Reserva Online 24/7

Pare de sofrer!

  • Quick n' fácil Consulta Online
  • Agendar consulta 24/7
  • Ligue para 915-850-0900.
Segunda-feira9: 00 AM - 7: 00 PM
Terça-feira9: 00 AM - 7: 00 PM
Quarta-feira9: 00 AM - 7: 00 PM
Quinta-feira9: 00 AM - 7: 00 PM
FRATERNIDADE9: 00 AM - 7: 00 PM
Sábado8: 30 AM - 1: 00 PM
DomingoFechadas

Célula Médica (Emergências) 915-540-8444

RESERVE ONLINE 24/7

Avaliação da Medicina Funcional®

🔴 Aviso: Como parte de nossa Tratamento de lesões agudas Prática, agora oferecemos Medicina Funcional Integrativa Avaliações e tratamentos dentro do nosso escopo clínico para desordens degenerativas crônicas.  Nós primeiro avaliar a história pessoal, nutrição atual, comportamentos de atividade, exposições tóxicas, fatores psicológicos e emocionais, em genética tandem.  Nós então pode oferecer Tratamentos de medicina funcional em conjunto com nossos protocolos modernos.  Saiba mais

Medicina funcional explicada
Partilhe

O que é um disco de hernia?

A coluna é composta de ossos 24, chamados vértebras, que são empilhados uns sobre os outros. Estes ossos da coluna vertebral estão finalmente conectados, criando um canal para proteger a medula espinhal. Entre cada vértebra são discos intervertebrais cheios de fluido que atuam como amortecedores para a coluna vertebral. Com o tempo, no entanto, esses Discos flexíveis tipo rosca podem começar a herniar, onde o núcleo do disco intervertebral empurra contra seu anel externo, causando dor lombar. Abaixo, vamos demonstrar os vários tipos de hérnia de disco e discutir suas causas, sintomas e opções de tratamento.

Abstrato

Contexto de fundo

O artigo '' Nomenclatura e classificação da patologia do disco lombar, recomendações das forças-tarefa combinadas da North American Spine Society, da American Society of Spine Radiology e da American Society of Neuroradiology '' foi publicado em 2001 na Spine (© Lippincott, Williams e Wilkins). Foi escrito por David Fardon, MD, e Pierre Milette, MD, e formalmente endossado pela Sociedade Americana de Radiologia da Coluna vertebral (ASSR), Sociedade Americana de Neurorradiologia (ASNR) e Sociedade Norte-Americana de Spine (NASS). Seu propósito era promover maior clareza e consistência no uso da terminologia espinhal, e tem servido bem a esse propósito por mais de uma década. Desde 2001, houve evolução suficiente em nossa compreensão do disco lombar para sugerir a necessidade de revisão e atualização do documento original. O documento revisado é apresentado aqui e representa as recomendações de consenso das forças-tarefa combinadas contemporâneas do ASSR, ASNR e NASS. Este artigo reflete mudanças consistentes com os conceitos atuais em cuidados radiológicos e clínicos.

Objetivo

Fornecer um recurso que promova uma compreensão clara da terminologia do disco lombar entre clínicos, radiologistas e pesquisadores. Todos os envolvidos precisam de termos padronizados para as condições normais e patológicas dos discos lombares, que podem ser usados ​​com precisão e consistência, servindo, assim, melhor aos pacientes com distúrbios de disco.

Design de estudo

Este artigo compreende uma revisão da literatura.

Métodos

Uma pesquisa PubMed foi realizada para a literatura referente ao disco lombar. Os membros da força-tarefa revisaram individual e coletivamente a literatura e revisaram o documento 2001. O documento revisado foi então submetido à revisão dos conselhos de administração da ASSR, ASNR e NASS. Após nova revisão com base no feedback dos conselhos de administração, o artigo foi aprovado para publicação pelos conselhos de administração das três sociedades, como representante das recomendações de consenso das sociedades.

Resultados

O artigo fornece uma discussão sobre as categorias diagnósticas recomendadas referentes ao disco lombar: normal; variação congênita / desenvolvimento; degeneração; trauma; infecção / inflamação; neoplasia; e / ou variante morfológica de significância incerta. O artigo fornece um glossário de termos referentes ao disco lombar, uma discussão detalhada desses termos e seu uso recomendado. Os termos são descritos como preferidos, não preferidos, fora do padrão e coloquiais. Ilustrações atualizadas retratam pictograficamente certos termos-chave. Referências bibliográficas que forneceram a base para as recomendações da força-tarefa estão incluídas.

Conclusões

Revisamos e atualizamos um documento que, desde 2001, forneceu uma nomenclatura amplamente aceitável que ajuda a manter consistência e precisão na descrição das propriedades anatômicas e fisiológicas do disco lombar normal e anormal e que serve como um sistema para classificação e relato construído sobre essa nomenclatura.

Palavra-chave

Fissura anular, Ruptura anular, Protuberância do disco (disco saliente), Degeneração do disco, Extrusão do disco, Hérnia de disco, Nomenclatura do disco, Protrusão do disco, Zona de alta intensidade, Disco intervertebral lombar

Prefaciar

A nomenclatura e classificação do consenso de patologia do disco lombar, publicado na 2001, pelos esforços de colaboração da Sociedade Norte-Americana de Coluna (NASS), da Sociedade Americana de Radiologia da Coluna (ASSR) e da Sociedade Americana de Neurorradiologia (ASNR), orientou radiologistas , médicos e público interessado há mais de uma década [1]. Este documento passou no teste do tempo. Respondendo a uma iniciativa da ASSR, uma força-tarefa de médicos de coluna da ASSR, ASNR e NASS revisou e modificou o documento. Este documento revisado preserva o formato e a maior parte da linguagem do original, com mudanças consistentes com os conceitos atuais em atendimento clínico e radiológico. As modificações lidam principalmente com o seguinte: atualização e expansão de texto, glossário e referências para atender às necessidades contemporâneas; revisão de figuras para fornecer maior clareza; ênfase do termo "fissura anular" em vez de "lágrima anular"; refinamento das definições de hérnias discais "aguda" e "crônica"; revisão da distinção entre hérnia de disco e disco de abaulamento assimétrico; eliminação das Tabelas em favor de maior clareza a partir do Texto e Figuras revisados; e exclusão da seção de Relatórios e Codificação por causa de mudanças freqüentes nessas práticas, que são melhor abordadas por outras publicações. Várias outras pequenas alterações foram feitas. Esta revisão atualizará uma nomenclatura de padrão viável, aceita e usada universalmente por médicos de imagem e clínicos.

Introdução e História

Os médicos precisam de termos padrão para as condições normais e patológicas dos discos lombares [2, 3, 4, 5]. Termos que podem ser interpretados com precisão, consistência e com precisão razoável são particularmente importantes para comunicar impressões obtidas a partir de imagens para diagnóstico clínico e tomada de decisão terapêutica. Embora a compreensão clara da terminologia discal entre radiologistas e clínicos seja o foco deste trabalho, tal compreensão pode ser crítica, também para pacientes, famílias, empregadores, seguradoras, juristas, planejadores sociais e pesquisadores.

No 1995, uma força-tarefa multidisciplinar do NASS abordou as deficiências em termos comumente usados ​​definindo as condições do disco lombar. Citou várias documentações do problema [6, 7, 8, 9, 10, 11] e fez recomendações detalhadas para padronização. Seu trabalho foi publicado em uma publicação do NASS e da Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos [9]. O trabalho não havia sido endossado de outra maneira por organizações importantes e não havia sido reconhecido como autorizado por organizações de radiologia. Muitos dos esforços anteriores [3, 7, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, XNUMX] resolveram os problemas, mas eram de escopo mais limitado e nenhum ganhou ampla aceitação.

Embora o esforço NASS 1995 tenha sido o mais abrangente na época, ele permaneceu deficiente no esclarecimento de alguns tópicos controversos, faltando no tratamento de algumas questões, e não forneceu recomendações para padronização de classificação e relato. Para atender às necessidades remanescentes, e na esperança de obter endosso suficiente para resultar em padronizações universais, as forças-tarefa conjuntas (Co-Presidentes David Fardon, MD, e Pierre Milette, MD) foram formadas pelo NASS, ASNR e ASSR, resultando em a primeira versão do documento '' Nomenclatura e classificação da patologia do disco lombar '' [1]. Desde então, o tempo e a experiência sugeriram a necessidade de revisões e atualização do documento original. O documento revisado é apresentado aqui.

Os princípios gerais que orientaram o documento original permanecem inalterados nesta revisão. As definições são baseadas na anatomia e patologia, principalmente como visualizadas em estudos de imagem. Reconhecendo que alguns critérios, sob algumas circunstâncias, podem ser desconhecidos para o observador, as definições dos termos não dependem ou implicam o valor de testes específicos. As definições de diagnósticos não pretendem implicar eventos etiológicos externos, como traumas, não implicam em relação aos sintomas e não definem ou implicam a necessidade de tratamento específico.

As forças-tarefa, atuais e antigas, trabalhavam a partir de um modelo que poderia ser expandido a partir de um propósito primordial de fornecer compreensão de relatórios de estudos de imagem. O resultado fornece uma classificação simples de termos diagnósticos, que podem ser expandidos, sem contradição, em subclassificações mais precisas. Ao relatar patologia, os graus de incerteza seriam rotulados como tal, em vez de comprometer as definições dos termos.

Todos os termos usados ​​nas classificações e subclassificações são definidos e essas definições são cumpridas em todo o modelo. Para um propósito prático, alguns termos ingleses existentes recebem significados diferentes daqueles encontrados em alguns dicionários contemporâneos. As forças-tarefa fornecem uma lista e classificação dos termos recomendados, mas, reconhecendo a natureza das práticas de linguagem, discutem e incluem no Glossário, termos não recomendados e definições não padronizadas comumente usadas e mal utilizadas.

Embora os princípios e a maioria das definições deste documento possam ser facilmente extrapoladas para a coluna cervical e dorsal, o foco está na coluna lombar. Embora o esclarecimento de termos relacionados a elementos posteriores, dimensões do canal vertebral e estado dos tecidos neurais seja necessário, este trabalho está limitado à discussão do disco. Embora nem sempre seja possível discutir totalmente a definição de termos anatômicos e patológicos sem alguma referência a sintomas e etiologia, as definições em si resistem à etiologia, sintomas ou tratamento. Devido ao foco em anatomia e patologia, este trabalho não define certas síndromes clínicas que podem estar relacionadas à patologia do disco lombar [26].

Guiados por esses princípios, revisamos e atualizamos um documento que, desde 2001, forneceu uma nomenclatura amplamente aceitável que é viável para todas as formas de observação, que trata do contorno, conteúdo, integridade, organização e relações espaciais do disco lombar; e que serve um sistema de classificação e relatórios baseado nessa nomenclatura.

Recomendações de categorias e subcategorias de diagnóstico

Essas recomendações apresentam categorias diagnósticas e subcategorias para classificação e relato de exames de imagem. A terminologia usada ao longo destas categorias e subcategorias recomendadas permanece consistente com explicações detalhadas dadas na Discussão e com as definições preferidas apresentadas no Glossário.

As categorias de diagnóstico são baseadas na patologia. Cada disco lombar pode ser classificado em termos de uma e ocasionalmente mais de uma das seguintes categorias diagnósticas: normal; variação congênita / desenvolvimento; degeneração; trauma; infecção / inflamação; neoplasia; e / ou variante morfológica de significância incerta. Cada categoria de diagnóstico pode ser subcategorizada em vários graus de especificidade de acordo com as informações disponíveis e a finalidade a ser atendida. Os dados disponíveis para categorização podem levar o relator a caracterizar a interpretação como '' possível, '' '' provável '' ou '' definida ''.

Note que alguns termos e definições discutidos abaixo não são recomendados como terminologia preferida, mas estão incluídos para facilitar a interpretação do vernáculo e, em alguns casos, uso impróprio. Os termos podem ser definidos como preferenciais, não preferenciais ou fora do padrão. Termos não padronizados por consenso das forças-tarefa organizacionais não devem ser usados ​​da maneira descrita.

Normal

Normal define discos que são morfologicamente normais, sem considerar o contexto clínico e não inclui alterações degenerativas, de desenvolvimento ou adaptativas que podem, em alguns contextos (por exemplo, envelhecimento normal, escoliose, espondilolistese), ser considerados clinicamente normais (Fig. 1).

