Compartilhe

Muitos profissionais de saúde recomendam que os pacientes com esclerose múltipla, ou MS, evite laticínios. Vários estudos demonstraram uma alta correlação entre MS e laticínios, especialmente o leite de vaca. Por exemplo, algumas das proteínas do leite de vaca são alvos das células imunológicas de pacientes com esclerose múltipla. Estes incluem butirofilina e albumina sérica bovina, ou BSA. Além disso, injetar essas mesmas proteínas do leite de vaca nos animais testados fez com que as lesões aparecessem em seus sistemas nervosos centrais.

Algumas proteínas do leite de vaca imitam parte da glicoproteína de oligodendrócito de mielina, ou MOG, a seção da mielina que acredita-se que inicia a reação auto-imune associada à esclerose múltipla. Além disso, isso pode levar o sistema imunológico a iniciar um ataque ao MOG, causando subsequentemente desmielinização. Outra pesquisa envolvendo mais de 135,000 homens e mulheres nos Estados Unidos determinou uma conexão entre o leite de vaca e o distúrbio neurológico degenerativo, a doença de Parkinson. Os pesquisadores especularam que os produtos lácteos, especialmente o leite de vaca, podem ter um efeito geralmente tóxico no tecido nervoso.

A intolerância à lactose é comum em toda a população em geral e é mais freqüente nas populações do Mediterrâneo, Ásia e África. Pessoas com intolerância à lactose experimentam uma variedade de sintomas, incluindo inchaço, cólicas, diarréia e náusea. Considerando os altos riscos potenciais para pessoas com EM que consomem laticínios, apesar da falta de evidências conclusivas, os profissionais de saúde recomendam evitar o consumo de produtos lácteos, entre outros tipos de alimentos. O objetivo do artigo abaixo é discutir os fatos nutricionais na esclerose múltipla, incluindo quais tipos de alimentos os pacientes com esclerose múltipla devem evitar, como laticínios.

Sumário

A questão de se os hábitos alimentares e o estilo de vida influenciam o curso da esclerose múltipla (EM) ainda é motivo de debate e, atualmente, a terapia com EM não está associada a nenhuma informação sobre dieta e estilo de vida. Aqui mostramos que fatores dietéticos e estilo de vida podem exacerbar ou melhorar os sintomas da EM, modulando o estado inflamatório da doença, tanto na EM reincidente-remitente como na EM primária-progressiva. Isto é conseguido controlando as vias metabólicas e inflamatórias na célula humana e a composição da microbiota intestinal comensal. O que aumenta a inflamação são as dietas hipercalóricas de estilo ocidental, caracterizadas por alto teor de sal, gordura animal, carne vermelha, bebidas adoçadas com açúcar, frituras, baixa fibra e falta de exercício físico. A persistência deste tipo de dieta aumenta o metabolismo das células humanas em relação às vias biossintéticas, incluindo as de moléculas pró-inflamatórias, e também leva a uma microbiota intestinal disbiótica, alteração da imunidade intestinal e inflamação sistêmica de baixo grau. Por outro lado, dietas de exercício e hipocalóricas baseadas na suposição de vegetais, frutas, legumes, peixes, prebióticos e probióticos agem em receptores nucleares e enzimas que regulam o metabolismo oxidativo, regulam negativamente a síntese de moléculas pró-inflamatórias e restauram ou mantêm uma simbiose saudável. microbiota intestinal. Agora que conhecemos os mecanismos moleculares pelos quais os fatores dietéticos e o exercício afetam o estado inflamatório na EM, podemos esperar que uma intervenção nutricional com alimentos anti-inflamatórios e suplementos dietéticos possa aliviar os possíveis efeitos colaterais de drogas imunomoduladoras e os sintomas crônicos. síndrome da fadiga e, assim, favorecer o bem-estar do paciente.

Palavras-chave: medicina alternativa complementar, microbiota intestinal, inflamação, estilo de vida, esclerose múltipla, nutrição

Introdução

A esclerose múltipla (EM) é uma doença crônica, inflamatória e auto-imune do sistema nervoso central (SNC), levando à degradação focal disseminada da bainha de mielina, lesão axonal e neuronal variável e incapacidades em adultos jovens, principalmente mulheres. A doença é caracterizada por processos inflamatórios perivasculares disseminados e heterogêneos na barreira hematoencefálica (BHE), com envolvimento de células T auto-reativas, linfócitos B, macrófagos e células microgliais contra a substância branca do cérebro e da medula espinhal (McFarland e Martin, 2007; Constantinescu e Gran, 2010; Kutzelnigg e Lassmann, 2014).

Anticorpos (Krumbholz et al., 2012), complemento ativado (Ingram et al., 2014), citocinas, disfunção mitocondrial (Su et al., 2009), espécies reativas de oxigênio (ROS; Gilgun-Sherki et al., 2004), e metaloproteinases de matriz (MMPs; Liuzzi et ai., 2002; Rossano et ai., 2014) podem cooperar para produzir a patologia.

Do ponto de vista clínico, existem pelo menos duas formas principais da doença: a EM reincidente-remitente (EMRR; cerca de 85% de casos clínicos) e a EM primária progressiva (PPMS; cerca de 15% dos casos clínicos) (Dutta e Trapp, 2014; Lublin et al., 2014). Na EMRR, que geralmente evolui na EM secundária-progressiva (SPMS), as recaídas estão associadas ao aumento da inflamação sistêmica e formação de lesões no cérebro, seguidas de remissões mais ou menos completas, enquanto a patogênese da PPMS é caracterizada por danos neurológicos progressivos do que recaídas e remissões.

Actualmente, existem pelo menos terapias modificadoras da doença 10 que demonstraram retardar a progressão da doença e prevenir alguns sintomas de incapacidade, mas apenas no caso da RRMS. No entanto, como a doença é complexa na natureza e única no curso individual, nenhum paciente responde à terapia da mesma maneira (Loleit et al., 2014). Da mesma forma, não há biomarcadores realmente confiáveis ​​que permitam a todos avaliar a eficácia do tratamento e, portanto, é importante descobrir novos marcadores da doença (Fernandez et al., 2014).

A falta de resposta a terapias imunomoduladoras no caso de PPMS, caso contrário eficaz no tratamento da EMRR, pode ser devida a diferentes mecanismos patogênicos atuando na EMRR e no PPMS. No entanto, isto não é verdade no que diz respeito à inflamação: foi observada uma associação significativa entre inflamação e neurodegeneração no cérebro, não só na EM aguda e recidivante, mas também na MS progressiva secundária e primária (Frischer et al., 2009; Lassmann, 2013), e as lesões ativas da EM estão sempre associadas à inflamação (Kutzelnigg e Lassmann, 2014). Assim, a inflamação deve ser o alvo para o tratamento de ambas as formas da doença.

Ligando inflamação com hábitos alimentares e estilo de vida

O que causa os processos inflamatórios na EM? A MS é uma doença complexa, e os componentes genéticos e imunológicos não são suficientes para explicar sua origem. Na verdade, a EM tem uma natureza multifatorial e vários fatores ambientais ou condições metabólicas podem ter um papel no seu desenvolvimento (Ascherio, 2013): infecções virais (Ascherio et al., 2012; Venkatesan e Johnson, 2014), intoxicação por metais pesados ​​(Latronico et 2013, Zanella e Roberti di Sarsina, 2013), tabagismo (Jafari e Hintzen, 2011), obesidade infantil (Munger, 2013), baixo nível de vitamina D (Ascherio et al., 2014), ou estilo de vida incorreto, incluindo errado hábitos alimentares (Riccio, 2011; Riccio et al., 2011; Riccio e Rossano, 2013).

Nenhum dos fatores ambientais mencionados acima pode explicar a doença; no entanto, as seguintes considerações tornam mais atraente o envolvimento na EM dos hábitos alimentares e estilo de vida, ao invés de infecções ou tabagismo, como fatores que podem influenciar o curso da doença:

  1. Distribuição geográfica: A SM é mais prevalente nos países ocidentais com maior renda e mais distante do equador. As características desses países são um estilo de vida sedentário, uma dieta altamente calórica rica em gorduras saturadas de origem animal (dieta ocidental) e baixa exposição ao sol (WHO e MSIF, 2008).
  2. Efeito da migração: Com a migração de uma área de alta incidência de SM para outro local com baixa incidência antes da idade de 15 anos, o baixo risco é adquirido, enquanto a migração após essa idade não altera o nível de risco. Este aspecto pode estar relacionado com fatores ambientais nutricionais, e não com fatores ambientais infecciosos ou toxicológicos (McLeod et al., 2011).
  3. Baixa disponibilidade de vitamina D: Outro fator ambiental relacionado à dieta e distribuição geográfica é a disponibilidade de vitamina D, que é menor nas latitudes com menor exposição solar. Pacientes com EM têm um baixo teor de vitamina D (Ascherio et al., 2014), mas isso também é verdade para outras doenças inflamatórias crônicas (Yin e Agrawal, 2014).
  4. Inflamação pós-prandial: A dieta rica em gordura animal / açúcar elevado e carboidratos refinados está associada à inflamação pós-prandial (Erridge et al., 2007; Ghanim et al., 2009; Margioris, 2009).
  5. Índice de massa corporal elevado: O índice de massa corporal (IMC) elevado antes da idade 20 está associado ao risco aumentado para 2 × (Hedström et al., 2012). Note que o IMC está correlacionado com o estado da microbiota intestinal.
  6. Semelhança com outras doenças inflamatórias relacionadas a hábitos alimentares errados: A EM tem algumas semelhanças com doença inflamatória intestinal (DII; Cantorna, 2012): ambas apresentam baixa vitamina D e são influenciadas por fatores ambientais (Dam et al., 2013). Além disso, o acetato de glatiramer (GA, ou copolímero 1 / Copaxone) é benéfico em ambas as doenças (Aharoni, 2013) e há um aumento da incidência de DII entre os pacientes com EM.

