Alívio da dor rápida para discos herniados em El Paso, TX

Compartilhe

A hérnia de disco é uma condição debilitante caracterizada por dor, dormência e fraqueza em um ou mais membros. Embora algumas pessoas possam não sentir dor alguma, aquelas que sentem podem, muitas vezes, desejar um alívio rápido da dor para evitar longos períodos de licença médica de seus empregos. Muitos profissionais de saúde recomendam a cirurgia para pacientes com sintomas de hérnia de disco persistentes e / ou agravantes, mas outras opções de tratamento não cirúrgico podem ajudar a tratar a hérnia de disco. O objetivo do artigo a seguir é demonstrar como um modelo de tratamento fisioterapêutico estruturado pode proporcionar alívio rápido aos pacientes que se qualificam para a cirurgia de disco lombar.

 

Um modelo estruturado de tratamento de fisioterapia pode proporcionar um alívio rápido aos pacientes que se qualificam para a cirurgia de disco lombar: um estudo prospectivo de coorte

 

Sumário

 

  • Objetivo: Avaliar um modelo estruturado de tratamento de fisioterapia em pacientes que se qualificam para a cirurgia de disco lombar.
  • projeto: Um estudo prospectivo de coorte.
  • Pacientes: Quarenta e um pacientes com hérnia de disco lombar, diagnosticados por avaliações clínicas e ressonância magnética.
  • Métodos: Os pacientes seguiram um modelo estruturado de tratamento fisioterapêutico, incluindo Diagnóstico e Terapia Mecânica (MDT), juntamente com treinamento de estabilização de tronco graduada. As medidas de resultados do estudo foram o Oswestry Disability Index, uma escala analógica visual para dor nas pernas e nas costas, a Escala de Tampa para Cinesiofobia, a Qualidade de Vida Europeia em Questionários de Dimensões 5, a Escala de Depressão de Zung, a Escala de Autoeficácia, trabalho status e satisfação do paciente com o tratamento. Os questionários foram distribuídos antes do tratamento e nos acompanhamentos 3, 12 e 24.
  • Resultados: Os pacientes já haviam melhorado significativamente (p <0.001) 3 meses após o modelo de tratamento fisioterapêutico estruturado em todas as avaliações: incapacidade, dor nas pernas e nas costas, cinesiofobia, qualidade de vida relacionada à saúde, depressão e autoeficácia. A melhora ainda pode ser observada no acompanhamento de 2 anos.
  • Conclusão: Este estudo recomenda a adoção do modelo estruturado de tratamento fisioterapêutico antes de considerar a cirurgia para pacientes com sintomas como dor e incapacidade por hérnia de disco lombar.
  • Palavras-chave: deslocamento do disco intervertebral; reabilitação; modalidades de fisioterapia.

 

Introdução

 

Symptoms of lumbar disc herniation are relatively common in the general population, although the prevalence rates vary widely between different studies (1). Symptom severity also varies and, in many patients, pain and loss of function may lead to disability and long periods of sick leave (2). Spontaneous resolution of symptoms after a lumbar disc herniation is regarded as common, which makes it difficult to evaluate the effects of treatment. Furthermore, in studies evaluating spontaneous healing, different physiotherapy treatments are often included, together with pain medication (3–5), which makes it difficult to determine the extent of natural healing. On the other hand, in patients with sciatica, but without confirmed disc herniation on magnetic resonance imaging (MRI), approximately one-third of subjects recover 2 weeks after the onset of sciatica and approximately three-quarters recover after 3 months (6).

 

In contrast to evaluating spontaneous healing, surgery for lumbar disc herniation has been investigated in numerous studies. Surgery has been compared with a variety of treatments, such as education, chiropractic, unspecified physiotherapy, acupuncture, injections and medication (7–10). The non-surgical treatments have, however, been described only in vague terms, and variations in treatments have been used. Previous studies have reported favourable short-term (after 1 year) outcomes for surgery, but no major differences between surgical and other treatments have been demonstrated in the long term (over 2 years) (7, 10, 11). The conclusions that are drawn from the comparison between surgery and non-systematic non-surgical treatments may thus be misleading. This has been confirmed in a systematic review, which concluded that there is conflicting evidence as to whether surgery is more beneficial than nonsurgical care for both short- and long-term follow-up (12).

 

A cinesiofobia foi avaliada em pacientes após cirurgia de disco lombar e quase 50% dos pacientes foram classificados como portadores de cinesiofobia (13). Até onde sabemos, a cinesiofobia não foi avaliada em pacientes com hérnia de disco lombar tratados com um tratamento estruturado de fisioterapia.

 

Existem muitos métodos diferentes de tratamento não cirúrgico para pacientes com dor lombar e ciática. Um método de tratamento comum é o Mechanical Diagnosis and Therapy (MDT), também conhecido como método de McKenzie, que visa eliminar ou minimizar a dor (14). Uma revisão sistemática de 2004 sobre a eficácia da MDT mostrou que os pacientes com dor lombar tratados com MDT relataram uma redução maior e mais rápida da dor e da incapacidade em comparação com medicamentos antiinflamatórios não esteróides (AINEs), livretos educacionais, massagem nas costas e conselhos sobre cuidados com as costas, treinamento de força, mobilização da coluna e exercícios gerais (15). Em um ensaio clínico randomizado com acompanhamento de 1 ano a partir de 2008, Paatelma e colegas (16) descobriram que o método McKenzie era apenas marginalmente mais eficaz em comparação com apenas aconselhar pacientes com dor lombar. Para pacientes com dor lombar, ciática e uma hérnia de disco lombar verificada, no entanto, foi demonstrado que um grupo selecionado de pacientes que responderam à PQT após 5 dias de tratamento também relatou que estavam satisfeitos após 55 semanas (17) . Os pacientes iniciaram o tratamento apenas 12 dias após o início dos sintomas e, portanto, os efeitos da cura espontânea não podem ser excluídos. Tomados em conjunto, os efeitos do tratamento da MDT para pacientes com hérnia de disco lombar verificada parecem requerer avaliação adicional.

