Impacto do método McKenzie com METs para dor lombar

Compartilhe

As técnicas de energia muscular, ou METs, são consideradas como algumas das ferramentas mais valiosas que qualquer profissional de saúde pode ter e há várias razões para isso. Os METs têm uma ampla gama de aplicações e modificações essenciais podem ser feitas para cada uma delas por uma variedade de lesões e / ou condições. As técnicas de energia muscular também representam um aspecto importante da reabilitação. Além disso, os TEM são gentis e eficazes. Mas, o mais importante, os TEMs envolvem ativamente o paciente no processo de recuperação. Ao contrário de outros tipos de terapias de tratamento, o paciente está envolvido em cada etapa, contratando-se no momento apropriado, relaxando no momento apropriado, envolvendo movimentos oculares e até mesmo respirando quando instruído pelo profissional de saúde.

 

Técnicas de energia muscular têm sido usadas com outras modalidades de tratamento, como o método McKenzie, para melhorar as medidas de resultados de lesões ou condições. O estudo de pesquisa a seguir demonstra evidências clínicas e experimentais sobre o impacto do método McKenzie com METs para dor lombar, uma das queixas mais comuns que afetam a saúde da coluna. O objetivo do artigo é educar e aconselhar os pacientes com lombalgia sobre o uso de METs com o método McKenzie.

 

Impacto da Terapia do Método McKenzie Enriquecida por Técnicas de Energia Muscular em Parâmetros Subjetivos e Objetivos Relacionados à Função da Espinha em Pacientes com Dor Lombar Crônica

 

Sumário

 

  • Fundo: A alta incidência e inconsistência no processo diagnóstico e terapêutico da dor lombar (LBP) estimulam a busca contínua por modalidades de tratamento mais eficientes. A integração das informações obtidas com vários métodos terapêuticos e uma abordagem holística do paciente parecem estar associadas a resultados positivos. O objetivo deste estudo foi analisar a eficácia do tratamento combinado com o método de McKenzie e com a Muscle Energy Technique (MET) e comparar com os resultados do tratamento com o método de McKenzie ou fisioterapia padrão em dor lombar crônica específica.
  • Material / Métodos: O estudo incluiu 60 homens e mulheres com lombalgia (idade média 44 anos). Os doentes foram aleatoriamente designados para 1 de grupos terapêuticos 3, que foram posteriormente tratados com: 1) método de McKenzie e MET, 2) método de McKenzie sozinho, ou 3) fisioterapia padrão para 10 dias. A extensão dos movimentos da coluna vertebral (eletrogoniometria), nível de dor experiente (Escala Analógica Visual e Questionário de Dor Oswestry Revisado), e estrutura dos discos espinhais (MRI) foram examinados antes da intervenção, imediatamente após e 3 meses após a intervenção.
  • Resultados: O método de McKenzie enriquecido com MET apresentou os melhores resultados terapêuticos. A mobilidade da coluna cervical, torácica e lombar normalizou em níveis correspondentes a 87.1%, 66.7% e 95% dos respectivos valores normativos médios. A implementação do método de McKenzie, tanto isoladamente quanto em conjunto com o MET, foi associada a uma redução significativa no Oswestry Disability Index, alívio significativo da dor (EVA) e redução significativa do tamanho da hérnia de disco.
  • Conclusões: O método combinado pode ser efetivamente usado no tratamento da lombalgia crônica.
  • Palavras-chave MeSH: Lombalgia, Manipulação, Quiropraxia, Manipulação, Espinhal

 

Contexto

 

Low back pain (LBP) is the most prevalent form of musculoskeletal disorder. According to published statistical data, 70�85% of people experience LBP at some stage of their lives [1–7]. Only 39–76% of the patients recover completely after an acute episode of pain, suggesting that a considerable fraction of them develop a chronic condition [8].

 

The goals of physiotherapy in patients with chronic LBP include elimination of pain, restoration of the lost extent of movements, functional improvement, and improvement of the quality of life. These objectives are achieved by various protocols of exercise, manipulation, massage, relaxation techniques, and counselling. Although numerous previously published studies have dealt with various therapeutic modalities of LBP, the evidence of their efficacy is highly inconclusive [9–12]. At present the management of chronic LBP still raises many controversies. Inconsistency of established diagnoses and implemented protocols of management points to the importance of the problem in question. Despite extensive research, the issue of spinal pain management still constitutes a challenge for physicians, physiotherapists, and researchers [8,13].

 

 

O método McKenzie é o 1 de muitas modalidades de tratamento da lombalgia. É um sistema de diagnóstico e manejo mecânico de síndromes de dor medular, baseado em avaliação abrangente e reprodutível, conhecimento dos padrões de sintomas, preferência direcional e fenômeno de centralização. Este método é focado nos distúrbios do disco raquidiano [14]. O método de McKenzie baseia-se no fenômeno do movimento do núcleo pulposo no interior do disco intervertebral, dependendo da posição adotada e da direção dos movimentos da coluna vertebral. O núcleo pulposo que é exposto à pressão de ambas as superfícies dos corpos vertebrais toma a forma de uma articulação esférica. Isso significa que ele tem a capacidade de executar movimentos rotativos 3 em todas as direções e possui 6 graus de liberdade de movimento. O núcleo pulposo realiza os movimentos de flexão, extensão, flexão lateral (esquerda e direita), rotação (direita e esquerda), deslocamento linear (deslizamento) ao longo do eixo sagital, deslocamento linear ao longo do eixo transversal e separação ou aproximação ao longo do eixo vertical. axis [15]. Vários estudos mostraram que durante a flexão anterior da coluna vertebral é possível observar a extensão da superfície posterior do anel fibroso, a compressão da parte frontal do disco intervertebral e o deslocamento do núcleo pulposo para o lado dorsal . Quando se alonga, o mecanismo é o oposto [16].

