Pilates Chiropractor vs. McKenzie Chiropractor: Qual é melhor?

Compartilhe

Dor lombar or LBP, is a very common condition which affects the lumbar spine, or the lower section of the spine. Approximately more than 3 million cases of LBP are diagnosed in the United States aline every year and about 80 percent of adults worldwide experience low back pain at some point during their lifetime. Low back pain is generally caused by injury to a muscle (strain) or ligament (sprain) or due to damage from a disease. Common causes of LBP include poor posture, lack of regular exercise,�improper lifting, fracture, herniated discs and/or arthritis. Most cases of low back pain may often go away on their own, however, when LBP becomes chronic, it may be important to seek immediate medical attention. Two therapeutic methods have been utilized to improve LBP. The following article compares the effects of Pilates and McKenzie training on LBP.

 

Uma comparação entre os efeitos do treinamento de Pilates e McKenzie sobre a dor e a saúde geral em homens com lombalgia crônica: um estudo randomizado

 

Sumário

 

  • Fundo: Hoje, a dor lombar crônica é um dos desafios especiais na área da saúde. Não existe uma abordagem única para tratar a dor lombar crônica. Uma variedade de métodos é usada para o tratamento da dor lombar, mas os efeitos desses métodos ainda não foram investigados adequadamente.
  • Objetivo: O objetivo deste estudo foi comparar os efeitos do treinamento de Pilates e McKenzie na dor e na saúde geral de homens com dor lombar crônica.
  • Materiais e Métodos: Trinta e seis pacientes com dor lombar crônica foram escolhidos voluntariamente e divididos em três grupos de 12 cada: grupo McKenzie, grupo Pilates e grupo controle. O grupo Pilates participou em sessões de exercícios 1-h, três sessões por semana durante as semanas 6. O grupo McKenzie realizou exercícios 1 ha dias por 20 dias. O grupo controle não foi submetido a tratamento. A saúde geral de todos os participantes foi medida pelo Questionário Geral de Saúde 28 e dor pelo Questionário de Dor McGill.
  • Resultados: Após os exercícios terapêuticos, não houve diferença significativa entre os grupos Pilates e McKenzie no alívio da dor (P = 0.327). Nenhum dos dois métodos foi superior ao outro para o alívio da dor. No entanto, houve uma diferença significativa nos índices gerais de saúde entre os grupos Pilates e McKenzie.
  • Conclusão: O treinamento com Pilates e McKenzie reduziu a dor em pacientes com dor lombar crônica, mas o treinamento de Pilates foi mais eficaz para melhorar a saúde geral.
  • Palavras-chave: Dor nas costas crônica, saúde geral, treinamento de Mckenzie, dor, treinamento de Pilates

 

Introdução

 

Low back pain with a history of more than 3 months and without any pathological symptom is called chronic low back pain. For patient with chronic low back pain, the physician should take into consideration the likelihood of muscle pain development with spinal origin, in addition to low back pain with unknown origin. This type of pain may be mechanical (increase in pain with movement or physical pressure) or nonmechanical (increase in pain at the rest time).[1] Low back pain or spine pain is the most common musculoskeletal complication.[2] About 50%–80% of healthy people may experience low back pain during their lifetime, and about 80% of the problems are related to the spine and occur in the lumbar area.[3] Low back pain may be caused by trauma, infection, tumors, etc.[4] Mechanical injuries which are caused by overuse of a natural structure, deformity of an anatomical structure, or the injury in the soft tissue are the most common reasons for back pain. From occupational health perspective, back pain is among the most important reasons for the absence from work and occupational disability;[5] in fact, the longer the period of disease,[6] the less likely it is to improve and return to work.[1] Disability due to low back pain in addition to disturbance in doing daily and social activities has a very negative effect, from social and economic perspectives, on the patient and the community, which makes chronic low back pain highly important.[3] Today, chronic low back pain is one of the critical challenges in medicine. Patients with chronic low back pain are responsible for 80% of the costs paid for the treatment of low back pain that is also the reason for mobility restrictions in most people under 45 years.[7] In the developed countries, the overall cost paid for low back pain per year is 7.1 of total share of the gross national product. Clearly, most of the cost is related to counseling and treatment of patients with chronic low back pain rather than with intermittent and recursive low back pain.[8] The existence of various methods of treatment is because of no single cause of low back pain.[9] A variety of methods such as pharmacotherapy, acupuncture, infusions, and physical methods are the most common interventions for treatment of low back pain. However, the effects of these methods remain to be fully known.[6] An exercise program, developed based on the physical conditions of patients, can promote the quality of life in patients with chronic disease.[10,11,12,13,14]