 

Os exercícios de estabilização do tronco, que visam restaurar o controle dos músculos do tronco profundo, têm sido utilizados para a prevenção e reabilitação da dor lombar (18). Um ensaio clínico randomizado revelou uma redução na recorrência de episódios de dor lombar após exercícios específicos de estabilização do tronco em comparação com um grupo de controle que recebeu aconselhamento e uso de medicação (19). Foi constatado que os exercícios de estabilização lombar dinâmica aliviam a dor e melhoram a função em pacientes submetidos à microdiscectomia (20). Os efeitos dos exercícios de estabilização do tronco combinados com a PQT, entretanto, não foram estudados em pacientes com hérnia de disco lombar não operada. A MDT raramente é recomendada para pacientes com hérnia de disco lombar verificada por ressonância magnética com um anel externo quebrado. Em nosso hospital, entretanto, temos vários anos de boa experiência clínica de uma combinação de PQT e exercícios de estabilização do tronco para essa categoria de pacientes. Até onde sabemos, nenhum estudo anterior investigou se pacientes com hérnia de disco lombar verificada por ressonância magnética, sintomas por pelo menos 6 semanas (minimizando os efeitos da cura espontânea) e que se qualificaram para cirurgia de disco poderiam melhorar com um modelo de tratamento de fisioterapia estruturado incluindo MDT e exercícios de estabilização gradualmente progressivos do tronco. O objetivo deste estudo foi, portanto, avaliar um modelo de tratamento fisioterapêutico estruturado em pacientes qualificados para cirurgia de disco lombar.

 

Material e Métodos

 

During the study inclusion period, 150 patients, who were referred to the orthopaedic clinic at Sahlgrenska University Hospital, Gothenburg, from November 2003 to January 2008, were identified as potential participants since disc herniation was confirmed with MRI. Inclusion criteria were: 18–65 years of age; MRI confirming disc herniation explaining the clinical findings; symptoms for at least 6 weeks (minimizing the effects of spontaneous healing) and pain distribution with concomitant neurological disturbances correlated to the affected nerve root. Exclusion criteria were: cauda equina syndrome, previous spinal surgery, other spinal diseases, such as spinal stenosis and spondylolisthesis, and inadequate command of Swedish. However, 70 patients were excluded because of spontaneous resolution of pain and symptoms. The remaining 80 patients met the inclusion criteria and qualified for surgery. Orthopaedic surgeons determined whether the patients qualified for lumbar disc surgery after MRI and physical examination according to the recommendations of the American Academy of Orthopaedic Surgeons for patients with lumbar disc herniation (21).

 

 

Inicialmente, o estudo foi planejado como um ensaio clínico randomizado (ECR) entre um modelo estruturado de tratamento fisioterapêutico e cirurgia, mas o número de pacientes não foi suficiente para obter poder aceitável. Dezoito dos pacientes 80 foram inicialmente randomizados para fisioterapia, os pacientes 17 foram randomizados para cirurgia e os pacientes 45 não concordaram em se submeter à randomização. Vinte e sete dos pacientes 45 que não concordaram com a randomização concordaram em participar do tratamento estruturado de fisioterapia e os pacientes 18 concordaram em se submeter à cirurgia. A decisão foi, portanto, feita apenas para apresentar uma coorte de pacientes 45 tratados de acordo com o protocolo de tratamento fisioterapêutico estruturado (Fig. 1). Os pacientes receberam informação verbal e escrita e consentimento informado foi obtido. O estudo foi aprovado pelo Conselho Regional de Revisão Ética.

 

Antes do início do tratamento fisioterapêutico estruturado, os doentes 4 recuperaram, na medida em que já não podiam ser aceites como candidatos cirúrgicos, pelo que foram excluídos do estudo. Os restantes pacientes 41 tratados de acordo com o modelo de fisioterapia estruturado são apresentados neste artigo.

 

Um modelo estruturado de tratamento fisioterapêutico

 

Six physiotherapists with credentialed examinations in MDT, which is an examination within the MDT concept after completing 4 courses of 4 days each for evaluating and treating patients with spinal problems. Following completion of these courses, an extensive literature study and practice in evaluating and treating patients is required before the examination can be completed. The physiotherapists involved in the study had 5–20 years of clinical experience of treating patients with back problems and herniated lumbar disc. The inter-examiner reliability of the MDT assessment has been shown to be good if the examiner is trained in the MDT method (22). The physiotherapists examined and treated the patients during a 9-week period (Table I). For the first 2 weeks of treatment, an MDT protocol was followed, based on clinical examinations of individual mechanical and symptomatic responses to positions and movements, with the aim of minimizing pain and with the emphasis on self-management (14). During the third week of treatment, graded trunk stabilization exercises were added to the MDT protocol. The purpose of graded trunk stabilization exercises was to improve muscle control (23). The low-load muscular endurance exercises were gradually increased in intensity on an individual basis with respect to the patients’ reported leg pain and the observed movement control and quality. During treatment, the patients were encouraged to continue exercising on their own at a gym, or to perform some other type of physical training of their own choice after the structured physiotherapy treatment was concluded. Four weeks after the completion of the 9-week physiotherapy treatment period, the patients attended a follow-up visit with the physiotherapist who had treated them. The aim of this visit was to encourage a high level of compliance with respect to continued trunk stabilization exercises and MDT practice (Table I).