Figura 1: Disco lombar normal. (Superior Esquerda) As imagens axiais, (Superior Direita) sagital e (Inferior) coronal demonstram que o disco normal, composto de NP central e AF periférica, está totalmente dentro dos limites do espaço do disco, como definido, cranial e caudal pelo placas terminais do corpo vertebral e perifericamente pelos planos das bordas externas das apófises vertebrais, exclusivas de osteófitos. NP, núcleo pulposo; AF, anel fibroso.

Variação Congênita / Desenvolvimento

A categoria de variação congênita / desenvolvimento inclui discos que são congenitamente anormais ou que sofreram mudanças em sua morfologia como uma adaptação do crescimento anormal da coluna vertebral, como a escoliose ou a espondilolistese.

Degeneração

Alterações degenerativas nos discos são incluídas em uma categoria ampla que inclui as subcategorias fissura anular, degeneração e hérnia.

Fissuras anulares são separações entre as fibras anulares ou separações de fibras anulares de suas fixações ao osso vertebral. Fissuras são às vezes classificadas por sua orientação. Uma '' fissura concêntrica '' é uma separação ou delaminação de fibras anulares paralelas ao contorno periférico do disco (Fig. 2). Uma '' fissura radial '' é uma separação verticalmente, horizontal ou obliquamente orientada das fibras anulares que se estendem do núcleo perifericamente para ou através do anel. Uma "fissura transversal" é uma fissura radial horizontalmente orientada, mas o termo é algumas vezes usado em um sentido mais restrito para se referir a uma fissura horizontalmente orientada limitada ao anel periférico que pode incluir a separação de fibras anulares do osso apofisário. Fissuras anulares relativamente largas, com alongamento da margem anular residual, às vezes incluindo a avulsão de um fragmento anular, foram algumas vezes chamadas de “lacunas anulares”, um termo que é relativamente novo e não aceito como padrão [27]. O termo "fissura" descreve o espectro dessas lesões e não implica que a lesão seja consequência de uma lesão.

Figura 2: Fissuras do ânulo fibroso. Fissuras do anel fibroso ocorrem como separações radiais (R), transversais (T) e / ou concêntricas (C) das fibras do anel. A fissura transversal representada é uma fissura radial completamente desenvolvida e orientada horizontalmente; o termo "fissura transversal" é freqüentemente aplicado a uma separação menos extensa limitada ao anel periférico e seus anexos ósseos.

O uso do termo "lágrima" pode ser mal interpretado, porque a analogia com outras lágrimas tem uma conotação de lesão, o que é inadequado neste contexto. O termo '' fissura '' é o termo correto. O uso do termo "lágrima" deve ser desencorajado e, quando parece, deve ser reconhecido que geralmente é sinônimo de "fissura" e não reflete o resultado da lesão. A versão original deste documento declarou preferência pelo termo '' fissura '', mas considerou os dois termos como quase sinônimos. No entanto, nesta revisão, consideramos o termo "rasgo" como uso não padrão.

A degeneração pode incluir qualquer um ou todos os seguintes: desidratação, fibrose, estreitamento do espaço do disco, abaulamento difuso do anel além do espaço do disco, fissuração (isto é, fissuras anulares), degeneração mucinosa do anel, gás intradiscal [28], osteófitos das apófises vertebrais, defeitos, alterações inflamatórias e esclerose das placas terminais [15, 29, 30, 31, 32, 33, 34].

A hérnia é amplamente definida como um deslocamento localizado ou focal do material do disco além dos limites do espaço do disco intervertebral. O material do disco pode ser núcleo, cartilagem, osso apofisário fragmentado, tecido anular ou qualquer combinação destes. O espaço discal é definido como cranial e caudado pelas placas terminais do corpo vertebral e, perifericamente, pelas bordas externas das apófises do anel vertebral, exclusivas de osteófitos. O termo '' localizado '' ou '' focal '' refere-se à extensão do material do disco menor que 25% (90 °) da periferia do disco, conforme visto no plano axial.

A presença de tecido discal que se estende além das bordas das apófises do anel, ao longo da circunferência do disco, é chamada de '' protuberância '' e não é considerada uma forma de herniação (Fig. 3, Superior Direito). O abaulamento assimétrico de tecido discal maior que 25% da circunferência do disco (Fig. 3, Bottom), freqüentemente visto como uma adaptação à deformidade adjacente, também não é uma forma de herniação. Ao avaliar a forma do disco para uma hérnia em um plano axial, a forma das duas vértebras adjacentes deve ser considerada [15, 35].

Figura 3: Disco saliente. (Superior esquerdo) Disco normal (para comparação); nenhum material de disco se estende além da periferia do espaço do disco, representado aqui pela linha quebrada. (Superior direito) Disco abaulado simétrico; tecido anular se estende, geralmente por menos de 3 mm, além das bordas das apófises vertebrais simetricamente ao longo da circunferência do disco. (Inferior) Disco abaulado assimétrico; o tecido anular estende-se além das bordas da apófise vertebral, assimetricamente maior que 25% da circunferência do disco.

Os discos de hérnia podem ser classificados como protrusão ou extrusão, com base na forma do material deslocado.

A protrusão está presente se a maior distância entre as bordas do material do disco que se apresenta fora do espaço do disco for menor que a distância entre as bordas da base desse material do disco que se estende para fora do espaço do disco. A base é definida como a largura do material do disco na margem externa do espaço do disco de origem, onde o material do disco deslocado para além do espaço do disco é contínuo com o material do disco dentro do espaço do disco (Fig. 4). A extrusão está presente quando, em pelo menos um plano, qualquer distância entre as bordas do material do disco além do espaço do disco for maior que a distância entre as bordas da base do material do disco além do espaço do disco ou quando não houver continuidade entre o material do disco além do espaço do disco e que dentro do espaço do disco (Fig. 5). A última forma de extrusão é melhor especificada ou subclassificada como sequestro se o material do disco deslocado tiver perdido completamente a continuidade com o disco original (Fig. 6). O termo migração pode ser usado para significar o deslocamento do material do disco para longe do local de extrusão. Hérnia de disco na direção craniocaudad (vertical) através de uma lacuna na placa terminal do corpo vertebral são referidos como hérnias intraverebrais (nódulos de Schmorl) (Fig. 7).

Figura 4: Hérnia de disco: protrusão. (Esquerda) As imagens axiais e (direitas) sagitais demonstram material do disco deslocado que se estende além de 25% do espaço do disco, com a maior medida, em qualquer plano, do material do disco deslocado sendo menor que a medida da base do disco deslocado material no espaço do disco de origem, medido no mesmo plano.
Figura 5: Hérnia de disco: extrusão. (Esquerda) As imagens axiais e (direitas) do sagital demonstram que a maior medida do material do disco deslocado é maior que a base do material do disco deslocado no espaço do disco de origem, quando medido no mesmo plano.
Figura 6: Hérnia de disco: sequestro. (Esquerda) As imagens axiais e (direitas) sagitais mostram que um disco sequestrado é um disco extrudido no qual o material do disco deslocado perdeu toda a conexão com o disco de origem.
Figura 7: Herniação intravertebral (nódulo de Schmorl). O material do disco é deslocado para além do espaço do disco através da placa da extremidade vertebral para o corpo vertebral, como mostrado aqui na projeção sagital

As hérnias de disco podem ser adicionalmente categorizadas como contidas, se a parte deslocada for coberta por fibras exteriores do anel e / ou ligamento longitudinal posterior, ou não contidas quando ausente de qualquer tal cobertura. Se as margens da protusão discal forem lisas na tomografia axial computadorizada (TC) ou na ressonância magnética (RM), então o material do disco deslocado é provavelmente contido pelo ligamento longitudinal posterior e talvez por algumas fibras anulares superficiais posteriores [21, 35, 36, 37]. Se a margem posterior da protuberância do disco é irregular, a hérnia provavelmente não é contida. O tecido do disco deslocado é tipicamente descrito por localização, volume e conteúdo, como discutido mais adiante neste documento.

Um esquema alternativo de distinguir a protrusão da extrusão é discutido na seção Discussão.

Trauma

A categoria de trauma inclui a ruptura do disco associada a evidências físicas e / ou de imagem de fratura e / ou luxação violenta e não inclui lesão repetitiva, contribuição de menos de trauma violento para o processo degenerativo, fragmentação da apófise do anel em conjunto com hérnia de disco, ou anormalidades de disco em associação com subluxações degenerativas. O fato de uma lesão "menos que violenta" ter contribuído ou ter sido sobreposta a uma mudança degenerativa é um julgamento clínico que não pode ser feito com base apenas em imagens; portanto, do ponto de vista da descrição das imagens, esses discos, na ausência de evidência significativa de imagem de lesão violenta associada, devem ser classificados como degeneração e não como trauma.

Inflamação / Infecção

A categoria de inflamação / infecção inclui infecção, discite inflamatória tipo infecção e resposta inflamatória à espondiloartropatia. Também inclui espondilite inflamatória da placa terminal subcondral e medula óssea manifestada por alterações de RM do Tipo I Modic [29, 30, 38] e geralmente associada a alterações patológicas degenerativas no disco. Para simplificar o esquema de classificação, a categoria inclui condições díspares; portanto, quando os dados permitirem, o diagnóstico deve ser subcategorizado para a especificidade apropriada.

Neoplasia

Alterações morfológicas primárias ou metastáticas dos tecidos discais causadas por malignidade são categorizadas como neoplasias, com subcategorização para especificidade adequada.

Missas Paradiscais Diversas de Origem Incerita

Embora a maioria dos cistos intra-espinhais seja de origem meníngea ou sinovial, uma minoria surge do disco e cria uma massa paradiscal que não contém material nuclear. O sangramento epidural e / ou o edema, sem relação com trauma ou outra origem conhecida, podem criar uma massa paradiscal ou aumentar o tamanho do material do disco herniado. Tais cistos e hematomas podem ser vistos agudamente e não acompanhados por outra patologia ou podem ser um componente da patologia crônica do disco.

Variante morfológica de significância desconhecida

As instâncias em que os dados sugerem uma morfologia anormal do disco, mas em que os dados não são completos o suficiente para sustentar uma categorização diagnóstica, podem ser categorizados como uma variante morfológica de significado desconhecido.

Discussão da Nomenclatura em Detalhe

Este documento fornece uma nomenclatura que facilita a descrição dos achados cirúrgicos, endoscópicos ou cadavéricos, bem como os achados de imagem; e também, com a ressalva de que aborda apenas a morfologia do disco, facilita a comunicação para pacientes, familiares, empregadores, seguradoras e autoridades legais e sociais e permite o acúmulo de dados mais confiáveis ​​para a pesquisa.

Disco normal

A categorização de um disco como "normal" significa que o disco está completo e normalmente desenvolvido e livre de quaisquer alterações de doença, trauma ou envelhecimento. Apenas a morfologia, e não o contexto clínico, é considerada. Pessoas clinicamente "normais" (assintomáticas) podem ter uma variedade de achados de imagem inofensivos, incluindo variações congênitas ou de desenvolvimento de discos, menor abaulamento dos anéis, dessecação relacionada à idade, osteófitos do corpo vertebral marginal anterior e lateral, proeminência do material do disco. além de uma placa terminal como resultado da luxação de um corpo vertebral em relação ao corpo vertebral adjacente (especialmente comum em L5-S1), e assim por diante [39]. Pela nomenclatura e classificação baseadas na morfologia deste artigo, no entanto, esses discos individuais não são considerados "normais", mas são descritos por suas características morfológicas, independente de sua importância clínica, a menos que especificado de outra forma.

Disco com Fissuras do Anulo

Existe um consenso geral sobre as várias formas de perda de integridade do anel, como as fissuras radial, transversal e concêntrica. Yu et al. [40] mostraram que fissuras anulares, incluindo os tipos radial, concêntrico e transversal, estão presentes em quase todos os discos degenerados [41]. Se o disco estiver desidratado em uma ressonância magnética, é provável que haja pelo menos uma ou mais pequenas fissuras no anel. Fissuras anulares relativamente largas, dirigidas radialmente, com estiramento da margem anular residual, às vezes envolvendo avulsão de um fragmento anular, têm sido algumas vezes chamadas de “lacunas anulares”, embora o termo seja relativamente novo e não aceito como padrão [27]. ].

Os termos '' fissura anular '' e '' ruptura anular '' foram aplicados aos achados nas ressonâncias magnéticas ponderadas com T2 de zonas localizadas de alta intensidade (HIZ) dentro do anel [30, 42, 43, 44]. Zonas de alta intensidade representam fluido e / ou tecido de granulação e podem aumentar com o gadolínio. As fissuras ocorrem em todos os discos degenerativos, mas nem todas são visualizadas como HIZs. A discografia revela algumas fissuras não vistas pela ressonância magnética, mas nem todas as fissuras são visualizadas pela discografia. A descrição dos achados de imagem é mais precisa quando limitada à observação de uma HIZ ou fissura demonstrada discograficamente, com a ressalva compreendida de que há uma concordância incompleta com os HIZs, imagens discográficas e fissuras anatomicamente observadas.

