez les primates. Montpelier, França: L'Abeille; 1914
169. Verdonk R, Aagaard H. Função do menisco normal e conseqüências da ressecção meniscal. Scand J Med Sci Sports. 1999; 9 (3): 134-140 [PubMed]
170. Voloshin AS, Wosk J. Absorção de choque de joelhos meniscectomizados e dolorosos: um estudo comparativo in vivo. J Biomed Eng. 1983; 5: 157-161 [PubMed]
171. Wagner HJ. Die kollagenfaserarchitecktur der menisken des menschlichen kniegelenkes. Z Mikrosk Anat Forsch. 1976; 90: 302. [PubMed]
172. Walker PS, Erkman MJ. O papel do menisco na transmissão de força através do joelho. Clin Orthop Relat Res. 1975; 109: 184-192 [PubMed]
173. Wan ACT, Felle P. Os ligamentos menisco-femorais. Clin Anat. 1995; 8: 323-326 [PubMed]
174. Warren PJ, Olanlokun TK, Cobb AG, Bentley G. Proprioception após artroplastia do joelho: a influência do design de prótese. Clin Orthop Relat Res. 1993; 297: 182-187 [PubMed]
175. Warren RF, Arnoczky SP, Wickiewiez TL. Anatomia do Joelho. Em: Nicholas JA, Hershman EB, editores. eds A extremidade inferior e coluna vertebral em medicina esportiva. São Luís: Mosby; 1986: 657-694
176. Watanabe AT, Carter BC, Teitelbaum GP, et al. Armadilhas comuns na ressonância magnética do joelho. J Bone Joint Surg Am. 1989; 71: 857-862 [PubMed]
177. Webber RJ, Norby DP, Malemud CJ, Goldberg VM, Moskowitz RW. Caracterização de proteoglicanos recém-sintetizados de meniscos de coelho em cultura de órgãos. Biochem J. 1984; 221 (3): 875-884 [artigo livre de PMC] [PubMed]
178. Webber RJ, Iorque JL, Vanderschildren JL, Hough AJ. Um modelo de cultura de órgãos para avaliar o reparo de feridas no menisco da articulação do joelho fibrocartilaginoso. Am J Sports Med. 1989; 17: 393-400 [PubMed]
179. Wilson AS, Legg PG, McNeu JC. Estudos sobre as inervações do menisco medial na articulação do joelho humano. Anat Rec. 1969; 165: 485-492 [PubMed]
180. Wirth CJ. O menisco: estrutura, morfologia e função. Joelho. 1996; 3: 57-58
181. Wu JJ, Eyre DR, Slayter HS. Colágeno tipo VI do disco intervertebral: caracterização bioquímica e microscópica eletrônica da proteína nativa. Biochem J. 1987; 248: 373. [Artigo gratuito do PMC] [PubMed]
182. Yasui K. Arquitectura tridimensional de meniscos humanos normais. J Jpn Ortho Assoc. 1978; 52: 391
183. Zimny ​​ML. Mecanorreceptores nos tecidos articulares. Am J Anat. 1988; 64: 883-888
184. Zimny ​​ML, DJ de Albright, Dabezies E. Mechanoreceptors no menisco medial humano. Acta Anat. 1988; 133: 35-40 [PubMed]
185. Zivanovic S. Menisco-meniscal ligamentos da articulação do joelho humano. Anat Anz. 1974; 145: 35-42 [PubMed]

Chamada Verde Agora Botão H .png

Discussão Adicional do Tópico: Aliviar a Dor no Joelho sem Cirurgia

A dor no joelho é um sintoma bem conhecido que pode ocorrer devido a uma variedade de lesões e / ou condições do joelho, incluindo lesões esportivas. O joelho é uma das articulações mais complexas do corpo humano, pois é formado pela intersecção de quatro ossos, quatro ligamentos, vários tendões, dois meniscos e cartilagem. De acordo com a Academia Americana de Médicos de Família, as causas mais comuns de dor no joelho incluem subluxação patelar, tendinite patelar ou joelho de saltador e doença de Osgood-Schlatter. Embora a dor no joelho seja mais provável de ocorrer em pessoas com mais de 60 anos de idade, a dor no joelho também pode ocorrer em crianças e adolescentes. A dor no joelho pode ser tratada em casa seguindo os métodos do RICE, no entanto, lesões graves no joelho podem exigir atenção médica imediata, incluindo tratamento quiroprático.

Foto do blog do papel de desenho animado

EXTRA EXTRA | TÓPICO IMPORTANTE: El Paso, TX Chiropractor Recomendado

Everbright Wellness El Paso
eventbrite® WEBINARS

História da Medicina Funcional Online
EXAME DE MEDICINA FUNCIONAL ONLINE 24 • 7

História Online
HISTÓRIA ONLINE 24 • 7

LIVRO ONLINE 24 • 7