Cannabidiol para Tratamento e Prevenção de Distúrbios do Movimento

Partilhar

Um surpreendente milhão de americanos tem a doença de Parkinson, tornando-se o segundo distúrbio neurodegenerativo mais comum após a doença de Alzheimer. Isso afeta mais pessoas do que aquelas influenciadas por outros distúrbios do movimento, como a ELA, a distrofia muscular ou a esclerose múltipla, combinadas. Caracterizado por tremores involuntários e debilitante dor crônica, distúrbios do movimento são incrivelmente dolorosos. Eles afetam o bem-estar de um indivíduo, o que dificulta a interação social, e os medicamentos e / ou medicamentos caros podem, muitas vezes, despencar as circunstâncias do paciente.

O problema é que não há cura conhecida para distúrbios do movimento. Pior ainda, ninguém sabe como evitá-los. Não só as pessoas sofrem com eles, eles também têm que confiar em abordagens de tratamento com efeitos colaterais duros para o resto de suas vidas. No entanto, há um novo tratamento na vanguarda da pesquisa sobre distúrbios do movimento, o óleo de CBD. Os resultados são nada menos que milagrosos, reduzindo os tremores e diminuindo a dor. CBD é uma abreviação de óleo de canabidiol. Criado com um processo de extração utilizando a planta de maconha ou cânhamo. A extração da CBD oferece ao consumidor os incríveis benefícios médicos, sem os efeitos do THC. Como não há propriedades psicodélicas no CBD, estudos demonstraram que é completamente seguro para o consumo. O objetivo do artigo abaixo é demonstrar e discutir canabidiol como uma estratégia promissora para tratar e prevenir distúrbios do movimento.

O canabidiol como uma estratégia promissora para tratar e prevenir distúrbios do movimento?

Abstrato

Distúrbios do movimento, como a doença de Parkinson e a discinesia, são condições altamente debilitantes ligadas ao estresse oxidativo e à neurodegeneração. Quando disponíveis, as terapias farmacológicas para esses transtornos ainda são principalmente sintomáticas, não beneficiam todos os pacientes e induzem efeitos colaterais graves. O canabidiol é um composto não psicotomimético da Cannabis sativa que apresenta efeitos antipsicóticos, ansiolíticos, antiinflamatórios e neuroprotetores. Embora os estudos que investigam os efeitos deste composto nos distúrbios do movimento sejam surpreendentemente poucos, o canabidiol surge como um composto promissor para tratar e / ou preveni-los. Aqui, revisamos esses estudos clínicos e pré-clínicos e chamamos a atenção para o potencial do canabidiol nesse campo.

Palavras-chave: canabidiol, distúrbios do movimento, doença de Parkinson, doença de Huntington, distúrbios distônicos, canabinoides

Canabidiol (CBD)

O canabidiol (CBD) é um dos fitocanabinóides 100 mais identificados na Cannabis sativa (ElSohly e Gul, 2014), e constitui até 40% do extrato da planta, sendo o segundo componente mais abundante (Grlic, 1976). O CBD foi isolado pela primeira vez da maconha em 1940 por Adams et al. (1940) e sua estrutura foi elucidada em 1963 por Mechoulam e Shvo (1963). Dez anos depois, Perez-Reyes et al. (1973) relatou que, diferentemente do principal constituinte da cannabis Δ9-tetrahidrocanabinol (Δ9-THC), o CBD não induz efeitos psicológicos, levando à sugestão de que o CBD era uma droga inativa. No entanto, estudos subsequentes demonstraram que o CBD modula os efeitos de Δ9-THC e exibe múltiplas ações no sistema nervoso central, incluindo efeitos antiepilépticos, ansiolíticos e antipsicóticos (Zuardi, 2008).

Curiosamente, o CBD não induz a tetrade canabinóide, a saber, hipomotilidade, catalepsia, hipotermia e antinocicepção. De fato, o CBD mitiga o efeito cataléptico de Δ9-THC (El-Alfy et al., 2010). Estudos clínicos e pré-clínicos apontaram para efeitos benéficos do CBD no tratamento de distúrbios do movimento. Os primeiros estudos investigaram as ações do CBD sobre distonia, com resultados encorajadores. Mais recentemente, os estudos têm focado nas doenças de Parkinson (DP) e Huntington (HD). Os mecanismos pelos quais a CBD exerce seus efeitos ainda não são completamente compreendidos, principalmente porque foram identificados vários alvos. Vale notar que o CBD apresenta ações antiinflamatórias e antioxidantes (Campos et al., 2016), e tanto a inflamação quanto o estresse oxidativo estão ligados à patogênese de vários distúrbios do movimento, como o TP (Farooqui e Farooqui, 2011; Niranjan, 2014) , HD (Sánchez-Lopez et al., 2012) e discinesia tardia (Zhang et al., 2007).

Vale ressaltar que, quando disponíveis, os tratamentos farmacológicos para esses distúrbios do movimento são principalmente sintomáticos e induzem efeitos colaterais significativos (Connolly e Lang, 2014; Lerner et al., 2015; Dickey e La Spada, 2017). No entanto, apesar de sua grande relevância clínica, os estudos avaliando o papel do CBD sobre a farmacoterapia dos distúrbios do movimento são surpreendentemente poucos. Aqui, vamos rever as evidências clínicas e pré-clínicas e chamar a atenção para o potencial da CBD neste campo.

Mecanismos de Ação da CBD

O CBD tem vários alvos moleculares e novos estão atualmente sendo descobertos. O CBD antagoniza a ação dos agonistas dos receptores CB1 e CB2, e sugere-se que atue como um agonista inverso desses receptores (Pertwee, 2008). Além disso, evidências recentes apontam para o CBD como um modulador alostérico negativo não competitivo de CB1 e CB2 (Laprairie et al., 2015; Martínez-Pinilla et al., 2017). O CBD é também um agonista do receptor vanilóide TRPV1 (Bisogno et al., 2001), e a administração prévia de um antagonista de TRPV1 bloqueia alguns dos efeitos do CBD (Long et al., 2006; Hassan e outros, 2014). Em paralelo, o CBD inibe a hidrólise enzimática e a captação da principal endocanabinóide anandamida (Bisogno et al., 2001), um agonista dos receptores CB1, CB2 e TRPV1 (Pertwee e Ross, 2002; Ross, 2003). O aumento nos níveis de anandamida induzidos pelo CBD parece mediar alguns de seus efeitos (Leweke et al., 2012). Além disso, em alguns paradigmas comportamentais, a administração de um inibidor do metabolismo da anandamida promove efeitos semelhantes ao CBD (Pedrazzi et al., 2015; Stern et al., 2017).

O CBD também demonstrou facilitar a neurotransmissão mediada pelo receptor da serotonina 5-HT1A. Foi inicialmente sugerido que o CBD atuaria como um agonista do 5-HT1A (Russo et al., 2005), mas os últimos relatórios propõem que esta interação pode ser alostérica ou através de um mecanismo indireto (Rock et al., 2012). Embora esta interação não esteja completamente elucidada, os efeitos do CBD múltiplo foram relatados como dependentes da ativação de 5-HT1A (Espejo-Porras et al., 2013; Gomes et al., 2013; Pazos et al., 2013; Hind et al., 2016 Sartim e outros, 2016; Lee e outros, 2017).

O receptor ativado por proliferador de peroxissoma γ (PPARγ) é um receptor nuclear envolvido no metabolismo de glicose e armazenamento de lipídios, e os ligantes de PPARγ têm sido relatados como exibindo ações anti-inflamatórias (O'Sullivan et al., 2009). Os dados mostram que o CBD pode ativar este receptor (O'Sullivan et al., 2009), e alguns dos efeitos do CBD são bloqueados pelos antagonistas do PPARγ (Esposito et al., 2011; Dos-Santos-Pereira et al., 2016; Hind et al., 2016). O CBD também regula positivamente o PPARγ em um modelo de camundongo de esclerose múltipla, um efeito sugerido para mediar as ações antiinflamatórias do CBD (Giacoppo et al., 2017b). Num modelo de rato da doença de Alzheimer, o CBD, através da interação com o PPARγ, estimula a neurogênese hipocampal, inibe a gliose reativa, induz um declínio nas moléculas pró-inflamatórias e, consequentemente, inibe a neurodegeneração (Esposito et al., 2011). Além disso, em um modelo in vitro da barreira hematoencefálica, o CBD reduz os níveis de permeabilidade aumentada induzidos por isquemia e VCAM-1 - ambos os efeitos são atenuados pelo antagonismo do PPARγ (Hind et al., 2016).

O CBD também antagoniza o receptor GPR55 acoplado à proteína G (Ryberg et al., 2007). O GPR55 tem sido sugerido como um novo receptor canabinóide (Ryberg et al., 2007), mas essa classificação é controversa (Ross, 2009). Atualmente, o fosfolipídio lisofosfatidilinositol (LPI) é considerado o ligante endógeno GPR55 (Morales e Reggio, 2017). Embora apenas alguns estudos relacionem o efeito do CBD à sua ação no GPR55 (Kaplan et al., 2017), vale ressaltar que o GPR55 tem sido associado com PD em modelo animal (Celorrio et al., 2017) e com crescimento axônico in vitro (Cherif et al., 2015).

Mais recentemente, o CBD foi descrito como agonista inverso dos receptores órfãos acoplados à proteína G GPR3, GPR6 e GPR12 (Brown et al., 2017; Laun e Song, 2017). GPR6 foi implicado em HD e PD. Em relação aos modelos animais de DP, a deficiência de GPR6 foi relacionada tanto à discinesia diminuída após a lesão de 6-OHDA (Oeckl et al., 2014) como ao aumento da sensibilidade à neurotoxicidade de MPTP (Oeckl e Ferger, 2016). Além disso, Hodges et al. (2006) descreveu diminuição da expressão de GPR6 no cérebro de pacientes em HD, em comparação ao controle. O GPR3 é sugerido como um biomarcador para o prognóstico da esclerose múltipla (Hecker et al., 2011). Além disso, GPR3, GPR6 e GPR12 foram implicados na sobrevivência celular e na superação de neurites (Morales et al., 2018).

CBD também foi relatado para atuar nas mitocôndrias. A administração crônica e aguda de CBD aumenta a atividade dos complexos mitocondriais (I, II, II-III e IV) e da creatina quinase no cérebro de ratos (Valvassori et al., 2013). Em um modelo de roedores de sobrecarga de ferro - que induz alterações patológicas que se assemelham a distúrbios neurodegenerativos - o CBD reverte a modificação epigenética induzida pelo ferro do DNA mitocondrial e a redução da atividade da succinato desidrogenase (da Silva et al., 2018). É digno de nota que vários estudos associam disfunções mitocondriais à fisiopatologia da DP (Ammal Kaidery e Thomas, 2018).