Já no documento 1995 NASS, os autores recomendam que tais lesões sejam denominadas "fissuras" em vez de "lágrimas", principalmente por preocupação de que a palavra "lágrima" possa ser mal interpretada como implicando uma etiologia traumática. [9, 30, 45, 46]. Por causa do potencial mal-entendido do termo "lágrima anular", e conseqüente presunção de que o achado de uma fissura anular indica que houve uma lesão, o termo "ruptura anular" deve ser considerado fora do padrão e "fissura anular". 'seja o termo preferido. A observação por imagem de uma fissura anular não implica uma lesão ou sintomas relacionados, mas simplesmente define a alteração morfológica no anel.

Disco Degenerado

Porque há uma confusão na diferenciação de mudanças de processos degenerativos patológicos no disco daqueles do envelhecimento normal [17, 31, 47, 48, 49], a classificação '' disco degenerado '' inclui todas essas mudanças, portanto, não obrigar o observador a diferenciar a patológica da consequência normal do envelhecimento.

Percepções sobre o que constitui o processo normal de envelhecimento da coluna vertebral foram grandemente influenciadas por estudos anatômicos post-mortem envolvendo um número limitado de espécimes, colhidos de cadáveres de diferentes faixas etárias, com histórico médico desconhecido e a presunção de ausência de sintomas lombares [23, 50, 51, 52, 53, 54, 55, 56, 57]. Com tais métodos, a alteração patológica é facilmente confundida com as consequências do envelhecimento normal. Resnick e Niwayama [31] enfatizaram as características diferenciadoras de dois processos degenerativos envolvendo o disco intervertebral que haviam sido previamente descritos por Schmorl e Junghanns [58]; "Espondilose deformante", que afeta essencialmente o ânulo fibroso e as apófises adjacentes (Fig. 8, Esquerda) e a "osteocondrose intervertebral", que afeta principalmente o núcleo pulposo e as placas terminais do corpo vertebral e pode incluir extensa fissura do órgão. ânulo fibroso que pode ser seguido por atrofia (Fig. 8, direita). Apesar de Resnick e Niwayama afirmarem que a causa das duas entidades era desconhecida, outros estudos sugerem que a espondilose deformante é a consequência do envelhecimento normal, enquanto a osteocondrose intervertebral, às vezes também chamada de “disco deteriorado”, resulta de uma patologia claramente patológica, embora não processo necessariamente sintomático, [29, 31, 42, 59, 60].

Figura 8: Tipos de degeneração discal por critérios radiográficos. (Esquerda) Espondilose deformante se manifesta por osteófitos apofisários, com preservação relativa do espaço discal. (À direita) A osteocondrose intervertebral é caracterizada pelo estreitamento do espaço do disco, fissuras graves e erosão da cartilagem da placa terminal.

Os graus de degeneração do disco foram classificados com base na morfologia bruta das secções sagitais medianas da coluna lombar (esquema de Thompson) [19]; observações de TC pós-discografia da integridade do interior do disco (classificação de Dallas) (Fig. 9) [42]; Observações de ressonância magnética das alterações da medula óssea vertebral adjacentes ao disco (classificação Modic) [30], (Fig. 10); e RM revelou alterações no núcleo (classificação de Pfirrmann) [61]. Várias modificações destes esquemas foram propostas para atender necessidades clínicas e de pesquisa específicas [17, 35, 62, 63].

Figura 9: Integridade do disco interno. A extensão da fissura radial, conforme visualizada na TC pós-discográfica, graduada de 0 a 5 pela classificação do Discograma de Dallas Modificado, conforme ilustrado.
Figura 10: Alterações reativas na medula do corpo vertebral. O sinal da medula óssea muda adjacente a um disco degenerado na ressonância magnética. As sequências ponderadas em T1 e T2 são frequentemente classificadas como Modic I (superior esquerdo), Modic II (superior direito) ou Modic III (inferior).

Hérnia de disco

As necessidades das práticas comuns tornam necessário um termo de diagnóstico que descreva o material do disco além do espaço do disco intervertebral. Hérnia de disco, herniado de núcleo pulposo (PNH), disco rompido, disco prolapsado (usado não especificamente), disco protraído (usado não especificamente) e disco protuberante (usado inespecificamente) têm sido usados ​​na literatura de várias maneiras para denotar deslocamento imprecisamente definido de material do disco além do interespaço. A ausência de uma compreensão clara do significado desses termos e a falta de definição de limites que deveriam ser colocados em um termo geral ideal criaram uma grande confusão na prática clínica e nas tentativas de fazer comparações significativas de pesquisas.

Para o diagnóstico geral de deslocamento de material de disco, o único termo que é mais comumente usado e cria menos confusão é "hérnia de disco". A hérnia de núcleo pulposo é imprecisa porque outros materiais além do núcleo (cartilagem, osso apofisário fragmentado). e anel fragmentado) são componentes comuns do material de disco deslocado [64]. "Ruptura" cria uma imagem de separação e, portanto, carrega mais implicações de etiologia traumática do que "herniação", que transmite uma imagem de deslocamento em vez de ruptura.

Embora “protrusão” tenha sido usada por alguns autores em um sentido geral inespecífico para significar qualquer deslocamento, o termo tem um significado específico mais comumente usado para o qual é melhor reservado. Prolapso, que tem sido usado como um termo geral, como sinônimo do significado específico de protrusão, ou para denotar migração inferior de material de disco extrudado, não é freqüentemente usado de maneira a fornecer significado específico e é melhor considerado como fora do padrão, em deferência aos termos mais específicos "protusão" e "extrusão".

Por exclusão de outros termos, e por razões de simplicidade e uso comum, “hérnia de disco” é o melhor termo geral para indicar o deslocamento do material do disco. O termo é apropriado para denotar a categoria de diagnóstico geral quando se refere a um disco específico e para incluir vários tipos de deslocamentos ao falar de grupos de discos. O termo inclui discos que podem ser adequadamente caracterizados por termos mais específicos, como "disco protuso" ou "disco extrudido". O termo "hérnia de disco", como definido neste trabalho, refere-se ao deslocamento localizado de núcleo, cartilagem, osso apofisário fragmentado ou tecido anular fragmentado além do espaço do disco intervertebral. '' Localizada '' é definida como menor que 25% da circunferência do disco. O espaço discal é definido, cranial e caudal, pelas placas terminais do corpo vertebral e, perifericamente, pelas bordas das apófises do anel vertebral, exclusivo da formação de osteófitos. Esta definição foi considerada mais prática, especialmente para a interpretação de estudos de imagem, do que uma definição patológica que requer a identificação do material do disco forçado fora da posição normal através de um defeito anular. O deslocamento do material do disco, seja por fratura ou defeito na placa óssea ou em conjunto com fragmentos deslocados das paredes fraturadas do corpo vertebral, pode ser descrito como disco "herniado", embora tal descrição deva acompanhar a descrição da fratura de modo a evitar confusão com a herniação primária do material do disco. O deslocamento dos materiais do disco de um local para outro dentro do interespaço, como na migração intra-anular do núcleo sem deslocamento para além do interespaço, não é considerado herniação.

Para ser considerado “herniado”, o material do disco deve ser deslocado de sua localização normal e não simplesmente representar um crescimento adquirido além das bordas das apófises, como é o caso quando os tecidos conjuntivos se desenvolvem em fendas entre osteófitos ou quando o tecido anular é deslocado atrás de uma vértebra como uma adaptação à subluxação. A herniação, portanto, só pode ocorrer em associação com o rompimento do anel normal ou, como no caso da hérnia intravertebral (nódulo de Schmorl), um defeito na placa terminal do corpo vertebral.

Os detalhes da arquitetura interna do anel geralmente não são visualizados até mesmo pela melhor qualidade de ressonância magnética [21]. A distinção de herniação é feita pela observação do deslocamento do material do disco além das bordas da apófise do anel que é "focal" ou "localizada", significando menos que 25% da circunferência do disco. A linha de corte 25% é estabelecida por meio de convenção para dar precisão à terminologia e não designa etiologia, relação a sintomas ou indicações de tratamento.

Os termos '' protuberância '' ou '' protuberância '' referem-se a uma extensão generalizada do tecido do disco além das bordas das apófises [65]. Esse abaulamento envolve mais de 25% da circunferência do disco e normalmente se estende a uma distância relativamente curta, geralmente menor que 3 mm, além das bordas das apófises (Fig. 3). "Bulge" ou "abaulamento" descreve uma característica morfológica de várias causas possíveis. O abaulamento às vezes é uma variante normal (geralmente na L5-S1), pode resultar de uma degeneração discal avançada ou de uma remodelação do corpo vertebral (como conseqüente à osteoporose, trauma ou deformidade da estrutura adjacente), pode ocorrer com frouxidão ligamentar em resposta ao carregamento ou movimento angular, pode ser uma ilusão causada pela protrusão do disco subligamentar central posterior, ou pode ser uma ilusão da média do volume (particularmente com imagens axiais de TC).

Abaulamento, por definição, não é uma hérnia. A aplicação do termo "abaulamento" a um disco não implica nenhum conhecimento de etiologia, prognóstico ou necessidade de tratamento ou implica a presença de sintomas.

Um disco pode ter, simultaneamente, mais de uma hérnia. Uma hérnia de disco pode estar presente junto com outras alterações degenerativas, fraturas ou anormalidades do disco. O termo “hérnia de disco” não implica nenhum conhecimento de etiologia, relação com sintomas, prognóstico ou necessidade de tratamento.

Quando os dados são suficientes para fazer a distinção, uma hérnia de disco pode ser mais especificamente caracterizada como "protruída" ou "extrudada". Essas distinções são baseadas na forma do material deslocado. Eles não implicam conhecimento do mecanismo pelo qual as mudanças ocorreram.

Discos Projetados

As protuberâncias do disco são anormalidades focais ou localizadas da margem do disco que envolvem menos de 25% da circunferência do disco. Um disco é "protraído" se a maior dimensão entre as bordas do material do disco que se apresenta além do espaço do disco for menor que a distância entre as bordas da base do material do disco que se estende para fora do espaço do disco. A base é definida como a largura do material do disco na margem externa do espaço do disco de origem, onde o material do disco deslocado para além do espaço do disco é contínuo com o material do disco dentro do espaço do disco (Fig. 4). O termo "protrusão" só é apropriado na descrição de material de disco herniado, como discutido anteriormente.

Discos extrudados

O termo '' extrudado '' é consistente com o significado da linguagem de material forçado de um domínio para outro através de uma abertura [37, 64]. Com referência a um disco, o teste de extrusão é o julgamento de que, em pelo menos um plano, qualquer distância entre as bordas do material do disco além do espaço do disco é maior que a distância entre as bordas da base medida na mesma plano ou quando não existe continuidade entre o material do disco além do espaço do disco e que dentro do espaço do disco (Fig. 5). Material de disco extrudido que não tem continuidade com o disco de origem pode ser caracterizado como '' sequestrado '' [53, 66] (Fig. 6). Um disco sequestrado é um subtipo de '' disco extrudido '', mas, por definição, nunca pode ser um '' disco saliente ''. O material de disco extrudido que é deslocado para longe do local de extrusão, independentemente da continuidade com o disco, pode ser chamado de "migrado", um termo que é útil para a interpretação de estudos de imagem, porque muitas vezes é impossível de imagens saber se existe continuidade.

As distinções acima mencionadas entre protrusão e extrusão e entre contidas e não contidas baseiam-se na prática comum e ampla aceitação das definições na versão original deste documento. Outro conjunto de critérios, defendido por alguns praticantes respeitados, define a extrusão como incontida e protuberante como uma persistência de contenção, independentemente das dimensões relativas da base à porção deslocada do material do disco. Por esses critérios, uma extrusão de disco pode ser identificada pela presença de uma linha contínua de baixa intensidade de sinal ao redor da hérnia discal. Eles afirmam que a imagem avançada atual permite essa base de distinção e que a presença ou ausência de contenção tem mais relevância clínica do que a morfologia do material deslocado [35].

Se o seu método será superior ao método atualmente recomendado, será determinado por estudos futuros. O uso da distinção entre "protusão" e "extrusão" é opcional e alguns observadores podem preferir usar, em todos os casos, o termo mais geral "hérnia". Outras distinções podem ser feitas com relação à contenção, continuidade, volume, composição e localização do material do disco deslocado.