Como os alimentos afetam o curso das doenças inflamatórias: uma abordagem básica

As observações relatadas acima sugerem que o estado nutricional pode influenciar o curso da EM. No entanto, surge a questão de como as moléculas da dieta podem exacerbar ou melhorar os sintomas da esclerose múltipla e, em geral, como elas poderiam favorecer ou diminuir a inflamação no nível molecular. Em particular, é importante esclarecer quais são os alvos das moléculas dietéticas e os mecanismos moleculares envolvidos, se houver.

Fundamentalmente, podemos dizer que os alimentos que consumimos têm um amplo impacto em nosso desenvolvimento, comportamento, condição de saúde e expectativa de vida, agindo em dois alvos principais: (A) as células de nosso corpo e (B) a microbiota intestinal comensal (Figura 1).

  • Por um lado, diferentes tipos e quantidades de fatores dietéticos podem interagir com enzimas, fatores de transcrição e receptores nucleares de células humanas. Isso pode induzir modificações específicas do metabolismo celular tanto para o catabolismo quanto para o anabolismo e modular as respostas inflamatórias e autoimunes em nosso corpo (Desvergne et al., 2006).
  • Por outro lado, temos que considerar o impacto da dieta e estilo de vida em nossa microflora intestinal. De fato, somos metaorganismos vivendo com trilhões (1014) de células microbianas (aproximadamente 10 vezes as células do nosso corpo) e milhares de diferentes microorganismos conhecidos como microbiota intestinal. Esse ecossistema complexo é uma parte essencial de nosso organismo e influencia nosso sistema imunológico e nosso metabolismo. Portanto, tem um forte impacto em nossa saúde.

Na saúde, há uma estreita relação mutualística e simbiótica entre a microbiota intestinal e os seres humanos, e a microbiota intestinal fornece uma série de funções metabólicas úteis, protege contra enteropatógenos e contribui para as funções imunológicas normais. Este é o estado normal da microbiota intestinal humana, chamada eubiose. A distorção da eubiose, associada à diminuição da biodiversidade intestinal e ao aumento de bactérias patogênicas, é chamada de disbiose. A consequência mais comum de uma microbiota intestinal disbiótica é a alteração do sistema imune da mucosa e o surgimento de doenças inflamatórias, imunológicas, metabólicas ou degenerativas (Chassaing e Gewirtz, 2014).

Diferentes tipos e quantidades de fatores dietéticos provocam a seleção de populações microbianas específicas alterando o tipo e número de espécies microbianas em direção a eubiose ou disbiose, simplesmente atuando através da alimentação preferencial de uma ou outra população microbiana. Se a nossa dieta favorece a mudança para uma microbiota intestinal disbiótica, isso pode levar à inflamação do intestino, alteração da imunidade intestinal e, posteriormente, à inflamação sistêmica e às doenças inflamatórias crônicas.

Como os Fatores Dietéticos Influenciam o Metabolismo das Células Humanas e Modulam a Inflamação

Para entender como as moléculas da dieta podem influenciar diretamente no metabolismo das células humanas, é necessário descrever primeiro quais são as enzimas e os fatores de transcrição envolvidos no catabolismo ou anabolismo na célula.

Como mostrado à esquerda na Figura 2, o metabolismo oxidativo é regulado por duas enzimas e um receptor nuclear. As enzimas são a proteína quinase ativada por AMP (AMPK; Steinberg e Kemp, 2009) e as Sirtuínas (SIRT), um grupo de enzimas desaciladoras de histonas, que são ativadas por NAD + (Zhang et al., 2011; Rice et al., 2012). O receptor nuclear é representado pelos isotipos dos receptores ativados por proliferadores de peroxissoma (PPARs; Desvergne e Wahli, 1999; Burns e VandenHeuvel, 2007).

Os isotipos PPAR regulam positivamente a transcrição de genes envolvidos na beta-oxidação de ácidos graxos nas mitocôndrias e peroxissomos e formam uma rede com as vias AMPK e Sirtuins. A via AMPK-Sirtuins-PPAR é ativada por um estilo de vida baseado na restrição calórica e exercício físico, bem como por algumas moléculas bioativas (polifenóis, encontrados em vegetais e frutas, e ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa ômega-3). ácidos [PUFA], encontrados em peixes). Os isotipos PPAR ativados por ligante formam complexos heterodiméricos com o receptor X retinoide (RXR), que, por sua vez, é ativado pelo ácido 3-cis-retinóico (RA).

Por outro lado, como mostrado à direita na Figura 2 - como no outro prato de um equilíbrio imaginário - a alta ingestão de nutrientes densos em energia leva à regulação positiva do anabolismo, incluindo lipogênese e crescimento celular, através da ativação do elemento regulador de esteróis. proteínas de ligação, SREBP-1c e SREBP-2 (Xu et al., 2013), e a proteína de ligação ao elemento responsivo a carboidratos, ChREBP (Xu et al., 2013). SREBP-1c e SREBP-2 estão sob o controle dos receptores nucleares chamados de receptores do fígado X (LXR; Mitro e outros, 2007; Nelissen e outros, 2012). Os isotipos LXR, que são ativados pelos derivados do colesterol oxisteróis e glicose, têm um papel relevante na síntese de lipídios pela ativação do SREBP-1c e a síntese de triacilgliceróis, inibindo o SREBP-2 e a síntese do colesterol.

Fundamentais para a compreensão da ligação entre dieta e inflamação são dois fatores de transcrição envolvidos na inflamação e autoimunidade: o fator de transcrição nuclear-kB (NF-kB) e a proteína ativadora (AP-1; Yan e Greer, 2008). Na EM, tanto o NF-kB quanto o AP-1 são ativados e induzem a expressão de vários genes pró-inflamatórios e a produção de moléculas pró-inflamatórias. A causa de sua ativação na EM não é conhecida, mas, como mostrado na Figura 2 para NF-kB, isso pode ser ativado não apenas por vírus, citocinas e estresse oxidativo, mas também por alguns componentes dietéticos tais como ácidos graxos saturados ou insaturados trans. ácidos graxos, que, portanto, podem ser considerados pró-inflamatórios.

A regulao negativa do NF-kB prinflamatio pode ser conseguida pela ligao inibitia das formas activadas por RA dos isotipos dos receptores X retindes (RXRs; Pérez et al., 2012; Zhao et al., 2012; Fragoso et al., 2014 ).

Como mostrado no centro da Figura 2 e mais detalhadamente na Figura 3, as formas ativas de RA-RXRs são heterodímeros resultantes de sua associação com receptores nucleares específicos ativados por ligantes, ou seja, PPARs, LXRs e receptor de vitamina D (VDR).

Todos os três receptores nucleares - PPAR, LXR e VDR - devem ser ativados por ligantes específicos. Como indicado na Figura 2, os ligantes podem ser fatores dietéticos específicos e isso esclarece como as células respondem às mudanças no estado nutricional e regulam a homeostase energética, mas também representam a chave molecular para entender como os nutrientes podem influenciar o curso das doenças inflamatórias crônicas (Heneka e cols. 2007; Zhang-Gandhi e Drew, 2007; Krishnan e Feldman, 2010; Cui e outros, 2011; Schnegg e Robbins, 2011; Gray e outros, 2012).

Portanto, cada um dos três receptores nucleares - PPAR, LXR e VDR - compete pela ligação ao RA-RXR e forma hetero-complexos que podem inibir o NF-kB e exercer um rígido controle sobre a expressão de genes inflamatórios, integrando assim a função metabólica. e sinalização inflamatória. É claro que há competição entre os três receptores PPAR, LXR e VDR-D, pela ligação com RA-RXR, mas essa competição deve ter influência apenas no metabolismo e não na inflamação, pois ainda não se sabe qual dos três heterodímeros é mais eficaz na inibição do NF-kB.

Obviamente, a produção de moléculas pró-inflamatórias no decorrer das recaídas é um processo biossintético: ela é sustentada por dietas hipercalóricas e neutralizada por dietas de baixa caloria. Em princípio, o que favorece o anabolismo promoverá os processos inflamatórios, enquanto o que favorece o catabolismo os contrastará (Figura 4).

Como os Fatores Dietéticos Influenciam a Composição e a Biodiversidade da Microbiota Intestinal e Alteram o Relacionamento Microbiota-Hospedeiro

A ligação entre estilo de vida, hábitos alimentares e composição da microbiota intestinal

A composição da microflora intestinal é altamente individual e é influenciada por muitos fatores, como dieta, atividade física, estresse, medicamentos, idade e assim por diante. Cada um de nós tem um conjunto único de pelo menos 100 para 150 espécies de bactérias.