 

 

Medidas de Resultado do Estudo

 

Os pacientes receberam uma bateria de questionários para completar. Os examinadores independentes, que não estavam envolvidos no tratamento, distribuíram os questionários antes do tratamento (linha de base) e nos acompanhamentos 3, 12 e 24.

 

The primary outcome measures were pain intensity in the leg, rated using a visual analogue scale (VAS) 0–100 mm (24) and the Oswestry Disability Index (ODI) 0–100 % (25). A score of 0–10 mm on the VAS was defined as no pain according to Öberg et al. (26). An ODI score of 0–20% was defined as minimal or no disability, and a score of over 40% was defined as severe disability (25). These primary outcome measures are commonly used in evaluations after surgery for lowback pain and for assessing patients with lumbar disc herniation (27).

 

Secondary outcome measures included pain intensity in the back rated using a VAS and the degree of kinesiophobia using the Tampa Scale for Kinesiophobia (TSK). The TSK score varies between 17 and 68 and a cut-off more than 37 was defined as a high degree of kinesiophobia (28). Health-Related Quality of Life (HRQoL) in the European Quality of Life in 5 Dimensions Questionnaires (EQ-5D) was used. The EQ-5D includes 2 parts, EQ-5Dindex ranges from 0 to 1.0, where 1.0 is optimal health and EQ-5DVAS is a vertical visual analogue scale ranging from 0 (worst possible health state) to 100 (best possible health state) (29). The Zung Self-Rating Depression Scale (ZDS) ranges from 20–80 and the more depressed the patient is, the higher score (30). The Self-Efficacy Scale (SES) ranges from 8 to 64, with higher scores indicating more positive beliefs (31) was also used. Work status was measured using a 3-grade Likert scale: working full time, full-time sick leave and part-time sick leave. Likewise, patient satisfaction with treatment was measured on a 3-grade Likert scale; satisfied, less satisfied and dissatisfied (32). These secondary outcome measures evaluate bio-psychosocial factors described as important in connection with lumbar disc surgery (33).

 

 

Análise estatística

 

Os resultados são apresentados como mediana e intervalo interquartílico (IQR), com exceção da idade, que é apresentada como média e desvio padrão (DP). As mudanças ao longo do tempo dentro do grupo foram analisadas com o teste dos postos sinalizados de Wilcoxon. A significância estatística foi estabelecida em um nível alfa de 0.05.

 

Resultados

 

As características da linha de base são mostradas na Tabela II. Nenhum paciente foi submetido a cirurgia no seguimento do mês 3. No seguimento 12-month, os doentes 3 foram submetidos a cirurgia e, no seguimento 24-month, o doente adicional 1 foi operado. Após a cirurgia, esses pacientes 4 foram excluídos de outros acompanhamentos (Fig. 1).

 

Mudança ao longo do tempo nas medidas de resultados primários

 

Incapacidade. The patients showed significant improvements (p < 0.001) in ODI at the 3-month follow-up compared with baseline. The median (IQR) score decreased from 42 (27–53) to 14 (8–33). This improvement could still be seen at 12 and 24 months (Table III and Fig. 2). At baseline, 22 patients reported severe disability (54%) and 3 patients reported no disability. The degree of disability decreased at the 3-month follow-up, as only 9 patients (22%) reported severe disability and 26 (64%) reported no disability. At 12- and 24-month follow-ups only 2 patients (5%) reported severe disability. At 12-month followup 26 patients still reported no disability, and at 24-month follow-up 27 patients reported no disability.

 

 

Dor na perna. A significant reduction in patients’ leg pain was found at the 3-month follow-up (p < 0.001) on the VAS compared with baseline. The median (IQR) on the VAS decreased from 60 (40–75) to 9 (2–27). This improvement could still be seen at the 12- and 24-month follow-ups (Table III and Fig. 2). Before treatment, all patients reported leg pain. Three months after treatment, the median on the VAS was 9 mm, i.e. classified as no leg pain (26). Twenty-three patients (56%) reported no leg pain at the 3-month follow-up. At the 12-month follow-up 22 patients reported no leg pain, and after 24 months 24 patients reported no leg pain.

 

 

Mudança nas medidas secundárias de resultados ao longo do tempo

 

Dor nas costas. Uma melhora significativa na dor nas costas foi encontrada no acompanhamento de 3 meses (p <0.001) na VAS em comparação com a linha de base. Essa melhora ainda pode ser observada em 12 e 24 meses (Tabela III). No início do estudo, 6 pacientes (15%) não relataram dor nas costas. Três meses após o início do tratamento, 20 pacientes (49%) não relataram dor nas costas.

 

 

Cinesiofobia O grau de cinesiofobia apresentou melhora significativa no seguimento de 3 meses (p <0.001) e a melhora pôde ser observada ao longo do seguimento (Tabela III). Antes do tratamento, 25 pacientes (61%) foram classificados como tendo cinesiofobia e 15 pacientes (37%) não tinham cinesiofobia, enquanto os dados de 1 paciente estavam ausentes. Após 3 meses, 15 pacientes (37%) apresentavam cinesiofobia e 26 (63%) não apresentavam cinesiofobia. No acompanhamento de 12 meses, o número de pacientes com cinesiofobia havia reduzido para 4 (11%) (fig. 3).