Em paralelo, vários estudos mostram ações anti-inflamatórias e antioxidantes do CBD (Campos et al., 2016). O tratamento com CBD diminui os níveis das citocinas pró-inflamatórias IL-1β, TNF-α, IFN-β, IFN-γ, IL-17 e IL-6 (Watzl et al., 1991; Weiss et al., 2006; Esposito e cols., 2007, 2011, Kozela e outros, 2010, Chen e outros, 2016, Rajan e outros, 2016, Giacoppo e outros, 2017b), e aumentam os níveis das citocinas anti-inflamatórias IL-2. 4 e IL-10 (Weiss e outros, 2006; Rajan e outros, 2016). Além disso, inibe a expressão de iNOS (Esposito et al., 2007; Pan et al., 2009; Chen e outros, 2016; Rajan e outros, 2016) e COX-2 (Chen e outros, 2016) induzida por mecanismos distintos. O CBD também apresenta propriedades antioxidantes, sendo capaz de doar elétrons sob um potencial de voltagem variável e prevenir o dano oxidativo induzido por hidroperóxido (Hampson et al., 1998). Em modelos de roedores de PD e HD, o CBD regula positivamente os níveis de mRNA da enzima antioxidante superóxido dismutase (Garcia-Arencibia et al., 2007; Sagredo et al., 2007). De acordo, o CBD diminui os parâmetros oxidativos em modelos in vitro de neurotoxicidade (Hampson e outros, 1998; Iuvone e outros, 2004; Mecha e outros, 2012). É de notar que os efeitos anti-inflamatórios e antioxidantes do CBD em macrófagos murinos estimulados por lipopolissacáridos são suprimidos por um antagonista de TRPV1 (Rajan et al., 2016). Também foi demonstrado que o CBD pode afetar a expressão de vários genes envolvidos na homeostase do zinco, sugerindo que esteja ligado às suas ações antiinflamatórias e antioxidantes (Juknat et al., 2012).

Os mecanismos de ação da CBD estão resumidos na Figura 1.

Doença de Parkinson (DP)

A DP está entre os distúrbios neurodegenerativos mais comuns, com uma prevalência que aumenta com a idade, afetando 1% da população acima de 60 anos (Tysnes e Storstein, 2017). A doença é caracterizada por comprometimento motor (hipocinesia, tremores, rigidez muscular) e sintomas não motores (por exemplo, distúrbios do sono, déficits cognitivos, ansiedade, depressão, sintomas psicóticos) (Klockgether, 2004).

A fisiopatologia da DP está principalmente associada à perda de neurônios dopaminérgicos mesencéfalos na substância negra compacta (SNpc), com consequente redução dos níveis de dopamina no estriado (Dauer e Przedborski, 2003). Quando os sintomas motores aparecem, cerca de 60% dos neurônios dopaminérgicos já está perdido (Dauer e Przedborski, 2003), dificultando um possível diagnóstico precoce. O tratamento mais eficaz e usado para a DP é a L-DOPA, um precursor da dopamina que promove um aumento no nível de dopamina no corpo estriado, melhorando os sintomas motores (Connolly e Lang, 2014). No entanto, após um tratamento a longo prazo, o efeito da L-DOPA pode ser instável, apresentando flutuações na melhoria dos sintomas (efeito on / off) (Jankovic, 2005; Connolly e Lang, 2014). Além disso, movimentos involuntários (nomeadamente discinesia induzida por L-DOPA) aparecem em aproximadamente 50% dos doentes (Jankovic, 2005).

O primeiro estudo com CBD em pacientes com TP teve como objetivo verificar os efeitos do CBD sobre os sintomas psicóticos. O tratamento com CBD durante 4 semanas diminuiu os sintomas psicóticos, avaliados pela Brief Psychiatric Rating Scale e pelo Parkinson Psychosis Questionnaire, sem piorar a função motora ou induzir efeitos adversos (Zuardi et al., 2009). Posteriormente, em uma série de casos com quatro pacientes com TP, verificou-se que o CBD é capaz de reduzir a frequência dos eventos relacionados ao transtorno de comportamento do sono REM (Chagas et al., 2014a). Além disso, embora não melhore a função motora dos pacientes com TP ou seu escore geral de sintomas, o tratamento com CBD para as semanas 6 melhora a qualidade de vida dos pacientes com DP (Chagas et al., 2014b). Os autores sugerem que esse efeito possa estar relacionado às propriedades ansiolíticas, antidepressivas e antipsicóticas do CBD (Chagas et al., 2014b).

Embora os estudos com pacientes com DP relatem efeitos benéficos do CBD somente sobre os sintomas não motores, o CBD tem mostrado prevenir e / ou reverter o aumento do comportamento de catalepsia em roedores. Quando administrado antes dos agentes catalépticos haloperidol (fármaco antipsicótico), L-nitro-N-arginina (inibidor não selectivo da sintase do óxido nítrico) ou WIN 55-212,2 (agonista dos receptores canabinóides), o CBD dificulta o comportamento cataléptico numa dose. modo dependente (Gomes et al., 2013). Um possível papel da ativação dos receptores de serotonina 5-HT1A nesta ação tem sido proposto, porque este efeito do CBD é bloqueado pelo pré-tratamento com o antagonista 5-HT1A WAY100635 (Gomes et al., 2013). De acordo, Sonego et al. (2016) mostrou que o CBD diminui a expressão da catalepsia induzida pelo haloperidol e da proteína c-Fos no estriado dorsal, também por um mecanismo dependente da ativação do 5-HT1A. Além disso, o CBD previne o aumento do comportamento de catalepsia induzido pela administração repetida de reserpina (Peres et al., 2016).

Além disso, estudos pré-clínicos em modelos animais de DP mostraram efeitos neuroprotetores do CBD. A injeção unilateral da toxina 6-hidroxidopamina (6-OHDA) no feixe do prosencéfalo medial promove a neurodegeneração de neurônios dopaminérgicos nigrostriatais, sendo usada para modelar a DP (Bové et al., 2005). Quando dentro da célula, a neurotoxina 6-OHDA oxida em peróxido de hidrogênio e paraquinona, causando a morte principalmente de neurônios catecolaminérgicos (Breese e Traylor, 1971; Bové et al., 2005). Essa neurodegeneração leva à depleção de dopamina e à diminuição da atividade da tirosina hidroxilase no caudate-putamen (Bové et al., 2005; Lastres-Becker et al., 2005). O tratamento com CBD durante as semanas 2 após a administração de 6-OHDA previne estes efeitos (Lastres-Becker et al., 2005). Em outro estudo, observou-se que os efeitos protetores do CBD após a lesão 6-OHDA são acompanhados pela elevação dos níveis de mRNA da enzima antioxidante Cu, Zn-superóxido dismutase na substância negra (Garcia-Arencibia et al., 2007). Os efeitos protetores do CBD neste modelo não parecem depender da ativação dos receptores CB1 (Garcia-Arencibia et al., 2007). Além de prevenir a perda de neurônios dopaminérgicos - avaliados pela imunocoloração da tirosina hidroxilase -, a administração de CBD após a lesão 6-OHDA atenua a ativação da microglia na substância negra (Garcia et al., 2011).

Em um estudo in vitro, o CBD aumentou a viabilidade de células tratadas com a neurotoxina N-metil-4-fenilpirimidina (MPP +), e preveniu o aumento da ativação de caspase-3 e diminuição nos níveis de fator de crescimento nervoso (NGF) (Santos et al., 2015). O tratamento com CBD também foi capaz de induzir a diferenciação celular mesmo na presença de MPP +, um efeito que depende dos receptores trkA (Santos et al., 2015). O MPP + é um produto da oxidação do MPTP que inibe o complexo I da cadeia respiratória em neurônios dopaminérgicos, causando uma morte neuronal rápida (Schapira et al., 1990; Meredith et al., 2008).

Dados de estudos clínicos e pré-clínicos estão resumidos nas Tabelas 1, 2, respectivamente.

Doença de Huntington (HD)

A DH é uma doença neurodegenerativa progressiva fatal caracterizada por disfunções motoras, perda cognitiva e manifestações psiquiátricas (McColgan e Tabrizi, 2018). A HD é causada pela inclusão de trinucleotídeos (CAG) nos exons do gene da huntingtina, no cromossomo 4 (MacDonald et al., 1993; McColgan e Tabrizi, 2018), e sua prevalência é 1-10,000 (McColgan e Tabrizi, 2018 ). A neurodegeneração na DH afeta principalmente a região do estriado (caudado e putâmen) e essa perda neuronal é responsável pelos sintomas motores (McColgan e Tabrizi, 2018). A degeneração cortical é vista em fases posteriores, e as inclusões de huntingtina são vistas em poucas células, mas em todos os pacientes com HD (Crook e Housman, 2011). O diagnóstico de HD é baseado em sinais motores acompanhados por evidências genéticas, que é um teste genético positivo para a expansão do gene da huntingtina ou história familiar (Mason e Barker, 2016; McColgan e Tabrizi, 2018).

A farmacoterapia da HD ainda é direcionada para o alívio sintomático da doença, ou seja, os distúrbios motores que se acredita serem devidos à hiperatividade dopaminérgica. Este tratamento é frequentemente realizado com antipsicóticos típicos e atípicos, mas em alguns casos é necessário o uso de agonistas dopaminérgicos (Mason e Barker, 2016; McColgan e Tabrizi, 2018). De fato, o papel da dopamina na DH ainda não está totalmente elucidado. Em relação aos déficits cognitivos, nenhuma das drogas investigadas foi capaz de promover melhorias (Mason e Barker, 2016; McColgan e Tabrizi, 2018).

Recentemente, tem havido um número crescente de estudos com o objetivo de verificar o potencial terapêutico dos compostos canabinóides no tratamento da HD, principalmente porque alguns canabinoides apresentam características hipocinéticas (Lastres-Becker et al., 2002). Em um ensaio clínico controlado, pacientes com HD foram tratados com CBD por 6 semanas. Não houve redução significativa nos indicadores de coreia, mas nenhuma toxicidade foi observada (Consroe et al., 1991).

Os efeitos protetores do CBD e outros canabinoides também foram avaliados em um modelo de cultura de células de HD, com células expressando huntingtina mutada. Neste modelo, a indução de huntingtina promove a morte celular rápida e extensa (Aiken et al., 2004). O CBD e os outros três compostos canabinóides testados - Δ8-THC, Δ9-THC e canabinol - apresentam proteção 51-84% contra a morte celular induzida pela huntingtina (Aiken et al., 2004). Estes efeitos parecem ser independentes da ativação da CB1, uma vez que a ausência de receptores CB1 foi relatada na PC12, a linhagem celular utilizada (Molderings et al., 2002). Os autores sugerem que os canabinoides exercem esse efeito protetor por mecanismos antioxidantes (Aiken et al., 2004).