 

O sistema músculo-esquelético é vital para a manutenção da tensão equilibrada do corpo. Os distúrbios musculo-faciais podem estar associados a vários problemas, dor ou até a perda de alguma função motora. As Técnicas de Energia Muscular (MET) estão entre as modalidades terapêuticas mais populares que visam a melhoria da elasticidade em tecidos contráteis e não contráteis [17].

 

A alta incidência, as inconsistências no processo diagnóstico e terapêutico e os enormes custos associados ao manejo dos distúrbios da coluna vertebral crônicos estimulam a busca contínua por modalidades de tratamento mais eficientes. Isso requer o conhecimento de processos neurofisiológicos, interpretação adequada da dor, identificação de padrões motores e posturais desfavoráveis, abordagem holística do paciente e integração das informações obtidas com vários métodos terapêuticos [18].

 

 

O objetivo deste estudo foi analisar a eficácia do tratamento combinado com o método de McKenzie e MET, e compará-lo com os resultados do tratamento com o método de McKenzie ou fisioterapia padrão na dor lombar crônica. Nós avaliamos o efeito exercido por cada uma das intervenções sobre a extensão dos movimentos, nível de dor experimentada e estrutura dos discos vertebral, avaliada por meio de ressonância magnética.

 

Material e Métodos

 

Pacientes

 

O estudo randomizado incluiu 60 homens e mulheres com idade média de 44 anos. Todos os indivíduos foram diagnosticados por um médico especialista e encaminhados para reabilitação. O protocolo do estudo foi aprovado pelo Comitê de Bioética Local da Universidade de Ciências Médicas de Poznan (decisão nº 368 / 0). Todos os pacientes foram diagnosticados com dor crônica na coluna persistindo por mais de 1 ano. Os critérios de inclusão do estudo foram: 1) ressonância magnética (RM) documentada da coluna, 2) confirmou protusão ou abaulamento na coluna lombossacral, 3) dor lombossacra intermitente, 4) projecção de dor na nádega ou na coxa, 5 ) caráter unilateral dos sintomas. Os critérios de exclusão foram: 1) confirmaram a extrusão ou sequestro do núcleo pulposo do disco vertebral, 2) sintomas manifestos abaixo do joelho, 3) história de cirurgia da coluna vertebral, 4) distúrbios estruturais dos discos da coluna vertebral em mais de 2 segmentos espinhal, 5) estenose evidente do canal vertebral, 6) lesões focais da medula espinhal e 7) espondilolistese.

 

Os pacientes mostraram grande interesse e todos completaram o estudo.

 

Protocolo

 

Os seguintes testes foram utilizados para determinar os parâmetros de linha de base (ou seja, pré-intervenção) dos pacientes estudados: 1) determinação eletrogoniométrica da extensão do movimento em todos os segmentos da coluna vertebral e valores angulares de curvaturas fisiológicas, 2) Escala Analógica (VAS). Subsequentemente, os doentes foram aleatoriamente designados para 3 de grupos terapêuticos 1 (3 pessoas cada), que foram posteriormente tratados com: 20) método de McKenzie e MET, 1) método de McKenzie sozinho, 2) fisioterapia convencional. Cada um dos protocolos terapêuticos 3 incluiu sessões diárias 3, realizadas durante 10 dias úteis consecutivos. 5 horas após a última sessão terapêutica, os mesmos parâmetros que na linha de base foram determinados pelo investigador cego para a atribuição do tratamento. Além disso, todos os pacientes foram submetidos a ressonância magnética repetida.

 

Intervenção Terapêutica

 

Grupo McKenzie Uma sessão durou 30 minutos. Com base na classificação da dor na coluna McKenzie, a síndrome de desarranjo foi diagnosticada em todos os pacientes [14]. A terapia incluiu técnicas de hiperextensão, hiperextensão com auto-pressão ou pressão pelo terapeuta e mobilização hiperextensiva. Essas técnicas foram aplicadas no plano sagital, seguindo a regra da progressão da força [14]. Além disso, foi solicitado aos pacientes que realizassem o procedimento terapêutico em casa (ciclos 5 por dia com intervalos 2-hora, repetições 15 cada).