 

Qualidade de vida relacionada à saúde, depressão e autoeficácia. Todas as 4 avaliações (EQ-5Dindex, EQ-5DVAS, ZDS e SES) mostraram melhorias significativas no acompanhamento de 3 meses (p <0.001). Essa melhora ainda pode ser observada em 12 e 24 meses (Tabela III).

 

Atestado médico. No início do estudo, 22 pacientes (54%) estavam em licença médica em tempo integral (Tabela IV), em comparação com 9 (22%) pacientes no acompanhamento de 3 meses. No início do estudo, 14 pacientes (34%) trabalhavam em tempo integral, em comparação com 22 (54%) no acompanhamento de 3 meses.

 

 

Satisfação com o tratamento

 

No seguimento 3-mês, os 32 (78%) dos doentes 41 ficaram satisfeitos com o tratamento fisioterapêutico estruturado. Sete pacientes estavam menos satisfeitos e os pacientes 2 estavam insatisfeitos. Ambos os pacientes insatisfeitos foram posteriormente operados. No seguimento do ano 2, o número de pacientes satisfeitos foi 29 (80%) de 36. Sete pacientes estavam menos satisfeitos, mas nenhum insatisfeito após o tratamento fisioterápico estruturado.

 

Insight do Dr. Alex Jimenez

Uma hérnia de disco na coluna lombar pode causar dor, dormência e fraqueza na parte inferior das costas. Por causa da gravidade dos sintomas, muitos pacientes que buscam alívio rápido da dor consideram a cirurgia. No entanto, muitas opções de tratamento não cirúrgico podem ajudar a melhorar e controlar os sintomas de hérnia de disco lombar. Um modelo de tratamento de fisioterapia estruturado pode fornecer alívio rápido da dor para pacientes que, de outra forma, se qualificariam para cirurgia de disco lombar, de acordo com o artigo a seguir. Os pacientes que procuram evitar longos períodos de licença médica devido aos seus sintomas podem se beneficiar de um modelo de tratamento fisioterapêutico estruturado. Como acontece com qualquer tipo de lesão e / ou condição, o uso de outras opções de tratamento deve ser devidamente considerado antes de recorrer a intervenções cirúrgicas para alívio rápido da dor.

 

Discussão

 

O principal achado deste estudo foi que os pacientes que se qualificaram para cirurgia de disco lombar melhoraram para um nível estatisticamente significativo e clinicamente substancial apenas 3 meses após o início do tratamento fisioterapêutico estruturado em todas as avaliações: incapacidade, dor nas costas e perna, cinesiofobia, qualidade de vida relacionada, depressão e autoeficácia. As melhorias ainda podem ser vistas no acompanhamento do ano 2.

 

O curso natural da cura deve ser considerado com cuidado, especialmente ao avaliar os efeitos do tratamento em pacientes com hérnia discal. Os sintomas muitas vezes variam ao longo do tempo e muitos discos curam espontaneamente e os sintomas cessam. Aproximadamente 75% dos doentes com ciática, sem hérnia de disco verificada por RM, recuperam-se nos meses 3 e aproximadamente um terço dos doentes recuperam dentro de 2 semanas após o início da ciática (6). O curso natural da dor ciática foi avaliado em um estudo controlado randomizado (34), que comparou os AINEs com placebo. Os pacientes foram, no entanto, examinados dentro de 14 dias após o início da irradiação da dor nas pernas. Após os meses 3, 60% dos doentes recuperaram e, após 12 meses, 70% recuperou. A fim de minimizar a influência da cura espontânea no presente estudo, os pacientes foram, portanto, incluídos apenas se tivessem dor e incapacidade persistentes por mais de 6 semanas. De fato, a maioria dos pacientes teve dor e incapacidade por mais de 3 meses. É, portanto, muito provável que os efeitos do tratamento observados no presente estudo sejam, na maioria dos pacientes, um efeito do modelo estruturado de tratamento de fisioterapia e não um resultado de cura espontânea.

 

In the study by Weber et al. (34), the VAS leg pain mean score was reduced from 54 mm at baseline to 19 mm within 4 weeks for all 183 patients, regardless of treatment. After 1 year, the VAS leg pain mean score was 17 mm. The patients in the present study who were a little worse at baseline (60 mm) reported 9 mm on the VAS leg pain just 3 months after treatment. Consequently, in the present study, the median VAS level had already been reduced to under the no-pain score, defined as 0–10 on the VAS (26), at the 3-month follow-up and this was maintained to the 12- and 24-month follow-ups.

 

Physiotherapy treatment for patients with lumbar disc herniation can lead to improvements. Brötz et al. (17) included a selected group of patients who responded with the centralization of pain after the first 5 daily sessions of treatment according to the MDT method. Centralization of pain is defined as a clinically induced change in the location of pain referred from the spine, that moves from the most distal position toward the lumbar midline (35). However, the patients’ medium duration of symptoms before treatment was only 12 days and the possibility that patients recovered naturally cannot therefore be excluded (17).