Em estudos com modelos animais, o tratamento com ácido 3-nitropropiônico (3-NP), um inibidor do complexo II da cadeia respiratória, induz dano estriado - principalmente pela ativação da calpaina e lesão oxidativa - sendo sugerido como relevante para o estudo da DH (Brouillet et al., 2005). A administração subcrônica de 3-NP em ratos reduz o conteúdo de GABA e os níveis de mRNA de vários marcadores de projeções de neurônios GABAérgicos estriados (Sagredo et al., 2007). Além disso, 3-NP diminui os níveis de mRNA para as enzimas antioxidantes superóxido dismutase-1 (SOD-1) e -2 (SOD-2) (Sagredo et al., 2007). A administração de CBD reverte ou atenua essas alterações induzidas por 3-NP (Sagredo et al., 2007). Os efeitos neuroprotetores do CBD não são bloqueados pela administração de antagonistas dos receptores CB1, TRPV1 ou A2A (Sagredo et al., 2007).

Mais recentemente, estudos clínicos e pré-clínicos em HD começaram a investigar os efeitos do Sativex® (CBD em combinação com Δ9-THC em uma proporção aproximada de 1: 1). De acordo com o anteriormente visto apenas com CBD, a administração de Sativex atenua todas as alterações neuroquímicas, histológicas e moleculares induzidas por 3-NP (Sagredo et al., 2011). Estes efeitos não parecem estar ligados à ativação dos receptores CB1 ou CB2 (Sagredo et al., 2011). Os autores também observaram um efeito protetor do Sativex na redução do aumento da expressão do gene da iNOS induzido pelo malonato (Sagredo et al., 2011). A administração de malonato leva ao dano do estriado por apoptose e eventos inflamatórios relacionados à ativação glial, sendo usado como modelo agudo para a DH (Sagredo et al., 2011; Valdeolivas et al., 2012).

Em um estudo subsequente, observou-se que a administração de uma combinação tipo Sativex atenua todas as alterações induzidas pelo malonato, a saber: aumento do edema, diminuição do número de células sobreviventes, aumento do número de células degenerativas, forte ativação glial e aumento da expressão de células marcadores inflamatios (iNOS e IGF-1) (Valdeolivas et al., 2012). Embora os efeitos benéficos do Sativex na sobrevivência celular sejam bloqueados pelos antagonistas CB1 ou CB2, os receptores CB2 parecem ter um papel maior no efeito protetor observado (Valdeolivas et al., 2012).

Os efeitos benéficos do Sativex também foram descritos nos camundongos R6 / 2, um modelo transgênico de HD. O tratamento com uma combinação tipo Sativex, apesar de não reverter a deterioração do animal no desempenho do rotarod, atenua o comportamento de clapping elevado, que reflete a distonia (Valdeolivas et al., 2017). Além disso, o tratamento mitiga os camundongos R6 / 2 reduziu a atividade metabólica nos gânglios da base e algumas das alterações nos marcadores de integridade cerebral (Valdeolivas et al., 2017).

Apesar dos resultados encorajadores pré-clínicos com Sativex, um ensaio piloto com doentes 25 HD tratados com Sativex durante as semanas 12 não conseguiu detectar melhorias nos sintomas ou alterações moleculares nos biomarcadores (López-Sendón Moreno et al., 2016). No entanto, o Sativex não induziu efeitos adversos graves ou agravamento clínico (López-Sendón Moreno et al., 2016). Os autores sugerem que estudos futuros, com doses mais altas e / ou longos períodos de tratamento, sejam necessários. Mais recentemente, um estudo descreveu os resultados da administração de drogas canabinóides a pacientes 7 (2 deles foram tratados com Sativex; os outros receberam dronabinol ou nabilona, ​​agonistas dos receptores canabinoides): os pacientes apresentaram melhora no escore motor de UHDRS e distonia subescala (Saft et al., 2018).

As Tabelas 1, 2 resumem dados de estudos clínicos e pré-clínicos, respectivamente.

Insight do Dr. Alex Jimenez

Espasmos musculares involuntários, tremores e sacudidelas são movimentos incontroláveis, conhecidos como discinesia, que são os sintomas mais comuns de uma variedade de distúrbios do movimento. Distúrbios do movimento, muitas vezes não têm causa conhecida e estes são considerados sem cura. Como resultado, indivíduos com essas condições debilitantes precisam recorrer a medicamentos e / ou medicamentos para manter seus sintomas sob controle pelo resto de suas vidas. No entanto, vários estudos foram realizados para determinar a eficácia do CBD, ou canabidiol, para o tratamento e prevenção de distúrbios do movimento. Em um estudo, descobriu-se que o CBD diminui a dor e reduz a inflamação em pacientes com doença de Parkinson, sem os efeitos psicoativos do THC. Além disso, profissionais de saúde e pesquisadores estão tentando demonstrar mais benefícios de saúde do CBD em distúrbios do movimento.

Outros Distúrbios do Movimento

As distonias são o resultado do tônus ​​muscular anormal, causando contração involuntária dos músculos e resultando em movimentos repetitivos ou postura anormal (Breakefield et al., 2008). As distonias podem ser primárias, por exemplo, discinesia paroxística, ou secundárias a outras condições ou uso de drogas, como a discinesia tardia após o tratamento prolongado com drogas antipsicóticas (Breakefield et al., 2008).

Consroe et al. (1986) foram os primeiros a avaliar os efeitos do CBD sozinho em distúrbios do movimento. Neste estudo aberto, os cinco pacientes com distúrbios do movimento distônico apresentaram melhora dos sintomas distônicos quando tratados com CBD por 20 semanas. É importante ressaltar que dois pacientes com sinais simultâneos de DP apresentaram piora da hipocinesia e / ou tremor de repouso ao receber as doses mais altas de CBD. No entanto, deve-se notar que, em dois estudos mais recentes com pacientes com DP, não houve piora da função motora (Zuardi et al., 50; Chagas et al., 6b). De acordo, Sandyk et al. (2009) relataram melhora dos sintomas distônicos em dois pacientes - um com torcicolo espasmódico idiopático e um com distonia generalizada por torção - após tratamento agudo com CBD.

Os efeitos do CBD nos movimentos distônicos também foram avaliados em estudos pré-clínicos. Em um modelo de hamster de distonia paroxística idiopática, a maior dose de CBD mostrou uma tendência a retardar a progressão da distonia (Richter e Loscher, 2002). Além disso, o CBD previne o aumento dos movimentos de mastigação vazios, ou seja, discinesia, promovida pela administração repetida de reserpina (Peres et al., 2016). Os efeitos benéficos do CBD também são observados na discinesia induzida por L-DOPA em roedores, mas apenas quando o CBD é administrado com capsazepina, um antagonista dos receptores TRPV1 (Dos-Santos-Pereira et al., 2016). Estes efeitos parecem depender dos receptores CB1 e PPARγ (Dos-Santos-Pereira et al., 2016). Além disso, o tratamento com capsazepina e CBD diminui a expressão de marcadores inflamatórios, reforçando a sugestão de que as ações anti-inflamatórias do CBD podem ser benéficas para o tratamento da discinesia (Dos-Santos-Pereira et al., 2016).

Além disso, o Sativex tem sido utilizado no tratamento da espasticidade na esclerose múltipla. A espasticidade é um sintoma que afeta até 80% dos pacientes com esclerose múltipla e está associado a uma pior qualidade de vida (Flachenecker et al., 2014). Uma parcela significativa dos pacientes não responde às terapias antiespasmódicas convencionais, e algumas estratégias são invasivas, apresentando riscos de complicações (Flachenecker et al., 2014; Crabtree-Hartman, 2018). Dados recentes apontam para o Sativex como uma opção terapêutica válida e bem tolerada. O Sativex é capaz de tratar os espasmos, melhorando a qualidade de vida, e exibe uma baixa incidência de efeitos adversos (Giacoppo et al., 2017a).

Dados de estudos clínicos e pré-clínicos estão resumidos nas Tabelas 1, 2, respectivamente.

Efeitos de segurança e Side

Uma preocupação importante é se o CBD é uma estratégia terapêutica segura. Vários relatórios pré-clínicos e clínicos mostram que o CBD não altera parâmetros metabólicos e fisiológicos, como glicemia, níveis de prolactina, pressão arterial e frequência cardíaca. Além disso, o CBD não modifica o hematócrito, a contagem de leucócitos e eritrócitos e os níveis sanguíneos de bilirrubina e creatinina em humanos. O CBD também não afeta a osmolaridade da urina, o pH, os níveis de albumina e a contagem de leucócitos e eritrócitos. Além disso, estudos in vitro demonstram que o CBD não altera o desenvolvimento embrionário nem a vitalidade de linhas celulares não tumorais. Os efeitos colaterais mais relatados do CBD são cansaço, diarréia e alterações no apetite. O CBD não parece induzir tolerância. Para uma revisão ampla dos efeitos colaterais do CBD, ver Bergamaschi et al. (2011) e Iffland e Grotenhermen (2017).

No contexto de distúrbios do movimento com sintomas cognitivos concomitantes, como os discutidos aqui, é crucial avaliar os potenciais efeitos colaterais motores e cognitivos do CBD. O CBD não induz o comportamento da catalepsia em roedores - podendo até mesmo atenuar os efeitos de vários agentes catalépticos, como discutido acima (El-Alfy e outros, 2010; Gomes e outros, 2013; Peres e outros, 2016; Sonego e outros). al., 2016). De acordo, o CBD não induz efeitos extrapiramidais em humanos (Leweke et al., 2012).

Com relação aos efeitos cognitivos, estudos relatam que o CBD não prejudica a cognição, sendo até capaz de melhorá-lo em algumas condições. Dados pré-clínicos mostram que o CBD restaura o déficit na nova tarefa de reconhecimento de objeto em camundongos tratados com MK-801 (um protocolo usado para modelar a esquizofrenia) (Gomes et al., 2015), em ratos submetidos à sobrecarga de ferro neonatal (Fagherazzi et al., 2012), num modelo de murganhos transgicos para doen de Alzheimer (Cheng et al., 2014) e num modelo de murganho para malia cerebral (Campos et al., 2015). O CBD também reverte o reconhecimento social prejudicado em um modelo murino para a doença de Alzheimer (Cheng et al., 2014) e restaura os déficits no labirinto aquático de Morris - uma tarefa que avalia a aprendizagem espacial - em modelos de roedores para a doença de Alzheimer (Martín-Moreno e cols. ., 2011), isquemia encefálica (Schiavon et al., 2014) e malária cerebral (Campos et al., 2015). Além disso, estudos demonstram que o CBD, por si só, não modifica o desempenho dos animais em tarefas cognitivas (Osborne et al., 2017; Myers et al., 2018) e não induz a abstinência após tratamento prolongado (Myers et al., 2018). De acordo, em um ensaio clínico recente usando CBD como uma terapia adjunta para a esquizofrenia, o grupo CBD apresentou uma melhora cognitiva maior (avaliada pelo BACS - Breve Avaliação da Cognição na Esquizofrenia), embora tenha pouca significância (McGuire et al., 2018) . O CBD também melhora o reconhecimento de emoções faciais em usuários de cannabis (Hindocha et al., 2015).