 

 

 

A literatura mostra que o efeito do exercício no controle da lombalgia crônica está em estudo e há fortes evidências sobre o fato de que a terapia de movimento é eficaz no tratamento da lombalgia. [15] Entretanto, não existem recomendações específicas sobre o tipo de exercício, e os efeitos de certos tipos de terapias de movimento foram determinados em poucos estudos. [9] Treinamento de pilates Consiste nos exercícios que se concentram em melhorar a flexibilidade e força em todos os órgãos do corpo, sem aumentar a massa muscular ou destruí-los. Esse método de treinamento consiste em movimentos controlados que formam uma harmonia física entre o corpo e o cérebro e podem aumentar a capacidade do corpo de pessoas em qualquer idade. [16] Além disso, as pessoas que fazem o exercício de Pilates teriam melhor sono e menos fadiga , estresse e nervosismo. Este método de treinamento é baseado em posições de pé, sentado e deitado, sem intervalos, pulando e saltando; assim, pode reduzir as lesões resultantes do dano articular, pois os movimentos de exercício nas amplitudes de movimento nas três posições acima são realizados com respiração profunda e contração muscular. [17] Método McKenzie, também chamado de diagnóstico e terapia mecânica e baseado na participação ativa do paciente, é usado e confiável pelos pacientes e pelas pessoas que usam esse método em todo o mundo. Este método é baseado em fisioterapia que tem sido freqüentemente estudada. A característica distintiva deste método é o princípio da avaliação inicial. [18] Este princípio é um método confiável e seguro para fazer um diagnóstico que possibilite o planejamento correto do tratamento. Desta forma, o tempo e a energia não são gastos em testes caros, e sim os terapeutas McKenzie, usando um indicador válido, reconhecem rapidamente quanto e como esse método é frutífero para o paciente. Mais apropriadamente, o método McKenzie é uma abordagem abrangente baseada nos princípios corretos, cuja compreensão e seguimento completos são muito frutíferos. [19] Nos últimos anos, as abordagens não farmacológicas têm atraído a atenção de médicos e pacientes com lombalgia. [20 Terapias complementares [21] e tratamentos com natureza holística (para aumentar o bem-estar físico e mental) são apropriados para o manejo da doença física. [13] Terapias complementares podem retardar a progressão da doença e melhorar a capacidade e o desempenho físico. O objetivo do presente estudo é comparar o efeito do treinamento de Pilates e McKenzie sobre dor e saúde geral em homens com dor lombar crônica.

 

 

Materiais e Métodos

 

Este ensaio clínico randomizado foi realizado em Shahrekord, no Irã. A população total do estudo pesquisada foi 144. Decidimos inscrever pelo menos 25% da população, indivíduos 36, usando uma amostragem aleatória sistemática. Primeiro, os participantes foram numerados e uma lista foi desenvolvida. O primeiro caso foi selecionado usando tabela de números aleatórios e, em seguida, um dos quatro pacientes foi aleatoriamente inscritos. Esse processo continuou até que um número desejado de participantes estivesse inscrito. Em seguida, os participantes foram aleatoriamente designados para grupos experimentais (treinamento de Pilates e McKenzie) e grupo controle. Depois de explicar os propósitos da pesquisa aos participantes, eles foram solicitados a preencher o formulário de consentimento para participação no estudo. Além disso, os pacientes foram assegurados de que os dados da pesquisa são mantidos em sigilo e utilizados apenas para fins de pesquisa.