 

Em um estudo retrospectivo, os pacientes 95 foram tratados com um programa de restauração funcional (36). Os pacientes obtiveram melhorias significativas após um período médio de tratamento de meses 8.7. A avaliação foi realizada apenas na alta. Com um período de tratamento desse comprimento, é difícil diferenciar entre os efeitos do tratamento e o processo natural de cicatrização. No presente estudo, um período de tratamento mais curto foi adotado, e grandes e significativas melhorias foram encontradas após apenas meses 3 e ainda estavam presentes no seguimento 24-mês. Portanto, não é provável que o processo de cura natural tenha sido responsável pelos resultados positivos no presente estudo.

 

Em um estudo prospectivo de 82 pacientes consecutivos com ciática aguda grave, incluído para o tratamento conservador, apenas uma minoria dos pacientes tinha feito uma recuperação completa após meses 12 (37). Vinte e cinco por cento dos pacientes foram submetidos a cirurgia nos meses 4 e um terço teve cirurgia no ano 1. Apesar de os critérios de inclusão no presente estudo seguirem as recomendações para cirurgia (21, 38), nenhum paciente necessitou de cirurgia no seguimento 3-mês e, após meses 12, apenas os pacientes 3 (7%) passou por cirurgia. A interpretação da divergência poderia ser que o modelo de tratamento fisioterapêutico estruturado utilizado no presente estudo pareceu influenciar os pacientes com hérnia de disco lombar em uma direção muito positiva. Uma recomendação é, portanto, seguir o modelo de tratamento estruturado em fisioterapia antes de considerar a cirurgia.

 

Neste estudo, a verificação por RM da hérnia discal foi um critério de inclusão. Na prática clínica, a verificação por ressonância magnética não é obrigatória, como no tratamento cirúrgico, antes da introdução do tratamento estruturado de fisioterapia em pacientes com sintomas de hérnia de disco. Consequentemente, o tratamento de acordo com o modelo de tratamento fisioterapêutico estruturado pode começar cedo após o início dos sintomas, uma vez que não é necessário esperar por uma ressonância magnética. É possível especular que, se o tratamento com um modelo de fisioterapia estruturado começar mais cedo do que no presente estudo, as melhorias seriam ainda melhores, reduzindo ainda mais o risco de dor persistente e problemas associados. Além disso, a necessidade de ressonância magnética é provável que diminua; isso, no entanto, deve ser melhor avaliado em estudos futuros.

 

Uma explicação para os bons resultados deste estudo poderia ser que os pacientes seguiam um modelo estruturado de tratamento fisioterapêutico, incluindo exercícios de MDT e estabilização do tronco, permitindo um desenho individual e progressão do tratamento. Resultados semelhantes foram descritos em um estudo de coorte retrospectivo (39), utilizando vários métodos de tratamento para o controle da dor, bem como para o treinamento físico para pacientes com hérnia de disco lombar. A avaliação não foi realizada até aproximadamente 31 meses após o tratamento. Os resultados de Saal et al. (39) e do presente estudo estão de acordo, em que o tratamento fisioterapêutico estruturado pode reduzir os sintomas, mas os sintomas foram aliviados muito mais rapidamente no presente estudo.

 

In a multicentre study comprising 501 patients, randomized to surgery or non-operative care, 18% of the patients assigned to non-operative treatment underwent surgery within 6 weeks and 30% had surgery at approximately 3 months (7). The nonoperative treatment group received non-specified ”usual care”, which could include a variety of different treatment methods. In contrast, the patients in the present study were offered a structured physiotherapy treatment model that included both bio-psychological and social components, as described in the International Classification of Functioning, Disability and Health (40).

 

There are many possible explanations for the positive effects seen in this present study, and 5 of these will now be discussed. Firstly, the patients were well informed about the design of the structured physiotherapy treatment model, including the timetable for different phases of the treatment and when the treatment was planned to end. This information enhanced the patients’ opportunity for self-management and gave them an active role in treatment decision-making.

 

Secondly, the patients acquired strategies to deal with their pain by using the different activities and movements in order to reduce pain according to the MDT method (14). The MDT method aims to enhance the patients’ ability to cope with the symptoms, motivate the patient to comply with the treatment and empower them to achieve independence. Leijon et al. (41) have shown that low levels of motivation plus pain are important factors that enhance non-adherence to physical activity. It therefore appears important to reduce pain and increase motivation as early as possible. It is reasonable to believe that, when the patients participated in the evaluation of different activities and exercises, this augmented their opportunity to discover the connection between activities and the following reduction or increase in symptoms. This could have led to the increased self-efficacy and empowerment of the patients. The use of empowerment in physiotherapy has been recommended in a review by Perrault (42), who argues that empowerment improves the intervention.

 

Thirdly, the intensity of exercises was gradually increased on an individual basis with respect to the patients’ reported pain. The objective was to strengthen the patients’ self-efficacy, which also improved significantly in the present study. Fourthly, the trunk stabilization exercises were conducted with the aim of increasing deep trunk muscle control (23). It can be speculated that the physiological effects of training may also have led to reduced pain through increased blood circulation, muscle relaxation and the release of pain-reducing substances, such as endorphins.

 

Finalmente, uma razão para as melhorias poderia ser que os fisioterapeutas eram experientes e bem instruídos no método da MDT. Posteriormente, os fisioterapeutas conseguiram guiar os pacientes durante o processo de reabilitação. No entanto, não é possível determinar se e quanto cada uma das razões discutidas acima contribuiu para as melhorias. Parece razoável supor que todos os fatores 5 estavam operando.