Uma maneira fácil de discutir sobre o efeito dos alimentos e do estilo de vida na microflora intestinal é restringir a visão geral a apenas duas divisões bacterianas dominantes - as Bacteroidetes e as Firmicutes - representando cerca de 90% do total, como foi demonstrado que a proporção Bacteroidetes / Firmicutes (B / F) é influenciado por hábitos alimentares de longo prazo (Cani e Delzenne, 2009; Wu e outros, 2011; Lozupone e outros, 2012; Tremaroli e Bäckhed, 2012; Panda e outros, 2014) .

Um estudo comparativo de De Filippo et al. (2010) em crianças de Florença e de Burkina Faso, na África, mostraram que os hábitos alimentares de longo prazo têm efeitos significativos sobre a microbiota intestinal humana.

Neste estudo, a dieta de Burkina Faso foi baseada no consumo de polissacarídeos vegetais como milheto e sorgo (10 g fibras / dia e 662-992 kcal / dia), enquanto a dieta de crianças italianas era do estilo ocidental, baseada em proteínas, gordura animal, bebidas açucaradas e carboidratos refinados (5.6 g fibras / dia e 1,068 – 1,512 kcal / dia). A análise das amostras fecais nas crianças da África mostrou a prevalência dos Bacteroidetes (73%) - principalmente Prevotella e Xylanibacter - e baixos níveis de Firmicutes (12%). Pelo contrário, uma prevalência de Firmicutes (51%) sobre os Bacteroidetes (27%) foi observada em crianças italianas, mas os Bacteroidetes mudaram de Prevotella e Xylanibacter para Bacteroides. Estes últimos são geralmente selecionados entre os Bacteroidetes, porque eles podem usar também açúcares simples, além de glicanos complexos, e açúcares simples são componentes normais das dietas ocidentais.

Em conclusão, a relação B / F aumenta em associação com uma dieta rica em carboidratos complexos (não digerível por nossas enzimas) porque os Bacteroidetes simbióticos e geralmente não prejudiciais, como Prevotella e Xylani bacter, adoram ter glicanos complexos para comer. Bactérias que consomem glicanos complexos produzem butirato, que regula negativamente a ativação do NF-kB pró-inflamatório (Figura 3).

Por outro lado, dietas ocidentais, densamente energéticas, alteram o perfil da microbiota intestinal e aumentam a população de Firmicutes (incluindo os Mollicutes), mais adequados para extrair e extrair energia, mas frequentemente patogênicos (Moschen et al., 2012).

A ligação entre a microbiota intestinal disfibiótica e a inflamação crônica

Em uma microbiota intestinal disbiótica, a relação B / F é baixa e os Firmicutes possivelmente patogênicos prevalecem sobre Bacteroidetes (Figura 5). O fracasso do equilíbrio microbiano e a diminuição da biodiversidade que ocorre na disbiose levam ao rompimento da interação complexa entre a microbiota e seu hospedeiro e contribuem para endotossemia de baixo grau, e inflamação crônica intestinal e sistêmica. Com o início da inflamação sistêmica, aumenta o risco de doenças inflamatórias crônicas e imunomediadas (Tilg et al., 2009; Brown et al., 2012; Maynard et al., 2012).

Na verdade, na presença de uma microbiota disbiótica, a endotoxina / lipopolissacarídeo (LPS) intestinal é aumentada, as células T reguladoras (Treg) são defeituosas, e os receptores de hidrocarbonetos arílicos e as células Th17 pró-inflamatórias são ativados (Cani et al., 2008; Veldhoen et al., 2008).

O LPS leva à disfunção da barreira mucosa e afeta outros tecidos quando seu nível plasmático aumenta acima de 200 pg / ml de soro. O aumento da permeabilidade do intestino devido à microbiota intestinal disbiótica pode ser exemplificado pela passagem de anticorpos IgA e IgG contra glúten e gliadina, também observados em pacientes com EM (Reichelt e Jensen, 2004).

A ligação entre a microbiota intestinal disbiótica e a MS

Em nosso trabalho anterior, propusemos que o modelo que liga a microbiota - devido à dieta e estilo de vida ocidentais - e a falha na comunicação correta entre a microbiota e o intestino, levando a endotoxemia de baixo grau e inflamação autoimune sistêmica, podem ser válidos. também para a patogênese da EM (Fernández et al., 2012; Riccio, 2011). De fato, a MS compartilha com outras doenças inflamatórias crônicas mecanismos comuns, todos provavelmente baseados na persistência de endotoxemia de baixo grau relacionada a estilo de vida e hábitos alimentares errados, juntamente com uma disbiose latente. Além disso, a existência de um eixo intestinal microbiota-cérebro, que é agora mais do que um conceito emergente, sugere que a intervenção na microbiota intestinal pode ser uma estratégia frutífera para o futuro tratamento de desordens complexas do SNC (Cryan e Dinan, 2012).

A possível ligação direta entre microbiota intestinal e MS foi demonstrada experimentalmente por Berer et al. (2011) Usando camundongos transgênicos, Berer et al. demonstraram que as bactérias comensais do intestino podem desencadear uma doença autoimune remitente recidivante causada por células T CD4 + específicas da mielina e desmielinização, dada a disponibilidade de MOG - a glicoproteína de oligodendrócitos autoantígeno mielina. Em outro estudo, foi demonstrado que o tratamento antibiótico direcionado para alterar a microflora intestinal suprime a encefalomielite alérgica experimental (EAE; Yokote et al., 2008).

Esses achados sugerem que a microbiota intestinal pode desempenhar um papel crucial na fase inicial da EM e também predispor a suscetibilidade do hospedeiro a outras doenças autoimunes do SNC, bem como a transtornos neuropsiquiátricos, como autismo, depressão, ansiedade e estresse. Um novo conceito de eixo microbiota-cérebro intestinal está emergindo (Wang e Kasper, 2014).

Nessas bases, a compreensão do papel da microbiota intestinal na saúde e na doença pode lançar as bases para o tratamento de doenças crônicas, modificando a composição da microbiota intestinal por meio da escolha de um estilo de vida correto, incluindo hábitos alimentares. Além disso, a manipulação direta da microbiota intestinal pode melhorar a resposta imunológica adaptativa e reduzir as secreções inflamatórias. Por exemplo, porque um papel específico das células Th17 intestinais tem sido sugerido na imunopatologia da MS (Sie et al., 2014), promover a diferenciação de células Treg e reduzir células Th17 patogênicas pode prevenir a recorrência de autoimunidade em pacientes com EM (Issazadeh-Navikas et al. , 2012).

Diante disso, a descoberta de que o defeito do equilíbrio Treg / Th17 observado em modelos de EM também está presente em pacientes com EM, poderia ter implicações clínicas importantes, já que esse defeito pode ser modulado por mudanças na composição da microbiota, que por sua vez é modulada. por mudanças na dieta (David et al., 2014).

Fatores Dietéticos Proinflamatórios

Os componentes da dieta cuja ingestão deve ser controlada para evitar o surgimento de processos inflamatórios na EM, assim como em outras doenças inflamatórias crônicas, são os seguintes:

  • Ácidos graxos saturados de origem animal;
  • Ácidos graxos insaturados na configuração trans (ácidos graxos hidrogenados);
  • Carne vermelha;
  • Bebidas adoçadas e, em geral, dietas hipercalóricas ricas em carboidratos refinados (com pouca fibra), além de gordura animal;
  • Maior ingestão de sal na dieta;
  • Proteínas do leite de vaca da membrana do glóbulo de gordura do leite (proteínas MFGM).

Gordura de origem animal

Ácidos graxos saturados de origem animal, que são encontrados em alimentos como leite integral, manteiga, queijo, carne e salsichas, são os componentes da dieta levados em consideração mais freqüentemente por sua influência deletéria no curso da esclerose múltipla.

Em 1950, Swank sugeriu que o consumo de gordura animal saturada está diretamente correlacionado com a frequência de MS, mas uma ligação entre a ingestão restrita de gordura animal e a remissão da EM foi relatada apenas em 2003 (Swank e Goodwin, 2003). De acordo com Swank e Goodwin, as dietas ricas em gordura levam à síntese de lipídeos de armazenamento e colesterol e causam uma diminuição da fluidez da membrana e possível obstrução dos capilares e o início ou aumento da inflamação.

Outros estudos mais recentes indicam que a ação da gordura saturada é controlada no nível transcricional e influencia tanto a expressão gênica, o metabolismo celular, o desenvolvimento e a diferenciação das células. Mais em geral, a suposição de gordura animal está frequentemente associada a uma ingestão altamente calórica, o que é, por si só, um fator prejudicial para muitas doenças inflamatórias crônicas. Finalmente, como descrito mais adiante neste artigo, um excesso de gordura animal saturada leva a uma microbiota intestinal disbiótica, disfunção da imunidade intestinal e inflamação sistêmica de baixo grau e representa uma possível causa de alguns distúrbios crônicos humanos.