Contenção, Continuidade e Migração

O material do disco herniado pode ser '' contido '' ou '' não contido ''. O teste de contenção é se os tecidos dos discos deslocados são totalmente mantidos dentro do anel externo íntegro e / ou fibras longitudinais posteriores do ligamento. Não se espera que fluidos ou qualquer contraste que tenha sido injetado em um disco com uma hérnia '' contida '' vaze para o canal vertebral. Embora o ligamento longitudinal posterior e / ou a membrana peridural possam cobrir parcialmente os tecidos do disco extrudido, esses discos não são considerados “contidos” a menos que o ligamento longitudinal posterior esteja intacto. As limitações técnicas das modalidades de imagem não invasivas atualmente disponíveis (tomografia computadorizada e ressonância magnética) muitas vezes impedem a distinção entre uma hérnia discal contida e não contida. A discografia por TC nem sempre permite distinguir se os componentes herniados de um disco estão contidos, mas apenas se existe uma comunicação entre o espaço discal e o canal vertebral.

Fragmentos de disco deslocados são às vezes caracterizados como "livres". Um "fragmento livre" é sinônimo de um "fragmento sequestrado", mas não é sinônimo de "não contido". Um fragmento de disco deve ser considerado "livre". '' ou '' sequestrada '' somente se não houver continuidade restante do material do disco entre ele e o disco de origem. Um disco pode ser "não-contido", com a perda da integridade do ligamento longitudinal posterior e do anel externo, mas ainda ter continuidade entre o disco herniado / deslocado e o disco de origem.

O termo disco ou fragmento "migrado" refere-se ao deslocamento da maior parte do material do disco deslocado para longe da abertura no anel através da qual o material foi extrudado. Alguns fragmentos migrados serão seqüestrados, mas o termo "migrado" refere-se apenas à posição e não à continuidade.

Os termos "cápsula" e "subcapsular" foram usados ​​para se referir à contenção por uma combinação não especificada de anel e ligamento. Esses termos não são preferidos.

Referindo-se especificamente ao ligamento longitudinal posterior, alguns autores distinguem o material do disco deslocado como "subligamentar", "extraligamentar", "transligado" ou "perfurado". O termo "subligamentar" é favorecido como equivalente a "contido".

Volume e Composição do Material Deslocado

Um esquema para definir o grau de comprometimento do canal produzido pelo deslocamento do disco deve ser prático, objetivo, razoavelmente preciso e clinicamente relevante. Um esquema simples que preenche os critérios usa medições bidimensionais tiradas de uma seção axial no local do comprometimento mais severo. O comprometimento do canal de menos de um terço do canal nessa seção é "leve", entre um e dois terços é "moderado" e maior que dois terços é "severo". A mesma graduação pode ser aplicado para o envolvimento foraminal.

Tais caracterizações de volume descrevem apenas a área da seção transversal em uma seção e não levam em conta o volume total de material deslocado; proximidade, compressão e distorção de estruturas neurais; ou outras características potencialmente significativas, que o observador pode detalhar mais pela descrição narrativa.

A composição do material deslocado pode ser caracterizada por termos tais como nuclear, cartilaginoso, ósseo, calcificado, ossificado, colagenoso, cicatrizado, dessecado, gasoso ou liquefeito.

A significância clínica relacionada à observação do volume e composição depende da correlação com dados clínicos e não pode ser inferida apenas a partir de dados morfológicos.

Localização

Bonneville propôs um sistema alfanumérico simples e útil para classificar, de acordo com a localização, a posição dos fragmentos de disco que migraram no plano horizontal ou sagital [6, 13]. Usando limites anatômicos familiares aos cirurgiões, Wiltse propôs outro sistema [14, 67]. As "zonas" anatômicas e os "níveis" são definidos usando os seguintes pontos de referência: borda medial das facetas articulares; bordas medial, lateral, superior e inferior dos pedículos; e planos coronais e sagitais no centro do disco. No plano horizontal (axial), esses pontos de referência determinam os limites da zona central, da zona subarticular (recesso lateral), da zona foraminal, da zona extraforaminal e da zona anterior, respectivamente (Fig. 11). No plano sagital (craniocaudal), eles determinam os limites do nível do disco, o nível infra-articular, o nível pedicular e o nível suprapedicular, respectivamente (Fig. 12). O método não é tão preciso quanto os desenhos mostram, porque as linhas de borda, como as bordas mediais das facetas e as paredes dos pedículos, são curvas, mas o método é simples, prático e de uso comum.

Figura 11: Zonas anatômicas representadas nas projeções axial e coronal.
Figura 12: Níveis anatômicos representados em projeções sagitais e coronais.

Movendo-se da central para a lateral direita no plano axial (horizontal), a localização pode ser definida como central, direita central, subarticular direita, foraminal direita ou extraforaminal direita. O termo "paracentral" é menos preciso do que definir "central direita" ou "central esquerda", mas é útil na descrição de grupos de discos que incluem ambos, ou quando se fala informalmente, quando o lado não é significativo. Para relatar observações de imagem de um disco específico, "central direita" ou "central esquerda" deve substituir o uso do termo "paracentral". O termo "extremo lateral" é algumas vezes usado como sinônimo de " 'extraforaminal'.

No plano sagital, a localização pode ser definida como discal, infra-articular, suprapedicular ou pedicular. No plano coronal, anterior, em relação ao disco, significa ventral ao plano midcoronal do centro.

Glossário

Observação:  alguns termos e definições incluídos neste Glossário não são recomendados como terminologia preferida, mas estão incluídos para facilitar a interpretação do vernáculo e, em alguns casos, o uso impróprio. As definições preferidas são listadas primeiro. Definições fora do padrão são colocadas entre parênteses e, por consenso das forças-tarefa organizacionais, não devem ser usadas da maneira descrita. Alguns termos também são rotulados como coloquiais, com designação adicional para saber se eles são considerados não-preferenciais ou não-padrão.

Hérnia de disco aguda: hérnia de disco de uma ocorrência relativamente recente. Nota: reação inflamatória paradiscal e sinal relativamente brilhante do material do disco em imagens ponderadas em T2 sugerem acuidade relativa. Essas mudanças podem persistir por meses, no entanto. Assim, na ausência de correlação clínica e / ou estudos seriados, não é possível datar com precisão por imagem quando ocorreu uma hérnia. Um material de disco com hérnia aguda pode ter sinal mais brilhante em sequências de ressonância magnética ponderadas em T2 do que o disco do qual o material de disco se origina [46, 59, 64, 68]. Observe que uma hérnia relativamente aguda pode ser sobreposta a uma herniação previamente existente. Uma hérnia de disco aguda pode regredir espontaneamente sem tratamento específico. Veja: hérnia de disco crônica.

Disco de envelhecimento: disco demonstrando qualquer um dos vários efeitos do envelhecimento no disco. A perda de conteúdo de água do núcleo ocorre antes das alterações na ressonância magnética, seguidas pela progressão das alterações manifestadas na ressonância magnética, consistentes com a perda progressiva de conteúdo de água e aumento de proteoglicanos de colágeno e agregação. Veja a classificação de Pfirrmann.

Fissura anular: separações entre fibras anulares, separações de fibras de suas inserções de corpos vertebrais, ou separações de fibras que se estendem radialmente, transversalmente ou concentricamente, envolvendo uma ou várias camadas das lamelas anulares. Note que os termos '' fissura '' e '' lágrima '' têm sido freqüentemente usados ​​como sinônimos no passado. O termo "lágrima" é inadequado para descrever achados de imagem e não deve ser usado (lágrima: fora do padrão). Nenhum termo sugere lesão ou implica qualquer conhecimento de etiologia, nenhum termo implica qualquer relação com os sintomas ou que o disco é um provável gerador de dor, e nenhum termo implica qualquer necessidade de tratamento. Veja também: folga anular, ruptura anular, ruptura anular, fissura concêntrica, HIZ, fissura radial, fissura transversal.

Espaço anular (não padronizada): anormalidade de atenuação focal (TC) ou sinal (RM), geralmente de formato triangular, na face posterior do disco, provavelmente representando o alargamento de uma fissura anular radialmente direcionada, fissuras anulares bilaterais com uma avulsão do fragmento anular intermediário , ou uma avulsão de uma zona focal de anel macerado.

Ruptura anular: ruptura de fibras do anel por lesão súbita violenta. Este é um diagnóstico clínico; O uso do termo é inadequado para uma descrição de imagem pura, que deve se concentrar em uma descrição detalhada das descobertas. O anel rompido é não sinônimo de "fissura anular" ou "disco rompido".

Rasgo anularanulação rasgada (fora do padrão): ver fissura do anel e ruptura do anel.

Deslocamento anterior: deslocamento dos tecidos do disco para além do espaço do disco para a zona anterior.

Zona anterior: zona peridiscal que é anterior ao plano médio-temporal do corpo vertebral.

Ânulo, ânulo (forma abreviada do ânulo fibroso): tecido fibroso multilaminado formando a periferia de cada espaço do disco, fixando-se, craniad e caudado, à cartilagem da placa terminal e ao osso apofisário de anel e misturando-se centralmente com o núcleo pulposo. Nota: anulus ou annulus é a ortografia correta. Nomina Anatomica usa ambas as formas, enquanto Terminologia Anatomica afirma "anulus fibrosus" [22]. O Fibrosus não possui ortografia alternativa correta; A fibrose tem um significado diferente e é incorreta neste contexto.

Bulbo assimétrico: presença de mais de 25% do anel externo além do perímetro das vértebras adjacentes, mais evidente em uma seção da periferia do disco do que outra, mas não suficientemente focal para ser caracterizada como uma protrusão. Nota: o abaulamento assimétrico do disco é uma observação morfológica que pode ter várias causas e não implica em etiologia ou associação com sintomas. Veja o bojo.

Disco de balão (coloquial, fora do padrão): aumento aparente difuso do disco em extensão superior-inferior devido ao arqueamento das placas vertebrais devido ao enfraquecimento do osso como na osteoporose grave.

Base (do disco deslocado): a área da secção transversal do material do disco na margem exterior do espaço do disco de origem, onde o material do disco para além do espaço do disco é contínuo com o material do disco dentro do espaço do disco. Na direção craniocaudal, o comprimento da base não pode exceder, por definição, a altura do espaço intervertebral. Na imagem axial, a base refere-se à largura na margem externa do espaço do disco, da origem de qualquer material do disco que se estenda além do espaço do disco.

Disco preto (coloquial, fora do padrão): veja disco escuro.

Bulging disc, bojo (substantivo [n]), bojo (verbo [v])

  1. Um disco no qual o contorno do anel externo se estende, ou parece estender-se, no plano horizontal (axial) além das bordas do espaço do disco, geralmente maior que 25% (90 °) da circunferência do disco e geralmente menos que 3 mm além das bordas da apófise do corpo vertebral.
  2. (Não padrão) Um disco no qual a margem externa se estende sobre uma base ampla além das bordas do espaço do disco.
  3. (Não padrão) Deslocamento suave, difuso e suave do disco.
  4. (Não padrão) Qualquer deslocamento de disco no nível discal.

Observação:  O abaulamento é uma observação do contorno do disco externo e não é um diagnóstico específico. O abaulamento tem sido atribuído à redundância do anel, secundária à perda de altura do espaço do disco, frouxidão ligamentar, resposta ao carregamento ou movimento angular, remodelação em resposta à patologia adjacente, herniação não reconhecida e atípica e ilusão da média volumétrica no TC axial imagens. Um abaulamento posterior discreto simétrico do disco pode ser um achado normal no L5-S1. O abaulamento pode ou não representar alteração patológica, variante fisiológica ou normalidade. O abaulamento não é uma forma de hérnia; Os discos com hérnia conhecidos devem ser diagnosticados como hérnia ou, quando apropriado, como tipos específicos de hérnia. Veja: hérnia de disco, disco saliente, disco extrudido.

Disco calcificado: calcificação no espaço discal, não incluindo osteófitos na periferia do espaço discal.

Cavitação: espaços, cistos, fendas ou cavidades formadas dentro do núcleo e anel interno da degeneração discal.

Veja o disco de vácuo.

Zona central: zona dentro do canal vertebral entre os planos sagitais através das bordas mediais de cada faceta. Nota: o centro da zona central é um plano sagital através do centro do corpo vertebral. As zonas de cada lado do plano central são direita central e  esquerda central, que são termos preferidos quando o lado é conhecido, como ao reportar resultados de imagem de um disco específico. Quando o lado não é especificado, ou agrupado com a direita e a esquerda representadas, o termo paracentral é apropriado.