 

McKenzie + grupo MET The classic McKenzie method enriched with Muscle Energy Technique was implemented. McKenzie protocol in both groups (McKenzie McKenzie + MET) was the same. All patients in this therapeutic group were also diagnosed with the derangement syndrome. A technique of post-isometric relaxation was used at the end of each therapeutic session. It was characterized by the following parameters: 1) time of contraction equal to 7–10 seconds, 2) intensity of contraction corresponding to 20–35%, 3) beginning in the intermediate extent of movement for a given patient, 4) 3 seconds of interval between consecutive contraction phases, 5) 3 repetitions, 6) contraction of antagonist muscle at the terminal phase of the procedure, 7) passive return to the baseline position. The procedure involved relaxation of the erector spinae muscle group and was performed in a sitting position. The exercise was performed in an anterior and lateral flexion, and in rotation. The therapy involved bilateral parts of the erector spinae so as to balance the muscular tension [17]. The duration of 1 combined session was 40 minutes. Patients treated with the combined method were also asked to exercise at home (5 cycles per day with 2-hour intervals, 15 repetitions each).

 

Grupo de tratamento padrão Os indivíduos randomizados para esse grupo terapêutico foram tratados com massagem clássica, laserterapia e estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) aplicada na região lombossacra. Além disso, os pacientes foram solicitados a realizar exercícios gerais fortalecendo os músculos espinhais e abdominais (uma vez por dia em casa). Os exercícios foram realizados por minutos 15, em decúbito ventral, supino e lateral. O objetivo do treinamento foi fortalecer os músculos estabilizadores da cintura pélvica, ou seja, os músculos eretores da espinha, quadrado lombar, reto abdominal, abdominal oblíquo, glúteo e iliopsoas. O clássico massagem lasted 20 minutes. The laser therapy was conducted with a contact technique with Lasertronic LT-2S device. The duration of laser therapy was 80 seconds (2×40 s). The treatment was applied on both sides of the spinous processes of the lumbar spine. The parameters of the procedure were as follows: energy 32 J, power of radiation 400 mW, wavelength 810 nm, continuous mode. TENS electrotherapy was performed with Diatronic DT-10B device. The electrodes were placed on both sides of the lumbosacral spine. The parameters of the TENS procedure were as follows: duration 15 minutes, frequency 50 Hz, current 20–30 mA (subjectively adjusted), duration of a single impulse 50 microseconds. The total time per session=36 min 20 sec + 15 min as home exercises once a day.

 

Avaliação do efeito terapêutico

 

Eletrogoniometria The extent of movements and the angles of spinal curvatures were determined with tensiometric Penny & Giles electrogoniometer in Boocok’s modification [19], which prevents potential measurement bias associated with shifting skin and soft tissues in relation to bones. The electrogoniometer enables linear measurement with a bias no greater than 1°. The measurements were taken according to Lewandowski’s methodology [20]. The reliability of these measurements was previously verified by Szulc et al.21 The reference values used in our study were calculated on the basis of Lewandowski’s measurements taken in a group of about 20 000 individuals [20].

 

Questionário de dor de Oswestry revisado O grau em que a disfunção da coluna lombar limitou o desempenho das atividades da vida diária foi determinado com o Questionário de Dor de Oswestry Revisado [22,23]. Usamos a versão revisada do questionário, pois é a única variante deste instrumento que examina as mudanças no nível de dor lombar. A pesquisa foi realizada duas vezes, antes e depois da terapia.

 

Escala visual analógica (VAS) Para verificar a eficácia da terapia, os participantes foram examinados com a escala visual analógica (VAS) na linha de base (antes da intervenção) e 24 horas após a conclusão do tratamento [24].

 

Imagem de ressonância magnética O grau de degeneração dos discos espinhais e o resultado terapêutico foram verificados na ressonância magnética realizada antes e após a intervenção, na mesma hora do dia. O exame foi realizado em planos sagital e axial e utilizou imagens ponderadas em T1 e T2. O deslocamento do núcleo pulposo foi expresso em mm. A metodologia do exame foi descrita anteriormente por Fazey et al. [25]

 

Análise Estatística

 

Statistical analysis was conducted with Statistica 10.0 software. Bivariate analysis of variance (AVOVA) with 1 intergroup factor (type of intervention) and 1 intragroup factor (measurement prior to intervention, 24 hours and 3 months after the intervention) was used to analyze the differences in studied parameters resulting from the type of the implemented therapy, and to verify the efficacy of various therapeutic protocols. The significance of differences in multiple comparisons was verified with the Scheffé’s post-hoc test.

 

Insight do Dr. Alex Jimenez

A dor lombar é um sintoma comum que pode ser tratado de várias maneiras. A quiropraxia é uma das opções de tratamento alternativo mais comum para lombalgia, no entanto, os profissionais de saúde começaram a usar outras modalidades de tratamento para ajudar a melhorar os sintomas da dor lombar. Fisioterapia e exercício físico têm sido comumente usados ​​juntos, juntamente com modalidades de tratamento bem conhecidas, para ajudar a acelerar o processo de recuperação do paciente. O estudo pretende determinar como o método de McKenzie e as técnicas de energia muscular podem melhorar a dor lombar e promover a saúde e o bem-estar geral. Como um médico da quiropraxia, os efeitos positivos da fisioterapia e do exercício são refletidos na recuperação dos pacientes.