Ácidos gordos trans

Os ácidos graxos trans (TFAs) são ácidos graxos insaturados que contêm pelo menos uma dupla ligação não conjugada na configuração trans (Bhardwaj et al., 2011).

Como produtos de hidrogenação parcial de óleos vegetais, eles foram introduzidos nos 1960s para substituir a gordura animal, mas só muito mais tarde descobriu-se que eles têm o mesmo efeito deletério sobre o metabolismo e, como os ácidos graxos saturados, aumentam os níveis de colesterol e promover a formação de gordura abdominal e ganho de peso. Verificou-se que a ingestão de AGT estava positivamente associada à inflamação do intestino e à regulação positiva das citocinas pró-inflamatórias na polarização de células Th17 (Okada et al., 2013). Além disso, os AGTs interferem no metabolismo dos ácidos graxos insaturados naturais, que possuem a configuração cis.

Os AGTs são encontrados na margarina e em outras gorduras vegetais tratadas (hidrogenadas), em carnes e produtos dietéticos de ruminantes e em salgadinhos. Eles podem estar presentes também em batatas fritas e outros alimentos fritos, como eles também são formados na fritura.

Carne vermelha

A carne vermelha contém mais heme de ferro do que carne branca. O ferro é facilmente nitrosilado e isso facilita a formação de compostos nitrosos endógenos (NOCs; Joosen et al., 2010). A ingestão de carne vermelha mostra, de fato, uma relação dose-resposta com a formação de NOCs, enquanto não existe tal relação para a carne branca. Os NOCs são mutagênicos: induzem nitrosilação e danos no DNA. A carne vermelha processada (conservada em nitrito) aumenta o risco. Aminas heterocíclicas são formadas durante o cozimento da carne em altas temperaturas, mas isso não é específico para carne vermelha (Joosen et al., 2010).

Depósitos de ferro anormais foram encontrados nos locais de inflamação na EM (Williams et al., 2012) e o consumo de carne vermelha está associado a níveis mais altos de γ-GT e PCR-as (Montonen et al., 2013).

Digno de nota, não temos ácido N-glicolilneuramínico (Neu5Gc), um ácido siálico importante, porque uma mutação inativadora no gene CMAH eliminou sua expressão em humanos. A incorporação metabólica de Neu5Gc a partir de fontes alimentares - particularmente carne vermelha e produtos lácteos - pode criar problemas, já que os humanos têm anticorpos anti-Neu5Gc circulantes e isso implica a possível associação com inflamação crônica (Padler-Karavani et al., 2008).

Finalmente, a carne contém ácido araquidônico (o PUFA ômega-6 (n-6), que é o precursor dos eicosanóides pró-inflamatórios [prostaglandinas, tromboxanos e leucotrienos]) e ativa a via Th17 (Stenson, 2014).

Alta ingestão de açúcar e baixa ingestão de fibra

A alta ingestão de bebidas açucaradas e cereais refinados, com baixo teor de fibras, aumenta rapidamente o número de calorias e o nível de glicose. O subseqüente aumento da produção de insulina aumenta as vias biossintéticas e, entre outras coisas, a produção de ácido araquidônico e seus derivados pró-inflamatórios.

Ingestão aumentada de sal dietético

O aumento da ingestão de sal na dieta pode ser um fator de risco ambiental para o desenvolvimento de doenças autoimunes, pois pode induzir células Th17 patogênicas e citocinas proinflamatórias relacionadas na EAE (Kleinewietfeld et al., 2013; Wu et al., 2013) . As células Th17 estão envolvidas no desenvolvimento da EM.

Gordura de leite de vaca e as proteínas da membrana de glóbulo de gordura de leite

A gordura do leite é dispersa de forma homogênea e protegida da oxidação, graças a uma membrana feita de lipídios e proteínas particulares chamadas proteínas da membrana do glóbulo de gordura do leite (MFGM; Riccio, 2004). Estas proteínas, que representam apenas 1% de proteínas do leite, têm um valor informativo e não nutricional. Na lactação humana, eles são necessários para a correta formação dos sistemas digestivo, nervoso e imunológico em bebês. Este fluxo de informação obviamente não é relevante, ou nem é necessário, na idade adulta e, também, no caso do leite de vaca consumido para nutrição humana. Na idade adulta, as proteínas MFGM do leite de vaca não têm mais um papel informativo e podem ser eliminadas da dieta juntamente com a gordura do leite.

A remoção de proteínas MFGM do leite de vaca integral é particularmente relevante no caso da EM. A proteína MFGM mais representativa (40% do total de proteínas MFGM), butirofilina (BTN), é de fato suspeito de ter um papel na EM, uma vez que é muito semelhante ao MOG, um dos autoantígenos candidatos na EM. O BTN e o MOG compartilham o mesmo comportamento em modelos experimentais de EM e os anticorpos de reação cruzada MOG / BTN foram encontrados na EM, no autismo e na doença cardíaca coronária (CHD; Riccio, 2004). Nessas condições, o paciente com EM deve evitar a ingestão de leite de vaca integral e preferir o leite desnatado, que, além disso, não possui gordura animal.

Outro ponto de vista é o de Swanson et al. (2013) Eles descobriram que as moléculas semelhantes a BTN ou BTN podem ter um papel regulador na imunidade e, portanto, sugerem que as moléculas semelhantes a BTN ou BTN podem ser úteis para induzir o desenvolvimento de Treg.

Dietas hipercalóricas e inflamação pós-prandial

Após cada refeição, podemos experimentar um estresse oxidativo transitório e moderado e uma resposta inflamatória moderada, dependendo do tipo e da quantidade de alimentos. Hábitos alimentares baseados em uma exposição frequente e persistente a refeições com alto consumo de sal / gordura animal e gordura trans / bebidas adoçadas com açúcar estressam nosso sistema imunológico / metabólico e o possível fracasso subsequente da homeostase pode levar a distúrbios imunológicos e metabólicos de natureza diversa .

Em conjunto, o estresse dependente de dieta pode ser devido às seguintes razões: (a) ingestão de calorias: quanto maiores as calorias, mais o estresse oxidativo é induzido; (b) carga glicêmica de uma refeição: picos glicêmicos pós-prandiais agudos podem induzir uma liberação de insulina muito maior do que o necessário; (c) padrão lipídico: gordura animal saturada, ácidos graxos trans e PUFA de cadeia longa ômega-6 (n-6) promovem inflamação pós-prandial. Conforme relatado nas seções a seguir, a inflamação pós-prandial é atenuada ou suprimida pelos PUFA e polifenóis n-3, pela restrição calórica e pelo exercício físico.

Compostos Bioativos Naturais Anti-Inflamatórios: Útil para Combater a EM e Prevenir Recaídas?

Moléculas dietéticas bioativas específicas são capazes de neutralizar os efeitos de agentes microbianos patogênicos e regular negativamente a expressão de moléculas inflamatórias. Entre eles, os compostos mais importantes são os polifenóis e carotenóides de vegetais, PUFA n-3 de peixe, vitaminas D e A, compostos tiol como o ácido lipóico e oligoelementos como selênio e magnésio.

A maioria dos compostos acima mencionados, com exceção dos PUFA, que não são antioxidantes, são conhecidos por suas propriedades antioxidantes. A justificativa para o uso de antioxidantes na EM baseia-se na observação de que o estresse oxidativo é um dos componentes mais importantes do processo inflamatório, levando à degradação da mielina e do dano axonal. No entanto, sabe-se agora que os antioxidantes da dieta têm propriedades biológicas adicionais indo muito além da simples atividade antioxidante. De fato, eles são capazes de neutralizar os efeitos negativos de agentes microbianos e ácidos graxos saturados ou trans, reduzindo a expressão de moléculas pró-inflamatórias, estresse oxidativo e angiogênese.

Polifenóis

Todos os polifenóis - presentes em vegetais, cereais, leguminosas, especiarias, ervas, frutas, vinho, sucos de frutas, chá e café - têm propriedades antiinflamatórias, imunomodulatórias, antiangiogênicas e antivirais e estimulam as vias catabólicas. (Gupta e outros, 2014; Wang e outros, 2014). Eles são encontrados em plantas na forma de glicosídeos, ésteres ou polímeros, muito grandes para entrar na membrana intestinal. Aglycons liberados da microbiota intestinal são conjugados com glucuronídeos e sulfatos no intestino e no fígado. Sua solubilidade e biodisponibilidade são muito pobres (µM; Visioli et al., 2011).

Do ponto de vista estrutural, os polifenóis incluem flavonóides e moléculas não flavonóides (Bravo, 1998). Os flavonóides mais importantes são a quercetina (cebola, maçã, frutas cítricas e vinho; Min et al., 2007; Sternberg et al., 2008), catequinas (chá verde; Friedman, 2007) e daidzeína e genisteína (soja; Castro et al., 2013; Zhou e outros, 2014). Os nonflavonóides mais importantes são o resveratrol (chocolate, amendoim, bagas, uvas pretas e vinho tinto; Das e Das, 2007; CHENG et al., 2009; Shakibaei et al., 2009), curcumina (tempero cúrcuma da família do gengibre, curry Prasad et al., 2014) e hidroxitirosol (azeite; Hu et al., 2014).