Hérnia de disco crônica: uma distinção clínica de que uma hérnia de disco é de longa duração. Não há definições universalmente aceitas dos intervalos que distinguem entre hérnias de disco agudas, subagudas e crônicas. As ressonâncias magnéticas em série revelando hérnias de disco que não mudam na aparência ao longo do tempo podem ser caracterizadas como crônicas. As hérnias de disco associadas à calcificação ou gás na TC podem ser sugeridas como crônicas. Mesmo assim, a presença de calcificação ou gás não exclui uma hérnia de disco aguda. Observe que uma hérnia de disco aguda pode se sobrepor a uma hérnia de disco crônica. As características do sinal de ressonância magnética podem, em raras ocasiões, permitir a diferenciação de hérnias de disco agudas e crônicas [16, 59, 64]. Em tais casos, o material do disco com hérnia aguda pode parecer mais brilhante do que o disco de origem nas sequências ponderadas em T2 [46, 59, 61]. Além disso, consulte o complexo disco-osteófito.

Osteófito da garra: crescimento ósseo muito próximo à margem do disco, da apófise do corpo vertebral, direcionado, com uma configuração de varredura, para a parte correspondente do corpo vertebral oposto ao disco.

Disco ou núcleo colagenizado: um disco em que o mucopolissacarídeo do núcleo foi substituído por tecido fibroso.

Comunicar disco, comunicação (n), comunicar (v) (fora do padrão): comunicação refere-se à interrupção na periferia do anel do disco, permitindo a passagem livre do fluido injetado dentro do disco para o exterior do disco, como pode ser observado durante a discografia. Não é sinônimo de "não contido". Veja "disco contido" e "disco não contido".

Fissura concêntrica: fissura do anel caracterizado pela separação das fibras anulares em um plano aproximadamente paralelo à curva da periferia do disco, criando espaços preenchidos com fluido entre as lamelas anulares adjacentes. Veja: fissuras radiais, fissuras transversais, HIZ.

Hérnia contida, contenção (n), conter (v)

  1. Tecido de disco deslocado existente totalmente dentro de um perímetro externo de anel externo ininterrupto ou ligamento longitudinal posterior.
  2. (Não padrão) Um disco com seu conteúdo na maior parte, mas não totalmente, dentro do anel ou da cápsula.
  3. (Não padronizado) Um disco com elementos deslocados contidos em qualquer investidura do canal vertebral.

Um disco que está menos do que totalmente contido pelo anel, mas sob um ligamento longitudinal posterior distinto, está contido. A designação como '' contido '' ou '' não contido '' define a integridade das estruturas ligamentares ao redor do disco, uma distinção que muitas vezes, mas nem sempre é possível por imagens avançadas. Em tomografias e ressonâncias magnéticas, as hérnias contidas normalmente têm uma margem lisa, enquanto as hérnias não contidas geralmente têm margens irregulares porque o anel externo e o ligamento longitudinal posterior foram penetrados pelo material do disco [35, 37]. A discografia por TC nem sempre permite distinguir se os componentes herniados de um disco estão contidos, mas apenas se há comunicação entre o espaço do disco e o canal vertebral.

Continuidade: conexão de tecido discal deslocado por uma ponte de tecido discal, porém fino, para tecido dentro do disco de origem.

Classificação de Dallas (de imagem de pós-diagografia): sistema de classificação comumente usado para o grau de fissura anular visto em tomografia computadorizada de discos após discografia. Grau de Dallas 0 é normal; Grau 1: vazamento de contraste no terço interno do anel; Grau 2: vazamento de contraste nos dois terços internos do anel; Grau 3: vazamento por toda a espessura do anel; Grau 4: o contraste estende-se circunferencialmente; Grau 5: o contraste extravasa para o espaço epidural (ver discografia, discografia).

Disco escuro (coloquial, não-padrão): disco com núcleo mostrando diminuição da intensidade do sinal em imagens ponderadas pelo T2 (escuro), geralmente por causa da dessecação do núcleo secundário à degeneração. Também: disco preto (coloquial, fora do padrão). Veja: degeneração do disco, classificação de Pfirrmann.

Disco degenerado, degeneração (n), degenerado (v)

  1. Alterações num disco caracterizado em graus variáveis ​​por um ou mais dos seguintes: dessecação, formação de fissuras, fibrose e degradação gasosa do núcleo; degradação mucinosa, fissura e perda de integridade do anel; defeitos e / ou esclerose das placas terminais; e osteófitos nas apófises vertebrais.
  2. Manifestação de imagem de tais alterações, incluindo [35] achados radiograficos padrão, como estreitamento do espaço do disco e osteófitos peridiscais, achados de disco de ressonância magnética (ver classificação de Pfirrmann [61]), achados de disco de TC (ver discograma / discografia e classificação de Dallas [42]) , e / ou achados de ressonância magnética da placa terminal vertebral e alterações reativas da medula adjacente a um disco (ver classificação de Modic [38]).

Doença degenerativa do disco (termo não padronizado quando utilizado como descrição de imagem): uma condição caracterizada por manifestações de degeneração discal e sintomas que se acredita estarem relacionados com alterações degenerativas. Nota: conexões causais entre mudanças degenerativas e sintomas são freqüentemente difíceis distinções clínicas. O termo “doença degenerativa do disco” acarreta implicações de doenças que podem não ser apropriadas se os únicos ou principais indicadores da doença forem de exames de imagem e, portanto, esse termo não deve ser usado ao descrever os achados de imagem. O termo preferido para a descrição de manifestações de imagem é "disco degenerado" ou "degeneração discal", em vez de "doença degenerativa do disco".

Delaminação: separação das fibras anulares circunferenciais ao longo dos planos paralelos à periferia do disco, caracterizando uma fissura concêntrica do anel.

Disco dessecado

  1. Disco com teor reduzido de água, geralmente principalmente de tecidos nucleares.
  2. Manifestações de imagem de conteúdo reduzido de água do disco, como diminuição da intensidade do sinal (escuro) em imagens ponderadas por T2, ou do conteúdo de água aparentemente reduzido, a partir de alterações na concentração de glicosaminoglicanos hidrofílicos. Veja também: disco escuro (coloquial, fora do padrão).

Disco (disco): estrutura complexa composta de núcleo pulposo, ânulo fibroso, placas cartilaginosas terminais e anexos apofisários do anel do corpo vertebral. Nota: a maioria das publicações em inglês usa a grafia '' disco '' com mais freqüência do que '' disco '' [1, 20, 22, 69, 70]. Nomina Anatomica designa as estruturas como '' disci intervertebrales '' e Terminologia Anatomica como '' discus intervertebralis / disco intervertebral '' [22, 70]. (Consulte '' nível do disco '' para nomear e numerar um disco específico).

Altura do disco: A distância entre os planos das placas terminais dos corpos vertebrais craniad e caudas ao disco. A altura do disco deve ser medida no centro do disco, não na periferia. Se medido na margem posterior ou anterior do disco em uma imagem sagital da coluna, isso deve ser claramente especificado como tal.

Nível de disco: Nível do disco e canal vertebral entre os planos axiais através das placas ósseas das vértebras cranianas e caudas ao disco descrito.

  1. Um disco em particular é melhor nomeado nomeando a região da coluna e a vértebra acima e abaixo dela; por exemplo, o disco entre o quarto e o quinto corpos vertebrais lombares é chamado de '4-5 lombar', comumente abreviado como L4-L5, e o disco entre o quinto corpo vertebral lombar e o primeiro corpo vertebral sacral é chamado '' lombossacral disco '' ou '' L5-S1. '' Anomalias comuns incluem pacientes com seis vértebras lombares ou vértebras de transição na junção lombossacra que exigem, para maior clareza, a explicação narrativa da nomeação dos discos.
  2. (Não padronizado) Um disco é às vezes rotulado pelo corpo vertebral acima dele; por exemplo, o disco entre L4 e L5 pode ser rotulado como '' o disco L4 ''.
  3. Nota: '' um segmento de movimento '', numerado da mesma forma, é uma unidade funcional da coluna, compreendendo o corpo vertebral acima e abaixo, o disco, as articulações facetárias e os tecidos moles de conexão e é mais frequentemente referenciado com no que diz respeito à estabilidade da coluna vertebral.

Disco de origem: disco do qual um fragmento deslocado se originou. Sinônimo: disco pai. Nota: como os fragmentos deslocados geralmente contêm outros tecidos além do núcleo, o disco de origem é preferido ao núcleo de origem. Disco pai é sinônimo, mas mais coloquial e não preferido.

Espaço do disco: espaço limitado, craniano e caudal, pelas placas terminais das vértebras e periféricas pelas bordas das apófises do anel do corpo vertebral, exclusivas de osteófitos. Sinônimo: espaço de disco intervertebral. Veja o nível '' disco '' para nomear e numerar os discos.

Esclerose vertebral discogênica: aumento da densidade óssea e calcificação adjacente às placas terminais das vértebras, cranio e caudal, a um disco degenerado, às vezes associado a osteocondrose intervertebral. Manifestado na ressonância magnética como Modic Tipo III.

Discografia, discografia: um procedimento diagnóstico no qual o material de contraste é injetado no núcleo do disco com orientação e observação radiográfica, freqüentemente seguido por tomografia computadorizada / discografia. O procedimento é frequentemente acompanhado por medidas de pressão e avaliação da resposta à dor (discografia provocativa). O grau de fissuração anular identificado pela discografia pode ser definido pela classificação de Dallas e suas modificações (ver classificação de Dallas).

Complexo disco-osteófito: deslocamento do disco intervertebral, seja protuberante, protrusão ou extrusão, associado a cristas calcificadas ou ossificação. Às vezes chamado de disco rígido ou hérnia de disco crônica (não-preferido). Deve-se fazer uma distinção entre "hérnia de disco espondilótica" ou "hérnia de disco calcificada" (não-preferido), os remanescentes de uma hérnia de disco antiga; e “disco saliente espondilótico”, uma crista óssea de base ampla, presumivelmente relacionada ao disco protuberante crônico.

Disco deslocado (fora do padrão): um disco no qual o material do disco está além das bordas externas das apófises do anel do corpo vertebral (excluindo osteófitos) da crania e vértebras caudais ou, como no caso da hérnia intravertebral, penetrou no final do corpo vertebral placa.

Nota: disco deslocado é um termo geral que não implica conhecimento da patologia subjacente, causa, relação com sintomas ou necessidade de tratamento. O termo inclui, mas não está limitado a, hérnia de disco e migração de disco. Veja: hérnia de disco, disco migrado.

Membrana epidural Veja membrana peridural.

Zona extraforaminal: a zona peridiscal além do plano sagital das bordas laterais dos pedículos, não tendo borda lateral bem definida, mas definitivamente posterior à zona anterior. Sinônimo: '' zona lateral distante '', também '' zona distante '' (fora do padrão).

Extraligamentous: posterior ou lateral ao ligamento longitudinal posterior. Nota: disco extraligamentar refere-se ao tecido discal deslocado localizado posterior ou lateralmente ao ligamento longitudinal posterior. Se o disco tiver sido extrusado através do ligamento longitudinal posterior, ele é às vezes chamado de "transligamentar" ou "perfurado" e, se através da membrana peridural, às vezes é refinado para "transmembranoso".

Disco extrudido, extrusão (n), extrusão (v): hérnia de disco na qual, em pelo menos um plano, qualquer distância entre as bordas do material do disco além do espaço do disco é maior que a distância entre as bordas da base do material do disco além do espaço do disco no mesmo plano ou quando não existe continuidade entre o material do disco além do espaço do disco e dentro do espaço do disco. Nota: a definição preferida é consistente com a imagem comum de extrusão, como uma expulsão de material de um recipiente através e além de uma abertura. O deslocamento para além do anel exterior do material do disco, com qualquer distância entre os seus bordos maior que a distância entre os bordos da base, distingue a extrusão da protuberância. Distinguir a extrusão da protrusão por imagem é melhor feito medindo as bordas do material deslocado e a continuidade remanescente com o disco de origem, enquanto que a relação da porção deslocada para a abertura através da qual passou é mais prontamente observada cirurgicamente. Características de protrusão e extrusão podem coexistir, em cujo caso o disco deve ser subcategorizado como extrudado. Discos extrudados nos quais toda a continuidade com o disco de origem é perdido podem ser caracterizados como '' sequestrados ''. O material do disco deslocado para longe do local de extrusão pode ser caracterizado como '' migrado ''. Veja: disco herniado, disco migrado , disco proeminente.