 

Neste estudo, a maioria dos pacientes apresentou cinesiofobia antes do início do tratamento. Tão cedo quanto 3 meses após o início do tratamento de fisioterapia estruturado, o número de pacientes com cinesiofobia diminuiu drasticamente e a maioria dos pacientes não apresentou mais cinesiofobia. Estes resultados estão de acordo com os de um estudo de pacientes com dor crônica e alta cinesiofobia que aumentaram seu nível de atividade física após um programa de controle da dor projetado para permitir que os pacientes recuperassem a função geral (43).

 

Existem algumas limitações para este estudo. Não é possível excluir a possibilidade de alguns pacientes terem melhorado espontaneamente sem tratamento. Medidas foram tomadas para limitar este risco usando sintomas pelo menos 6 semanas como um critério de inclusão. Mais uma vez, a maioria dos pacientes apresentou sintomas por mais de 3 meses. Outra limitação pode estar relacionada a se os pacientes foram selecionados com precisão para o estudo. Cirurgiões ortopédicos com experiência clínica avaliaram os achados clínicos e os exames de ressonância magnética e classificaram os pacientes como candidatos cirúrgicos com base nas recomendações da Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos para intervenção na hérnia de disco publicada no 1993 (21). Os pacientes incluídos no presente estudo também cumpriram as recomendações apresentadas por Bono e colaboradores em 2006 (38). Os pacientes podem, portanto, ser considerados como seus próprios controles, e comparações podem ser feitas com sintomas basais e com pacientes de outros estudos. Um ECR teria sido a melhor maneira de explorar diferentes opções de tratamento; no entanto, não atingimos o número de pacientes necessários para um ECR. Como o modelo de tratamento usado no presente estudo não foi avaliado previamente em um grupo de pacientes com dor prolongada, com a maioria dos pacientes tendo dor por mais de 3 meses devido à hérnia de disco, e, como os resultados são clinicamente interessante, decidiu-se apresentar os resultados como um estudo de coorte.

 

Em conclusão, este estudo mostra que os pacientes elegíveis para cirurgia de disco lombar melhoraram significativamente após o tratamento com o modelo de fisioterapia estruturado, tão cedo quanto 3 meses após o tratamento, e os resultados ainda puderam ser observados no seguimento 24-mês. Consequentemente, esses pacientes não se qualificaram para a cirurgia de disco lombar 3 meses após o início do tratamento fisioterapêutico. Além disso, a maioria dos pacientes apresentou sintomas por mais de 3 meses no início do tratamento e, por essa razão, a maior parte da cura espontânea deveria ter ocorrido antes do início do estudo. Portanto, este estudo recomenda a adoção do modelo estruturado de tratamento fisioterapêutico antes de considerar a cirurgia, quando os pacientes relatam sintomas como dor e incapacidade devido à hérnia de disco lombar.

 

Agradecimentos

 

The authors would like to thank physiotherapists Patrik Drevander, Christina Grundén, Sofia Fridén and Eva Fahlgren for treating the patients and Valter Sundh for statistical support. This study was supported by grants from the Health & Medical Care Committee of the Västra Götaland Region, Renée Eander’s Foundation and Wilhelm & Martina Lundgren’s Foundation of Science.

 

A hérnia de disco pode causar dor, dormência e fraqueza, uma variedade de sintomas que muitas vezes podem se tornar tão graves que a cirurgia pode parecer a única opção para um alívio rápido. No entanto, um modelo de tratamento fisioterapêutico estruturado pode proporcionar alívio rápido aos pacientes que se qualificam para a cirurgia de disco lombar, de acordo com os resultados da pesquisa. Informações referenciadas do National Center for Biotechnology Information (NCBI). O escopo de nossas informações é limitado à quiropraxia, bem como a lesões e condições da coluna vertebral. Para discutir o assunto, sinta-se à vontade para perguntar ao Dr. Jimenez ou entre em contato pelo telefone 915-850-0900 .

 

Curated pelo Dr. Alex Jimenez

 