Verificou-se que o efeito anti-inflamatório dos polifenóis in vitro pode depender da sua estrutura química (Liuzzi et al., 2011). Assim, uma mistura de flavonóides e não flavonóides pode ser mais eficaz que a suplementação com apenas um polifenol.

Dois exemplos dos polifenóis mais estudados são a quercetina e o resveratrol. A quercetina está presente principalmente como um glucosídeo. A maioria de seus efeitos são aditivos aos do interferon-β. A quercetina não é tóxica, mas seu produto de oxidação, a quercetina quinona, é muito reativo para os grupos SH de proteínas e glutationa e pode ser tóxico (Boots et al., 2008). A adição de ácido lipóico ou N-acetilcisteína pode limitar os efeitos tóxicos.

O resveratrol é glucuronado no fígado e absorvido nesta forma principalmente no duodeno, mas apenas em quantidades muito limitadas. Dependendo de sua concentração, o resveratrol pode induzir a morte de uma grande variedade de células por necrose ou apoptose. Nesse sentido, é comumente aceito que o resveratrol tenha efeitos neuroprotetores; no entanto, também foi relatado que pode exacerbar doenças experimentais semelhantes à EM (Sato et al., 2013). Estas discrepâncias podem ser atribuídas às diferentes concentrações utilizadas in vitro ou biodisponíveis in vivo, uma vez que o resveratrol tem efeitos opostos às concentrações de 10-5 M (proliferação de células mesenquimais humanas) e 10-4 M (inibição da proliferação). Em nossa experiência, o resveratrol tem um efeito neurotrófico nos neurônios corticais em cultura apenas em concentrações muito baixas, enquanto que em concentrações mais altas, pode ter efeito tóxico. Mas, no caso do estresse oxidativo, o resveratrol tem propriedades neuroprotetoras também nas concentrações mais altas.

Vitamina D, Vitamina A, Carotenóides, Outras Vitaminas e Oligoelementos

Outros compostos e elementos que podem ser úteis como suplementos em MS são as vitaminas D, A, E, C, B12 (Mastronardi e outros, 2004), e niacina (Penberthy e Tsunoda, 2009), e oligoelementos como selênio (Boosalis , 2008) e magnésio (Galland, 2010).

A vitamina D possui funções imunomoduladoras e representa a molécula dietética mais promissora para o tratamento de doenças inflamatórias crônicas como a SM (Smolders et al., 2008; Pierrot-Deseilligny, 2009; Cantorna, 2012; Ascherio et al., 2014). Como já mencionado, acredita-se geralmente que a distribuição geográfica especial de MS no mundo também pode ser atribuída à disponibilidade reduzida de vitamina D3, devido à exposição insuficiente à luz solar em alguns países, e a falta de vitamina D ativa pode ser outra possível causa de origem ambiental dos EM. No entanto, baixos níveis de vitamina D ativa podem ser devidos também ao seu metabolismo alterado ou função não apenas à exposição à luz solar. De fato, o fracasso da suplementação com vitamina D3 (colecalciferol) em mostrar efeitos benéficos sobre o peso corporal ou sobre o curso de doenças inflamatórias pode ser devido à persistência de sua deficiência, apesar de sua administração.

A vitamina D3 (colecalciferol), formada após a exposição ao sol, é hidroxilada no fígado para 25- (OH) D3 (calcidiol) pelas enzimas P450 CYP27A1 ou CYP2R1, e subsequentemente ativada no rim por CYP27B1 para 1α, 25- (OH ) 2 D3 (calcitriol). Este último, a forma ativa da vitamina D, é inativado por CYP24A1 para 1α, 24,25- (OH) XUMUMX (ácido calcitróico). Isto significa que os níveis de vitamina D ativa dependem das taxas relativas de sua síntese via CYP3B3 e suas modificações via CYP27A1 (Schuster, 24). A expressão elevada de CYP1A2011, induzida por compostos endógenos e xenobióticos, pode levar a baixos níveis de vitamina D e causar ou intensificar doenças inflamatórias crônicas e câncer. Por estas razões, é importante acompanhar o nível de vitamina D no decurso da administração de vitamina D. Se os níveis de vitamina D permanecerem baixos, a expressão de mRNA de CYP24A1 deve ser examinada, e a determinação das atividades de CYP24B1 e CYP27A1 e sua inibição devem ser testadas (Chiellini et al., 24, Kósa et al., 1).

Outro aspecto importante diz respeito ao VDR. O metabólito ativo da vitamina D - 1α, 25-dihidroxivitamina D - se liga ao VDR, e o complexo VDR-D controla a expressão de vários genes envolvidos em processos de relevância potencial para doenças crônicas. Como representado nas Figuras 2 e3,3, o complexo VDR-D compete com os PPARs ou LXRs activados por ligando para a ligação ao RA-RXR. Os complexos heterodiméricos se ligam ao fator de transcrição proinflamatório NFkB e regulam negativamente a síntese de moléculas pró-inflamatórias. Nesse contexto, ao avaliar a eficácia da suplementação de vitamina D no curso da SM, deve-se considerar os eventuais polimorfismos que afetam o VDR, que tem sido recentemente associado à obesidade, inflamação e alterações da permeabilidade intestinal (Al-Daghri et al. , 2014).

Além disso, a descoberta de que o VDR-D ativa o Sirtuin SIRT-1 (An et al., 2010; Polidoro e outros, 2013) sugere que a vitamina D tem uma influência também no metabolismo celular e, portanto, pode ter propriedades semelhantes às do muitos outros suplementos dietéticos naturais: regulam o metabolismo oxidativo e regulam negativamente a inflamação.

Finalmente, deve-se considerar que existem diferenças entre dados em humanos e modelos experimentais. Na verdade, em humanos, diferentemente de camundongos, a obesidade está associada a um baixo nível de vitamina D (Bouillon et al., 2014).

Entre os carotenóides, o mais importante é o licopeno (tomate, melancia e uva rosa; Rao e Rao, 2007). Além de ser um antioxidante muito forte, o licopeno pode dar beta-caroteno e ácido retinóico, e este último pode ativar o receptor RXR (Figura 2). Embora a ingestão mais elevada de carotenóides na dieta, vitamina C e vitamina E não reduza o risco de MS em mulheres (Zhang et al., 2001), a relevância do licopeno e vitamina A contra a inflamação não pode ser desconsiderada.

Omega-3 (n-3) Ácidos Graxos Essenciais e Ácidos Graxos Poli-Insaturados de Vegetais, Frutos do Mar e Óleo de Peixe

Os ácidos graxos essenciais (AGE) n-3 e PUFA representam uma alternativa válida aos ácidos graxos saturados de origem animal.

Óleos vegetais e vegetais contêm os ácidos graxos essenciais ácido linoleico (n-6) e ácido linolênico (n-3). Os ácidos graxos n-6 e n-3 têm efeitos opostos e sua presença na dieta deve ser equivalente (Schmitz e Ecker, 2008). No entanto, nas dietas ocidentais, a proporção n-6 / n-3 é aumentada de 6 para 15 vezes e isso leva a uma maior incidência de doenças cardiovasculares e inflamatórias. De fato, o ácido linoléico leva à formação do ácido araquidônico (20: 4), o precursor das prostaglandinas pró-inflamatórias eicosanóides - 2, leucotrienos-4 e tromboxanos-2. A síntese desses eicosanóides é favorecida pela insulina e inibida pela aspirina, assim como pelo PUFA EPA de cadeia longa n-3 (ácido eicosapentaenóico) e DHA (ácido docosahexaenóico), que derivam do ácido linolênico n-3.

Tanto DHA e EPA são encontrados em frutos do mar e óleo de peixe. Ambos mostram atividades anti-inflamatórias, anti-trombóticas e imunomoduladoras notáveis, comparáveis ​​às das estatinas (Calder, 2006; Farooqui et al., 2007). Os PUFA n-3 inibem os processos inflamatórios e a síntese de ácidos graxos e colesterol e estimulam a oxidação de ácidos graxos. Nesta base, em doenças inflamatórias crônicas, como MS, ácidos graxos essenciais n-3 (EFA) e PUFA n-3 deve prevalecer na dieta sobre os ácidos graxos n-6. É interessante notar que o DHA está presente em altas concentrações no cérebro e seus níveis diminuem em pacientes com EM.

Em culturas de células microgliais ativadas por LPS, o óleo de peixe é tão eficaz quanto o interferon-β na inibição da expressão de MMP-9 (gelatinase B), um importante mediador de neuro-inflamação (Liuzzi et al., 2004, 2007). Além disso, os N-3 PUFA diminuíram significativamente os níveis de MMP-9 em poucos ensaios clínicos, indicando que os PUFAs n-3 podem representar um bom tratamento complementar no curso da EM (Weinstock-Guttman et al., 2005; Mehta et al., 2009 Shinto et al., 2009). O óleo de peixe também foi encontrado para melhorar o desempenho motor em filhotes de ratos saudáveis ​​(Coluccia et al., 2009).