Nota: Um esquema alternativo é adotado por alguns radiologistas respeitados que acreditam ter melhor aplicação clínica. Este esquema define disco extrudido como sinônimo de “disco não contido” e não usa medidas comparativas da base versus o material deslocado. Por esta definição, uma extrusão de disco pode ser identificada pela presença de uma linha contínua de baixa intensidade de sinal ao redor da hérnia de disco. Um estudo futuro determinará ainda mais a validade dessa definição alternativa. Veja: disco contido.

Zona lateral distante: a zona peridiscal além do plano sagital da borda lateral do pedículo, não tendo borda lateral bem definida, mas definitivamente posterior à zona anterior. Sinônimo: '' zona extraforaminal ''.

Fissura do annulus: veja fissura anular.

Zona foraminal: a zona entre os planos passando pelas bordas medial e lateral dos pedículos. Nota: a zona foraminal é às vezes chamada de zona pediculada (fora do padrão), o que pode ser confuso porque a zona pedicular também pode se referir a medidas no plano sagital entre as superfícies superior e inferior de um determinado pedículo que é propriamente chamado de "nível pedicular." A zona foraminal é às vezes chamada de "zona lateral" (fora do padrão), o que pode ser confuso porque a "zona lateral" pode ser confundida com "recesso lateral" (zona subarticular). ) e também pode significar zona extraforaminal ou uma área incluindo as zonas foraminal e extraforaminal.

Fragmento livre

  1. Um fragmento de disco que se separou do disco de origem e não possui ponte contínua de tecido discal com tecido discal dentro do disco de origem. Sinônimo: disco sequestrado.
  2. (Não padrão) Um fragmento que não está contido no perímetro externo do anel.
  3. (Não padrão) Um fragmento que não está contido dentro do anel, ligamento longitudinal posterior ou membrana peridural.

Nota: '' disco sequestrado '' e '' fragmento livre '' são praticamente sinônimos. Quando se refere à condição do disco, é preferida a categorização como extrudida com subcategorização como sequestrada, ao passo que quando se refere especificamente ao fragmento, o fragmento livre é preferido.

Fenda do anel: veja lacuna anular.

Disco rígido (coloquial): deslocamento de disco no qual a porção deslocada sofreu calcificação ou ossificação e pode estar intimamente associada a osteófitos apofisários. Nota: o termo “disco rígido” é mais frequentemente usado em referência à coluna cervical para distinguir alterações crônicas hipertróficas e reativas na periferia do disco da extrusão mais aguda de tecido predominantemente nuclear, macio. Veja: hérnia discal crônica, complexo disco-osteófito.

Hérnia de disco, hérnia (n), hérnia (v): deslocamento localizado ou focal do material do disco além da margem normal do espaço do disco intervertebral. Nota: '' localizado '' ou '' focal '' significa, a título de convenção, menos de 25% (90 °) da circunferência do disco.

O material de disco herniado pode incluir núcleo pulposo, cartilagem, osso apofisário fragmentado ou tecido ânulo fibroso. As margens normais do espaço do disco intervertebral são definidas, cranial e caudal, pelas placas terminais do corpo vertebral e perifericamente pelas bordas das apófises do anel do corpo vertebral, exclusivas das formações osteofíticas. A hérnia de disco geralmente se refere ao deslocamento dos tecidos do disco através de uma ruptura no anel, a exceção é a hérnia intravertebral (nódulos de Schmorl) na qual o deslocamento é feito através da placa terminal vertebral. Os discos de hérnia podem ser subcategorizados como protrusos ou extrudados. O disco herniado é por vezes referido como PNH, mas o termo "hérnia de disco" é preferido porque os tecidos de disco deslocados incluem frequentemente cartilagem, fragmentos ósseos ou tecidos anulares. Os termos "prolapso" e "ruptura" quando se referem a hérnias discais não são padronizados e seu uso deve ser descontinuado. Nota: “hérnia de disco” é um termo que não implica o conhecimento da patologia subjacente, causa, relação com os sintomas ou necessidade de tratamento.

Núcleo pulposo herniado (HNP, nonpreferred): veja hérnia de disco.

Zona de alta intensidade (HIZ): área de alta intensidade em ressonância magnética ponderada por T2 do disco, localizada comumente no anel externo. Nota: HIZs dentro da substância anular posterior podem indicar a presença de uma fissura anular dentro do anel, mas esses termos não são sinônimos. Um HIZ em si pode representar a fissura anular real ou, alternativamente, pode representar tecido fibroso vascularizado (tecido de granulação) dentro da substância do disco em uma área adjacente a uma fissura. A visualização de um HIZ não implica uma etiologia traumática ou que o disco é uma fonte de dor.

Nível infraveicular: o nível entre os planos axiais das bordas inferiores dos pedículos craniados ao disco em questão e a placa final inferior do corpo vertebral acima do disco em questão. Sinônimo: entalhe vertebral superior.

Interrupção interna do disco: desorganização de estruturas dentro do disco. Veja o deslocamento intra-anular

Interspace: veja o espaço do disco.

Condrose intervertebral: ver osteocondrose intervertebral.

Disco intervertebral: veja disco.

Espaço do disco intervertebral: veja o espaço do disco.

Osteocondrose intervertebral: processo degenerativo do disco e placas terminais do corpo vertebral que é caracterizada por estreitamento do espaço do disco, fenômeno de vácuo e alterações reativas do corpo vertebral. Sinônimo: osteochondrosis (não padronizado).

Deslocamento intra-anular: deslocamento de tecido central, predominantemente nuclear, para um local mais periférico dentro do espaço discal, geralmente em uma fissura no anel. Sinônimo: herniação intra-anular (não-padrão), hérnia intradiscal. Nota: o deslocamento intra-anular distingue-se da hérnia de disco, ou seja, a herniação do disco refere-se ao deslocamento dos tecidos do disco para além do espaço do disco. O deslocamento intra-anular é uma forma de ruptura interna. Ao se referir ao deslocamento intra-anular, é melhor não usar o termo "hérnia" para evitar confusão com hérnia de disco.

Herniação intra-anular (não padronizada): veja o deslocamento intra-anular.

Herniação intradiscal (não padronizada): veja o deslocamento intra-anular.

Herniação Intradural: material de disco que penetrou na dura-máter, de modo que ela fique em uma localização extramedular intradural.

Hérnia intravertebral: um deslocamento de disco no qual uma parte do disco se projeta através da placa terminal vertebral até o centro do corpo vertebral. Sinônimo: nó de Schmorl.

Recesso lateral: aquela porção da zona subarticular que é medial à borda medial do pedículo. Refere-se a toda a região caudal-cefálica que existe medialmente ao pedículo, onde a mesma raiz nervosa torácica ou lombar numerada viaja caudalmente antes de sair do forame da raiz nervosa sob a margem caudal do pedículo. Não se refere ao forame da raiz nervosa em si. Veja também a zona subarticular.

Zona lateral (fora do padrão): ver zona foraminal.

Vazando disco (fora do padrão): consulte o disco de comunicação.

Vértebra Limbus: separação de um segmento de apófise do anel vertebral. Nota: a vértebra limbo pode ser uma anomalia de desenvolvimento causada por falha na integração da apófise ossificante ao corpo vertebral; uma herniação crônica (extrusão) do disco no corpo vertebral na junção do anel apofisário de fusão, com separação de uma porção do anel com deslocamento ósseo; ou uma fratura através do anel apofisário associado à hérnia de disco intracorpo. Isso ocorre em crianças antes que o anel apofisário se funda no corpo vertebral. Em adultos, uma vértebra limbo não deve ser confundida com uma fratura aguda. Uma vértebra limbo não implica que tenha havido uma lesão no disco ou na placa terminal apofisária adjacente.

Osteófito marginal: osteófito que se projeta a partir e além do perímetro externo da apófise da placa terminal vertebral.

Alterações da medula óssea (do corpo vertebral): veja classificação Modic.

Disco migrado, migração (n), migração (v)

  • 1. Disco herniado no qual uma parte do material de disco extrudido é deslocada da fissura no anel externo através do qual foi extrudado no plano sagital ou axial.
  • 2 (não padrão) Uma hérnia de disco com fragmento livre ou sequestrum além do nível do disco.

Nota: a migração refere-se à posição do material do disco deslocado, e não à sua continuidade com o tecido do disco dentro do disco de origem; portanto, não é sinônimo de sequestro.

Classificação Modica (Tipo I, II e III) [30]: uma classificação de alterações degenerativas envolvendo as placas terminais vertebrais e corpos vertebrais adjacentes associados com inflamação do disco e doença discal degenerativa, como observado nas ressonâncias magnéticas. O tipo I refere-se à diminuição da intensidade do sinal nas imagens de eco de spin ponderadas por T1 e ao aumento da intensidade do sinal nas imagens ponderadas por T2, representando penetração da placa terminal por tecido fibrovascular, alterações inflamatórias e talvez edema. Alterações do tipo I podem ser crônicas ou agudas. O tipo II refere-se ao aumento da intensidade do sinal nas imagens ponderadas pelo T1 e à intensidade do sinal isointensa ou aumentada nas imagens ponderadas pelo T2, indicando substituição da medula óssea normal pela gordura. O tipo III refere-se à diminuição da intensidade do sinal nas imagens ponderadas com T1 e T2, indicando osteoesclerose reativa (ver: esclerose vertebral discogênica).

Segmento de movimento: a unidade funcional da coluna. Veja o nível do disco.

Osteófito não-marginal: um osteófito que ocorre em locais diferentes da apófise da placa terminal vertebral. Veja: osteófito marginal.

Disco normal: um disco totalmente desenvolvido normalmente e sem alterações atribuíveis a trauma, doença, degeneração ou envelhecimento. Nota: muitas variações congênitas e de desenvolvimento podem ser clinicamente normais; isto é, eles não estão associados a sintomas, e certas mudanças adaptativas no disco podem ser normais, considerando-se a patologia adjacente; entretanto, a classificação e o relato para fins médicos são mais bem atendidos se esses discos não forem considerados normais. Note, entretanto, que uma descoberta de disco considerada não normal não implica necessariamente uma causa para sinais clínicos ou sintomatologia; a descrição de qualquer variação do disco é independente do julgamento clínico sobre o que é normal para um determinado paciente.

Núcleo de origem (não preferido): a porção nuclear central do disco de referência, geralmente usada para referenciar o disco do qual o tecido foi deslocado. Nota: como os fragmentos deslocados geralmente contêm outros tecidos além do núcleo, o disco de origem é preferido ao núcleo de origem. Sinônimo: disco de origem (preferido), núcleo pai (não preferido).

Osteocondrose: ver osteocondrose intervertebral.

Osteófito: hipertrofia focal da superfície óssea e / ou ossificação da ligação dos tecidos moles ao osso.

Paracentral: na zona central direita ou esquerda do canal vertebral. Veja a zona central. Nota: os termos '' central direita '' ou '' central esquerda '' são preferíveis quando se fala de um único site quando o lado pode ser especificado, como quando se relatam as descobertas dos procedimentos de imagem. '' Paracentral '' é apropriado se o lado não é significativo ou quando se fala de sites mistos.

Disco pai (não-preferido): veja disco de origem.

Núcleo dos pais (não-preferido): veja núcleo de origem, disco de origem.

Nível pedicular: o espaço entre os planos axiais através das bordas superior e inferior do pedículo. Nota: o nível pedicular pode ainda ser designado com referência ao disco em questão como '' nível pedicular acima '' ou '' nível pedicular abaixo '' do disco em questão.

Perfurado (não padronizado): veja transligamentoso.

Membrana peridural: uma membrana delicada e translúcida que se liga à superfície inferior da camada profunda do ligamento longitudinal posterior e se estende lateral e posteriormente, circundando o canal espinhal ósseo fora da dura-máter. As veias do plexo de Batson situam-se na superfície dorsal da membrana peridural e perfuram-na ventralmente. Sinônimo: membrana lateral, membrana epidural.

Classificação de Pfirrmann: um sistema de classificação para a gravidade das alterações degenerativas dentro do núcleo do disco intervertebral. Um disco de grau I de Pfirrmann possui um sinal alto uniforme no núcleo da ressonância magnética ponderada de T2; O grau II mostra uma linha horizontal central de baixa intensidade de sinal nas imagens sagitais; O grau III mostra alta intensidade na parte central do núcleo com menor intensidade nas regiões periféricas do núcleo; O grau IV apresenta baixa intensidade de sinal central e indefinição da distinção entre núcleo e anel; e Grau V mostra sinal baixo homogêneo sem distinção entre núcleo e anel. [61]

Prolapsed disc, prolapso (n, v) (fora do padrão): o termo é usado variadamente para se referir a discos herniados. Seu uso não é padronizado e o termo não aumenta a precisão da descrição do disco, portanto, é considerado não padrão em deferência a "protusão" ou "extrusão".