1. Konstantinou K, Dunn KM. Ciática: revisão de epidemiologia
estudos e estimativas de prevalência. Espinha (Phila Pa 1976) 2008;
33: 2464 ?? 2472.
2. Nygaard OP, Kloster R, Solberg T. Duração da dor nas pernas como
preditor de resultado após a cirurgia para hérnia de disco lombar:
um estudo prospectivo de coorte com seguimento 1-ano. J Neurosurg
2000; 92: 131–134.
3. Orief T, Orz Y, Attia W, Almusrea K. Reabsorção espontânea
de hérnia de disco intervertebral sequestrada. Neurosurg mundo
2012; 77: 146–152.
4. Maigne JY, Rime B, Deligne B. Seguimento tomográfico computadorizado
estudo de quarenta e oito casos de intervertebral lombar não tratado
disc herniation. Spine (Phila Pa 1976) 1992; 17: 1071–1074.
5. Takada E, Takahashi M, Shimada K. História natural do disco lombar
hérnia com dor nas pernas radicular: alterações espontâneas da RM
hérnia de massa e correlação com desfecho clínico. J Ortopedizado
Surg (Hong Kong) 2001; 9: 1–7.
6. Vroomen PC, de Krom MC, Knottnerus JA. Prever o resultado
de ciática no seguimento de curto prazo. Pr J Gen Gen 2002;
52: 119 ?? 123.
7. Weinstein JN, Tosteson, TD, Lurie JD, Tosteson AN, Hanscom
B, Skinner JS, et al. Tratamento cirúrgico vs não operatório para lombar
hérnia de disco: o estudo de resultados de pacientes com coluna vertebral
(SPORT): a randomized trial. JAMA 2006; 296: 2441–2450.
8. Peul WC, van den Hout WB, Brand R, Thomeer RT, Koes BW.
Cuidado conservador prolongado versus cirurgia precoce em pacientes com
ciática causada por hérnia de disco lombar: dois anos de resultados de
randomised controlled trial. BMJ 2008; 336: 1355–1358.
9. Atlas SJ, Keller RB, YA Wu, Deyo RA, Singer DE. Longo prazo
resultados do tratamento cirúrgico e não cirúrgico da ciática secundária
para uma hérnia de disco lombar: 10 ano resulta do maine
lumbar spine study. Spine (Phila Pa 1976) 2005; 30: 927–935.
10. Weber H. hérnia de disco lombar. Um controle, prospectivo
estudo com dez anos de observação. Espinha (Phila Pa 1976) 1983;
8: 131 ?? 140.
11. Osterman H, Seitsalo S, Karppinen J, Malmivaara A. Eficácia de microdiscectomia para herniação do disco lombar: um estudo randomizado
ensaio clínico controlado com 2 anos de seguimento. Espinha (Phila Pa 1976)
2006; 31: 2409–2414.
12. Jacobs WC, van Tulder M, artes M, Rubinstein SM, van Middelkoop
M, Ostelo R et al. Cirurgia versus tratamento conservador de
ciática devido a uma hérnia de disco lombar: uma revisão sistemática. EUR
Spine J 2011; 20: 513–522.
13. Svensson GL, Lundberg M., Östgaard HC, Wendt GK. Alto grau
da cinesiofobia após cirurgia de hérnia de disco lombar: um estudo transversal
study of 84 patients. Acta Orthop 2011; 82: 732–736.
14. McKenzie R, May S. A coluna lombar: diagnóstico mecânico
e terapia. 2ª ed. Spinal Publications New Zealand Limited:
Wellington; 2003.
15. Clare HA, Adams R, Maher CG. Uma revisão sistemática de eficácia
da terapia de McKenzie para dor na coluna. Aust J Fisioterapeuta 2004;
50: 209 ?? 216.
16. Paquetma M, S Kilpikoski, Simonen R, Heinonen A, Alen M, Videman
T. Terapia manual ortopédica, método ou conselho de McKenzie
somente para dor lombar em adultos trabalhadores: um estudo randomizado
trial with one year follow-up. J Rehabil Med 2008; 40: 858–863.
17. Brötz D, Kuker W, Maschke E, Wick W, Dichgan J, Weller M.
Um estudo prospectivo de fisioterapia mecânica para o disco lombar
prolapse. J Neurol 2003; 250: 746–749.
18. Hodges PW, Moseley GL. Dor e controle motor do lombo-pélvico
região: efeito e possíveis mecanismos. J Electromyogr
Kinesiol 2003; 13: 361–370.
19. Esconde JA, Jull GA, Richardson CA. Efeitos a longo prazo de específicos
exercícios de estabilização para o primeiro episódio de lombalgia. Espinha (Phila
Pa 1976) 2001; 26: E243–E248.
20. Yilmaz F, Yilmaz A, Merdol F, Parlar D, Sahin F., Kuran B. Eficácia
do exercício dinâmico de estabilização lombar na microdiscectomia lombar.
J Rehabil Med 2003; 35: 163–167.
21. Nachemson AL. Lumbar disc herniation – conclusions. Acta Orthop
Scand Suppl 1993; 251: 49–50.
22. Kilpikoski S, Airaksinen O, M Kankaanpaa, Leminen P, Videman
T, Alen M. Interexaminadores confiabilidade da avaliação da dor lombar
usando o método McKenzie. Espinha (Phila Pa 1976) 2002; 27:
E207–E214.
23. Richardson CA, Jull GA. Controle muscular-controle da dor. Que exercícios
would you prescribe? Man Ther 1995; 1: 2–10.
24. Scott J, Huskisson EC. Representação gráfica da dor. Dor 1976;
2: 175 ?? 184.
25. Fairbank JC, Couper J, Davies JB, O’Brien JP. The Oswestry
questionário de incapacidade para lombalgia. Fisioterapia 1980; 66:
271 ?? 273.
26. Öberg B, Enthoven P, Kjellman G., Skargren E. Dor nas costas em
atenção primária: um estudo de coorte prospectivo de desfecho clínico e
consumo de saúde. Adv Physiother 2003; 5: 98.
27. Bombardier C. Avaliação de resultados na avaliação do tratamento
de distúrbios da coluna vertebral: resumo e recomendações gerais. Coluna vertebral
2000; 25: 3100–3103.
28. Vlaeyen JW, Kole-Snijders AM, Boeren RG, van Eek H. Medo de
movimento / (re) lesão na dor lombar crônica e sua relação com
behavioral performance. Pain 1995; 62: 363–372.
29. EuroQol – a new facility for the measurement of health-related quality
of life. The EuroQol Group. Health Policy 1990; 16: 199–208.
30. Zung WW. Uma escala de depressão de autoavaliação. Arch Gen Psychiatry
1965; 12: 63–70.
31. Estlander AM, Vanharanta H., Moneta GB, Kaivanto K. Antropométrico
variáveis, crenças de autoeficácia e dor e incapacidade
avaliações sobre o desempenho isocinético de pacientes com dor lombar.
Spine 1994; 19: 941–947.
32. Strömqvist B, B Jönsson, Fritzell P, Hägg O, Larsson BE, Lind B.
O registo nacional sueco para a cirurgia da coluna lombar: sueco
Society for Spinal Surgery. Acta Orthop Scand 2001; 72: 99–106.
33. Boer JJ, Oostendorp RA, Beems T, Munneke M, Oerlemans
M, Evers AW. Uma revisão sistemática de fatores de risco biopsicossociais
para um desfecho desfavorável após a cirurgia de disco lombar. Eur Spine
J 2006; 15: 527–536.
34. Weber H, Holme I, Amlie E. O curso natural da ciática aguda
com sintomas da raiz nervosa em um estudo duplo-cego controlado por placebo.
ensaio avaliando o efeito do piroxicam. Espinha (Phila Pa 1976)
1993; 18: 1433–1438.
35. Werneke M, Hart DL, Cook D. Um estudo descritivo da centralização
fenômeno. Uma análise prospectiva. Espinha (Phila Pa
1976) 1999; 24: 676–683.
36. Hahne AJ, Ford JJ, Hinman RS, Taylor NF, Surkitt LD, Walters
AG et al. Resultados e eventos adversos da fisioterapia
restauração funcional para hérnia de disco lombar com
radiculopathy. Disabil Rehabil 2011; 33: 1537–1547.
37. Balague F, Nordin M, Sheikzadeh A, Echegoyen AC, Brisby H,
Hoogewoud HM, et al. Recuperação de ciática severa. Espinha (Phila
Pa 1976) 1999; 24: 2516–2524.
38. Bono CM, Wisneski R, Garfin SR. Hérnias discais lombares. Dentro:
Herkowitz HN, Garfin SR, Eismont FJ, Bell GR, Balderston RA,
editores. Rothman-Simeone a espinha. 5th ed. Saunders Elsevier:
Philadelphia; 2006: p. 979–980.
39. Saal JA, Saal JS. Tratamento não operatório de hérnia lombar
disco intervertebral com radiculopatia. Um estudo de resultado. Coluna vertebral
(Phila Pa 1976) 1989; 14: 431–437.
40. Organização Mundial de Saúde. Classificação Internacional de Funcionalidade,
Deficiência e Saúde (CIF). 2001 [citado 2012 Oct 9].
Disponível a partir de: http://www.who.int/classifications/icf/en/.
41. Leijon ME, Faskunger J, P Bendtsen, Festin K, Nilsen P. Quem é
não aderir aos encaminhamentos de atividade física e por quê? Scand J Prim
Health Care 2011; 29: 234–240.
42. Perreault K. Linking promoção da saúde com fisioterapia para baixo
back pain: a review. J Rehabil Med 2008; 40: 401–409.
43. Koho P, Orenius T, Kautiainen H, Haanpaa M, Pohjolainen T, Hurri
H. Associação do medo do movimento e do físico no lazer
atividade entre pacientes com dor crônica. J Rehabil Med 2011;
43: 794 ?? 799.