Vale ressaltar que, em alguns casos, particularmente em relação à esclerose múltipla e estudos clínicos em HD, o TCC, por si só, não parece ser benéfico. No entanto, quando o CBD é administrado com Δ9-THC em uma razão 1: 1, os efeitos terapêuticos são observados. Portanto, também é importante avaliar as interações entre CBD e Δ9-THC, bem como os efeitos adversos dessa mistura. Vários relatos apontam para efeitos deletérios do Δ9-THC na cognição humana, principalmente na memória e no processamento emocional (Colizzi e Bhattacharyya, 2017). Por outro lado, estudos revelam que o CBD pode neutralizar os efeitos cognitivos prejudiciais do Δ9-THC em roedores e macacos (Wright et al., 2013; Jacobs et al., 2016; Murphy et al., 2017). No entanto, esse efeito protetor depende das doses, do intervalo entre o CBD e a administração de Δ9-THC, bem como do paradigma comportamental utilizado. De fato, alguns estudos pré-clínicos não observam o efeito protetor do CBD contra os efeitos cognitivos Δ9-THC (Wright et al., 2013; Jacobs et al., 2016) ou até mesmo mostram que o CBD pode potencializá-los (Hayakawa et al. ., 2008). Evidência clínica limitada indica que o CBD não piora os efeitos cognitivos Δ9-THC e, dependendo da dose, pode proteger contra eles (Colizzi e Bhattacharyya, 2017; Englund et al., 2017; Osborne et al., 2017). Estudos clínicos múltiplos com Sativex não observaram efeitos adversos motores ou cognitivos (Aragona et al., 2009; Rekand, 2014; López-Sendón Moreno e outros, 2016; Russo e outros, 2016). No entanto, um recente estudo aberto comparou pacientes com esclerose múltipla que continuaram o tratamento com Sativex para aqueles que abandonaram e relataram pior equilíbrio e diminuição no desempenho cognitivo nos continuadores (Castelli et al., 2018). De acordo com esses achados, em um estudo observacional com uma grande população de pacientes italianos com esclerose múltipla, foram observados distúrbios cognitivos / psiquiátricos em 3.9% dos casos (Patti et al., 2016).

Conclusões

Os dados revisados ​​aqui apontam para um papel protetor do CBD no tratamento e / ou prevenção de alguns distúrbios do movimento. Embora os estudos sejam escassos, o CBD parece ser eficaz no tratamento de movimentos distônicos, tanto primários quanto secundários. Vale ressaltar que, em alguns casos, particularmente em relação à esclerose múltipla e à DH, os efeitos benéficos clínicos são observados apenas quando o CBD é combinado com Δ9-THC em uma razão 1: 1 (Sativex). De fato, esses efeitos terapêuticos são provavelmente devidos a Δ9-THC, uma vez que também são observados com outros agonistas canabinoides (Curtis et al., 2009; Nielsen et al., 2018; Saft et al., 2018). No entanto, o CBD é mostrado para diminuir os efeitos indesejados de Δ9-THC, tais como sedação, problemas de memória e psicose (Russo e Guy, 2006). Os dados sobre HD são escassos, mas os resultados do uso do Sativex na esclerose múltipla são encorajadores. As revisões do uso clínico desse composto na última década apontam para eficácia no tratamento da espasticidade, bem como melhora na qualidade de vida, com baixa incidência de efeitos adversos (Giacoppo et al., 2017a).

Em relação à DP, embora os estudos pré-clínicos sejam promissores, os poucos estudos com pacientes não conseguiram detectar a melhora dos sintomas motores após o tratamento com CBD. Existe uma diferença significativa entre os estudos clínicos e pré-clínicos de DP. Em animais, os efeitos benéficos são observados quando o CBD é administrado antes ou imediatamente após a manipulação que induz os sintomas do tipo PD. É digno de nota, quando o tratamento com CBD começa 1 semana após a lesão com 6-OHDA, os efeitos protetores não são vistos (Garcia-Arencibia et al., 2007). Esses dados sugerem que os CBDs podem ter um papel preventivo em vez de terapêutico na DP. Na prática clínica, a DP é diagnosticada subsequentemente ao surgimento de sintomas motores - que aparecem até 10 anos após o início da neurodegeneração e o aparecimento de sintomas não motores (Schrag et al., 2015). Quando o diagnóstico ocorre, aproximadamente 60% dos neurônios dopaminérgicos já foi perdido (Dauer e Przedborski, 2003). O fato de que em ensaios clínicos o CBD é administrado somente após essa progressão substancial da doença pode explicar os resultados conflitantes. Infelizmente, o diagnóstico precoce da DP continua sendo um desafio, dificultando a implementação de estratégias preventivas. O desenvolvimento de critérios diagnósticos capazes de detectar a DP em estágios iniciais provavelmente expandiria as aplicações da CDB nessa doença.

Os mecanismos moleculares associados à melhora dos distúrbios motores no CBD são provavelmente multifacetados. Os dados mostram que pode depender das ações do CBD nos receptores 5-HT1A, CB1, CB2 e / ou PPARγ. Além disso, todos os distúrbios do movimento estão, de alguma forma, ligados ao estresse oxidativo e à inflamação, e o CBD tem apresentado um perfil antioxidante e anti-inflamatório, in vitro e em modelos animais para anormalidades de movimento.

Os estudos que investigam o papel do CBD no tratamento de distúrbios do movimento são poucos. Além disso, diferenças na dose e duração do tratamento, bem como no estágio da doença (por exemplo, os pacientes com DP são tratados apenas em um estágio avançado da doença) entre esses estudos (mostrados em detalhes na Tabela Table1) 1) limitar a generalização do efeito positivo da CBD e pode explicar os resultados conflitantes. Não obstante, o perfil neuroprotetor benéfico do CBD adicionado aos resultados preliminares descritos aqui é encorajador. Sem dúvida, futuras investigações são necessárias para endossar esses dados iniciais e elucidar os mecanismos envolvidos no potencial preventivo e / ou terapêutico do TCC em distúrbios do movimento.

Introdução ao sistema endocanabinóide

Desde que você leu o artigo sobre os efeitos do canabidiol nos distúrbios do movimento, uma coisa ficará rapidamente evidente: a cannabis tem uma influência profunda no corpo humano. Essa erva e sua própria variedade de produtos químicos terapêuticos parecem afetar todos os aspectos do cérebro e do corpo. No entanto, como isso é possível? Há um sistema no corpo humano do qual muitos indivíduos não têm consciência nem sabem quão importantes são suas funções: o sistema endocanabinoide.

O que é o sistema endocanabinóide?

O sistema canabinóide endógeno, ou o sistema canabinóide, nomeado após a planta que resultou em sua descoberta, é possivelmente o mais importante sistema fisiológico envolvido no estabelecimento e manutenção da saúde humana. Endocanabinóides e seus receptores são encontrados em todo o corpo: no cérebro, órgãos, tecidos conjuntivos, glândulas e células do sistema imunológico. Em cada tecido, o sistema endocanabinóide executa várias tarefas, mas o objetivo é sempre o mesmo: a homeostase, a manutenção de um ambiente interno estável, apesar das mudanças no ambiente externo.

Os canabinóides promovem a homeostase em todos os níveis da vida biológica, desde o sub-celular, no organismo, e possivelmente na comunidade e mais. Aqui está um exemplo: a autofagia, um processo em que uma célula sequestra parte de seu conteúdo para ser auto-digerida e reciclada, é mediada pelo sistema endocanabinóide. Enquanto este procedimento mantém as células normais vivas, permitindo-lhes manter um equilíbrio entre a síntese, degradação e posterior reciclagem de produtos celulares, tem um efeito fatal sobre as células tumorais cancerígenas, levando-as a consumirem-se num suicídio celular programado. A morte das células cancerígenas, evidentemente, promove a homeostase e a sobrevivência no nível de todo o organismo.

Os endocanabinóides e os canabinóides também são encontrados na interseção dos vários sistemas do corpo, permitindo a comunicação e a coordenação entre diferentes tipos de células. No caso de uma lesão, por exemplo, os canabinóides estão disponíveis diminuindo a descarga de ativadores e sensibilizadores no tecido lesionado, estabilizando a célula nervosa para impedir o disparo excessivo e acalmando as células imunes próximas para evitar a descarga de substâncias pró-inflamatórias. Três mecanismos diferentes de ação em três tipos de células distintas para uma finalidade: minimizar a dor e os danos causados ​​pela lesão.

O sistema endocanabinoide, usando suas atividades complicadas em nosso sistema imunológico, sistema nervoso e todos os órgãos do corpo, é literalmente uma ponte entre o cérebro e o corpo. Compreendendo esse sistema, começamos a observar um mecanismo que explica como os estados de consciência podem promover doenças ou saúde.

Juntamente com a regulação da homeostase celular e interna do corpo humano, os canabinóides afetam a conexão do indivíduo com o ambiente externo. Socialmente, o manejo dos canabinóides muda claramente o comportamento humano, promovendo frequentemente o compartilhamento, a comédia e a imaginação. Ao mediar a neurogênese, a plasticidade neuronal e a aprendizagem, os canabinóides podem afetar diretamente a mente aberta e a capacidade de uma pessoa de ultrapassar os padrões limitantes de pensamento e comportamento de cenários passados. Reformatar esses padrões antigos é uma parte essencial da saúde em nosso ambiente em rápida mudança. Além disso, o artigo acima descobriu que o CBD parece ser uma opção de tratamento eficaz para os movimentos distônicos, tanto primários quanto secundários, embora sejam necessários estudos adicionais de pesquisa. A pesquisa do CBD tem sido controversa, no entanto, mais e mais estudos estão começando a demonstrar os benefícios para a saúde do canabidiol. Informações referenciadas do Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia (NCBI). O escopo de nossa informação é limitado a quiropraxia, bem como lesões e condições da coluna vertebral. Para discutir o assunto, sinta-se à vontade para perguntar ao Dr. Jimenez ou entrar em contato conosco 915-850-0900 .