 

Resultados

 

Os efeitos significativos da interação bivariada (método × tempo) sugerem que os métodos terapêuticos implementados exerceram efeito variável dependente do tempo sobre os parâmetros funcionais da coluna, escores do questionário Oswestry, valores da escala analógica visual e os resultados da ressonância magnética em pacientes com dor lombar crônica.

 

Data on the mobility of various spinal segments prior to the intervention, and 24 hours and 3 months after the intervention suggests that the implementation of McKenzie method enriched with MET was reflected by better therapeutic outcome compared to classical McKenzie method and standard physiotherapy. Mobility of various spinal segments in all axes and planes improved significantly as a result of the therapy with McKenzie method enriched in MET. In contrast, the least pronounced improvement of spinal mobility was documented in the case of standard physiotherapy (Tables 1?–3).

 

Tabela 1: Características estatísticas básicas e significância das diferenças entre os valores angulares da mobilidade da coluna cervical dependendo da fase do estudo e do tipo de método terapêutico implementado.

 

Tabela 2: Características estatísticas básicas e significância das diferenças entre os valores angulares da mobilidade da coluna torácica, dependendo da fase do estudo e do tipo de método terapêutico implementado.

 

Tabela 3: Características estatísticas básicas e significância das diferenças entre os valores angulares da mobilidade da coluna lombar dependendo da fase do estudo e do tipo de método terapêutico implementado.

 

The analysis of the anterior flexion of the cervical spine revealed that the improvement of mobility was most pronounced in McKenzie + MET group (?%=42.02). The lack of significant difference between the measurement taken immediately after the intervention and 3 months thereafter suggests that the therapeutic effect was persistent. Less pronounced, albeit significant, improvement of the mobility was also documented in the case of McKenzie method alone (?%=14.79); also this effect persisted after 3 months. In contrast, no significant changes in the extent of anterior flexion of the cervical spine were documented in the group subjected to standard physiotherapy (Figure 1).

 

Figura 1: Valores angulares médios da flexão anterior da coluna cervical determinados em várias fases do estudo em pacientes tratados com três métodos terapêuticos diferentes (método de McKenzie + MET, método de McKenzie isolado, fisioterapia padrão).

 

Also, the analysis of changes in the degree of thoracic and lumbar spine anterior flexion revealed variability in the outcomes of the studied methods (Figures 2, ?3).

 

Figura 2: Valores angulares médios da flexão anterior da coluna torácica determinada em várias fases do estudo em pacientes tratados com três métodos terapêuticos diferentes (método de McKenzie + MET, método de McKenzie sozinho, fisioterapia padrão).

 

Figura 3: Valores angulares médios da flexão anterior da coluna lombar determinados em várias fases do estudo em pacientes tratados com três métodos terapêuticos diferentes (método de McKenzie + MET, método de McKenzie sozinho, fisioterapia padrão).

 

The greatest improvement of the mobility, equal to ?%=80.34 and ?%=40.43 in the thoracic and lumbar segment, respectively, was documented in the McKenzie + MET group. The lack of significant difference between the measurements of both the segments taken immediately after the intervention and 3 months thereafter suggests that the therapeutic effect was persistent (Tables 2, ?3). The changes in the remaining functional spinal parameters followed a similar pattern and are summarized in Tables 1?–3.

 

The degree of mobility in various spinal segments observed after implementation of studied therapeutic methods was compared with respective average normative values published by Lewandowski [20[ (Figures 4?–6). Implementation of McKenzie method enriched with MET was reflected by the most pronounced improvement in the spinal mobility, which fit within the respective normative ranges. The functional parameters of cervical, thoracic, and lumbar spine normalized at levels corresponding to 87.1%, 66.7%, and 95% of respective average normative values.

 

Figura 4: Functional parameters of the cervical spine (CL – cervical lordosis; CAF – cervical anterior flexion; CPF – cervical posterior flexion; CRF – cervical right flexion; CLF – cervical left flexion; CRR – cervical right rotation; CLR – cervical left rotation) – comparison between values determined in patients treated with three different therapeutic methods and respective normative values published by Lewandowski.

 

Figura 5: Functional parameters of the thoracic spine (ThK – thoracic kyphosis; ThAF – thoracic anterior flexion; ThPF – thoracic posterior flexion; ThRF – thoracic right flexion; ThLF – thoracic left flexion; ThRR – thoracic right rotation; ThLR – thoracic left rotation) – comparison between values determined in patients treated with three different therapeutic methods and respective normative values published by Lewandowski.

 

Figura 6: Functional parameters of the lumbar spine (LL – lumbar lordosis; LAF – lumbar anterior flexion; LPF – lumbar posterior flexion; LRF – lumbar right flexion; LLF – lumbar left flexion; LRR – lumbar right rotation; LLR – lumbar left rotation) – comparison between values determined in patients treated with three different therapeutic methods and respective normative values published by Lewandowski.

 

Independentemente do método terapêutico e do momento da medição, os valores angulares de todas as curvaturas da coluna vertebral se encaixam nos respectivos valores normativos e não foram documentadas diferenças inter e intragrupos significativas (Tabela 4).

 

Tabela 4: Características estatísticas básicas e significância das diferenças entre os valores angulares das curvaturas fisiológicas da coluna dependendo da fase do estudo e do tipo de método terapêutico implementado.