Os PUFA n-3 atuam em sinergia com a aspirina nas enzimas AMPK e COX, mas com diferentes mecanismos. Digno de nota, na presença de aspirina, EPA e DHA formam novas moléculas bioativas anti-inflamatórias chamadas resolvinas, protectinas e maresinas, que são capazes de reduzir a inflamação celular e a dor inflamatória (Xu et al., 2010; Hong e Lu, 2013; Serhan e Chiang, 2013). Esse pode ser um aspecto relevante relacionado à intervenção nutricional na EM. De fato, os processos inflamatórios associados à SM também podem ser devidos à baixa relação PUFA omega-3 (anti-inflamatório) / omega 6 (inflamatório) e, portanto, à baixa produção de quantidades adequadas de moléculas indutoras de resolução, lipoxinas, resolvinas e protectins que suprimem a inflamação. Assim, a administração de PUFA omega-3 juntamente com aspirina ou diretamente de lipoxinas, resolvinas e protectinas pode formar uma nova abordagem na prevenção e no tratamento da EM e de outras doenças neuroinflamatórias. Além disso, outros eicosanóides anti-inflamatórios e antiangiogénicos podem também ser produzidos pelas enzimas P450 CYP de EPA e DHA (Yanai et al., 2014). Neste contexto, deve-se levar em consideração que as estatinas podem interferir negativamente com o metabolismo de n-3 e n-6, já que podem diminuir a relação n-3 / n-6. Assim, o tratamento com estatinas deve estar associado à suplementação com n-3 PUFA (Harris et al., 2004).

Óleos de sementes de girassol, milho, soja e gergelim contêm mais ácidos graxos n-6 do que ácidos graxos n-3 e, portanto, sua suposição deve ser limitada na EM, a fim de limitar o nível de produção de eicosanóides pró-inflamatórios. Por outro lado, o óleo de coco possui alto teor de ácidos graxos saturados. Entre os óleos vegetais, o azeite deve ser preferido para a boa proporção entre ácidos graxos saturados e insaturados, e porque contém o antioxidante hidroxitirosol.

Compostos tiolicos como suplementos dietéticos

Compostos contendo grupos tiol (–SH) como ácido α-lipóico (ALA), glutationa e N-acetilcisteína (NAC) devem ser considerados como possíveis suplementos dietéticos a serem utilizados para o tratamento complementar da EM.

Como polifenóis, ALA (Salinthone et al., 2008; plantas verdes e alimentos de origem animal) possui propriedades imunomoduladoras e antiinflamatórias. O ALA estabiliza a integridade do BBB e estimula a produção de AMPc e a atividade da proteína quinase A. Também o NAC pode ser útil em distúrbios neurológicos. Passa pelo BBB e protege da inflamação (Bavarsad Shahripour et al., 2014).

A dieta mediterrânica

Uma recente revisão sistemática e metanálise de estudos de intervenção fornecem evidências de que os padrões de dieta mediterrânea reduzem o risco de inflamação e mortalidade cardiovascular e melhoram as funções endoteliais (Schwingshackl e Hoffmann, 2014). Essas descobertas são tão encorajadoras quanto você acha que a verdadeira dieta mediterrânea é um pouco diferente da atualmente descrita.

É geralmente aceite que a dieta mediterrânica se baseia no consumo de azeite extra-virgem, cereais não refinados, leguminosas, vegetais diversos (em especial tomates) e frutas, produtos lácteos (principalmente como queijo pecorino, ricota, mussarela e iogurte), peixe e produtos da pesca, e baixo consumo de gordura animal e carne. No entanto, atualmente, a dieta mediterrânea tende a um alto consumo de massa e pão, o que significa uma alta ingestão de glúten.

Uma vez, na verdadeira dieta mediterrânea, no sul da Itália, a carne era consumida duas ou no máximo três vezes por semana, apenas azeite era usado para cozinhar (qualidade extra-virgem e o mais cru possível), mas a ingestão de glúten era metade em comparação com a ingestão atual. O macarrão era comido com o molho de tomate caseiro clássico, mas, em alternativa, era mais frequentemente misturado com outros alimentos sem glúten. As receitas mais comuns eram massas e batatas; macarrão com feijão verde ou alcachofra, abobrinha, berinjela, nabo ou repolho; macarrão com uma mistura de legumes e legumes (minestrone: sopa de legumes); e macarrão com grão de bico, feijão ou lentilha. As bebidas açucaradas de hoje não eram conhecidas. Uma alta suposição de alimentos ricos em glúten pode levar à sensibilidade do glúten assintomática não-cíaca, dano intestinal da mucosa, alterações na microbiota intestinal e inflamação intestinal de baixo grau. Em conclusão, a dieta mediterrânea é boa, mas a ingestão de glúten deve ser limitada e deve ser grãos integrais.

Estilo de vida inflamatório e antiinflamatório

Fumar (Proinflamatório)

Apenas alguns estudos foram realizados sobre o impacto do tabagismo no curso da esclerose múltipla e os resultados são conflitantes, talvez porque seus efeitos são difíceis de determinar e enuclear de outros fatores. Weiland et al. (2014) não encontraram associação entre tabagismo e taxa de recaída ou atividade da doença, mas não excluem que os fumantes possam ter uma qualidade de vida significativamente menor relacionada à saúde do que os não fumantes, enquanto Manouchehrinia et al. (2013) descobriu que fumar está associado a uma doença mais grave.

No entanto, como é mostrado na Figura 2, pode-se esperar que a fumaça do cigarro piore o curso da EM, pois pode inibir a atividade antiinflamatória dos Sirtuins (Caito et al., 2010). O estresse oxidativo e carbonílico induzido pela fumaça do cigarro pode ser revertido pelo resveratrol (Liu et al., 2014).

Consumo de Álcool (Proinflamatório)

Estudos recentes mostram que o consumo de álcool (cerveja, vinho ou licor) não está associado ao risco de MS (Massa e col., 2013; Hedström et al., 2014). No entanto, como também mostrado na Figura 2, o álcool pode inibir o SIRTUIN SIRT1 e ativar a atividade transcricional de SREBP-1c (Você et al., 2008), promovendo a biossíntese de lipídios e inflamação em detrimento do metabolismo oxidativo.

Existem outros dois aspectos do etanol que devem ser considerados. Primeiro, o metabolismo do etanol converte um grande número de moléculas de NAD + em NADH, limitando a disponibilidade de NAD + necessária para a atividade de Sirtuins. Em segundo lugar, como substrato das enzimas P450, o etanol pode interferir no metabolismo das drogas, que são transformadas pelas mesmas enzimas. O resultado pode ser o prolongamento e o aumento da ação do medicamento. Ao todo, o álcool deve ser considerado como uma molécula que interfere no metabolismo normal e facilita o processo inflamatório, dificultando a possibilidade de melhorar o bem-estar do paciente.

Restrição Calórica (Anti-Inflamatória)

O consumo elevado de calorias e uma refeição rica em carboidratos refinados e açúcar aumentam o nível de insulina e favorecem a biossíntese, incluindo a produção de moléculas pró-inflamatórias e a produção de radicais livres. Restrição calórica, obtida pela diminuição da ingestão de alimentos ou pelo jejum intermitente (um dia e o outro não), aumenta o nível de SIRT1 (Zhang et al., 2011), aumenta o nível de AMP e aumenta a AMPK, aumenta os níveis de adiponectina e aumenta ou ativa seus receptores (Lee e Kwak, 2014), e regula negativamente o dano oxidativo, a ativação de linfócitos e a progressão de modelos experimentais de MS (Piccio et al., 2008, 2013). Os efeitos da restrição calórica podem ser mimetizados por agonistas (resveratrol e outros polifenóis), atuando nos mesmos alvos (SIRT1, AMPK).

Exercício Físico (Anti-Inflamatório)

O exercício físico é agora uma prática quase aceita também para pacientes com esclerose múltipla e é comumente aplicada a fim de diminuir os sintomas de fadiga crônica e prevenir ou retardar o aparecimento de incapacidades. No entanto, a importância do exercício físico vai além da atividade muscular simples e deve ser considerada em um contexto holístico em que dieta, exercício, terapia e intercâmbio social, todos desempenham um papel para o bem-estar dos pacientes com EM (Gacias e Casaccia, 2013).

Controle dietético e prática de exercícios têm sido propostos pela OMS (2010) para atenuar ou prevenir doenças crônicas humanas.

Do ponto de vista molecular, o exercício físico exerce seu efeito benéfico atuando no eixo proteína quinase AMPK e na rede AMPK-Sirtuins-PPAR-δ, regulando positivamente o metabolismo oxidativo e regulando negativamente as vias biossintéticas e a inflamação (Narkar et al., 2008). Como a AMPK tem um papel fundamental no balanço energético, é importante mencionar seus agonistas. Os agonistas de resveratrol e AMPK, como a metformina, um medicamento usado no diabetes tipo 2, podem imitar ou aumentar o efeito da atividade física e são eficazes na encefalite experimental (Nath et al., 2009).

O exercício físico influencia a qualidade de vida e pode estimular a produção de citocinas anti-inflamatórias (Florindo, 2014). Além disso, o exercício físico reduz os níveis plasmáticos de leptina e reduz a expressão gênica dos receptores de leptina no fígado (Yasari et al., 2009), enquanto aumenta os níveis de adiponectina e a atividade dos receptores de adiponectina (Lee e Kwak, 2014).