Curated pelo Dr. Alex Jimenez

Adams R., Hunt M., Clark J. (1940). Estrutura do canabidiol, um produto isolado do extrato de maconha do cânhamo selvagem de Minnesota. IJ Am. Chem. Soc. 62, 196 – 200. 10.1021 / ja01858a058 [referência cruzada]
Aiken CT, Tobin AJ, Schweitzer ES (2004). Um rastreio baseado em células para medicamentos para tratar a doença de Huntington. Neurobiol. Dis. 16, 546 – 555. 10.1016 / j.nbd.2004.04.001 [PubMed] [referência cruzada]
Ammal Kaidery N., Thomas B. (2018). Perspectiva atual da biologia mitocondrial na doença de Parkinson. Neurochem. Int. [Epub ahead of print]. 10.1016 / j.neuint.2018.03.001 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Aragona M., E. Onesti, Tomassini V., Conte A., Gupta S., Gilio F., et al. . (2009) Efeitos psicopatológicos e cognitivos de canabinoides terapêuticos na esclerose múltipla: um estudo duplo-cego, controlado por placebo, cruzado. Clin. Neuropharmacol. 32, 41 – 47. 10.1097 / WNF.0B013E3181633497 [PubMed] [referência cruzada]
Bergamaschi MM, Queiroz RH, Zuardi AW, Crippa JA (2011). Segurança e efeitos colaterais do canabidiol, um constituinte da Cannabis sativa. Curr. Drug Saf. 6, 237 – 249. 10.2174 / 157488611798280924 [PubMed] [referência cruzada]
Bisogno T., Hanus L., De Petrocellis L., Tchilibon S., Ponde DE, Brandi I., et al. . (2001) Alvos moleculares para canabidiol e seus análogos sintéticos: efeito sobre receptores vanilóides VR1 e sobre a captação celular e hidrólise enzimática da anandamida. Fr. J. Pharmacol. 134, 845 – 852. 10.1038 / sj.bjp.0704327 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Bové J., Prou ​​D., Perier C., Przedborski S. (2005). Modelos induzidos por toxinas da doença de Parkinson. NeuroRx 2, 484 – 494. 10.1602 / neurorx.2.3.484 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Breakefield XO, sangue AJ, Li Y., Hallett M., Hanson PI, Standaert DG (2008). Bases fisiopatológicas das distonias Nat. Rev. Neurosci. 9, 222 – 234. 10.1038 / nrn2337 [PubMed] [referência cruzada]
Breese GR, Traylor TD (1971). Depleção de noradrenalina e dopamina no cérebro pela 6-hidroxidopamina. Fr. J. Pharmacol. 42, 88 – 99. 10.1111 / j.1476-5381.1971.tb07089.x [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Brouillet E., Jacquard C., Bizat N., Blum D. (2005). Ácido 3-Nitropropiônico: uma toxina mitocondrial para descobrir mecanismos fisiopatológicos subjacentes à degeneração do corpo estriado na doença de Huntington. J. Neurochem. 95, 1521 – 1540. 10.1111 / j.1471-4159.2005.03515.x [PubMed] [referência cruzada]
Brown KJ, Laun AS, Canção ZH (2017). Canabidiol, um novo agonista inverso para GPR12. Biochem. Biofísica Res. Comum. 493, 451 – 454. 10.1016 / j.bbrc.2017.09.001 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Campos AC, Brant F., Miranda AS, Machado FS, Teixeira AL (2015). O canabidiol aumenta a sobrevivência e promove o resgate da função cognitiva em um modelo murino de malária cerebral. Neurociência 289, 166 – 180. 10.1016 / j.neuroscience.2014.12.051 [PubMed] [referência cruzada]
Campos AC, Fogaca MV, Sonego AB, Guimarães FS (2016). Canabidiol, neuroproteção e distúrbios neuropsiquiátricos. Pharmacol. Res. 112, 119 – 127. 10.1016 / j.phrs.2016.01.033 [PubMed] [referência cruzada]
Castelli L., Prosperini L., Pozzilli C. (2018). Agravamento do equilíbrio associado aos nabiximóis na esclerose múltipla. Mult. Scler. J. [Epub ahead of print]. 10.1177 / 1352458518765649 [PubMed] [referência cruzada]
Celorrio M., E. Rojo-Bustamante, Fernandez-Suarez D., Saez E., Estella-Hermoso de Mendoza A., Muller CE, et al. . (2017) GPR55: um alvo terapêutico para a doença de Parkinson? Neurofarmacologia 125, 319 – 332. 10.1016 / j.neuropharm.2017.08.017 [PubMed] [referência cruzada]
Chagas MH, Eckeli AL, Zuardi AW, Peña Pereira, MA SobreiraNeto, Sobreira ET, et al. . (2014a). O canabidiol pode melhorar comportamentos complexos relacionados ao sono associados ao distúrbio comportamental do sono de movimento rápido dos olhos em pacientes com doença de Parkinson: uma série de casos. J. Clin. Pharm. Ther. 39, 564 – 566. 10.1111 / jcpt.12179 [PubMed] [referência cruzada]
Chagas MH, Zuardi AW, Tumas V., Peña Pereira-MA, Sobreira ET, Bergamaschi MM, et al. . (2014b) Efeitos do canabidiol no tratamento de pacientes com doença de Parkinson: um estudo duplo-cego exploratório. J. Psychopharmacol. 28, 1088 – 1098. 10.1177 / 0269881114550355 [PubMed] [referência cruzada]
Chen J., Hou C., Chen X., Wang D., Yang P., He X., et al. (2016) Efeito protetor do canabidiol na apoptose induzida por peróxido de hidrogênio, inflamação e estresse oxidativo em células do núcleo pulposo. Mol. Med. Rep. 14, 2321 – 2327. 10.3892 / mmr.2016.5513 [PubMed] [referência cruzada]
Cheng D., Low JK, Logge W., Garner B., Karl T. (2014). O tratamento crônico com canabidiol melhora o reconhecimento social e de objetos em camundongos transgênicos duplos APPswe / PS1E9. Psicofarmacologia 231, 3009-3017. 10.1007 / s00213-014-3478-5 [PubMed] [referência cruzada]
Cherif H., Argaw A., Cecyre B., Bouchard A., J. Gagnon, Javadi P., et al. . (2015) Papel do GPR55 durante o crescimento do axônio e inervação do alvo. eNeuro 2: ENEURO.0011-15.2015. 10.1523 / ENEURO.0011-15.2015 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Colizzi M., Bhattacharyya S. (2017). A composição da cannabis é importante? efeitos diferenciais do delta-9-tetrahidrocanabinol e canabidiol na cognição humana. Curr. Viciado. Rep. 4, 62 – 74. 10.1007 / 40429-017-0142-2 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Connolly BS, Lang AE (2014). Tratamento farmacológico da doença de Parkinson: uma revisão. JAMA 311, 1670 – 1683. 10.1001 / jama.2014.3654 [PubMed] [referência cruzada]
Consroe P., Laguna J., Allender J., Snider S., Stern L., Sandyk R., et al. . (1991) Ensaio clínico controlado de canabidiol na doença de Huntington. Pharmacol. Biochem. Behav. 40, 701 – 708. 10.1016 / 0091-3057 (91) 90386-G [PubMed] [referência cruzada]
Consroe P., Sandyk R., Snider SR (1986). Avaliação aberta do canabidiol em distúrbios do movimento distônico. Int. J. Neurosci. 30, 277 – 282. 10.3109 / 00207458608985678 [PubMed] [referência cruzada]
Crabtree-Hartman E. (2018). Gerenciamento avançado de sintomas na esclerose múltipla. Neurol Clin. 36, 197 – 218. 10.1016 / j.ncl.2017.08.015 [PubMed] [referência cruzada]
Crook ZR, Housman D. (2011). Doença de Huntington: os ratos podem liderar o caminho para o tratamento? Neurônio 69, 423 – 435. 10.1016 / j.neuron.2010.12.035 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Curtis A., Mitchell I., Patel S., Ives N., Rickards H. (2009). Um estudo piloto utilizando nabilona para tratamento sintomático na doença de Huntington. Mov. Desordem. 24, 2254 – 2259. 10.1002 / mds.22809 [PubMed] [referência cruzada]
da Silva VK, de Freitas BS, Dornelles VC, Kist LW, Sr. Bogo MR, Silva MC, et al. . (2018) Novos insights sobre alvos moleculares mitocondriais de neurodegeneração induzida por ferro: reversão pelo canabidiol. Cérebro Res. Touro. 139, 1 – 8. 10.1016 / j.brainresbull.2018.01.014 [PubMed] [referência cruzada]
Dauer W., Przedborski S. (2003). Doença de Parkinson: mecanismos e modelos. Neurônio 39, 889 – 909. 10.1016 / S0896-6273 (03) 00568-3 [PubMed] [referência cruzada]
Dickey AS, La Spada AR (2017). Desenvolvimento da terapia na doença de Huntington: das estratégias atuais às oportunidades emergentes. Sou. J. Med. Genet Um 176, 842 – 861. 10.1002 / ajmg.a.38494 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Dos Santos-Pereira M., da Silva-CA, Guimarães FS, Del-Bel E. (2016). A co-administração de canabidiol e capsazepina reduz a discinesia induzida por L-DOPA em camundongos: possível mecanismo de ação. Neurobiol. Dis. 94, 179 – 195. 10.1016 / j.nbd.2016.06.013 [PubMed] [referência cruzada]
El-Alfy AT, Ivey K., Robinson K., Ahmed S., Radwan M., Slade D., et al. . (2010) Efeito antidepressivo do delta9-tetrahidrocanabinol e outros canabinóides isolados de Cannabis sativa L. Pharmacol. Biochem. Behav. 95, 434 – 442. 10.1016 / j.pbb.2010.03.004 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
ElSohly M., Gul W. (2014). Constituintes da Cannabis sativa, no Manual de Cannabis, ed Pertwee RG, editor. (Nova York, NY: Oxford University Press;), 1093.
Englund A., Freeman TP, RM Murray, McGuire P. (2017). Podemos tornar a cannabis mais segura? Lancet Psychiatry 4, 643-648. 10.1016 / S2215-0366 (17) 30075-5 [PubMed] [referência cruzada]
Espejo-Porras F., Fernández-Ruiz J., Pertwee RG, Mechoulam R., Garcia C. (2013). Efeitos motores do canabidiol fitocanabinóide não psicotrópico mediado pelos receptores 5-HT1A. Neurofarmacologia 75, 155 – 163. 10.1016 / j.neuropharm.2013.07.024 [PubMed] [referência cruzada]
Esposito G., Scuderi C., Savani C., Steardo L., Jr., De Filippis D., Cottone P., et al. . (2007) O canabidiol in vivo enfraquece a neuroinflamação induzida por beta-amilóide pela supressão da expressão de IL-1beta e iNOS. Fr. J. Pharmacol. 151, 1272 – 1279. 10.1038 / sj.bjp.0707337 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Esposito G., Scuderi C., Valenza M., GI de Togna, V. Latina, De Filippis D., et al. . (2011) O canabidiol reduz a neuroinflamação induzida por Abeta e promove a neurogênese do hipocampo por meio do envolvimento do PPAR. PLoS ONE 6: e28668. 10.1371 / journal.pone.0028668 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Fagherazzi EV, Garcia VA, Maurmann N., T. Bervanger, Halmenschlager LH, Busato SB, et al. . (2012) Efeitos de resgate da memória do canabidiol em um modelo animal de comprometimento cognitivo relevante para distúrbios neurodegenerativos. Psicofarmacologia 219, 1133-1140. 10.1007 / s00213-011-2449-3 [PubMed] [referência cruzada]
Farooqui T., Farooqui AA (2011). Estresse oxidativo e inflamação mediada por lipídios na patogênese da doença de Parkinson. Parkinsons. Dis. 2011: 247467. 10.4061 / 2011 / 247467 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Flachenecker P., Henze T., Zettl, Reino Unido (2014). Espasticidade em pacientes com esclerose múltipla - características clínicas, tratamento e qualidade de vida. Acta Neurol. Scand. 129, 154 – 162. 10.1111 / ane.12202 [PubMed] [referência cruzada]
Garcia C., Palomo-Garo C., Garcia-Arencibia M., Ramos J., R. Pertwee, Fernandez-Ruiz J. (2011). Efeitos de alívio de sintomas e neuroprotetores do Delta do fitocanabinóide (9) -THCV em modelos animais da doença de Parkinson. Fr. J. Pharmacol. 163, 1495 – 1506. 10.1111 / j.1476-5381.2011.01278.x [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
García-Arencibia M., Gonzalez S., de Lago E., Ramos JA, Mechoulam R., Fernández-Ruiz J. (2007). Avaliação do efeito neuroprotetor dos canabinóides em um modelo de rato com doença de Parkinson: importância das propriedades antioxidantes e independentes dos receptores canabinóides. Cérebro Res. 1134, 162 – 170. 10.1016 / j.brainres.2006.11.063 [PubMed] [referência cruzada]
Giacoppo S., Bramanti P., Mazzon E. (2017a). Sativex no tratamento da espasticidade relacionada à esclerose múltipla: uma visão geral da última década de avaliação clínica. Mult. Scler. Relat. Desordem. 17, 22 – 31. 10.1016 / j.msard.2017.06.015 [PubMed] [referência cruzada]
Giacoppo S., Pollastro F., G. Grassi, Bramanti P., Mazzon E. (2017b). Regulação alvo da via PI3K / Akt / mTOR pelo canabidiol no tratamento da esclerose múltipla experimental. Fitoterapia 116, 77 – 84. 10.1016 / j.fitote.2016.11.010 [PubMed] [referência cruzada]
Gomes FV, ​​Del Bel EA, Guimarães FS (2013). O canabidiol atenua a catalepsia induzida por mecanismos farmacológicos distintos através da ativação do receptor 5-HT1A em camundongos. Prog. Neuropsychopharmacol. Biol. Psiquiatria 46, 43 – 47. 10.1016 / j.pnpbp.2013.06.005 [PubMed] [referência cruzada]