Disco proeminente, protrusão (n), saliente (v): 1. Uma das duas subcategorias de uma "hérnia de disco" (a outra sendo um "disco extrudado") na qual o tecido do disco se estende além da margem do espaço do disco, envolvendo menos de 25% da circunferência da margem do disco como visto no plano axial. O teste de protrusão é que deve haver deslocamento localizado (menor que 25% da circunferência do disco) do tecido do disco e a distância entre as bordas correspondentes da porção deslocada não deve ser maior que a distância entre as bordas da base do material de disco deslocado no espaço de disco de origem (Ver base do disco deslocado). Embora às vezes usado como um termo geral na forma como a hérnia é definida, o uso do termo "protusão" é melhor reservado para a subcategorização de hérnia que satisfaz os critérios acima. 2. (não padrão) Qualquer tipo de hérnia de disco, ou não especificado.

Fissura radial: rompimento de fibras anulares que se estendem do núcleo para fora em direção à periferia do anel, geralmente no plano craniano-caudal (vertical), embora, às vezes, com componentes horizontais axiais (transversais). "Fissura" é o termo preferido para o termo não padronizado "lágrima". Nenhum termo implica conhecimento de lesão ou outra etiologia. Nota: Ocasionalmente, uma fissura radial se estende no plano transversal para incluir uma avulsão das camadas externas do anel do anel apofisário. Veja fissuras concêntricas, fissuras transversais.

Lesão na borda (fora do padrão): Veja a vértebra limbo.

Ruptura do anel, anel rompido: veja ruptura anular.

Ruptura do disco, ruptura (fora do padrão): uma hérnia de disco. O termo “disco rompido” é um sinônimo impróprio de hérnia de disco, não confundindo-se com violenta ruptura do anel relacionado à lesão. Seu uso deve ser descontinuado.

Nó de Schmorl: veja herniação intravertebral.

Disco sequestrado, sequestro (n), sequestrato (v); (variante: disco sequestrado): um disco extrudido no qual uma porção do tecido do disco é deslocada para além do anel exterior e não mantém nenhuma ligação pelo tecido do disco com o disco de origem. Nota: um disco extrudido pode ser subcategorizado como '' sequestrado '' se nenhum tecido em disco ligar a porção deslocada e os tecidos do disco de origem. Se mesmo uma conexão tênue por tecido de disco permanece entre um fragmento deslocado e um disco de origem, o disco não é sequestrado. Se um fragmento deslocado não tem conexão com o disco de origem, mas está contido dentro da membrana peridural ou sob uma porção do ligamento longitudinal posterior que não está intimamente ligado ao anel de origem, o disco é considerado sequestrado. Sequestrados e sequestrados são usados ​​de forma intercambiável. Nota: '' disco sequestrado '' e '' fragmento livre '' são praticamente sinônimos. Veja: fragmento livre. Quando se refere à condição do disco, prefere-se categorização como extrusão com subcategorização como sequestrada, ao passo que quando se refere especificamente ao fragmento, o fragmento livre é preferido. Veja sequestrum.

Sequestrum (não preferido): refere-se a tecido de disco que se deslocou do espaço de disco de origem e não tem qualquer continuidade com o material de disco dentro do espaço de disco de origem. Sinônimo: fragmento livre (preferido). Veja o disco sequestrado. Nota: "sequestrum" (não preferido) refere-se ao próprio fragmento livre isolado, enquanto o disco sequestrado define a condição do disco.

Espondilite: doença inflamatória da coluna, além da doença degenerativa. Nota: espondilite geralmente se refere a espondiloartropatias inflamatórias não infecciosas.

Espondilose: 1. Termo inespecífico comum usado para descrever efeitos geralmente atribuídos a alterações degenerativas na coluna, particularmente aquelas que envolvem alterações hipertróficas nas placas terminais apofisárias e nas articulações zigapofisárias. 2. Espondilose deformante (não padronizada), para a qual a espondilose é uma forma encurtada.

Espondilose deformante: processo degenerativo da coluna envolvendo o anel fibroso e a apófise do corpo vertebral, caracterizado por osteófitos marginais anteriores e laterais decorrentes das apófises do corpo vertebral, enquanto a altura do disco intervertebral é normal ou apenas ligeiramente diminuída. Veja degeneração, espondilose.

Zona subarticular: a zona, dentro do canal vertebral, sagitalmente entre o plano das bordas mediais dos pedículos e o plano das bordas mediais das facetas e coronalmente entre os planos das superfícies posteriores dos corpos vertebrais e as superfícies anteriores das facetas superiores . Nota: a zona subarticular não pode ser precisamente delineada em representações bidimensionais porque as estruturas que definem os planos da zona são irregulares. O recesso lateral é aquela porção da zona sub-articular definida pela parede medial do pedículo, onde a mesma raiz nervosa numerada atravessa antes de virar sob a parede inferior do pedículo para o forame.

Subligamentous: abaixo do ligamento longitudinal posterior. Nota: embora a distinção entre o anel externo e o ligamento longitudinal posterior nem sempre seja identificável, o subligamentar tem um significado distinto do subanular quando a distinção pode ser feita. Quando a distinção não pode ser feita, subligamentous é apropriado. Contrastes subliminares a extraligamentares, transligamentosos ou perfurados. Veja extraligamentous, transligamentous.

Submembranosa: dentro da membrana peridural. Nota: com referência ao material do disco deslocado, a caracterização de uma herniação como submembranosa geralmente infere que a porção deslocada é extrudida além do anel e do ligamento longitudinal posterior de modo que apenas a membrana peridural a invista.

Nível suprapedicular: o nível dentro do canal vertebral entre os planos axiais da placa terminal superior da vértebra caudal para o espaço discal em questão e a margem superior do pedículo dessa vértebra. Sinônimo: entalhe vertebral inferior.

Síndesmófitos: afloramentos ósseos finos e orientados verticalmente, estendendo-se de um corpo vertebral para o próximo e representando ossificação dentro da porção externa do ânulo fibroso.

Lágrima do anel, anel rasgado (fora do padrão): veja rasgo anular.

Classificação de Thompson: uma escala de classificação de cinco pontos de alterações degenerativas no disco intervertebral humano, de 0 (normal) a 5 (degeneração grave), com base na morfologia patológica macroscópica das secções sagitais medianas da coluna lombar.

Osteófitos de tração: crescimento ósseo decorrente da apófise do corpo vertebral, 2 a 3 mm acima ou abaixo da borda do disco intervertebral, projetando-se na direção horizontal.

Transligamentosos: deslocamento, geralmente extrusão, do material do disco através do ligamento longitudinal posterior. Sinônimo: (fora do padrão) (perfurado). Veja também extraligamentous, transmembranous.

Transmembranosa: deslocamento de material de disco extrudido através da membrana peridural.

Fissura transversal: fissura do anel no plano axial (horizontal). Quando se refere a uma grande fissura no plano axial, o termo é sinônimo de uma fissura radial horizontalmente orientada. Freqüentemente, a "fissura transversal" refere-se a uma separação periférica mais limitada das fibras anulares, incluindo os anexos à apófise. Essas fissuras periféricas mais estreitamente definidas podem conter gás visível em radiografias ou imagens de TC e podem representar manifestações precoces de espondilose deformante. Veja fissura anular, fissura concêntrica, fissura radial.

Disco não contido: material de disco deslocado que não está contido no anel externo e / ou no ligamento longitudinal posterior. Veja a discussão em disco contido.

Disco de vácuo: um disco com achados de imagem característicos de gás (predominantemente nitrogênio) no espaço do disco, geralmente uma manifestação de degeneração discal.

Alterações da medula óssea vertebral: alterações do sinal do corpo vertebral reativo associadas com inflamação do disco e degeneração do disco, como visto em ressonâncias magnéticas. Veja Classificação Modica.

Entalhe vertebral (inferior): incisura da superfície superior do pedículo correspondendo à parte inferior do forame (nível suprapedicular).

Entalhe vertebral (superior): incisura da superfície inferior do pedículo correspondente à parte superior do forame (nível infra-articular).

Apêndice Suplementar

Apêndice

A hérnia de disco mais comumente se desenvolve como resultado de desgaste ou degeneração relacionada à idade na coluna vertebral. Em crianças e adultos jovens, os discos intervertebrais têm um teor de água muito maior. À medida que envelhecemos, no entanto, o conteúdo de água dos discos intervertebrais diminui e estes começam a encolher enquanto os espaços entre a vértebra se tornam mais estreitos, tornando-se menos flexíveis e tornando-se mais propensos à hérnia de disco. Diagnóstico e tratamento adequados são essenciais para evitar mais sintomas de dor lombar. O escopo de nossa informação é limitado a quiropraxia, bem como lesões e condições da coluna vertebral. Para discutir o assunto, sinta-se à vontade para perguntar ao Dr. Jimenez ou entrar em contato conosco 915-850-0900 .