 

Os escores do questionário Oswestry também diferiram dependendo do tipo de intervenção implementada. A implementação do método de McKenzie, isoladamente e combinada com o MET, foi refletida por uma diminuição significativa no Oswestry Disability Index. Não foram documentadas diferenças significativas entre os resultados destes métodos 2. Em contraste, a fisioterapia padrão teve o efeito menos pronunciado no Índice de Incapacidade de Oswestry (Tabela 5).

 

Tabela 5: Características estatísticas básicas e significância das diferenças entre os escores do questionário Oswestry, valores da escala visual analógica e achados de ressonância magnética dependendo da fase do estudo e do tipo de método terapêutico implementado.

 

A análise dos valores da escala analógica visual sugere que tanto o método de McKenzie enriquecido com MET como o método clássico de McKenzie produziram os efeitos terapêuticos mais fortes, ou seja, o alívio da dor. A implementação de ambos os métodos foi refletida pelo aumento acentuado da dor experimentada, sem diferenças significativas entre os grupos. Em contraste, a fisioterapia padrão reduziu a dor ao mínimo, e não foram observadas diferenças significativas entre os escores da EVA obtidos antes e após essa intervenção (Tabela 5).

 

Ressonância magnética realizada antes e após a intervenção confirmou que o método de McKenzie enriquecido com MET produziu o melhor resultado terapêutico manifestado por um tamanho reduzido de hérnia de disco. Uma melhoria menor, embora significativa, desse parâmetro também foi documentada no caso do método clássico de McKenzie. Estes métodos terapêuticos 2 não diferiram significativamente em termos do tamanho pós-intervenção da hérnia de disco. Em contraste, nenhuma redução no tamanho da hérnia de disco foi documentada após a implementação da fisioterapia convencional (Tabela 5).

 

Discussão

 

O número de estudos que validam a eficácia de métodos e técnicas terapêuticas combinadas é esparsa [3,21,26,27]. Wilson et al. [26] concluiu que o MET é uma ótima técnica adjunta para outras modalidades terapêuticas [26].

 

Many studies confirmed the positive effects of McKenzie method [28–36]. Similarly, a body of evidence confirms the therapeutic value of MET [37–44]. Moreover, positive outcomes of both these techniques were documented in patients with spinal pain, including LBP [45,46]. However, to the best of our knowledge, none of the previous studies verified whether the combination of these methods improves the therapeutic outcome.

 

Notavelmente, ambas as terapias são baseadas em conceitos diferentes e envolvem diferentes técnicas terapêuticas. O método McKenzie é orientado para o gerenciamento de todas as anormalidades estruturais dos discos da coluna vertebral. O objetivo desta terapia é eliminar a dor e normalizar a função do segmento espinhal afetado [14]. Portanto, o método McKenzie enfoca o tratamento de patologias do disco como a principal causa da dor. Takasaki et al. [35] documentou mudanças positivas no disco raquidiano, ou seja, a resolução da hérnia, em paciente tratado com o método de McKenzie.

 

No entanto, várias lesões e outras condições médicas, bem como padrão motor repetitivo negativo, também são refletidas pelas desordens do sistema musculofascial. Isso pode ser refletido pelo desenvolvimento de certos mecanismos compensatórios, acúmulo de tensão muscular, limitação motora e distúrbios funcionais [17,40,42]. Em contraste, o tratamento do sistema musculofascial não está incluído no conceito do método de McKenzie. Portanto, o objetivo de incluir as técnicas de energia muscular no protocolo proposto de terapia combinada foi potencializar seu efeito terapêutico através do relaxamento e alongamento da musculatura contraída, fortalecimento dos músculos enfraquecidos, redução da tensão muscular passiva, melhora da mobilidade articular e normalização. da função motora [26,43].

 

As diferenças observadas com relação à mobilidade de vários segmentos vertebrais antes e após a intervenção apontam para um melhor resultado terapêutico dos métodos combinados. Notavelmente, a mobilidade melhorada foi documentada não apenas na coluna lombar, mas também no segmento cervical e torácico. Por conseguinte, a implementação do TEM melhorou o âmbito do método combinado (McKenzie + MET) em comparação com o método clássico de McKenzie. Nossos achados sugerem que os distúrbios musculofasciais podem, em grande medida, ser responsáveis ​​pela mobilidade espinhal limitada em pacientes com lombalgia crônica. Em seus artigos sobre os efeitos terapêuticos da terapia manual, Pool et al. [12] e Zaproudina et al. [47] enfatizam a importância das limitações na mobilidade da coluna vertebral como um marcador sensível de alterações patológicas.

 

Os achados de ressonância magnética documentados em pacientes tratados com o método combinado de McKenzie e MET sugerem que essa combinação não tem efeito negativo sobre o tamanho da hérnia de disco (Figura 7). Isto confirma a segurança do MET e plausibilidade de sua aplicação em pacientes com patologias do disco vertebral [26]. De notar que melhorias subjectivas e objectivas relativamente grandes foram alcançadas apesar da curta duração do tratamento, que incluiu apenas sessões 10 ao longo de um período de semanas 2.