 

Critério de inclusão

 

The study population included men aged 40–55 years in Shahrekord, South-West Iran, with chronic back pain, that is, history of more than 3 months of low back pain and no specific disease or other surgery.

 

Critério de exclusão

 

The exclusion criteria were low back arch or so-called army back, serious spinal pathology such as tumors, fractures, inflammatory diseases, previous spinal surgery, nerve root compromise in the lumbar region, spondylolysis or spondylolisthesis, spinal stenosis, neurological disorders, systemic diseases, cardiovascular diseases, and receiving other therapies simultaneously. The examiner who assessed the outcomes was blinded to group assignment. Twenty-four hours before the training, a pretest was administered to all three groups to determine pain and general health; and then, the training began after completion of the McGill Pain Questionnaire (MPQ) and the General Health Questionnaire-28 (GHQ-28). The MPQ can be used to evaluate a person experiencing significant pain. It can be used to monitor the pain over time and to determine the effectiveness of any intervention. Minimum pain score: 0 (would not be seen in a person with true pain), maximum pain score: 78, and the higher the pain score the more severe the pain. Investigators reported that the construct validity and the reliability of the MPQ were reported as a test-retest reliability of 0.70.[22] The GHQ is a self-administered screening questionnaire. Test-retest reliability has been reported to be high (0.78–0 0.9) and inter- and intra-rater reliability have both been shown to be excellent (Cronbach’s ? 0.9–0.95). High internal consistency has also been reported. The lower the score is, the better the general health is.[23]

 

The participants in the experimental groups started training program under supervision of a sports medicine specialist. The training program consisted of 18 sessions of supervised individual training for both groups, with the sessions held three times per week for 6 weeks. Each training session lasted for an hour and was performed at the Physiotherapy Clinic in the School of Rehabilitation of the Shahrekord University of Medical Sciences in 2014–2015. The first experimental group performed Pilates training for 6 weeks, three times a week about an hour per session. In each session, first, a 5-min warm-up and preparation procedures were run; and at the end, stretching and walking were done to return to the baseline condition. In the McKenzie group, six exercises were used: Four extension-type exercises and two flexion-types. The extension-type exercises were performed in prone and standing positions, and the flexion-type exercises in the supine and sitting positions. Each exercise was run ten times. In addition, the participants conducted twenty daily individual training sessions for an hour.[18] After training of both groups, the participants filled out the questionnaires and then the collected data were presented in both descriptive and inferential statistics. Furthermore, the control group without any training, at the end of a period when other groups have completed, filled the questionnaire. Descriptive statistics were used for central tendency indicators such as mean (± standard deviation) and relevant diagrams were used to describe the data. Inferential statistics, one-way ANOVA and post hoc Tukey’s test, were used to analyze the data. Data analysis was done by SPSS Statistics for Windows, Version 21.0 (IBM Corp. Released 2012. IBM Armonk, NY: IBM Corp). P < 0.05 was considered statistically significant.

 