A associação do exercício físico com a restrição calórica leva a uma redução significativa dos marcadores inflamatórios (Reed et al., 2010).

Estudos recentes realizados em camundongos adultos C57BL / 6 J mostraram que o exercício estimula a atividade mitocondrial do cérebro, potencializa a neuroplasticidade e está associado à melhora do humor, uma vez que diminui os comportamentos ansiosos em campo aberto e exerce efeitos similares aos antidepressivos na cauda. teste de suspensão (Aguiar et al., 2014). Outros estudos realizados em ratos mostraram que o exercício pode alterar a composição e a diversidade de bactérias intestinais (Petriz et al., 2014).

Por essa razão, os pacientes com EM devem praticar exercícios físicos leves (caminhada rápida, natação ou até dança), se possível no decorrer de um programa de reabilitação.

Ensaios Clínicos Nutricionais em MS até agora

Infelizmente, os ensaios clínicos nutricionais em EM são muito poucos. Alguns deles foram baseados em dietas pobres em gordura saturada, ou sem suplementos (Swank e Goodwin, 2003) ou com suplementos de gordura ômega-3 (Nordvik et al., 2000; Weinstock-Guttman e outros, 2005). Outros ensaios clínicos foram baseados apenas na administração de suplementos alimentares únicos: ou vitamina D, ou óleo de peixe (PUFA n-3), ou ácido lipóico. Ensaios clínicos com polifenóis únicos foram realizados apenas em câncer. Os suplementos dietéticos nunca foram usados ​​juntos e nunca foram associados à prescrição dietética.

Em conjunto, as tentativas clínicas para esclarecer o papel da nutrição na EM foram consideradas apenas promissoras de má qualidade ou sem resultados claros (Farinotti et al., 2007, 2012). Em particular, como relatado por Farinotti et al. em sua revisão Cochrane (2012), suplementos como o n-3 PUFA parecem não ter efeito importante sobre o principal desfecho clínico na EM, mas podem reduzir a frequência de recidivas em 2 anos. Os dados disponíveis foram considerados insuficientes ou de qualidade incerta para avaliar um efeito real da suplementação com PUFA. Em alguns estudos, foram encontrados ligeiros benefícios possíveis nos resultados da recaída com ácidos gordos ómega-6, mas os dados foram caracterizados pela redução da validade dos parâmetros. Em geral, a qualidade dos estudos foi considerada fraca. Estudos sobre suplementação vitamínica não foram analisados, uma vez que nenhum preenchia os critérios de elegibilidade, principalmente devido à falta de resultados clínicos. Assim, evidências sobre os benefícios e riscos da suplementação vitamínica e suplementos antioxidantes na EM são escassas.

Sugestões para uma intervenção nutricional em MS: A escolha da dieta e suplementos dietéticos

No final, o objetivo de uma intervenção nutricional na EM deve ser o controle da inflamação e isso, como mostrado nesta revisão, pode ser alcançado principalmente pelo controle da inflamação pós-prandial, a composição da microbiota intestinal e inflamação intestinal e sistêmica e imunidade. Isto pode ser conseguido por uma intervenção dietética de longo prazo, com uma dieta hipocalórica, prebióticos, probióticos e suplementos dietéticos.

Como relatado neste artigo, as moléculas da dieta saudável, a restrição calórica e o exercício físico são capazes de direcionar o metabolismo celular para o catabolismo e regular negativamente o anabolismo e a inflamação interagindo em diferentes níveis com enzimas específicas, receptores nucleares e fatores transcricionais. Além disso, em associação com fibras, elas podem mudar a disbiose do intestino para a eubiose.

Como resultado, refeições hipocalóricas (1,600-1,800 kcal) baseadas em vegetais, cereais integrais, legumes, frutas e peixes podem retardar a progressão da doença e melhorar o bem-estar dos pacientes com esclerose múltipla, enquanto dietas hipercalóricas com alta ingestão de alimentos. sal, gordura animal saturada, alimentos fritos e bebidas açucaradas podem levar ao aparecimento de inflamação pós-prandial e inflamação sistêmica de baixo grau.

A dieta deve ser integrada a prebióticos, probióticos, vitaminas específicas (D, A, B12 e ácido nicotínico), oligoelementos (magnésio e selênio) e suplementos dietéticos, como polifenóis, PUFA n-3 e ácido lipóico.

Os prebióticos para MS devem incluir inulina, farelo, lactosacarose e oligofrutose, nutrientes preferenciais para os colonócitos e capazes de inativar o NF-kB. Probióticos, como lactococcus lactis, bifidobacterium lactis e clostridium butyricum, que podem melhorar o equilíbrio microbiano intestinal, podem ser usados ​​para alterar a composição da microbiota colônica. A combinação de prebióticos e probióticos é altamente recomendada. As funções intestinais e o peso devem estar sempre sob controle.

Uma abordagem terapêutica mais drástica com o objetivo de restaurar a eubiose intestinal e diminuir a inflamação pode ser representada pelo transplante de microbiota fecal (FMT; Smits et al., 2013). O método parece ser muito eficaz, mas ainda primitivo, não completamente seguro e, de certa forma, também nojento. O campo deve ir além dos transplantes fecais, identificar os organismos que podem ser essenciais para uma condição particular e fornecer esses organismos de uma forma muito mais simples do que o FMT (“Critical Views in Gastroenterology & Hepatology,” 2014).

Suplementos dietéticos, com a única exceção de PUFA omega-3, que são constituintes normais do nosso corpo, são úteis no início da intervenção nutricional, ou no decorrer de recaídas, para facilitar a recuperação de uma condição saudável, mas seu uso deve ser restrito a apenas um período limitado de tempo (3-4 meses). Isto é particularmente válido para os polifenóis. Os polifenóis não são moléculas bem conhecidas no que diz respeito à sua biodisponibilidade e seus efeitos biológicos e precauções especiais devem ser usadas quando se complementa a dieta com elas. Por um lado, podem regular negativamente a síntese de moléculas pró-inflamatórias no curso de processos inflamatórios; Por outro lado, eles podem estimular a atividade celular nas células em repouso, mas uma estimulação persistente pode induzir a apoptose de células saudáveis. Em conjunto, estas considerações sugerem que a administração de polifenóis purificados deve ser realizada com base em ensaios clínicos preliminares para testar sua eficácia como suplementos dietéticos e para determinar sua segurança a longo prazo e a dosagem correta.

Em geral, uma intervenção nutricional com alimentos antiinflamatórios e suplementos dietéticos diminui a biossíntese de compostos pró-inflamatórios e com isso torna mais eficaz o uso de drogas imunomoduladoras, e eventualmente pode limitar seus possíveis efeitos adversos, aliviar os sintomas da síndrome da fadiga crônica, e favorecer o bem-estar do paciente. No entanto, dieta e suplementos dietéticos não devem ser tratados como drogas e como um substituto da terapia. Da mesma forma, o alimento pró-inflamatório não é tóxico e não há necessidade de excluí-lo completamente. Você pode comer um bom bife ou frituras sem risco ou culpa, se você estiver em uma condição basicamente saudável. O que dói são os hábitos alimentares errados a longo prazo.

A esclerose múltipla, ou esclerose múltipla, é uma doença crônica e progressiva que envolve danos às bainhas de mielina das células nervosas. A epidemiologia da EM sugere que vários fatores estão frequentemente envolvidos na expressão clínica do problema de saúde. No entanto, numerosos estudos de investigação avaliaram principalmente o papel da dieta no desenvolvimento da esclerose múltipla. Durante vários anos, os profissionais de saúde acreditavam que havia uma correlação entre o consumo de laticínios em pacientes com esclerose múltipla. De acordo com vários estudos, foi encontrada uma correlação significativa entre o leite de vaca e a prevalência de esclerose múltipla, sugerindo um possível papel dos produtos lácteos na etiologia multifatorial da SM.

Dr. Alex Jimenez DC, CCST

Conclusões

Assim, à primeira vista, a SM parece não apresentar nenhuma das características das doenças inflamatórias crônicas, o que pode estar relacionado a hábitos alimentares e hábitos de vida errados, ou mesmo a uma microbiota intestinal disbiótica. Aparentemente, não há nada em uma exacerbação da doença que possa estar ligada à comida ou ao estado da microbiota intestinal. De fato, quando começamos nossos estudos sobre o impacto da nutrição na EM, não havia a menor pista de que pudesse existir uma ligação real entre eles, e a idéia do envolvimento da microbiota intestinal na EM era considerada apenas muito especulativa. Até o momento, a ideia de que os hábitos alimentares podem influenciar o curso da esclerose múltipla ainda está lutando para se estabelecer. Não é assim nas doenças cardiovasculares e outras condições inflamatórias crônicas, nas quais a influência dos hábitos alimentares é quase aceita, e nem mesmo no câncer, que é cada vez mais considerado como um distúrbio metabólico (Seyfried et al., 2014).