 

Figura 7: Magnetic resonance images of the structural changes of the L5–S1 spinal disc: (A) prior to, and (B) after the combined therapy (McKenzie method + MET).

 

Além disso, eletrogoniometria de controle conduzida 3 meses após a intervenção confirmou o efeito persistente do tratamento combinado. Além disso, uma ligeira melhoria foi documentada no caso de alguns parâmetros funcionais examinados imediatamente após a intervenção e 3 meses depois. Talvez, esse fenômeno refletisse a educação adequada de nossos pacientes e o autopetamento profilático adicional, de acordo com o método de McKenzie.

 

A lombalgia crônica (DLC) tem uma etiologia multifatorial [18] e, como tal, requer tratamento multimodal. A evidência de efeitos terapêuticos não deve ser limitada ao diagnóstico por imagem, mas deve ser refletida principalmente pela funcionalidade de um paciente, nível de dor experimentada, extensão dos movimentos e normalização da função motora.

 

Conclusões

 

As seguintes conclusões podem ser formuladas com base em nossas descobertas:

 

  1. Comparison of the subjective and objective outcomes of 3 therapeutic methods – standard physiotherapy, McKenzie method alone, and McKenzie method combined with MET – in patients with chronic low back pain suggests that the combined method is the most effective.
  2. A utilização do método combinado (McKenzie + MET) exerce um efeito positivo na estrutura (resolução da hérnia de disco documentada na ressonância magnética) e parâmetros funcionais (melhora da mobilidade de vários segmentos espinhais), melhora a qualidade de vida e reduz o nível de dor experiente.

 

Agradecimentos

 

The study was conducted under the auspices of the University School of Physical Education in Poznan. The authors express their gratitude to the owners of the Private Rehabilitation Practice “Antidotum” for consent to perform the study in their facility.

 

Notas de rodapé

 

  • Fonte de apoio: O estudo foi apoiado pelos recursos do Ministério da Ciência e Educação Superior para a atividade estatutária do Departamento de Anatomia da Escola Universitária de Educação Física em Poznan.
  • Conflito de interesses: Nenhum declarou.

 

Em conclusão, o estudo demonstrando evidências clínicas e experimentais sobre o impacto do método McKenzie com METs para dor lombar, uma das queixas mais comuns que afetam a saúde da coluna, concluiu que as modalidades de tratamento combinadas foram efetivamente utilizadas na melhora da baixa dor nas costas. O objetivo do artigo foi educar e aconselhar pacientes com lombalgia sobre o uso de METs com o método de McKenzie. Além disso, o uso das modalidades combinadas de tratamento demonstrou um efeito positivo nos parâmetros estruturais e funcionais, melhorando a qualidade de vida do paciente e reduzindo o nível de dor que experimentaram. Informações referenciadas do Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia (NCBI). O escopo de nossa informação é limitado a quiropraxia, bem como lesões e condições da coluna vertebral. Para discutir o assunto, sinta-se à vontade para perguntar ao Dr. Jimenez ou entrar em contato conosco 915-850-0900 .

 

Curated pelo Dr. Alex Jimenez

 