Insight do Dr. Alex Jimenez

Juntamente com o uso de ajustes da coluna vertebral e manipulações manuais para dor lombar, o tratamento quiroprático comumente utiliza métodos de exercícios terapêuticos para melhorar os sintomas de dor lombar, restaurando a força, flexibilidade e mobilidade do indivíduo afetado, além de promover uma recuperação mais rápida. Os métodos de treinamento Pilates e McKenzie, conforme mencionado no artigo, são comparados para determinar qual exercício terapêutico é o melhor para tratar a dor lombar. Como um instrutor certificado de Pilates de nível I, o treinamento de Pilates é implementado com tratamento quiroprático para melhorar a lombalgia com mais eficácia. Os pacientes que participam de um método de exercício terapêutico juntamente com uma forma primária de tratamento para a dor lombar podem experimentar benefícios adicionais. O treinamento McKenzie também pode ser implementado com o tratamento quiroprático para melhorar ainda mais os sintomas da dor lombar. O objetivo deste estudo de pesquisa é demonstrar informações baseadas em evidências sobre os benefícios dos métodos Pilates e McKenzie para dor lombar, bem como educar os pacientes sobre quais dos dois exercícios terapêuticos devem ser considerados para ajudar a tratar seus sintomas e alcançar a saúde geral e bem-estar.

 

Instrutores de Pilates Nível I certificados em nossa localização

 

Dr. Alex Jimenez DC, CCST | Diretor Clínico Chefe e Instrutor Certificado de Pilates Nível I

 

Truide Torres | Diretora do Departamento de Defesa do Relacionamento com o Paciente e Instrutora Certificada de Nível 1 em Pilates

Resultados

 

Os resultados mostraram que não houve diferença significativa entre os grupos caso e controle quanto ao sexo, estado civil, emprego, escolaridade e renda. Os resultados mostraram mudanças no índice de dor e saúde geral nos participantes antes e depois do treinamento de Pilates e McKenzie nos dois grupos experimentais e mesmo controle [Tabela 1].

 

 

Uma diferença significativa foi observada na dor e na saúde geral entre o controle e os dois grupos experimentais no pré e pós-teste, de modo que o treinamento de exercício (tanto Pilates quanto McKenzie) resultou em dor reduzida e promoveu saúde geral; enquanto no grupo controle, a dor aumentou e a saúde geral diminuiu.

 

Discussão

 

Os resultados deste estudo indicam que a dor nas costas diminuiu e a saúde geral aumentou após a terapia com exercícios de Pilates e McKenzie, mas no grupo controle, a dor foi intensificada. Petersen et al. estudo em doentes com lombalgia crónica 360 concluiu que no final de semanas 8 de treinamento McKenzie e treinamento de resistência de alta intensidade e 2 meses de treinamento em casa, dor e incapacidade diminuíram no grupo McKenzie no final de meses 2, mas no final dos meses 8, não foram observadas diferenças entre os tratamentos. [24]

 

 

Os resultados de outro estudo mostram que o treinamento de McKenzie é um método benéfico para reduzir a dor e aumentar os movimentos da coluna em pacientes com dor lombar crônica. [18] O treinamento de Pilates pode ser um método eficaz para melhorar a saúde geral, desempenho atlético, propriocepção. e redução da dor em pacientes com dor lombar crônica. [25] As melhorias na força vistas nos participantes do presente estudo foram mais prováveis ​​de serem devidas à diminuição da inibição da dor do que a alterações neurológicas nos padrões de disparo / recrutamento muscular ou a alterações morfológicas (hipertróficas) no músculo. Além disso, nenhum dos tratamentos foi superior ao outro, com vista a reduzir a intensidade da dor. No presente estudo, semanas 6 de treinamento McKenzie levou a uma redução significativa nos níveis de dor em homens com dor lombar crônica. A reabilitação de pacientes com dor lombar crônica visa restaurar a força, a resistência e a flexibilidade dos tecidos moles.