Curated pelo Dr. Alex Jimenez

Referências

  1. Fardon, DF e Milette, PC Nomenclatura e classificação da patologia do disco lombar: recomendações das forças-tarefa combinadas da North American Spine Society, da Sociedade Americana de Radiologia da Coluna e da Sociedade Americana de Neurorradiologia. Coluna. 2001; 26: E93 – E113
  2. Stadnik, TW, Lee, RR, Coen, HL et ai. Ruptura anular e hérnia de disco: prevalência e realce pelo contraste nas imagens de RM na ausência de dor lombar ou ciática. Radiologia. 1998; 206: 49-55
  3. Mink, JH Terminologia dos distúrbios da coluna lombar, o problema ... e uma solução. Publicação do California Managed Imaging Medical Group, Burlingame, CA; 1993
  4. Murtagh, FR A importância de ser Earnest-sobre a nomenclatura de disco. Am J Neuroradiol. 2007; 28: 1–2
  5. em: EJ Nordby, MD Brown, ED Dawson, (Eds.) Um glossário na terminologia espinhal. Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos, Chicago; 1985: 31–32
  6. Bonneville, JF e Dietemann, JL L'imagerie dans les sciatiques. Rev Prat (Paris). 1992; 42: 554-566
  7. Brant-Zawadzki, MN e Jensen, MC Canto de imagem: nomenclatura da coluna vertebral. Variabilidade inter e intra-observador na interpretação de anormalidades do disco lombar: comparação de duas nomenclaturas. Coluna. 1995; 20: 388-390
  8. Bretão, g. É um disco protuberante, uma pequena hérnia ou uma saliência moderada? Pode Assoc Radiol J. 1991; 42: 318
  9. Fardon, DF, Herzog, RJ e Mink, JH Nomenclatura dos distúrbios do disco lombar. em: SR Garfin, AR Vaccaro (Eds.) Atualização do conhecimento ortopédico: coluna. American Academy of Orthopaedic Surgeons, Rosemont, IL; 1997: A3-A14
  10. Milette, PC A terminologia adequada para relatar transtornos do disco intervertebral lombar. Am J Neuroradiol. 1997; 18: 1859-1866
  11. Fardon DF, White AH, Wiesel S. Termos de diagnóstico e tratamentos conservadores preferidos para distúrbios lombares por cirurgiões de coluna na América do Norte. Apresentado na primeira reunião anual, North American Spine Society, Lake George, Nova York, 1986.
  12. Arana, E., Royuela, A., Kovacs, FM et ai. Coluna lombar: concordância na interpretação de imagens de RM 1.5T usando a forma de classificação de grupo de consenso Nordic Modic. Radiologia. 2010; 254: 809-817
  13. Bonneville, JF Plaidoyer pour une classification par l'image des hernies discales lombaires: la carte-image. Rev Im Med. 1990; 2: 557-560
  14. Fardon, DF, Pinkerton, S., Balderston, R. et ai. Termos usados ​​para diagnóstico por cirurgiões de coluna de língua inglesa. Coluna. 1993; 18: 1-4
  15. Farfan, HF, Huberdeau, RM e Dubow, HI Degeneração do disco intervertebral lombar: a influência das características geométricas no padrão de degeneração discal: um estudo post-mortem. J Bone Joint Surg [Am]. 1972; 54: 492-510
  16. Milette, PC, Fontaine, S., Lepanto, L. et ai. Diferenciando protrusões de disco lombar, protuberâncias de disco e discos com contorno normal, mas intensidade de sinal anormal. Coluna. 1999; 24: 44-53
  17. Milette, PC, Melancon, D., Dupuis, P. et ai. Uma terminologia simplificada para anormalidades do disco lombar. Pode Assoc Radiol J. 1991; 42: 319-325
  18. Taveras, JM Hérnia de disco intervertebral. Um apelo por uma terminologia mais uniforme. Am J Neuroradiol. 1989; 10: 1283-1284
  19. Thompson, JP, Pearce, RH, Schechter, MT et ai. Avaliação preliminar de um esquema para classificar a morfologia macroscópica do disco intervertebral humano. Coluna. 1990; 15: 411-415
  20. Fardon, DF, Balderston, RA, Garfin, SR et ai. Distúrbios da espinha, um sistema de codificação para diagnósticos. Hanley e Belfus, Filadélfia; 1991: 20-22
  21. Herzog, RJ Avaliação radiológica de uma hérnia de disco lombar. Coluna. 1996; 21: 19S-38S
  22. Comitê internacional de nomenclatura anatômica aprovado pelo Décimo Primeiro Congresso Internacional de Anatomistas. Nomina anatomica. 5ª ed. Waverly Press, Baltimore, MD; 1983: A23
  23. Jarvik, JG, Haynor, DR, Koepsell, TD et ai. Confiabilidade do interreader para uma nova classificação de anormalidades do disco lombar. Radiol Acad. 1996; 3: 537-544
  24. Ketler, A. e Wilke, HJ Revisão dos sistemas de graduação existentes para degeneração da articulação cervical ou lombar e facetária. (com nota de errata em Eur Spine J 15 (6); 729)Eur Spine J. 2006; 15: 705-718
  25. Kieffer, SA, Stadlan, EM, Mohandas, A. e Peterson, HO Correlação discográfico-anatômica das alterações do desenvolvimento com a idade no disco intervertebral. Acta Radiol [Diagn] (Estocolmo). 1969; 9: 733-739
  26. Bundschuh, CV Imagem da coluna lombossacral pós-operatória. Neuroimagem Clin N Am. 1993; 3: 499-516
  27. Bartynski, WS, Rothfus, WE e Kurs-Lasky, M. Características da tomografia computadorizada pós-diskograma de discos gravemente sensíveis à lidocaína e insensíveis à lidocaína na dislocação lombar. AJNR. 2008; 29: 1455-1460
  28. Ford, LT, Gilula, LA, Murphy, WA e Gado, M. Análise de gás no disco lombar a vácuo. AJR. 1977; 128: 1056-1057
  29. Modic, MT e Herfkens, RJ Disco intervertebral: alterações normais relacionadas à idade na intensidade do sinal MR. Radiologia. 1990; 177: 332-334
  30. Modic, MT, Masaryk, TJ, Ross, JS e Carter, JR Imagem de doença degenerativa do disco.Radiologia. 1988; 168: 177-186
  31. Resnick, D. e Niwayama, G. Doença degenerativa da coluna vertebral. em: D. Resnick (Ed.) Diagnóstico de distúrbios ósseos e articulares. 3ª ed. WB Saunders, Filadélfia; 1995: 1372–1462
  32. Eckert, C. e Decker, A. Estudos patológicos de discos intervertebrais. J Bone Joint Surg. 1947; 29: 447-454
  33. Marinelli, NL, Haughton, VM e Anderson, PA Tempos de relaxação T2 correlacionados com estágio de degeneração discal lombar e idade do paciente. AJNR. 2010; 31: 1278-1282
  34. Yasuma, T., Koh, S., Okamura, T. et ai. Alterações histológicas no envelhecimento dos discos intervertebrais lombares. J Bone Joint Surg [Am]. 1990; 72: 220-229
  35. Oh, K.-J., Lee, JW, Kwon, ET et al. Comparação dos achados de imagem de RM entre hérnias de disco extraligamentar e subligamentar na coluna lombar. AJNR. 2013; 34: 683-687
  36. Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos. Publicação no (PHS) 91-1260, Nona Revisão da Classificação Internacional de Doenças, modificação clínica quinta edição, Washington, DC, 1998; Adaptado e publicado pela Practice Management Information Corporation, Los Angeles, e pela St. Anthony's Publishing Company, Alexandria, Virginia, 1999.
  37. Williams, AL, Haughton, VM, Daniels, DL e Grogan, JP Diagnóstico por tomografia computadorizada diferencial do núcleo pulposo. Radiologia. 1983; 148: 141-148
  38. Modic, MT Distúrbios degenerativos da coluna vertebral. dentro: Ressonância magnética da coluna vertebral. Yearbook Medical, Nova York; 1989: 83–95
  39. Boden, SD, Davis, DO, Dina, TS et ai. Ressonâncias magnéticas anormais da coluna lombar em indivíduos assintomáticos. Uma investigação prospectiva. J Bone Joint Surg. 1990; 72: 403-408
  40. Yu, S., Haughton, VM, Sether, LA e Wagner, M. Anulus fibrosus em discos intervertebrais salientes.Radiologia. 1988; 169: 761-763
  41. Yasuma, T., Makino, E., Saito, S. e Inui, M. Desenvolvimento histológico da hérnia de disco intervertebral. J Bone Joint Surg. 1986; 68A: 1066–1073
  42. Sachs, BL, Vanharanta, H., Spivey, MA et ai. Descrição do discograma de Dallas. Uma nova classificação de CT / discografia em distúrbios lombares. Coluna. 1987; 12: 287-294
  43. Carragee, EJ, Paragioudakis, SJ e Khurana, S. Zona de alta intensidade lombar e discografia em sujeito sem problemas lombares. Coluna. 2000; 25: 2987-2992
  44. Schellhas, KP, Pollei, SR, Gundry, CR et al. Zona de alta intensidade do disco lombar. Correlação de ressonância magnética e discografia. Coluna. 1996; 21: 79-86
  45. Munter, FM, Wasserman, BA, Wu, HM e Yousem, DM Imagem por RM em série de lesões anulares em discos intervertebrais lombares. Am J Neuroradiol. 2002; 23: 1105-1109
  46. Quencer, RM O anular fibroso anormal: podemos inferir a intensidade de uma lesão anular ?.Am J Neuroradiol. 2002; 23: 1069
  47. Czervionke, LF Doença do disco intervertebral lombar. Neuroimagem Clin N Am. 1993; : 465-485
  48. Rothman, SLG e Chafetz, NI Uma explicação anatômica para a superação de hérnias discais em estudos de imagem por ressonância magnética da coluna lombar: apresentação em pôster. American Society of Neuroradiology, Chicago, Illinois; 1995
  49. Twomey, LT e Taylor, JR Alterações da idade nas vértebras lombares e discos intervertebrais. Clin Orthop. 1987; 224: 97-104
  50. Coventry, MB, Ghormley, RK e Kernohan, JW O disco intervertebral: sua anatomia microscópica e patologia. (233-7)J Bone Joint Surg. 1945; 27: 105-112
  51. Farfan, HF Distúrbios mecânicos da região lombar. Lea & Febiger,; 1973: 141
  52. Hirsch, C. e Schajowicz, F. Estudos em alterações estruturais no anel fibroso lombar. Orelha Acta Ortopédica. 1952; 22: 184-231
  53. Ito, T., Yamada, M., Ikuta, F. et ai. Evidência histológica de absorção do disco herniado do tipo sequestro. Coluna. 1996; 21: 230-234
  54. Liebscher, T., Haefeli, M., Wuertz, K. et ai. Variação relacionada à idade na densidade celular do disco intervertebral lombar humano. Coluna. 2011; 36: 153-159
  55. Nathan, H. Osteófitos da coluna vertebral. Um estudo anatômico de seu desenvolvimento de acordo com a idade, raça e sexo, levando em consideração sua etiologia e significância. J osso joint Surg Am. 1962; 44: 243-268
  56. Sether, LA, Yu, S., Haughton, VM e Fischer, ME Disco intervertebral: alterações normais relacionadas à idade na intensidade do sinal MR. Radiologia. 1990; 177: 385-388
  57. Twomey, LT e Taylor, JR Alterações da idade nos discos intervertebrais lombares. Orelha Acta Ortopédica. 1985; 56: 496–499
  58. Schmorl, G. e Junghanns, H. (American Ed, 1971. Tradução de EF Besemann) (186-98) em: A espinha humana na saúde e na doença. 2ª Grune e Stratton, Nova York; 1971: 141–148
  59. Pritzker, KPH Envelhecimento e degeneração no disco intervertebral lombar. Orthop Clin North Am. 1977; 8: 65-77
  60. Ross, JS Babel 2.0. Radiologia. 2010; 254: 640-641
  61. Pfirrmann, CW, Metzdorf, A., Zanetti, M. et ai. Classificação da ressonância magnética da degeneração do disco intervertebral lombar. Coluna. 2001; 26: 1873-1878
  62. Griffith, JF, Wang, WX e Antonio, GE Sistema de graduação de Pfirrmann modificado para degeneração do disco intervertebral lombar. Coluna. 2007; 32: E708 – E712
  63. Yu, S., Haughton, VM, Sether, LA et ai. Critérios para classificar os discos intervertebrais lombares normais e degenerados. Radiologia. 1989; 170: 323-326
  64. Brock, M., Patt, S. e Mayer, HM A forma e estrutura do disco extrudido. Coluna. 1992; 17: 1457-1461
  65. Williams, AL Tomografia computadorizada de doença discal degenerativa. O anel protuberante. Radiol Clin North Am. 1983; 21: 289-300
  66. Masaryk, TJ, Ross, JS, Modic, MT et ai. RM de alta resolução dos discos intervertebrais lombares isolados. Am J Neuroradiol. 1988; 9: 351-358
  67. Wiltse, LL, Berger, PE e McCulloch, JA Um sistema para informar o tamanho e a localização das lesões na coluna. Coluna. 1997; 22: 1534-1537
  68. Saal, JA, Saal, JS e Herzog, RJ A história natural das extrusões do disco intervertebral lombar tratadas de forma não cirúrgica. Coluna. 1990; 15: 683-686
  69. Fardon DF. Nomenclatura do disco: práticas atuais de periódicos. Apresentação de pôster, 110º encontro anual da American Orthopaedic Association, Boca Raton, FL, 1997.
  70. Comitê Federativo de Terminologia Anatômica. Terminologia anatômica. George Thieme Verlag, Estugarda; 1998: 27

Tópicos adicionais: Dor nas costas aguda

Dor nas costas é uma das causas mais prevalentes de incapacidade e perdeu dias de trabalho em todo o mundo. A dor nas costas atribui-se à segunda razão mais comum para visitas a consultórios, superada apenas por infecções respiratórias superiores. Aproximadamente 80 por cento da população experimentará dor nas costas pelo menos uma vez ao longo da vida. A coluna é uma estrutura complexa composta de ossos, articulações, ligamentos e músculos, entre outros tecidos moles. Por causa disso, lesões e / ou condições agravadas, como hérnia de discos, pode eventualmente levar a sintomas de dor nas costas. Lesões esportivas ou acidentes automobilísticos geralmente são a causa mais frequente de dor nas costas, no entanto, às vezes, o mais simples dos movimentos pode ter resultados dolorosos. Felizmente, opções alternativas de tratamento, como quiropraxia, podem ajudar a aliviar a dor nas costas através do uso de ajustes espinhais e manipulações manuais, melhorando o alívio da dor.

TÓPICO EXTRA IMPORTANTE: Terapia Quiroprática Dor Ciática

Publicações Recentes

Tecnologia de triagem em desequilíbrios intestinais

Nosso trato gastrointestinal hospeda mais de 1000 espécies de bactérias que trabalham simbioticamente conosco ... Saiba mais

25 de novembro de 2020

Neurodiagnóstico

Falamos sobre neuroinflamação e suas causas e como os efeitos da neuroinflamação afetam nosso ... Saiba mais

25 de novembro de 2020

A Ciência da Neuroinflamação

O que é neuroinflamação? Neuroinflamação é uma resposta inflamatória que envolve células cerebrais, como neurônios ... Saiba mais

24 de novembro de 2020

Manejo nutricional: reações alimentares adversas

Como paciente, você irá (e deve) consultar um médico se alguma vez se apresentar ... Saiba mais

20 de novembro de 2020

Cicatriz se desfaz com Quiropraxia, Mobilidade e Flexibilidade restauradas

O tecido cicatricial se não for tratado / administrado pode levar a problemas de mobilidade e dor crônica. Indivíduos que ... Saiba mais

20 de novembro de 2020

Diabesidade

    Diabesidade é um termo que relaciona diabetes tipo II e obesidade. É isto… Saiba mais

20 de novembro de 2020

Especialista em lesões, traumatismos e reabilitação da coluna vertebral

Histórico e registro online 🔘
Ligue-nos hoje 🔘