1. Drozda K, Lewandowski J, Górski P. Back pain in lower and upper secondary school pupils living in urban areas of Poland. The case of Poznan. Ortopedia, Traumatologia, Rehabilitacja. 2011;13(5(6)):489–503. [PubMed]
2. Drozda K, Lewandowski J. Epidemiology of back pain among secondary school pupils in Poznan. Fizjoterapia Polska. 2011;4(1):31–40.
3. Dunsford A, Kumar S, Clarke S. Integrating evidence into practice: use of McKenzie-based treatment for mechanical low back pain. J Multidiscip Healthc. 2011;4:393–402. [PMC free article] [PubMed]
4. Joud A, Petersson IF, Englund M. Low back pain: epidemiology of consultations. Arthritis Care Res (Hoboken) 2012;64:b1084–88. [PubMed]
5. Lewandowski J, Szulc P, Boch-Kmieciak J, et al. Epidemiology of low back pain in students of physical education and physiotherapy. Studies in Physical Culture and Tourism. 2011;18(3):265–69.
6. Pereira LM, Obara K, Dias JM, et al. Comparing the Pilates method with no exercise or lumbar stabilization for pain and functionality in patients with chronic low back pain: systematic review and meta-analysis. Clin Rehabil. 2012;26:10–20. [PubMed]
7. Werneke MW, Hart D, Oliver D, et al. Prevalence of classification methods for patients with lumbar impairments using the McKenzie syndromes, pain pattern, manipulation, and stabilization clinical prediction rules. J Man Manip Ther. 2010;18:197–204. [PMC free article] [PubMed]
8. da C Menezes Costa L, Maher CG, Hancock MJ, et al. The prognosis of acute and persistent low-back pain: a meta-analysis. CMAJ. 2012;184:E613–24. [PMC free article] [PubMed]
9. Borges TP, Greve JM, Monteiro AP, et al. Massage application for occupational low back pain in nursing staff. Rev Lat Am Enfermagem. 2012;20:511–19. [PubMed]
10. Cherkin DC, Sherman KJ, Kahn J, et al. A comparison of the effects of 2 types of massage and usual care on chronic low back pain: a randomized, controlled trial. Ann Intern Med. 2011;155:1–9. [PMC free article] [PubMed]
11. Kilpikoski S, Alèn M, Paatelma M, et al. Outcome comparison among working adults with centralizing low back pain: Secondary analysis of a randomized controlled trial with 1-year follow-up. Adv Physiother. 2009;11:210–17.
12. Pool JJ, Ostelo RW, Knol DL, et al. Is a behavioral graded activity program more effective than manual therapy in patients with subacute neck pain? Results of a randomized clinical trial. Spine. 2010;35:1017–24. [PubMed]
13. Frankel BS, Moffett JK, Keen S, et al. Guidelines for low back pain: changes in GP management. Fam Pract. 1999;16:216–22. [PubMed]
14. McKenzie R, May S. A coluna lombar: diagnóstico e terapia mecânica. 2nd ed. Waikanae: publicações da coluna vertebral; 2003.
15. Kanpandji AI. Anatomia funkcjonalna stawów. Tom 3.6 ed. Wroc?aw: Elsevier Urban & Partners; 2010. [in Polish]
16. Alexander LA, Hancock E, Agouris I, et al. The response of the nucleus pulposus of the lumbar intervertebral discs to functionally loaded positions. Spine. 2007;32(14):1508–12. [PubMed]
17. Chaitow L. Técnicas de energia muscular. 3rd ed. Edimburgo: Churchill Livingstone; 2006.
18. O’Sullivan P. It’s time for change with the management of non-specific chronic low back pain. Br J Sports Med. 2012;46:224–27. [PubMed]
19. Boocock MG, Jackson JA, Burton AK, et al. Continuous measurement of lumbar posture using flexible electrogoniometers. Ergonomics. 1994;37:175–85. [PubMed]
20. Lewandowski J. Formação de curvaturas fisiológicas e mobilidade segmentar da coluna vertebral humana com idade entre 3 e 25 anos em estudos eletrogoniométricos. 1st ed. Poznan: AWF Poznan; 2006.
21. Szulc P, Lewandowski J, Marecki B. Verification of selected anatomic landmarks used as reference points for universal goniometer positioning during knee joints mobility range measurements. Med Sci Monit. 2001;7:312–15. [PubMed]
22. Fairbank JC, Pynsent PB. The Oswestry disability index. Spine. 2000;25:2940–52. [PubMed]
23. Hicks GE, Manal TJ. Psychometric properties of commonly used low back disability questionnaires: are they useful for older adults with low back pain? Pain Med. 2009;10:85–94. [PMC free article] [PubMed]
24. Mudgalkar N, Bele SD, Valsangkar S, et al. Utility of numerical and visual analog scales for evaluating the post-operative pain in rural patients. Indian J Anaesth. 2012;56:553–57. [PMC free article] [PubMed]
25. Fazey PJ, Takasaki H, Singer KP. Nucleus pulposus deformation in response to lumbar spine lateral flexion: an in vivo MRI investigation. Eur Spine J. 2010;19(11):1115–20. [PMC free article] [PubMed]
26. Wilson E, Payton O, Donegan-Shoaf L, et al. Muscle energy technique in patients with acute low back pain: a pilot clinical trial. J Orthop Sports Phys Ther. 2003;33:502–12. [PubMed]
27. Bronfort G, Goldsmith CH, Nelson CF, et al. Trunk exercise combined with spinal manipulative or NSAID therapy for chronic low back pain: a randomized, observer-blinded clinical trial. J Manipulative Physiol Ther. 1996;19:570–82. [PubMed]
28. Bybee RF, Olsen DL, Cantu-Boncser G, et al. Centralization of symptoms and lumbar range of motion in patients with low back pain. Physiother Theory Pract. 2009;25:257–67. [PubMed]
29. Chen J, Phillips A, Ramsey M, et al. A case study examining the effectiveness of mechanical diagnosis and therapy in a patient who met the clinical prediction rule for spinal manipulation. J Man Manip Ther. 2009;17:216–20. [PMC free article] [PubMed]
30. Garcia AN, Gondo FL, Costa RA, et al. Effects of two physical therapy interventions in patients with chronic non-specific low back pain: feasibility of a randomized controlled trial. Rev Bras Fisioter. 2011;15:420–27. [PubMed]
31. Hosseinifar M, Akbari M, Behtash H, et al. The effects of stabilization and Mckenzie exerciseson transverse abdominis and multifidus muscle thickness, pain, and disability: A randomized controlled trial in nonspecific chronic low back pain. J Phys Ther Sci. 2012;25:1541–45. [PMC free article] [PubMed]
32. Mbada CE, Ayanniyi O, Ogunlade SO, et al. Influência do protocolo de Mckenzie e dois modos de exercícios de resistência na qualidade de vida relacionada à saúde de pacientes com dor lombar mecânica de longa duração. Pan Afr Med J. 2014; 17 (Supp 1): 5. [Artigo gratuito do PMC] [PubMed]
33. Garcia AN, da Cunha Menezes Costa L, Hancock MJ, et al. Efficacy of the McKenzie method in patients with chronic nonspecific low back pain: a protocol of randomized placebo-controlled trial. Phys Ther. 2015;95:267–73. [PubMed]
34. Schenk RJ, Jozefczyk C, Kopf A. A randomized trial comparing interventions in patients with lumbar posterior derangement. J Man Manip Ther. 2003;11:95–102.
35. Takasaki H, May S, Fazey PJ, et al. Nucleus pulposus deformation following application of mechanical diagnosis and therapy: a single case report with magnetic resonance imaging. J Man Manip Ther. 2010;18:153–58. [PMC free article] [PubMed]
36. Williams B, Vaughn D, Holwerda T. A mechanical diagnosis and treatment (MDT) approach for a patient with discogenic low back pain and a relevant lateral component: a case report. J Man Manip Ther. 2011;19:113–18. [PMC free article] [PubMed]
37. Chugh R, Kalra S, Sharma N, et al. Effects of muscle energy techniques and its comparison to self stretch of bilateral ankle plantarflexors on performance of balance scores in healthy elderly subjects. Physiother Occup Ther J. 2011;4:61–71.
38. Fryer G, Ruszkowski W. The influence of contraction duration in muscle energy technique applied to the atlanto-axial joint. J Osteopath Med. 2004;7:79–84.
39. Fryer G, Pearce AJ. The effect of muscle energy technique on corticospinal and spinal reflex excitability in asymptomatic participants. J Bodyw Mov Ther. 2013;17(4):440–47. [PubMed]
40. Gugliotti M. The use of mobilization, muscle energy technique, and soft tissue mobilization following a modified radical neck dissection of a patient with head and neck cancer. Rehabil Oncol. 2011;29:3–8.
41. K???k?en S, Yilmaz H, Sall? A, U?urlu H. Muscle energy technique versus corticosteroid injection for management of chronic lateral epicondylitis: Randomized controlled trial with 1-year follow-up. Arch Phys Med Rehabil. 2013;94:2068–74. [PubMed]
42. Moore SD, Laudner KG, McLoda TA, et al. The immediate effects of muscle energy technique on posterior shoulder tightness: a randomized controlled trial. J Orthop Sports Phys Ther. 2011;41:400–7. [PubMed]
43. Rajadurai V. The effect of muscle energy technique on temporomandibular joint dysfunction: a randomized clinical trail. Asian J Sci Res. 2011;4:71–77.
44. Shadmehr A, Hadian MR, Naiemi SS, et al. Hamstring flexibility in young women following passive stretch and muscle energy technique. J Back Musculoskelet Rehabil. 2009;22:143–48. [PubMed]
45. Day JM, McKeon P, Nitz A. The efficacy of cervical/thoracic active range of motion for detecting changes associated with individuals receiving muscle energy techniques. Phys Ther Rev. 2010;15:453–61.
46. Day JM, Nitz AJ. The effect of muscle energy techniques on disability and pain scores in individuals with low back pain. J Sport Rehabil. 2012;21:194–98. [PubMed]
47. Zaproudina N, Hietikko T, Hanninen OO, et al. Effectiveness of traditional bone setting in treating chronic low back pain: a randomised pilot trial. Complement Ther Med. 2009;17:23–28. [PubMed]