Gomes FV, ​​Llorente R., Del Bel EA, Viveros MP, Lopez-Gallardo M., Guimarães FS (2015). A diminuição da reatividade glial pode estar envolvida no efeito antipsicótico do canabidiol. Esquizofr. Res. 164, 155 – 163. 10.1016 / j.schres.2015.01.015 [PubMed] [referência cruzada]
Grlic L. (1976). Um estudo comparativo sobre algumas características químicas e biológicas de várias amostras de resina de cannabis. Touro. Narc. 14, 37 – 46.
Hampson AJ, M. Grimaldi, Axelrod J., Wink D. (1998). O canabidiol e o (-) Delta9-tetrahidrocanabinol são antioxidantes neuroprotetores. Proc. Natl. Acad. Sci. EUA 95, 8268 – 8273. 10.1073 / pnas.95.14.8268 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Hassan S., Eldeeb K., Millns PJ, Bennett AJ, Alexandre SP, Kendall DA (2014). O canabidiol aumenta a fagocitose microglial via ativação do canal do potencial receptor de transientes (TRP). Fr. J. Pharmacol. 171, 2426 – 2439. 10.1111 / bph.12615 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Hayakawa K., Mishima K., Hazekawa M., Sano K., Irie K., Orito K., et al. . (2008) O canabidiol potencia os efeitos farmacológicos do Delta (9) -tetrahidrocanabinol via mecanismo dependente do receptor CB (1). Cérebro Res. 1188, 157 – 164. 10.1016 / j.brainres.2007.09.090 [PubMed] [referência cruzada]
Hecker M., Paap BK, Goertsches RH, Kandulski O., Fatum C., Koczan D., et ai. . (2011) Reavaliação dos marcadores de expressão gênica do sangue para o prognóstico da esclerose múltipla recidivante-remitente. PLoS ONE 6: e29648. 10.1371 / journal.pone.0029648 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Hind WH, Inglaterra TJ, O'Sullivan SE (2016). O canabidiol protege um modelo in vitro da barreira hematoencefálica da privação de oxigênio-glicose através dos receptores PPARgama e 5-HT1A. Fr. J. Pharmacol. 173, 815 – 825. 10.1111 / bph.13368 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Hindocha C., Freeman TP, Schafer G., Jardineiro C., Das RK, Morgan CJ, et al. . (2015) Efeitos agudos do delta-9-tetrahidrocanabinol, canabidiol e sua combinação no reconhecimento de emoções faciais: um estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo em usuários de cannabis. EUR. Neuropsychopharmacol. 25, 325 – 334. 10.1016 / j.euroneuro.2014.11.014 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Hodges A., Strand AD, Aragaki AK, Kuhn A., Sengstag T., Hughes G., et al. . (2006) Alterações regionais e celulares da expressão gênica no cérebro da doença de Huntington. Murmurar. Mol. Genet 15, 965 – 977. 10.1093 / hmg / ddl013 [PubMed] [referência cruzada]
Iffland K., Grotenhermen F. (2017). Uma atualização sobre segurança e efeitos colaterais do canabidiol: uma revisão de dados clínicos e estudos relevantes em animais. Cannabis Cannabinoid Res. 2, 139 – 154. 10.1089 / can.2016.0034 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Iuvone T., Esposito G., Esposito R., Santamaria R., Di Rosa M., Izzo AA (2004). Efeito neuroprotetor do canabidiol, um componente não psicoativo da Cannabis sativa, na toxicidade induzida por beta-amilóide em células PC12. J. Neurochem. 89, 134 – 141. 10.1111 / j.1471-4159.2003.02327.x [PubMed] [referência cruzada]
Jacobs DS, Kohut SJ, Jiang S., Nikas SP, A. Makriyannis, Bergman J. (2016). Efeitos agudos e crônicos do canabidiol na disrupção induzida pelo Delta (9) -tetrahidrocanabinol (Delta (9) -THC) no desempenho da tarefa de sinal de parada. Exp. Clin. Psicofarmacol. 24, 320 – 330. 10.1037 / pha0000081 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Jankovic J. (2005). Flutuações motoras e discinesias na doença de Parkinson: manifestações clínicas. Mov Disord 20 (Suplemento 11), S11-S16. 10.1002 / mds.20458 [PubMed] [referência cruzada]
Juknat A., Rimmerman N., R. Levy, Vogel Z., Kozela E. (2012). O canabidiol afeta a expressão de genes envolvidos na homeostase do zinco em células microgliais BV-2. Neurochem. Int. 61, 923 – 930. 10.1016 / j.neuint.2011.12.002 [PubMed] [referência cruzada]
Kaplan JS, Stella N., Catterall WA, Westenbroek RE (2017). O canabidiol atenua convulsões e déficits sociais em um modelo de rato da síndrome de Dravet. Proc. Natl. Acad. Sci. EUA 114, 11229 – 11234. 10.1073 / pnas.1711351114 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Klockgether T. (2004) Doença de Parkinson: aspectos clínicos. Tecido Celular Res. 318, 115 – 120. 10.1007 / s00441-004-0975-6 [PubMed] [referência cruzada]
Kozela E., Pietr M., A. Juknat, Rimmerman N., Levy R., Vogel Z. (2010). Os canabinóides Delta (9) -tetrahidrocanabinol e canabidiol inibem diferencialmente as vias pró-inflamatórias NF-kappaB e interferon-beta / STAT ativadas por lipopolissacarídeos em células microgliais BV-2. J. Biol. Chem. 285, 1616 – 1626. 10.1074 / jbc.M109.069294 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Laprairie R., Bagher A., ​​M. Kelly, Denovan-Wright E. (2015). O canabidiol é um modulador alostérico negativo do receptor canabinóide CB1. Fr. J. Pharmacol. 172, 4790 – 4805. 10.1111 / bph.13250 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Lastres-Becker I., Hansen HH, Berrendero F., De Miguel R., Pérez-Rosado A., Manzanares J., et ai. . (2002) Alívio da hiperatividade motora e déficits neuroquímicos pela inibição da captação endocanabinoide em um modelo de rato da doença de Huntington. Sinapse 44, 23 – 35. 10.1002 / syn.10054 [PubMed] [referência cruzada]
Lastres-Becker I., F. Molina-Holgado, Ramos JA, R. Mechoulam, Fernandez-Ruiz J. (2005). Os canabinoides fornecem neuroproteção contra a toxicidade da 6-hidroxidopamina in vivo e in vitro: relevância para a doença de Parkinson. Neurobiol. Dis. 19, 96 – 107. 10.1016 / j.nbd.2004.11.009 [PubMed] [referência cruzada]
Laun AS, Song ZH (2017). GPR3 e GPR6, novos alvos moleculares para o canabidiol. Biochem. Biofísica Res. Comum. 490, 17 – 21. 10.1016 / j.bbrc.2017.05.165 [PubMed] [referência cruzada]
Lee JLC, Bertoglio LJ, Guimarães FS, Stevenson CW (2017). Regulação do processamento de memória emocional e emocional pelo canabidiol: relevância para o tratamento de transtornos relacionados à ansiedade e abuso de substâncias. Fr. J. Pharmacol. 174, 3242 – 3256. 10.1111 / bph.13724 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Lerner PP, Miodownik C., Lerner V. (2015). Discinesia tardia (síndrome): conceito atual e abordagens modernas à sua gestão. Clínica de Psiquiatria. Neurosci. 69, 321 – 334. 10.1111 / pcn.12270 [PubMed] [referência cruzada]
Leweke FM, Piomelli D., Pahlisch F., Muhl D., Gerth CW, Hoyer C., et al. . (2012) O canabidiol aumenta a sinalização da anandamida e alivia os sintomas psicóticos da esquizofrenia. Transl. Psiquiatria 2: e94. 10.1038 / tp.2012.15 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Long LE, Malone DT, Taylor DA (2006). O canabidiol reverte a perturbação induzida pelo MK-801 da inibição do prepulse em ratinhos. Neuropsicofarmacologia 31, 795-803. 10.1038 / sj.npp.1300838 [PubMed] [referência cruzada]
López-Sendón Moreno JL, J. Garcia Caldentey, Trigo Cubillo P., Ruiz Romero C., G. Garcia Ribas, Alonso Arias MA, et al. . (2016) Um estudo piloto, duplo-cego, randomizado, cruzado, controlado por placebo, com Sativex na doença de Huntington. J. Neurol. 263, 1390 – 1400. 10.1007 / s00415-016-8145-9 [PubMed] [referência cruzada]
MacDonald ME, Barnes G., Srinidhi J., Duyao MP, Ambrose CM, Myers RH, et al. (1993) Instabilidade gamética mas não somática do comprimento da repetição CAG na doença de Huntington. J. Med. Genet 30, 982 – 986. 10.1136 / jmg.30.12.982 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Martínez-Pinilla E., Varani K., Reyes-Resina I., Angelats E., Vincenzi F., Ferreiro-Vera C., et al. . (2017) Estudos de ligação e sinalização revelam um potencial sítio alostérico para o canabidiol em receptores canabinóides CB2. Frente. Pharmacol. 8: 744. 10.3389 / fphar.2017.00744 [referência cruzada]
Martín-Moreno AM, D. Reigada, Ramirez BG, Mechoulam R., Innamorato N., Cuadrado A., et al. . (2011) O canabidiol e outros canabinóides reduzem a ativação microglial in vitro e in vivo: relevância para a doença de Alzheimer. Mol. Pharmacol. 79, 964 – 973. 10.1124 / mol.111.071290 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Mason SL, Barker RA (2016). Farmacoterapia avançada para o tratamento da doença de Huntington: uma revisão da literatura existente. Expert Opin. Pharmacother. 17, 41 – 52. 10.1517 / 14656566.2016.1109630 [PubMed] [referência cruzada]
McColgan P., Tabrizi SJ (2018). Doença de Huntington: uma revisão clínica. EUR. J. Neurol. 25, 24 – 34. 10.1111 / ene.13413 [PubMed] [referência cruzada]
McGuire P., Robson P., Cubala WJ, Vasile D., Morrison PD, Barron R., et al. . (2018) O canabidiol (CBD) como uma terapia adjunta na esquizofrenia: um estudo multicêntrico randomizado controlado. Sou. J. Psiquiatria 175, 225 – 231. 10.1176 / appi.ajp.2017.17030325 [PubMed] [referência cruzada]
Mecha M., Torrao AS, Mestre L., Carrillo-Salinas FJ, Mechoulam R., Guaza C. (2012). O canabidiol protege as células progenitoras dos oligodendrócitos contra a apoptose induzida pela inflamação atenuando o stress do retículo endoplasmático. Morte Celular Dis. 3: e331. 10.1038 / cddis.2012.71 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Mechoulam R., Shvo Y. (1963). Haxixe - eu: a estrutura do canabidiol. Tetraedro 19, 2073 – 2078. 10.1016 / 0040-4020 (63) 85022-X [PubMed] [referência cruzada]
Meredith GE, Totterdell S., Potashkin JA, DJ Surmeier (2008). Modelagem da patogênese da DP em camundongos: vantagens de um protocolo de MPTP crônico. Parkinsonismo Relat. Desordem. 14 (Suplemento 2), S112 – 115. 10.1016 / j.parkreldis.2008.04.012 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Molderings GJ, Bonisch H., Hammermann R., Gothert M., Bruss M. (2002). Receptores inibidores da liberação de noradrenalina em células PC12 desprovidas de receptores alfa (2 (-)) e CB (1): semelhanças com receptores imidazolina e edg pré-sinápticos. Neurochem. Int. 40, 157 – 167. 10.1016 / S0197-0186 (01) 00076-6 [PubMed] [referência cruzada]
Morales P., Isawi I., Reggio PH (2018). Para uma melhor compreensão dos receptores órfãos relacionados com os canabinóides GPR3, GPR6 e GPR12. Drug Metab. Rev. 50, 74 – 93. 10.1080 / 03602532.2018.1428616 [PubMed] [referência cruzada]
Morales P., Reggio PH (2017). Uma atualização sobre os receptores acoplados à proteína g relacionados com canabinóides não CB1 e não CB2. Cannabis Cannabinoid Res. 2, 265 – 273. 10.1089 / can.2017.0036 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Murphy M., Mills S., Winstone J., Leishman E., Wager-Miller J., Bradshaw H., et al. (2017) O tratamento com delta do adolescente crônico (9) -tetrahidrocanabinol em camundongos machos leva a disfunção cognitiva e comportamental em longo prazo, que são prevenidas pelo tratamento concomitante com canabidiol. Cannabis Cannabinoid Res. 2, 235 – 246. 10.1089 / can.2017.0034 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Myers AM, Siegele PB, Foss JD, Tuma RF e Ward SJ (2018). Efeitos únicos e combinados de canabinóides derivados de plantas e sintéticos em cognição e sinais de abstinência associados a canabinóides em camundongos. Fr. J. Pharmacol. [Epub ahead of print]. 10.1111 / bph.14147 [PubMed] [referência cruzada]
Nielsen S., Germanos R., Weier M., Pollard J., Degenhardt L., Hall W., et al. . (2018) O uso de cannabis e canabinóides no tratamento dos sintomas da esclerose múltipla: uma revisão sistemática das revisões. Curr. Neurol Neurosci. Rep. 18: 8. 10.1007 / s11910-018-0814-x [PubMed] [referência cruzada]
Niranjan R. (2014). O papel dos mecanismos de estresse inflamatório e oxidativo na patogênese da doença de Parkinson: foco nos astrócitos. Mol. Neurobiol. 49, 28 – 38. 10.1007 / s12035-013-8483-x [PubMed] [referência cruzada]
Oeckl P., Ferger B. (2016). Aumento da suscetibilidade de camundongos deficientes em receptores 6 acoplados à proteína G à neurotoxicidade do MPTP. Neurociência 337, 218 – 223. 10.1016 / j.neuroscience.2016.09.021 [PubMed] [referência cruzada]