 

Udermann et al. mostraram que o treinamento de McKenzie melhorou a dor, a incapacidade e as variáveis ​​psicossociais em pacientes com dor lombar crônica e o treinamento de alongamento para as costas não teve nenhum efeito adicional sobre dor, incapacidade e variáveis ​​psicossociais. [26] Os resultados de outro estudo mostram que é uma redução na dor e incapacidade devido ao método de McKenzie por pelo menos 1 semana em comparação com o tratamento passivo em pacientes com lombalgia, mas redução na dor e incapacidade devido ao método de McKenzie em comparação com os métodos de tratamento ativo é desejável dentro 12 semanas após o tratamento. No geral, o tratamento com McKenzie é mais eficaz do que métodos passivos para tratar a dor lombar. [27] Uma das terapias de exercícios mais populares para pacientes com dor lombar é o programa de treinamento McKenzie. O método McKenzie leva à melhora dos sintomas de lombalgia, como dor a curto prazo. Além disso, a terapia com McKenzie é mais eficaz em comparação com tratamentos passivos. Este treinamento é projetado para mobilizar a coluna e fortalecer os músculos lombares. Estudos anteriores mostraram que a fraqueza e atrofia nos músculos centrais do corpo, particularmente o músculo abdominal transverso em pacientes com dor lombar. [28] Os resultados desta pesquisa também mostraram que houve uma diferença significativa nos índices gerais de saúde entre Pilates e Grupos McKenzie. No presente estudo, 6 semanas de treinamento de Pilates e McKenzie levaram a uma redução significativa no nível de saúde geral (sintomas físicos, ansiedade, disfunção social e depressão) em homens com dor lombar crônica e a saúde geral no grupo de treinamento de Pilates melhorado. Os resultados da maioria dos estudos mostram que a terapia com exercícios reduz a dor e melhora a saúde geral em pacientes com dor lombar crônica. É importante ressaltar que o acordo sobre a duração, o tipo e a intensidade do treinamento ainda precisam ser alcançados e não há um programa de treinamento definitivo que possa ter o melhor efeito em pacientes com dor lombar crônica. Portanto, mais pesquisas são necessárias para determinar a melhor duração e o método de tratamento para reduzir e melhorar a saúde geral em pacientes com lombalgia. No Al-Obaidi et al. estudo, dor, medo e incapacidade funcional melhoraram após 10 semanas de tratamento em pacientes. [5]

 

 

 

Além disso, o treinamento de McKenzie aumenta a amplitude de movimento da flexão lombar. No geral, nenhum dos dois métodos de tratamento foi superior ao outro [18]

 

Borges et al. concluíram que após 6 semanas de tratamento, o índice médio de dor no grupo experimental foi menor que o grupo controle. Além disso, a saúde geral do grupo experimental exibiu melhora maior do que o grupo controle. Os resultados desta pesquisa apoiam a recomendação do treinamento de Pilates para pacientes com dor lombar crônica. [29] Caldwell et al. os estudantes universitários concluíram que o treinamento de Pilates e o tai chi guan melhoraram os parâmetros mentais, como auto-suficiência, qualidade do sono e moralidade dos estudantes, mas não tiveram efeito sobre o desempenho físico. [30] Garcia et al. Um estudo com pacientes com 148 com dor lombar crônica inespecífica concluiu que o tratamento de pacientes com dor lombar crônica inespecífica pelo treinamento de McKenzie e escola secundária causou a incapacidade de melhorar após o tratamento, mas a qualidade de vida, a dor e a amplitude da flexibilidade motora não mudaram. O tratamento com McKenzie é tipicamente mais efetivo sobre a incapacidade do que o programa da escola secundária. [19]

 

Os achados gerais deste estudo são corroborados pela literatura, demonstrando que um programa de Pilates pode oferecer uma alternativa segura e de baixo custo para o tratamento da lombalgia nesse grupo específico de pacientes. Efeitos semelhantes foram encontrados em pacientes com dor lombar crônica inespecífica. [31]

 

Nosso estudo teve bons níveis de validade interna e externa e, portanto, pode orientar os terapeutas e pacientes considerando terapias de escolha para dor nas costas. O estudo incluiu vários recursos para minimizar o viés, como registrar e seguir prospectivamente um protocolo publicado.

 

Limitação de estudo

 

O tamanho pequeno da amostra inscrito neste estudo limita a generalização dos achados do estudo.