 

 

Tópicos Adicionais: Ciática

 

A ciática é referida como uma coleção de sintomas ao invés de um único tipo de lesão ou condição. Os sintomas são caracterizados como dor radiante, entorpecimento e sensações de formigamento do nervo ciático na região lombar, descer as nádegas e as coxas e através de uma ou ambas as pernas e nos pés. A ciática é geralmente o resultado de irritação, inflamação ou compressão do maior nervo no corpo humano, geralmente devido a uma hérnia de disco ou esporão ósseo.

 

 

TÓPICO IMPORTANTE: EXTRA EXTRA: Tratamento da dor ciática

 

 

Publicações Recentes

A gordura da barriga pode causar dores nas costas e lesões

A gordura da barriga é uma porta de entrada para dores nas costas / problemas na coluna que podem levar a vários problemas de saúde ... Saiba mais

22 Abril , 2021

Expressão gênica, SNPs e recuperação de lesões

A atividade física tem um forte impacto na composição corporal. Composição corporal e métodos específicos ... Saiba mais

22 Abril , 2021

Dor ciática e melhora dos sintomas

Determinar se a dor ciática e os sintomas estão apresentando melhora pode ser tão simples quanto a dor significativamente ... Saiba mais

22 Abril , 2021

Acidentes de ATV, lesões e tratamento / reabilitação de Quiropraxia

Muitos indivíduos gostam de andar de veículos todo-o-terreno ou ATVs. É um passatempo divertido e ... Saiba mais

21 Abril , 2021

Apnéia do sono e dor nas costas

Boa parte da população sofre de dores noturnas nas costas. Mas tem outro ... Saiba mais

19 Abril , 2021

Estresse e ansiedade relacionados a lesões tratadas com tratamento quiroprático

Passar por acidentes traumáticos que resultam em lesões pode causar estresse relacionado a lesões e ansiedade por ... Saiba mais

16 Abril , 2021

Especialista em lesões, traumatismos e reabilitação da coluna vertebral

Histórico e registro online 🔘
Ligue-nos hoje 🔘