 

 

Tópicos adicionais: dor no pescoço

 

A dor no pescoço é uma queixa comum que pode resultar devido a uma variedade de lesões e / ou condições. De acordo com as estatísticas, as lesões por acidentes automobilísticos e lesões por laços cervicais são algumas das causas mais prevalentes de dor de garganta na população em geral. Durante um acidente de carro, o impacto súbito do incidente pode fazer com que a cabeça e o pescoço se soltem bruscamente em qualquer direção, prejudicando as estruturas complexas que cercam a coluna cervical. O trauma para os tendões e os ligamentos, bem como o de outros tecidos do pescoço, pode causar dor no pescoço e sintomas radiativos em todo o corpo humano.

 

 

TÓPICO IMPORTANTE: EXTRA EXTRA: um mais saudável você!

 

OUTROS TEMAS IMPORTANTES: EXTRA: Lesões Esportivas? | Vincent Garcia | Paciente | El Paso, TX Chiropractor

 

Publicações Recentes

Reverta os efeitos do estilo de vida sedentário por meio da quiropraxia

Muitos de nós gastamos muito tempo sentados em uma mesa / estação a cada ... Saiba mais

5 maio 2021

Como diagnosticar a DRC? Cistatina C, eGFR e creatina

A Doença Renal: Melhorando os Resultados Globais (KDIGO) e as Diretrizes de Prática Clínica para a avaliação ... Saiba mais

5 maio 2021

Tigela de Buda Fresca com Grão de Bico Assado

Receita saudável antiinflamatória Pessoas 1 Tamanho da porção 1 Tempo de preparação 15 minutos Tempo de cozimento 30 minutos Total ... Saiba mais

5 maio 2021

Uma abordagem funcional para o desequilíbrio hormonal

Ao tratar o corpo com uma abordagem de medicina funcional, é necessário dar o ... Saiba mais

5 maio 2021

A abordagem genética e preventiva para interromper a hipertensão e as doenças renais

As diretrizes clínicas publicadas anteriormente para tratar doenças cardiovasculares (DCV) eram abordagens precisamente para tratar ... Saiba mais

5 maio 2021

Articulações do corpo e proteção contra artrite reumatóide

Diz-se que a artrite reumatóide afeta cerca de 1.5 milhão de pessoas. Reconhecido como uma doença auto-imune ... Saiba mais

4 maio 2021

Especialista em lesões, traumatismos e reabilitação da coluna vertebral

Histórico e registro online 🔘
Ligue-nos hoje 🔘