 

Conclusão

 

Os resultados deste estudo mostraram que o treinamento de Pilates e McKenzie com 6 semanas reduziu a dor em pacientes com dor lombar crônica, mas não houve diferença significativa entre o efeito de dois métodos terapêuticos na dor e ambos os protocolos de exercícios tiveram o mesmo efeito. Além disso, o treinamento de Pilates e McKenzie melhorou a saúde geral; no entanto, de acordo com as mudanças gerais de saúde após a terapia com exercícios, pode-se argumentar que o treinamento de Pilates tem um efeito maior na melhoria da saúde geral.

 

Suporte Financeiro e Patrocínio

 

Nil.

 

Conflitos de Interesse

 

Não há conflitos de interesse.

 

Em conclusão, ao comparar os efeitos do treinamento Pilates e McKenzie na saúde geral, bem como nos sintomas dolorosos em homens com dor lombar crônica, a pesquisa baseada em evidências determinou que os métodos de treinamento Pilates e McKenzie efetivamente reduziram a dor em pacientes com dor crônica LBP. Não houve diferença significativa entre os dois métodos terapêuticos juntos, no entanto, os resultados médios do estudo de pesquisa demonstraram que o treinamento de Pilates foi mais eficaz para melhorar a saúde geral em homens com dor lombar crônica do que o treinamento de McKenzie. Informações referenciadas do National Center for Biotechnology Information (NCBI). O escopo de nossas informações é limitado à quiropraxia, bem como a lesões e condições da coluna vertebral. Para discutir o assunto, sinta-se à vontade para perguntar ao Dr. Jimenez ou entre em contato pelo telefone 915-850-0900 .

 

Curated pelo Dr. Alex Jimenez

 