Oeckl P., Hengerer B., Ferger B. (2014). A deficiência de 6 do receptor acoplado à proteína G altera as concentrações de dopamina e cAMP do estriado e reduz a discinesia num modelo de ratinho da doença de Parkinson. Exp. Neurol 257, 1 – 9. 10.1016 / j.expneurol.2014.04.010 [PubMed] [referência cruzada]
Osborne AL, Solowij N., Weston-Green K. (2017). Uma revisão sistemática do efeito do canabidiol na função cognitiva: relevância para a esquizofrenia. Neurosci. Biobehav. Rev. 72, 310 – 324. 10.1016 / j.neubiorev.2016.11.012 [PubMed] [referência cruzada]
O'Sullivan SE, Sun Y., Bennett AJ, DM Randall, Kendall DA (2009). Ações vasculares dependentes do tempo do canabidiol na aorta de ratos. EUR. J. Pharmacol. 612, 61 – 68. 10.1016 / j.ejphar.2009.03.010 [PubMed] [referência cruzada]
Pan H., Mukhopadhyay P., Rajesh M., Patel V., Mukhopadhyay B., Gao B., et al. . (2009) O canabidiol atenua a nefrotoxicidade induzida pela cisplatina, diminuindo o estresse oxidativo / nitrosativo, a inflamação e a morte celular. J. Pharmacol. Exp. Ther. 328, 708 – 714. 10.1124 / jpet.108.147181 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Patti F., Messina S., C. Solaro, MP Amato, Bergamaschi R., Bonavita S., et ai. . (2016) Eficácia e segurança do cannabinoid oromucosal spray para espasticidade esclerose múltipla. J. Neurol. Neurocirurgia Psiquiatria 87, 944 – 951. 10.1136 / jnnp-2015-312591 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Pazos MR, N. Mohammed, Lafuente H., Santos M., Martinez-Pinilla E., Moreno E., et al. . (2013) Mecanismos de neuroproteção do canabidiol em suínos recém-nascidos hipóxicos-isquêmicos: papel dos receptores 5HT (1A) e CB2. Neurofarmacologia 71, 282 – 291. 10.1016 / j.neuropharm.2013.03.027 [PubMed] [referência cruzada]
Pedrazzi JF, Issy AC, Gomes FV, ​​Guimarães FS, Del-Bel EA (2015). Efeitos do canabidiol na interrupção da inibição do pré-pulso induzida pela anfetamina. Psicofarmacologia 232, 3057-3065. 10.1007 / s00213-015-3945-7 [PubMed] [referência cruzada]
Peres FF, Levin R., Suiama MA, Diana MC, Gouvea DA, Almeida V., et al. . (2016) O canabidiol previne deficiências motoras e cognitivas induzidas pela reserpina em ratos. Frente. Pharmacol. 7: 343. 10.3389 / fphar.2016.00343 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Perez-Reyes M., Timmons MC, Davis KH, Wall EM (1973). Uma comparação da atividade farmacológica no homem de delta9-tetrahidrocanabinol administrado por via intravenosa, cannabinol e canabidiol. Experientia 29, 1368 – 1369. 10.1007 / BF01922823 [PubMed] [referência cruzada]
Pertwee RG (2008) A farmacologia diversa do receptor CB1 e CB2 de três canabinóides vegetais: delta9-tetrahidrocanabinol, canabidiol e delta9-tetrahidrocanabivarina. Fr. J. Pharmacol. 153, 199 – 215. 10.1038 / sj.bjp.0707442 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Pertwee RG, Ross RA (2002). Receptores canabinóides e seus ligantes. Prostaglandinas Leukot. Essent. Ácidos Graxos 66, 101 – 121. 10.1054 / plef.2001.0341 [PubMed] [referência cruzada]
Rajan TS, Giacoppo S., Iori R., De Nicola GR, Grassi G., Pollastro F., et al. . (2016) Efeitos anti-inflamatórios e antioxidantes de uma combinação de canabidiol e moringina em macrófagos estimulados por LPS. Fitoterapia 112, 104 – 115. 10.1016 / j.fitote.2016.05.008 [PubMed] [referência cruzada]
Rekand T. (2014) THC: Spray CBD e sintomas de espasticidade MS: dados dos estudos mais recentes. EUR. Neurol 71 (Suplemento 1), 4 – 9. 10.1159 / 000357742 [PubMed] [referência cruzada]
Richter A., ​​Loscher W. (2002). Efeitos de manipulações farmacológicas de receptores de canabinoides sobre a gravidade da distonia em um modelo genético de discinesia paroxística. EUR. J. Pharmacol. 454, 145 – 151. 10.1016 / S0014-2999 (02) 02477-9 [PubMed] [referência cruzada]
Rock EM, Bolnini D., CL Limebeer, Cascio MG, S. Anavi-Goffer, Fletcher PJ, et al. . (2012) O canabidiol, um componente não psicotrópico da cannabis, atenua o vómito e o comportamento semelhante a náuseas através do agonismo indirecto dos autoreceptores somatodendríticos 5-HT (1A) no núcleo dorsal da rafe. Fr. J. Pharmacol. 165, 2620 – 2634. 10.1111 / j.1476-5381.2011.01621.x [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Ross RA (2003). Receptores anandamida e vanilóide TRPV1. Fr. J. Pharmacol. 140, 790 – 801. 10.1038 / sj.bjp.0705467 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Ross RA (2009). A farmacologia enigmática do GPR55. Trends Pharmacol. Sci. 30, 156 – 163. 10.1016 / j.tips.2008.12.004 [PubMed] [referência cruzada]
Russo EB, Burnett A., Salão B., Parker KK (2005). Propriedades agonistas do canabidiol nos receptores 5-HT1a. Neurochem. Res. 30, 1037 – 1043. 10.1007 / s11064-005-6978-1 [PubMed] [referência cruzada]
Russo E., Guy GW (2006). Um conto de dois canabinóides: a lógica terapêutica para combinar o tetrahidrocanabinol e o canabidiol. Med. Hipóteses 66, 234 – 246. 10.1016 / j.mehy.2005.08.026 [PubMed] [referência cruzada]
Russo M., De Luca R., Torrisi M., Rif C, Sessa E., Bramanti P., et al. . (2016) Devemos nos preocupar com os efeitos neurocomportamentais induzidos pelo sativex? Um estudo de seguimento de meses 6. EUR. Rev. Med. Pharmacol. Sci. 20, 3127 – 3133. [PubMed]
Ryberg E., Larsson N., Sjogren S., H. S., Hermansson NO, Leonova J., et al. . (2007) O receptor órfão GPR55 é um novo receptor canabinóide. Fr. J. Pharmacol. 152, 1092 – 1101. 10.1038 / sj.bjp.0707460 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Saft C., von Hein SM, Luke T., Thiels C., Peball M., Djamshidian A., et al. . (2018) Canabinóides para tratamento da distonia na doença de Huntington. J. Huntingtons Dis. [Epub ahead of print]. 10.3233 / JHD-170283 [PubMed] [referência cruzada]
Sagredo O., Pazos MR, Satta V., JA Ramos, Pertwee RG, Fernández-Ruiz J. (2011). Efeitos neuroprotetores de medicamentos à base de fitocanabinoides em modelos experimentais da doença de Huntington. J. Neurosci. Res. 89, 1509 – 1518. 10.1002 / jnr.22682 [PubMed] [referência cruzada]
Sagredo O., Ramos JA, Decio A., Mechoulam R., Fernández-Ruiz J. (2007). O canabidiol reduziu a atrofia estriatal causada pelo ácido 3-nitropropiônico in vivo por mecanismos independentes da ativação dos receptores canabinoides, vanilóides TRPV1 e adenosina A2A. EUR. J. Neurosci. 26, 843 – 851. 10.1111 / j.1460-9568.2007.05717.x [PubMed] [referência cruzada]
Sánchez-Lopez F., Tasset I., Aguera E., Feijoo M., Fernández-Bolanos R., Sánchez FM, et ai. . (2012) Estresse oxidativo e biomarcadores de inflamação no sangue de pacientes com doença de Huntington. Neurol Res. 34, 721 – 724. 10.1179 / 1743132812Y.0000000073 [PubMed] [referência cruzada]
Sandyk R., Snider SR, Consroe P., Elias SM (1986). Canabidiol em distúrbios do movimento distônico. Psiquiatria Res. 18: 291. 10.1016 / 0165-1781 (86) 90117-4 [PubMed] [referência cruzada]
Santos NA, Martins NM, FM Sisti, Fernandes LS, RS Ferreira, Queiroz RH, et al. . (2015) A neuroprotecção do canabidiol contra a toxicidade induzida por MPP (+) em células PC12 envolve receptores trkA, regulação positiva de proteínas axonais e sinápticas, neuritogénese e pode ser relevante para a doença de Parkinson. Toxicol 30 in vitro (1 Pt B), 231 – 240. 10.1016 / j.tiv.2015.11.004 [PubMed] [referência cruzada]
Sartim AG, Guimarães FS, Joca SR (2016). Efeito antidepressivo da injeção de canabidiol no córtex pré-frontal medial ventral - Possível envolvimento dos receptores 5-HT1A e CB1. Behav. Cérebro Res. 303, 218 – 227. 10.1016 / j.bbr.2016.01.033 [PubMed] [referência cruzada]
Schapira AH, Cooper JM, Dexter D., Clark JB, Jenner P., Marsden CD (1990). Deficiência do complexo mitocondrial I na doença de Parkinson. J. Neurochem. 54, 823 – 827. 10.1111 / j.1471-4159.1990.tb02325.x [PubMed] [referência cruzada]
Schiavon AP, Soares LM, Bonato JM, Milani H., Guimarães FS, Weffort de Oliveira RM (2014). Efeitos protetores do canabidiol contra a morte celular hipocampal e o comprometimento cognitivo induzido pela oclusão da artéria carótida comum bilateral em camundongos. Neurotico Res. 26, 307 – 316. 10.1007 / s12640-014-9457-0 [PubMed] [referência cruzada]
Schrag A., Horsfall L., Walters K., Noyce A., Petersen I. (2015). Apresentações pré-diagnóstico da doença de Parkinson na atenção primária: um estudo caso-controle. Lancet Neurol. 14, 57 – 64. 10.1016 / S1474-4422 (14) 70287-X [PubMed] [referência cruzada]
Sonego AB, Gomes FV, ​​Del Bel EA, Guimarães FS (2016). O canabidiol atenua a expressão da catalepsia induzida pelo haloperidol e da proteína c-Fos no estriado dorsolateral via receptores 5-HT1A em camundongos. Behav. Cérebro Res. 309, 22 – 28. 10.1016 / j.bbr.2016.04.042 [PubMed] [referência cruzada]
Stern CAJ, da Silva TR, Raymundi AM, de Souza CP, Hiroaki-Sato VA, Kato L., et al. . (2017) O canabidiol interrompe a consolidação de memórias de medo específicas e generalizadas via hipocampo dorsal dos receptores CB1 e CB2. Neurofarmacologia 125, 220 – 230. 10.1016 / j.neuropharm.2017.07.024 [referência cruzada]
Tysnes OB, Storstein A. (2017). Epidemiologia da doença de Parkinson. J. Neural Transm. 124, 901 – 905. 10.1007 / s00702-017-1686-y [PubMed] [referência cruzada]
Valdeolivas S., Sagredo O., Delgado M., Pozo MA, Fernández-Ruiz J. (2017). Efeitos de uma combinação similar de sativex de fitocanabinóides na progressão da doença em camundongos R6 / 2, um modelo experimental de doença de Huntington. Int. J. Mol. Sci. 18: E684. 10.3390 / ijms18040684 [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Valdeolivas S., Satta V., Pertwee RG, Fernández-Ruiz J., Sagredo O. (2012). A combinação Sativex-like de fitocanabinóides é neuroprotetora em ratos lesionados por malonato, um modelo inflamatório da doença de Huntington: papel dos receptores CB1 e CB2. ACS Chem. Neurosci. 3, 400 – 406. 10.1021 / cn200114w [artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Valvassori SS, Bavaresco DV, Scaini G., Varela RB, Streck EL, MH Chagas, et al. . (2013) A administração aguda e crônica de canabidiol aumenta a atividade do complexo mitocondrial e da creatina quinase no cérebro de ratos. Rev. Bras. Psiquiatr. 35, 380 – 386. 10.1590 / 1516-4446-2012-0886 [PubMed] [referência cruzada]
Watzl B., Scuderi P., Watson RR (1991). Influência de componentes de maconha (THC e CBD) na secreção de citocinas de células mononucleares humanas in vitro, em editores de Drugs of Abuse, Immunity e Immunodeficiency, eds Friedman H., Klein TW, Specter S. (Boston, MA: Springer;), 63 – 70. [PubMed]
Weiss L., Zeira M., Reich S., Har-Noy M., Mechoulam R., Slavin S., et ai. . (2006) O canabidiol diminui a incidência de diabetes em ratos diabéticos não obesos. Autoimunidade 39, 143 – 151. 10.1080 / 08916930500356674 [PubMed] [referência cruzada]
Wright MJ, Jr, Vandewater SA, Taffe MA (2013). O canabidiol atenua déficits de memória associativa visuoespacial induzida pelo tetraidrocanabinol Delta (9). Fr. J. Pharmacol. 170, 1365 – 1373. 10.1111 / bph.12199 [Artigo livre de PMC] [PubMed] [referência cruzada]
Zhang XY, YL Tan, Zhou DF, Cao LY, GY Wu, Haile CN, et al. . (2007) Atividade enzimática antioxidante interrompida e produtos elevados de peroxidação lipídica em pacientes esquizofrênicos com discinesia tardia. J. Clin. Psiquiatria 68, 754 – 760. 10.4088 / JCP.v68n0513 [PubMed] [referência cruzada]
Zuardi AW (2008). Canabidiol: de um canabinóide inativo a um medicamento com amplo espectro de ação. Rev. Bras. Psiquiatr. 30, 271 – 280. 10.1590 / S1516-44462008000300015 [PubMed] [referência cruzada]
Zuardi AW, Crippa JA, Hallak JE, JP Pinto, Chagas MH, Rodrigues GG, et al. . (2009) Canabidiol para o tratamento da psicose na doença de Parkinson. J. Psychopharmacol. 23, 979 – 983. 10.1177 / 0269881108096519 [PubMed] [referência cruzada]