Atualmente, a terapia com EM não está associada a nenhuma dieta em particular, provavelmente devido à falta de informações sobre os efeitos da nutrição na doença. No entanto, a maioria dos pacientes com EM procura tratamentos complementares e alternativos (CAM) e, em particular, está tentando mudar hábitos alimentares, quase sem o conselho do médico (Schwarz et al., 2008; Leong et al., 2009 ). Um estudo recente baseado em dados fornecidos por pacientes com EM em resposta a um questionário sobre seus hábitos alimentares parece apoiar uma associação significativa de hábitos alimentares saudáveis ​​com melhor qualidade de vida relacionada à saúde física e mental e um menor nível de incapacidade (Hadgkiss et al ., 2014). Estes dados reforçam a ideia da necessidade de ensaios controlados randomizados de intervenção nutricional para pessoas com EM. Deve-se enfatizar que os tratamentos nutricionais devem ser complementares, mas não alternativos à terapia, fazer parte de uma abordagem holística e ser realizada sob controle médico.

Como ainda não existem dados disponíveis de ensaios clínicos, o nosso trabalho destina-se a racionalizar escolhas alimentares com base em efeitos conhecidos e estabelecidos de fatores dietéticos e estilo de vida ao nível molecular. Os dados relatados na Figura 2 obviamente não estão completos, mas podem ser úteis para fornecer diretrizes para intervenções nutricionais. Em princípio, os alimentos pró-inflamatórios regulam as vias biossintéticas e inflamatórias, como mostrado à direita e no fundo da Figura 2, enquanto os alimentos antiinflamatórios regulam o metabolismo oxidativo e regulam negativamente o anabolismo e a inflamação.

Como mostrado neste artigo, a descoberta de que a restrição calórica, exercício e fatores dietéticos específicos podem influenciar o grau de respostas inflamatórias, agindo no metabolismo celular (Figura 2) e composição da microbiota intestinal (Figura 5), sugere que um nutricional adequado intervenção pode melhorar o curso da doença e, portanto, pode ser considerado como um possível tratamento complementar na EM. Como a inflamação está presente em ambos os EMBR e EMP, os conselhos nutricionais são indicados para ambas as formas da doença. Isto é particularmente importante no caso do PPMS, para o qual não há cura atualmente disponível. Por outro lado, como os hábitos alimentares específicos podem ser prejudiciais e podem promover um estado crônico de inflamação de baixo grau, uma dieta errada pode ser considerada uma possível causa contributiva das recaídas na EM.

Tomados em conjunto, temos agora um melhor conhecimento da possível influência de fatores dietéticos no metabolismo celular e na microbiota intestinal, e em seus possíveis efeitos sobre a doença, mas, claramente, estamos apenas começando a entender o papel da nutrição e da microbiota intestinal. em MS e muito trabalho permanece em termos de compreender a natureza das interações da microbiota intestinal com o sistema imunológico do hospedeiro, especialmente em locais distais ao intestino.

Com base nessas premissas, as perspectivas futuras na pesquisa de MS devem considerar os seguintes pontos: (a) avaliar a composição da microbiota intestinal; (b) avaliar defeitos no sistema imune intestinal; (c) esclarecer o papel dos polifenóis e do metabolismo da vitamina D; (d) estudar o impacto de fatores dietéticos, ervas e drogas em AMPK, Sirtuins, PPAR, ou diretamente em NF-kB. Digno de nota, alguns medicamentos usados ​​para tratar diabetes tipo II, como os agonistas do PPAR-γ tiazolidinedionas (Bernardo et al., 2009), e o agonista da AMPK, a metformina (Nath et al., 2009) têm efeitos anti-inflamatórios comparáveis ​​aos do fatores dietéticos antiinflamatórios; (e) definir possíveis interferências entre suplementos dietéticos e medicamentos MS; (f) promover uma campanha para educar sobre a importância de seguir uma dieta saudável durante a terapia, por exemplo, encorajando os pacientes a incluir fibras ou carboidratos complexos em sua dieta, suplementando com probióticos, escolhendo gorduras n-3 sobre as gorduras pro-inflamatórias n-6 e limitando o consumo de carne e gordura animal. A escolha de boas receitas, como as descritas por Mollie Katzen (2013), pode tornar a dieta mais aceitável.

Em geral, as terapias convencionais de EM imunomoduladoras têm sido quase bem sucedidas; entretanto, drogas que podem proteger e favorecer mecanismos de reparo ainda estão faltando. Podemos decidir ajudar as pessoas a se manterem saudáveis, oferecendo orientação nutricional e oportunidades de atividade física. Por enquanto, só há boas perspectivas para melhorar o bem-estar dos pacientes com EM. Estamos apenas no começo da história.

Resumo

Como tanto a EM reincidente-remitente como a EM progressiva primária são doenças inflamatórias, elas podem ser influenciadas por hábitos alimentares e estilo de vida pró-inflamatórios ou antiinflamatórios através de sua ação no metabolismo celular e na microbiota intestinal. O aconselhamento nutricional para pacientes com EM pode favorecer seu bem-estar.

Declaração de interesses conflitantes

Os autores declararam não haver potenciais conflitos de interesse com relação à pesquisa, autoria e / ou publicação deste artigo.

Financiamento

Os autores divulgaram o recebimento do seguinte apoio financeiro para a pesquisa, autoria e / ou publicação deste artigo: Este trabalho é apoiado pela Fundação Italiana de Esclerose Múltipla (FISM) com doações 2007 / R / 15 para o Projeto “Saudável e Alimentos Funcionais para pacientes com EM, ”2010 / R / 35 para o Projeto“ A Base Molecular para Intervenção Nutricional na Esclerose Múltipla ”, e 2014 / S / 2 (2014 – 2015) para o projeto“ Fatos Nutricionais na Esclerose Múltipla: Por Que Eles São importantes e como eles devem ser gerenciados ”para PR

Muitos médicos recomendam muito que pacientes com esclerose múltipla, ou esclerose múltipla, evitem laticínios, pois vários estudos demonstraram uma alta correlação entre MS e laticínios, especialmente o leite de vaca. Isto é em grande parte devido ao fato de que as proteínas no leite de vaca são geralmente alvo do sistema imunológico de pacientes com esclerose múltipla. Além disso, algumas proteínas do leite de vaca imitam parte da glicoproteína de oligodendrócito de mielina, ou MOG, a seção da mielina que desencadeia a resposta auto-imune na esclerose múltipla que pode induzir o sistema imunológico a atacar e destruir o MOG. Informações referenciadas do Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia (NCBI). O escopo de nossas informações é limitado a questões quiropráticas e de saúde da coluna vertebral. Para discutir o assunto, sinta-se à vontade para perguntar ao Dr. Jimenez ou contate-nos 915-850-0900 .

Curated pelo Dr. Alex Jimenez

Referenciado de: Ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4342365/

Discussão de tópico adicional: Dor aguda nas costas

Dor nas costas é uma das causas mais prevalentes de incapacidade e perdeu dias de trabalho em todo o mundo. A dor nas costas atribui-se à segunda razão mais comum para visitas a consultórios, superada apenas por infecções respiratórias superiores. Aproximadamente 80 por cento da população experimentará dor nas costas pelo menos uma vez ao longo da vida. A coluna é uma estrutura complexa composta de ossos, articulações, ligamentos e músculos, entre outros tecidos moles. Lesões e / ou condições agravadas, como hérnia de discos, pode eventualmente levar a sintomas de dor nas costas. Lesões esportivas ou acidentes automobilísticos geralmente são a causa mais frequente de dor nas costas, no entanto, às vezes, o mais simples dos movimentos pode ter resultados dolorosos. Felizmente, opções alternativas de tratamento, como quiropraxia, podem ajudar a aliviar a dor nas costas através do uso de ajustes espinhais e manipulações manuais, melhorando o alívio da dor.

EXTRA EXTRA | TÓPICO IMPORTANTE: Recomendado Chiropractor El Paso, TX

***

Publicações Recentes

Hiperostose Esquelética Idiopática Difusa

A hiperostose esquelética idiopática difusa, também conhecida como DISH, é uma fonte mal compreendida e frequentemente mal diagnosticada ... Saiba mais

Março 30, 2021

Causas de acidentes de motocicleta, lesões e tratamento quiroprático

Os acidentes de motocicleta são muito diferentes dos acidentes automobilísticos. Especificamente é quanto os pilotos ... Saiba mais

Março 29, 2021

Ângulo de fase e marcadores inflamatórios

Avaliação antropométrica A medição antropométrica desempenha um papel principal na avaliação da saúde do paciente. Medidas antropométricas ... Saiba mais

Março 29, 2021

Por que a tendinite não deve ser deixada sem tratamento na perspectiva da Quiropraxia

A tendinite pode acontecer em qualquer área do corpo onde um tendão está sendo usado em demasia. ... Saiba mais

Março 26, 2021

Massagem desportiva de Quiropraxia para lesões, entorses e distensões

Uma massagem esportiva quiroprática reduzirá o risco de lesões, aumentará a flexibilidade e a circulação ... Saiba mais

Março 25, 2021

A Importância da BIA e TMAO

O mundo da medicina avança e cresce continuamente. A pesquisa está sendo publicada todos os dias ... Saiba mais

Março 25, 2021

Especialista em lesões, traumatismos e reabilitação da coluna vertebral

Histórico e registro online 🔘
Ligue-nos hoje 🔘