1. Bergström C, Jensen I, Hagberg J, Busch H, Bergström G. Effectiveness of different interventions using a psychosocial subgroup assignment in chronic neck and back pain patients: A 10-year follow-up. Disabil Rehabil. 2012;34:110–8. [PubMed]
2. Hoy DG, Protani M, De R, Buchbinder R. The epidemiology of neck pain. Best Pract Res Clin Rheumatol. 2010;24:783–92. [PubMed]
3. Balagué F, Mannion AF, Pellisé F, Cedraschi C. Non-specific low back pain. Lancet. 2012;379:482–91. [PubMed]
4. Sadock BJ, Sadock VA. Kaplan e Sadock's Synopsis of Psychiatry: Behavioral Sciences / Clinical Psychiatry. Nova York: Lippincott Williams & Wilkins; 2011.
5. Al-Obaidi SM, Al-Sayegh NA, Ben Nakhi H, Al-Mandeel M. Evaluation of the McKenzie intervention for chronic low back pain by using selected physical and bio-behavioral outcome measures. PM R. 2011;3:637–46. [PubMed]
6. Dehkordi AH, Heydarnejad MS. Effect of booklet and combined method on parents’ awareness of children with beta-thalassemia major disorder. J Pak Med Assoc. 2008;58:485–7. [PubMed]
7. van der Wees PJ, Jamtvedt G, Rebbeck T, de Bie RA, Dekker J, Hendriks EJ. Multifaceted strategies may increase implementation of physiotherapy clinical guidelines: A systematic review. Aust J Physiother. 2008;54:233–41. [PubMed]
8. Maas ET, Juch JN, Groeneweg JG, Ostelo RW, Koes BW, Verhagen AP, et al. Custo-efetividade de procedimentos intervencionistas mínimos para lombalgia mecânica crônica: Projeto de quatro ensaios clínicos randomizados com avaliação econômica. BMC Musculoskelet Disord. 2012; 13: 260. [Artigo gratuito do PMC] [PubMed]
9. Hernandez AM, Peterson AL. Handbook of Occupational Health and Wellness. Springer: 2012. Work-related musculoskeletal disorders and pain; pp. 63–85.
10. Hassanpour Dehkordi A, Khaledi Far A. Efeito do treinamento físico sobre a qualidade de vida e parâmetros ecocardiográficos da função sistólica em pacientes com insuficiência cardíaca crônica: Um estudo randomizado. Asian J Sports Med. 2015; 6: e22643. [Artigo gratuito do PMC] [PubMed]
11. Hasanpour-Dehkordi A, Khaledi-Far A, Khaledi-Far B, Salehi-Tali S. The effect of family training and support on the quality of life and cost of hospital readmissions in congestive heart failure patients in Iran. Appl Nurs Res. 2016;31:165–9. [PubMed]
12. Hassanpour Dehkordi A. Influência do exercício de ioga e aeróbica na fadiga, dor e estado psicossocial em pacientes com esclerose múltipla: um estudo randomizado. J Sports Med Phys Fitness. 2015 [Epub antes da impressão] [PubMed]
13. Hassanpour-Dehkordi A, Jivad N. Comparação de aeróbica regular e ioga na qualidade de vida em pacientes com esclerose múltipla. Med J Islam Repub Irã. 2014; 28: 141. [Artigo gratuito do PMC] [PubMed]
14. Heydarnejad S, Dehkordi AH. O efeito de um programa de exercícios sobre a qualidade de vida em saúde em idosos. Um estudo controlado randomizado. Dan Med Bull. 2010; 57: A4113. [PubMed]
15. van Middelkoop M, Rubinstein SM, Verhagen AP, Ostelo RW, Koes BW, van Tulder MW. Exercise therapy for chronic nonspecific low-back pain. Best Pract Res Clin Rheumatol. 2010;24:193–204. [PubMed]
16. Critchley DJ, Pierson Z, Battersby G. Effect of pilates mat exercises and conventional exercise programmes on transversus abdominis and obliquus internus abdominis activity: Pilot randomised trial. Man Ther. 2011;16:183–9. [PubMed]
17. Kloubec JA. Pilates for improvement of muscle endurance, flexibility, balance, and posture. J Strength Cond Res. 2010;24:661–7. [PubMed]
18. Hosseinifar M, Akbari A, Shahrakinasab A. The effects of McKenzie and lumbar stabilization exercises on the improvement of function and pain in patients with chronic low back pain: A randomized controlled trial. J Shahrekord Univ Med Sci. 2009;11:1–9.
19. Garcia AN, Costa Lda C, da Silva TM, Gondo FL, Cyrillo FN, Costa RA, et al. Effectiveness of back school versus McKenzie exercises in patients with chronic nonspecific low back pain: A randomized controlled trial. Phys Ther. 2013;93:729–47. [PubMed]
20. Hassanpour-Dehkordi A, Safavi P, Parvin N. Effect of methadone maintenance treatment of opioid dependent fathers on mental health and perceived family functioning of their children. Heroin Addict Relat Clin. 2016;18(3):9–14.
21. Shahbazi K, Solati K, Hasanpour-Dehkordi A. Comparison of hypnotherapy and standard medical treatment alone on quality of life in patients with irritable bowel syndrome: A Randomized Control Trial. J Clin Diagn Res. 2016;10:OC01–4. [PMC free article] [PubMed]
22. Ngamkham S, Vincent C, Finnegan L, Holden JE, Wang ZJ, Wilkie DJ. The McGill Pain Questionnaire as a multidimensional measure in people with cancer: An integrative review. Pain Manag Nurs. 2012;13:27–51. [PMC free article] [PubMed]
23. Sterling M. Questionário Geral de Saúde-28 (GHQ-28) J Fisioterapeuta. 2011; 57: 259. [PubMed]
24. Petersen T, Kryger P, Ekdahl C, Olsen S, Jacobsen S. The effect of McKenzie therapy as compared with that of intensive strengthening training for the treatment of patients with subacute or chronic low back pain: A randomized controlled trial. Spine (Phila Pa 1976) 2002;27:1702–9. [PubMed]
25. Gladwell V, Head S, Haggar M, Beneke R. Does a program of pilates improve chronic non-specific low back pain? J Sport Rehabil. 2006;15:338–50.
26. Udermann BE, Mayer JM, Donelson RG, Graves JE, Murray SR. Combining lumbar extension training with McKenzie therapy: Effects on pain, disability, and psychosocial functioning in chronic low back pain patients. Gundersen Lutheran Med J. 2004;3:7–12.
27. Machado LA, Maher CG, Herbert RD, Clara H, McAuley JH. A eficácia do método McKenzie, além de cuidados de primeira linha para dor lombar aguda: Um estudo controlado randomizado. BMC Med. 2010; 8: 10. [Artigo gratuito do PMC] [PubMed]
28. Kilpikoski S. O método McKenzie na avaliação, classificação e tratamento da lombalgia não específica em adultos com referência especial ao fenômeno da centralização. Universidade Jyväskylä de Jyväskylä 2010
29. Borges J, Baptista AF, Santana N, Souza I, Kruschewsky RA, Galvão-Castro B, et al. Pilates exercises improve low back pain and quality of life in patients with HTLV-1 virus: A randomized crossover clinical trial. J Bodyw Mov Ther. 2014;18:68–74. [PubMed]
30. Caldwell K, Harrison M, Adams M, Triplett NT. Effect of pilates and taiji quan training on self-efficacy, sleep quality, mood, and physical performance of college students. J Bodyw Mov Ther. 2009;13:155–63. [PubMed]
31. Altan L, Korkmaz N, Bingol U, Gunay B. Effect of pilates training on people with fibromyalgia syndrome: A pilot study. Arch Phys Med Rehabil. 2009;90:1983–8. [PubMed]