Tópicos adicionais: Dor nas costas

Dor nas costas é uma das causas mais comuns de incapacidade e dias perdidos no trabalho em todo o mundo. De fato, a dor nas costas tem sido atribuída como a segunda razão mais comum para visitas a consultórios, superada apenas por infecções respiratórias superiores. Aproximadamente 80 por cento da população experimentará algum tipo de dor nas costas pelo menos uma vez ao longo da vida. A coluna é uma estrutura complexa composta de ossos, articulações, ligamentos e músculos, entre outros tecidos moles. Por causa disso, lesões e / ou condições agravadas, como hérnia de discos, pode eventualmente levar a sintomas de dor nas costas. Lesões esportivas ou acidentes automobilísticos geralmente são a causa mais frequente de dor nas costas, no entanto, às vezes, o mais simples dos movimentos pode ter resultados dolorosos. Felizmente, opções alternativas de tratamento, como quiropraxia, podem ajudar a aliviar a dor nas costas através do uso de ajustes espinhais e manipulações manuais, melhorando o alívio da dor.

TÓPICO EXTRA IMPORTANTE: Low Low Pain Management

MAIS TÓPICOS: EXTRA EXTRA: Dor Crônica e Tratamentos

Publicações Recentes

Nem todos os alimentos são benéficos para a saúde óssea e prevenção da osteoporose

Existem certos alimentos que, embora saudáveis, para indivíduos que tentam prevenir a osteoporose, eles poderiam… Sabe mais

7 de agosto de 2020

Exercício de natação sem impacto para dor nas costas, lesões e reabilitação

Estudos revelam que natação e exercícios aquáticos podem ajudar no alívio da dor nas costas. Feito corretamente ... Sabe mais

6 de agosto de 2020

Opções de tratamento para fraturas da compressão medular

Procedimentos cirúrgicos minimamente invasivos podem ser usados ​​para tratar fraturas da compressão medular. Esses procedimentos são… Sabe mais

5 de agosto de 2020

Qual é o papel da glutationa na desintoxicação?

Antioxidantes como resveratrol, licopeno, vitamina C e vitamina E podem ser encontrados em muitos alimentos.… Sabe mais

4 de agosto de 2020

Plano de prevenção da osteoporose

A prevenção da osteoporose pode ser realizada, mesmo com um diagnóstico de osteoporose. Há etapas junto com… Sabe mais

4 de agosto de 2020
Registro de novo paciente
Ligue-nos hoje 🔘