 

 

Tópicos Adicionais: Ciática

 

A ciática é referida como uma coleção de sintomas ao invés de um único tipo de lesão ou condição. Os sintomas são caracterizados como dor radiante, entorpecimento e sensações de formigamento do nervo ciático na região lombar, descer as nádegas e as coxas e através de uma ou ambas as pernas e nos pés. A ciática é geralmente o resultado de irritação, inflamação ou compressão do maior nervo no corpo humano, geralmente devido a uma hérnia de disco ou esporão ósseo.

 

 

TÓPICO IMPORTANTE: EXTRA EXTRA: Tratamento da dor ciática

 

 

Publicações Recentes

A gordura da barriga pode causar dores nas costas e lesões

A gordura da barriga é uma porta de entrada para dores nas costas / problemas na coluna que podem levar a vários problemas de saúde ... Saiba mais

22 Abril , 2021

Expressão gênica, SNPs e recuperação de lesões

A atividade física tem um forte impacto na composição corporal. Composição corporal e métodos específicos ... Saiba mais

22 Abril , 2021

Dor ciática e melhora dos sintomas

Determinar se a dor ciática e os sintomas estão apresentando melhora pode ser tão simples quanto a dor significativamente ... Saiba mais

22 Abril , 2021

Acidentes de ATV, lesões e tratamento / reabilitação de Quiropraxia

Muitos indivíduos gostam de andar de veículos todo-o-terreno ou ATVs. É um passatempo divertido e ... Saiba mais

21 Abril , 2021

Apnéia do sono e dor nas costas

Boa parte da população sofre de dores noturnas nas costas. Mas tem outro ... Saiba mais

19 Abril , 2021

Estresse e ansiedade relacionados a lesões tratadas com tratamento quiroprático

Passar por acidentes traumáticos que resultam em lesões pode causar estresse relacionado a lesões e ansiedade por ... Saiba mais

16 Abril , 2021

Especialista em lesões, traumatismos e reabilitação da coluna vertebral

Histórico e registro online 🔘
Ligue-nos hoje 🔘